quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Preguiça... ou outras opções... ou "tudo junto e misturado"


1. Crédo... faz tempo que não apareço por aqui! Acho que já ocorreu anteriormente de me ausentar, um  quase-fugir ou me 'esconder', mas não tanto assim como desta vez... É que agora o 'Face' ficou muito mais "disponível", ágil para se postar. Tenho Twitter e Instagram também, mas outros profissionais contratados (empresa M2OC) utilizam estes Apps em meu nome,  para promover a GARAGE barbearia. O que 'todo mundo' está utilizando com todos os exageros que tem direito, é o tal de WhatsApp (ou Telegram, em menor escala - ou quando algum juiz iluminado resolve proibir o zap-zap...). Eu já acho que tanta rede social e que-tais são também muita perda de tempo, e bendito o dia em que eu jogar tudo isso fora...  É a (pós-)modernidade avassaladora, em altíssima velocidade a refazer-se, reinventar-se, reformar-se, transformar tudo e todos. 

2. Também tenho penado um tanto, desde o fim do ano passado, com as minhas dores nas costas, pernas e pés. Eu acho que estas polifacetadas e multiformes dores (que variam ao longo do dia - e noite - em amplitude, localização estrutural e extensão conforme a temperatura e a pressão barométrica, aparentemente...) vieram para ficar, pois com relação a osteoartrite, desabamento do arco plantar e esporão não se tem muito o que fazer a não ser Pilates, fisioterapia e tomar remédios... Ou seja, gerir os problemas, pois 'cura' é algo muito relativo. Manter um nível digno de qualidade de vida já vai ser muita conquista no meu caso!

3. Já estou algo saudoso da minha barba...  Cortei para variar um pouco, e depois de algumas experiências estéticas que se revelaram improdutivas para o meu tipo de barba. Tenho falado àqueles que perguntam de um "porquê" d'eu ter retirado o masculino adereço uma ocorrência verídica ocorrido recentemente: uma mulher perguntou à Ruth se "o pai dela (eu... imagine só!) estaria em casa"... Antes que alguém pergunte se o avô dela viria a estar na residência, cortei a barba. Existe outra versão narrativa/explicativa mais 'machista', light, mas conto só aos amigos e não seria próprio neste espaço... Alguns dizem que 'remocei', mas digo que talvez tenha ficado menos velho, pois com 62 anos, ora vejam!

4. Hoje é dia de comer pastel de verduras na Feira do Produtor. Quando o pessoal faz a guloseima no Lar São Vicente de Paulo costumo prestigiar... Adoro!

5. Parece que meus filhos virão no fim do ano no aniversario de 90 anos do meu pai. Que bom, devemos curtir os velhos antes que se vão, pois depois não adianta arrependimento! Fomos neste fim de semana os 5 filhos ficar com o velho no dia dos Pais. Ótimo como sempre...

6. O provedor de internet/telefonia/TV aqui de casa tem estado com problemas. O dono, meu amigo, é um Lorde mas não sei se digitalização de tudo - principalmente a TV - está deixando o serviço algo caótico. Não chamo mais a assistência técnica. I give up.

7. Comprei na Livraria Saraiva os livros do blockbuster The Game of Thrones, de George R. R. Martin, por um preço bem baixo, pois estava em promoção e eu tinha descontos de aquisições anteriores. Não é que é muito bem escrito? E tendo já assistido na TV as diversas temporadas, a visualização dos personagens fica bem facilitada! A noticia ruim é que a mega-loja da Saraiva que havia no Shopping Iguatemi foi desmontada, e deixada em seu lugar uma loja com um quarto da dimensão da anterior em seu lugar. Que choque, pois toda vez que ia a Campinas era roteiro obrigatório de visita. 'Cansei' de comprar livros e vídeos lá! As coisas tem mudado muito ultimamente, e a velocidade está aumentando...

quinta-feira, 30 de março de 2017

'Ser forte' ou 'convivendo com o dolorido'...

Pensata obtida agora ( via Google Images ) de
https://br.pinterest.com/pin/177540410284475691/

Olhem o que achei no Pinterest... Um bom momento de reflexão, que combina 'escolhas' com 'ser forte', não importa o que a pessoa compreenda como ter 'força'. Resiliência é um termo moderno que tenho visto associado com esta idéia, mas ela, ter força/ser forte, é tão antiga quando a humanidade. É um aprendizado que todo vivente deve assimilar, e transcende as eras de tão vital. Creio que o humano do Homem é muito caracterizado por esta virtude, senão não chegaríamos onde chegamos. Óbvio que existem outras honrosas qualidades das pessoas e/ou comunidades, mas viver é, em grande parte, confrontar dificuldades e obstáculos, e 'vencemos' se temos certa espécie de fundamentada determinação para enfrentar eficazmente estes cotidianos desafios.

O aforisma acima alude a uma condição que reza mais ou menos assim - "você nunca sabe quão forte és, até ser forte ser a única escolha que você tem". Quantos de nós não pensou (e efetivou) em desistir/fugir frente a determinada situação? Depois, muita vezes, se escolhemos 'entregar os pontos', ocorre o arrependimento, a baixa auto-estima, a decepção, a descrença, etc.  Ou seja, condições mentais que não ajudam a compreender globalmente o que realmente ocorreu. Todas as coisas que se nos ocorrem são 'datados' - constituem nosso entorno precisamente em contextos complexos que envolvem muitos aspectos e dimensões que nos determinam, boa parte, não sendo levado em conta na hora de agir.

Aprendi com um antigo filósofo Clássico (o grego estóico Epiteto ) que não são as dificuldades ou as coisas em si que são problemas, e sim o modo, a maneira com a qual vemos/pensamos estas coisas/dificuldades. Creio,  deste modo, que 'ser forte' é um aprendizado, um modo de atuar, de aplicar as coisas. Uma espécie de método, por assim dizer, de lidar com os desafios, obstáculos, problemas que todos enfrentamos. 

Um problema vital que se enfrenta mais dia ou menos dia é o da dor. Certo que a representação desta vivência, mais (ou menos) enredada em suas possíveis dimensões, com o corpóreo, com o físico - o fato é que é complicado estabelecer muitas vezes fronteiras entre a dor física, psicológica ou mesmo espiritual, assumem alguns, e vemos que 'dor' é sentida pela pessoa como um amálgama ou confluência de muitas dimenssões de sofrimento.

Outro dia ouvi que é uma grande bênção para alguém envelhecer depois que se torna sábio, e que constitui certo infortúnio quando se fica velho antes de ter adquirido a sabedoria. Agradeço aos Céus ter aprendido um pouco desta virtude, pois consigo encarar as minhas  dificuldades de modo a não as 'catastrofizar' desnecessariamente, ou seja, ve-las mais complicadas do que realmente são. Considero até que sou muito abençoado, pois constato que não tenho ou tive lancinantes problemas em minha vida. Minha biografia tem muito de ordinário ( querendo aqui significar, segundo o Houaiss, "conforme ao costum e, à ordem normal; comum" )...
 
Ultimamente tenho dificuldades de saúde que envolvem dor física, resultados da idade ou da carga de exercícios atleticos que realizei - com grande satisfação - em grande parte de minha vida. Consigo ver agora o enorme potencial danoso que estas condições possuem para minar o nosso temperamento. A constância da dor é excruciante. Tenho obtido algum sucesso em lidar com estas limitações via exercícios, remédios, mas o mais relevante vejo que é minha disposição em encarar de modo positivo (conquanto se possa considerar  alguma 'positividade' em dor física...) estas situações de (falta de) saúde. 

O 'simples'  fato de entender o que sucede já é um passo em lidar construtivamente com o dorido vivenciar da condição. A falta de rumo ou perseguir caminhos errôneos faz mais desabrido nosso sofrer. Muitas estratégias são divisadas, mas poucas com sucesso se não fazemos o 'dever de casa'...

De minha parte, complemento necessariamente as ações técnicas com o aperfeiçoamento da intelecção de todo o panorama que vivencio. Sou também abençoado em ter uma esposa fisioterapeuta, que está habitualmente à minha disposição para aplicar procedimentos  necessários ou possíveis. Mas a disposição do espírito é o que mais me faz lidar proficuamente com minhas limitações. Procuro entender o contexto todo, e vejo que sou muito aquinhoado pela Providência. Creio, assim, retomando o que falei no início deste ensaio, que "ser forte" constitui-se precisamente num conjunto de ações multidimensionais e interconectadas que revelam o preparo disposicional que a pessoa detem para lidar com sua idiossincrática determinação, e isso - ser forte - somente a pessoa pode ser.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Relembranças...

Eu e Tia 'Consolita', nos anos 80...

Uma coisa muito boa aqui na GARAGE é poder garatujar, garabulhar algumas linhas, enquanto a clientela não aparece. Eu tenho curtido ficar sozinho com meus pensamentos, escutando boa música, coisa que fiz muito na adolescência - eu era meio sorumbático, macambúzio. Mas acho que os outros pensavam mesmo que eu era atormentado...

Esta tia, já falecida, irmã de minha mãe, de nome Consolação Aparecida Vieira de Souza, era uma figura. Ajudou muito a cuidar de mim e dos meus irmãos, e tinha um coração de ouro. Era muito divertida, apesar dos problemas de saúde. Lembro até hoje de muitos episódios... (Eu e meus irmãos, além dos primos, 'zoávamos' muito com ela; perceberam que eu estou fazendo 'chifrinhos' nela na foto, não?) Tinha uma paciência de Jó. Nunca se casou, mas parecia que não era problema para ela; talvez porisso que era feliz... Os muitos sobrinhos a paparicavam muito; era  um 'serhumaninho' muito solícito. As muitas irmãs, além dos amigos e amigas, a estimavam muito!

Quando penso em mulher forte, que enfrenta, guerreira, batalhadora, lembro dela. Gostava de conversar com ela. Lamento não ter apreciado muito de sua sabedoria e personalidade, pois era muito bocó, molecão e imaturo. Depois a gente cresce e vai fazer faculdade, e ficamos pretensiosos. Uma pena.

As pessoas vem e vão em nossa vida e, como uma lição atroz, as apreciamos com mais justeza depois que se vão. 

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Reminiscências...





Relembro aqui agora, resumidamente, minha trajetória rumo à Paz... meu maior bem.

A minha subjetvidade considero ter iniciada na adolescência, quando quedei-me um ser de relações, situado num pré-determinado mundo complexo que, para mim, assim apresentava-se como quase-incognoscível... Tive que me esforçar por muito tempo em examinar minha condição, auxiliado por numerosas leituras e reflexão minudente sobre meu entorno e suas determinações. Passava “horas” sentado, como em meditação, enredado em dilemas, mormente existenciais...



Quando pude colocar certa ordem na bagunça solipsista/subjetivista, pude então considerar os múltiplos assuntos de modo mais tranquilo, sem o bulício característico da juventude. Felizmente nesta empreitada pude ter o concurso da doutrina Zen-budista da Escola japonesa Soto, que exige certa disciplina e rigor intelectual.  Sim, porque sabia que sem sistema ou uma espécie de ‘barra de ferro’ não conseguiria sair do nevoeiro sem danos ou arrependimentos. Posso dizer que, malgrado certo distanciamento e modos ensimesmados que deixavam os circunjacentes algo encafifados, meu empreendimento foi vitorioso. Nunca me aproximei de certas modas ou paixões que devastam tanto o corpo como a alma, como diuturnamente observamos em certas criaturas, abandonadas à própria sorte, que se extraviam inapelavelmente em ‘viagens’ por vezes sem volta.



Resolver fazer posteriormente o curso de Psicologia me auxiliou a sedimentar os rudimentos de uma metodologia de entendimento da realidade mais palatável, dada as minhas notórias limitações. Intuí que duas disciplinas acadêmicas acessórias iriam me facilitar no assimilar de uma enormidade de conhecimento daquele campo do saber, em pouco tempo: Metodologia Científica e Estudos da Linguagem. Fiquei feliz ao ver, ao longo dos anos, o acerto de minha intuição. Realmente dominei um amplo espectro de habilidades que me favoreceram muito em meu fazer profissional.  E minha mente, não obstante as dificuldades de trabalho, dos casamentos e da saúde por vezes precária, ficou gradualmente mais pacificada, culminando em meu reconciliar tardio com o Pai Celestial, pela Graça imerecida, que detenho desde então. Ter Paz é tudo o que importa, ao fim e ao cabo.

sábado, 14 de janeiro de 2017

Osteoartrite (artrose)


Imagem obtida agora (via Google Images) de
http://www.hipandkneesurgery.ie/osteoarthritis.html

Sim... descobri que tenho osteoartrite (no local ilustrado acima). Aquelas dores difusas que andava sentindo após muita atividade, incluindo por vezes levantar peso, subir escadas, 'ferrugem' etc. depois foram ficando mais definidas, no fim do ano passado. Não consegui (ainda que tenha um ótimo convênio médico da Santa Casa Saúde) à época marcar consulta com ortopedista aqui na minha cidade, somente conseguindo atendimento numa cidade vizinha, felizmente com um médico muito bom. 
Após os exames específicos (os exames de praxe que faço rotineiramente para controle continuam - Graças ao Pai Celestial - não acusando nenhuma alteração!!), que foram alguns raios-X e certos movimentos executados pelo médico confirmamos o diagnóstico. Estou tomando somente colágeno, pois não quero saber de analgésicos ou anti-inflamatórios. Continuo não gostando de tomar drogas, a não ser quando estritamente determinado pelo médico em tratamentos. Complemento esta terapia fazendo regime (preciso perder pelo menos 20% do meu peso) e frequentando um Studio de Pilates 3 vezes por semana (felizmente existe um muito bom, quase em frente à minha residência). Já sinto melhoras sutis, pela iniciante estabilização das estruturas envolvidas.
 Hoje dia temos muita informação disponível via internet e, sabendo pesquisar, encontramos sites ótimos, acreditados. Fica mais fácil saber como proceder. Fico grato a Deus pelo modo como as coisas vão se desenrolando... Comprei uma bengala para enfrentar o desafio, mas não tenho precisado da ferramenta a todo momento. Interessante como a intensidade das dores flutuam ao longo do dia... Tem vezes que, depois de ficar sentado um tempo (quase não consigo ficar parado em pé) até começar a movimentar é algo ruinoso... Os ossos estralam (a turma do Pilates graceja e diz que somos 'crocantes'...) e curtimos nossa 'ferrugem' com estoicismo. Mas Deus sabe que em tudo sou muito grato a Ele e nunca seria capaz de formular algum tipo de reclamo. Mesmo nisto tudo consigo divisar as  muitas bênçãos imerecidas que sou detentor. 
É, a velhice chegou; estou a formular ponderações sobre questões da idade... Mas o melhor de tudo isso é que ficamos melhores 'filósofos' !
 

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Morte...

Gravura obtida agora (via Google Images) de
http://ilovehdwallpapers.com/view-phases-of-life-from-birth-to-death-2560x1600.html

Êita assuntinho que ninguém gosta de conversar. Quando se é jovem, pouco se pensa sobre o tema, a não ser quando confrontado inapelavelmente com ela - habitualmente para o jovem imagina-se que está muito longe de acontecer isso com a pessoa; então, para quê se preocupar... 

Mas à medida que envelhecemos, qualquer morte - relatada, anunciada, vilusbrada, enfrentada, etc - aparece como um lembrete de que ela nos espreita mais à frente, e isso maximiza-se se não temos boa saúde, passamos por algum 'perrengue', ou pertencemos a qualquer grupo de risco. 

Eu acho que pertenço a uma minoria - sempre pensei na dita-cuja, principalmente porque sempre me sentia muito vivo, e a morte parece bem ser o contrário disso. Acho que já contei aqui ou noutro lugar: depois que estudei diversos temas (principalmente os de cunho espiritual), vi que 'morte' pode ser concebida, com maior ou menor rigor epistemológico, como o contrário do nascer, e não necessariamente como o contrário da 'vida', não importa como se postule (também com maior ou menor rigor) o fenômeno da animação da matéria. 

Ocorre que ainda sabemos pouco sobre o que significa 'vida' ou matéria animada, vivente, com toda a multiplicidade e multidimensionalidade que implica; então, creio que a cessação destes processos e fenômenos do ter 'vida'/viver (ou, no humano do homem, existir) carrega/acarreta a mesmas dificuldades de compreensão e 'indefinições'.

Quando falece um aparentado ou amigo, logo após as exéquias voltamos nossas preocupações para as problemáticas mais prementes ou interessantes, visto que, quanto ao falecido, enterrado está, e em geral as coisas vão se resolvendo, tanto mais (ou menos) aproximada a pessoa do extinto. Quero dizer que, quanto à morte, nosso nível de preocupação ou consideração assemelha-se ao chiste   '...morreu? antes ele do que eu...' , pois pouco se pode fazer - dizemos a nós mesmos - frente à morte, a não ser aceita-la. Como ensinou Benjamin Franklin, ao lado dos impostos, é a morte a outra das duas únicas certezas que temos nesta 'vida'...

Esta pachorra em pensar o morrer nos faz ter sempre a mesma atitude nas suas diuturnas ocorrências: uma modorrenta consideração, apassivada e despicienda.

Alguns se apavoram, pelo inexoravel confronto com o desconhecido, e se assanham em divisar, com maior ou menor rigor uma 'explicação' que preencha o vazio do entendimento, ao mesmo tempo que acalme os temores da possível confrontação, mais dia, menos dia. 

Esta é a nossa compatilhada 'maldição' da posse da intelecção: saber-se finito, encerrável, esquecível (ainda que não se saiba a hora)... Vade retro!