sábado, 28 de abril de 2012

Rimbaud, Arthur (20/10/1854 - 10/11/1891) Poeta.

foto obtida de
http://bit.ly/IIdXuI
nesta data

Comprei recentemente interessante volume de uma editora fantástica, a L&PM, que que nos brinda com muitas obras importantes. De autoria de Jean-Baptiste Baronian, tem o nome de 'Rimbaud' (Porto Alegre: L&PM, 2011 - Coleção L&PM Pocket, vol. 975, 224 p.) com bem cuidada tradução de Joana Canêdo, e traz uma ótima ilustração da atormentada vida deste importante bardo francês, falecido precocemente. Quem quiser saber mais do sensível vate, pode inspecionar também os endereços http://bit.ly/KltD46 e http://bit.ly/3pHXY7.

Para quem deseja conhecer melhor a si e ao próximo, este tipo de literatura me parece importante. Faz-nos ver que todos, homens e mulheres, somos muito parecidos, e o quanto carecemos de instrução e aconselhamento, em especial na juventude. E também nos faz meditar num tipo de discurso - ou fala? - (no caso, o poético) que remete direto ao coração, importante nestes 'tempos pós-modernos', como se lê por aí (nem sei mais o que este termo efetivamente abarca, para ser sincero...). 

Últimas notícias... Compramos as passagens para a viagem de julho que faremos para conhecer a netinha Noemia Dutra. Vou rever o imenso aeroporto de Dallas em Fort Worth (http://www.dfwairport.com), na conexão para Los Angeles (eles moram em Fresno, CA).

Na próxima quinzena deveremos mudar de domicílio - vamos, Ruth e eu, para uma casa no centro da cidade. Estamos 'naquela' expectação... Espero publicar alguns posts antes da mudança, mas se ficarmos ausentes um tanto, é a mudação... período de certo aborrecimento, mas com a vantagem de deitar fora muitas 'excrescências' que vamos acumulando ao longo dos anos!

Agora, planejar aulas, produzir material didático, ler, programar o fim de semana (vou trabalhar todo o domingo, amanhã, num concurso...) e a 'semana furada' subsequente.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

docência...


foto obtida agora de
http://www.betomenezes.biz/?p=462
(também homenageando o grande Chico Anísio...)


Grande tarefa, a de colaborar para o aprendizado (ia dizer 'ensinar', mas acho que este é um termo complicado - quem se ensina é a pessoa; pode ser assim quanto mais pequeno é o aprendiz mas, quanto mais maduro fica o aluno, menos o professor 'ensina'... Por isso gosto de dizer que eu sou um 'educador' - um facilitador da aprendizagem, um colaborador que, além de técnicas e modos de pensar veicula também valores...).

Quanto mais trabalho nesta área (já se vão quase 35 anos... meu primeiro emprego foi na Universidade Metodista de Piracicaba, campus de Santa Bárbara do Oeste, SP) vejo quanto posso aprender. O grande problema hoje é (paradoxalmente, ainda que não para todas os estratos sociais e educandos), em especial para o ensino de terceiro grau, o excesso de informação, de fontes, de meios, de 'entendidos', de especialistas, de saberes e ''saberes". 

Preocupo-me muito com a formação de meus alunos, mas vejo que os mesmos não tem tanta assistência neste mister como seria necessário.  Hoje estava vendo/refletindo uma discussão interessante sobre a temática (veja em http://bit.ly/I5DA8E ) e vejo como é por demais complexa. Aqui, mais do que muitos outros assuntos, não cabe reducionismos, simplismos.

Creio que, para o docente, o labor de educar, donde também ele ou ela obtém a subsistência, acaba confundindo-se com o diuturno significar de sua existência. Como que não se deixa de ser docente quando a aula acaba - os valores humanos (portanto existenciais) que embasam o fazer do professor em sala de aula acompanham-no no trajeto para casa, no clube, nas demais coisas se faz no resto do dia - o educador vive sempre no 'fio da navalha', confrontado com a vida que o interpela, ali e acolá. Digo: se ele ou ela não se questiona a todo momento, já se alienou...

Na verdade, a escola é um fenômeno humano que não prepara somente para uma profissão, um complexo ofício, mas para um viver, ou seja, um modo de vivenciar a própria vida, que é em si interconectada, imbricada, compartilhada.  Enquanto as pessoas, com todos os seus papéis, não se conscientizarem desta verdade, o espaço da Escola (que, além do prédio e suas facilidades constitui-se com a burocracia e do conjunto de alunos, funcionários e professores - mas que se expressa muito mais do que esta simples somatória...) será visto de modo deturpado, ilusório.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Primeira Comunhão de Lívia, e PHOTOFUNIA!


Ruth, Firmina, Liv, José Antonio, Ana Laura e Geraldo

Fomos a Rio Claro neste domingo p.p. para prestigiar a cerimonia de Primeira Comunhão da Liv, Bilú, meus pais e o padrinho de batismo de Livia, o primo José Antonio e esposa. Em que pese a gente não ter podido ao menos almoçar junto (proverbial/habitual atenção e gentileza da ex-wife...), valeu a tentativa.

O que significa este ato: um grande passo dado pela Livia para o conhecimento do que o Pai Celestial deseja para ela.  Demos presentes para solidificar sua adesão e ajudar a pavimentar o caminho... Grande Privilégio!


 
Liv se encaminhando ao altar


Outro dia eu falei sobre o software Photofunia... eis abaixo algumas outras brincadeiras... have fun!
Ruth em Out-door!
Mandei fazer uma super foto de Bilú
para colocar num prédio!
Quadro a óleo de Ruth
Retrato de Ruth em crayon...


Liv em quadro na rua...
Quadro de Liv no Museu...
Foto de Liv em outro Museu!
Reunião na Rússia...
Foto na rua

Mandei fazer pintura a óleo!
Pintura à moda de Andy Wahrol...

terça-feira, 17 de abril de 2012

Fotografia...

Imagem obtida em 10 de abril de 2012 em:
http://www.imagemagica.org/doc_resultados.asp
(A ImageMagica é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público 
- OSCIP - sem fins lucrativos, que promove educação, cultura e saúde por
 meio da fotografia, criando condições para o pleno desenvolvimento pessoal
 e social e potencializando nos indivíduos o papel de
 transformadores da realidade).


Olha que foto bacana; adoro fotos, apesar de não andar de câmera a tiracolo. Confesso que, quando preciso, apelo para o dispositivo (pobre, reconheço...) do meu celular; quando se trata de efemérides, apanho minha câmera digital, com diversos 'megapixels'...

Fato notável recente foi a compra pelo Facebook do Instagram (um aplicativo de fotos para dispositivos móveis), o que fez diversos analistas levantarem os sobrolhos... Para quem curte brincar com fotos a partir de celulares ou tablets o colunista José Antonio Ramalho, na ultima Folha Tec (caderno de  midias digitais do jornal Folha de São Paulo) sugeriu alguns programetes como o pixlr.com e  o photofunia.com .

Aprecio a linguagem das imagens, é um outro mundo, diverso das palavras, apesar das inúmeras interfaces. É um exercício de análise para qualquer pretendente a Psicólogo(a). Tantas são as possibilidades como tantas as das muitas personalidades! Fica a dica...

Olha uma brincadeira que fiz (com um detalhe da
 foto da IMAGEMAGICA)  com o soft PHOTOFUNIA...

segunda-feira, 9 de abril de 2012

O assunto chato de novo...

Gravura obtida agora de
http://www.layoutsparks.com
(site muito interessante!!)

Volto ao tema da morte, comentando um fato que, a cada vez, mais se torna presentificado em nossas vivências: o elevado número de mortes nas estradas e cidades (em especial nos feriados), envolvendo uso imoderado de álcool.

O que mais chamou a atenção é uma recente decisão de nossos nobres juristas, ratificando o direito da pessoa não produzir prova contra si mesmo, portanto sendo lícito alguém negar-se a fazer o teste do "bafômetro"... Que país o nosso; enquanto isso, os assassinos motorizados podem continuar ceifando vidas e respondendo a processo em liberdade, pagando um montante que a autoridade policial determina. Sei que culpar não resolve, mas nossos políticos são o retrato de nossa sociedade 'amadora' como costumo dizer - aqui tudo é feito de qualquer jeito, improvisado, sem esmero, o que redunda em leis inócuas e abusos de todo tipo.

Para a sociedade fica a dor daqueles familiares que sobrevivem ao falecido (quando não morre, é comum as lesões dos acidentes deixarem a pessoa incapacitada, entravada no leito, vegetando, presentificando o enorme sofrimento) e enormes gastos num sistema de saúde que já não é 'aquelas coisas', para dizer sem querer ofender.

Quanto à morte... é o tema que, quanto mais velhos ficamos, mais se nos apresenta à consideração. Sei que meus pais são bem mais velhos que eu (e, curiosamente, encontrando-nos volta e meia, como agora na Páscoa, o tema vem à tona, ainda que meus genitores, cristãos esclarecidos, consideram, como eu, a morte como a libertação das agruras desta esfera, e a entrada na Beatitude) e eu, mais velho que meus filhos e netos, mas nada garante 'quem vai' primeiro... Não tem um ou uma que não se atemorize com a aniquilação final, com 'o abotoar do paletó', em 'vestir o paletó de madeira'... No fundo, é o desconhecido, o ignoto, aquilo que o bicho-homem mais teme!

Eu já tenho bem equacionada a questão - ninguém voltou do outro lado para dizer como é. Estes relatos de pessoas que 'estiveram lá', as narrativas de retorno ao corpo depois de estar morto, presenciando aura de luz, etc., não tem qualquer respaldo científico que evidencie crença inequívoca quanto à sua suficiente veracidade. Não é ceticismo tacanho; sabe-se que temos que ter normas e princípios para discernir, senão passa-se a acreditar em tudo e em todos, o que é, no mínimo, arriscado.

Como crente (e cientista, sabendo a diferença e alcance destes dois Magistérios) opto pela  explicação que outros já (brilhantemente) trilharam. Mas digo o meu critério: com Esopo (seculos VII e VI antes de Cristo), admirado fabulista, penso que "todas as verdades tem dois lados, e convém examinar muito bem os dois antes de se comprometer com qualquer um deles".  E como Cristo ensinou (está lá no evangelho de Mateus), Sufficit diei malitia sua, que quer dizer, A cada dia bastam as suas tribulações.


[para quem gosta do tema, sugiro ler o interessantíssimo artigo de Cezar Luís Seibt, 'Sêneca e a finitude da vida - o que a finitude pode ensinar sobre o viver', revista INTEGRAÇÃO, ano XV, nro. 59, outubro-novembro-dezembro de 2009, páginas 371 a 378. Neste artigo aprendemos que o modo de encarar a morte tem a ver com o modo de encarar o viver...]

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Repassando... vejam que reportagem interessante!

            Coloquei no portal do Centro Universitário em que trabalho, para todos os meus alunos,  um texto que reproduzo aqui, como bonus de leitura. Ele vem a calhar sobre um tema que sempre reflito com eles e que creio ser fundamental para o seu preparo, a empregabilidade. É muito esclarecedor e espero que os motive a repensar suas prioridades. Todo esforço para conscientizar a moçada é válido, pois muitos me parecem perdido neste mundo globalizado, googleficado...

                      "O PROFISSIONAL QUE O MERCADO QUER"

                        Débora Rubin     -     Fonte: Revista Isto é - Ed. 2212 - 31/03/2012


O mundo do trabalho vive sua maior transformação desde a Revolução Industrial e busca um novo tipo de pessoas.  Agora o que vale mais é ter formação diversificada, ser versátil, autônomo, conectado e dono de um espírito empreendedor.


Esqueça tudo o que você aprendeu sobre o mercado de trabalho. Estabilidade, benefícios, vestir a camisa da empresa, jornadas intermináveis, hierarquia, promoção, ser chefe. Ainda que tais conceitos estejam arraigados na cabeça do brasileiro - quem nunca ouviu dos pais que ser bem-sucedido era seguir tal cartilha? -, eles fazem parte de um pacote com cheiro de naftalina. O novo profissional, autônomo, colaborativo, versátil, empreendedor, conhecedor de suas próprias vontades e ultraconectado é o que o mercado começa a demandar. O modelo tradicional de trabalho que foi sonho de consumo de todo jovem egresso da faculdade nas últimas duas décadas está ficando para trás. É a maior transformação desde que a Revolução Industrial, no século XVIII, mandou centenas de pessoas para as linhas de produção, segundo a pesquisadora inglesa Lynda Gratton, professora da London Business School e autora do livro "The Shift: The Future is Already Here" ("A mudança: o futuro já começou", em tradução livre).


Nas novas gerações esse fenômeno é mais evidente. Hoje, poucos recém-formados se veem fiéis a uma única empresa por toda a vida. Em grande parte das universidades de elite do país, os alunos sequer cogitam servir a um empregador. "Quando perguntamos onde eles querem trabalhar, a resposta é: na minha empresa", conta Adriana Gomes, professora da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), de São Paulo. Entre os brasileiros que seguem o modelo tradicional, a média de tempo em um emprego é de cinco anos, uma das menores do mundo, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) - os americanos trocam mais, a cada quatro anos. O ritmo dinâmico inclui mudanças de função, de empregador, e até de carreira.


O cenário atual contribui. "Estamos migrando de um padrão previsível para um modelo no qual impera a instabilidade", diz Márcio Pochmann, presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Quem apostar na estrutura antiga vai sair perdendo, segundo a professora Tânia Casado, da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo. Isso significa, inclusive, rever o significado de profissão. "O que passa a valer é o conceito de carreira sem fronteiras, ou seja, a sequência de experiências pessoais de trabalho que você vai desenvolver ao longo da sua vida", define Tânia, uma das maiores especialistas em gestão de pessoas do País. Dentro desse novo ideal, vale somar cada vivência, inclusive serviços não remunerados, como os voluntários, e os feitos por puro prazer, como escrever um blog.


O conceito não é novo. Surgiu em 1993 da mente futurista de Michael Arthur, professor de estratégia e negócios da Universidade Suffolk, nos Estados Unidos. Só agora, quase 20 anos depois, é que a teoria começa a virar realidade. De acordo com sua tese, a carreira sem fronteiras é aquela que se apoia no tripé "por quê, como e com quem". "É preciso se perguntar o que você quer da sua vida e por quê; estudar para obter a técnica necessária e, por fim, estabelecer relações nas quais exista uma troca de conhecimentos", explica Tânia, estudiosa da tese de Michael. Ou seja, você pode até passar anos no mesmo lugar, como fizeram seu pai e avô, desde que tenha a mente flexível do profissional sem fronteiras e busque autoconhecimento, atualização constante e intercâmbio de experiências.


O novo profissional também tem que ter jogo de cintura para os novos arranjos trabalhistas. "A tendência é ter mais flexibilidade na remuneração, no tempo de duração da atividade, no conteúdo e no fuso e local de trabalho", destaca Werner Eichhorst, diretor do Instituto de Estudos sobre o Trabalho de Bonn (IZA, sigla em alemão), na Alemanha. O home-office, prática de trabalhar em casa que começa a ganhar terreno, será a realidade de milhões de brasileiros nos próximos dez anos, sobretudo nas grandes cidades sufocadas pelo trânsito.


A revolução trabalhista está na pauta do dia por diversas razões. Em seu livro, Lynda Gratton apresenta o resultado de um estudo feito com 21 companhias globais e mais de 200 executivos na London Business School. Do extenso debate, ela elegeu as cinco forças que estão moldando o trabalho e, claro, seus profissionais. Em primeiro lugar, está a tecnologia. Como na Revolução Industrial, quando as máquinas aceleraram a produtividade, hoje a vida em rede e os recursos de ponta eliminam uma série de empregos e modificam outros tantos. No cenário brasileiro, há de se considerar a herança deixada pelas amargas décadas de 1980 e 1990, nas quais o desemprego e a terceirização explodiram - segundo Pochmann, o número de trabalhadores sem carteira assinada e por conta própria subiu de 11,7% para 58,2% somente entre 1985 e 1990. Nos últimos anos, o desemprego vem diminuindo e a formalização aumentou. Esse crescimento, porém, se deve mais pela geração de novos postos de trabalho com carteira assinada do que pela regularização do trabalho informal. Hoje, 45% dos brasileiros ativos não são registrados, de acordo com o Ipea.


Outras três forças citadas por Lynda Gratton são globalização, mudanças demográficas e preocupações ambientais. A primeira traz com ela a entrada de novos países no grande jogo econômico global - como o próprio Brasil. A segunda diz respeito à quantidade de gente no mundo - seremos nove bilhões em 2050 -, e à maior expectativa de vida. E a terceira tem a ver com as mudanças necessárias na forma de produzir e consumir para reduzir os impactos no meio ambiente. Por fim, a autora destaca a quinta força: as tendências de comportamento humano. Mais gente viverá só, as famílias serão menores e as relações afetivas serão foco de maior atenção. Trabalhar em casa ou próximo da moradia, mais que uma questão sustentável, será uma opção pelo bem-estar, algo que o brasileiro já valoriza. Em uma pesquisa feita pela Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), no começo do ano, a meta profissional mais desejada em 2012 pelos entrevistados é "melhorar a qualidade de vida", acima até da opção "ganhar mais". "O workaholic está saindo de moda", afirma a professora Adriana Gomes, da ESPM. "Aos poucos, as pessoas foram percebendo que a produtividade delas caía a médio e longo prazos."


Não é só o profissional que deve estar preparado para tamanha virada. As empresas, sobretudo as grandes corporações que se expandiram ao longo dos últimos 20 anos, também precisam arejar suas convicções. Uma das principais mudanças é dar mais autonomia para que o funcionário crie, produza e evolua sem ficar estafado. Tânia Casado, da USP, coordena um grupo de estudo que tem se debruçado sobre um tema fresquinho, curioso e fundamental para o mundo corporativo: o "opt-out". Trata-se da prática, ainda pouco conhecida e aplicada, na qual as pessoas podem continuar sua trajetória dentro de uma empresa sem ter que necessariamente seguir a trilha convencional de subir na hierarquia. "Executivos de grandes grupos me procuram preocupados com a fuga de talentos e me perguntam o que podem fazer para retê-los", diz a professora. Isso inclui principalmente mulheres que gostariam de passar mais tempo com seus filhos após a licença-maternidade, sem abrir mão da carreira. A resposta de Tânia é: opt-out. Ofereça opções ou os talentos vão embora. Principalmente em um momento bom da economia.


O desafio de lidar com esse novo perfil é tão grande que é o tema do Congresso Anual de Gestão de Pessoas (Conarh) deste ano, que será realizado em agosto. "Os profissionais, em especial os jovens, guiam suas carreiras por suas causas e valores", diz Leyla Nascimento, presidente da ABRH, que organiza o evento. "Se percebem que seu empregador não compra a sua causa, ele simplesmente vai embora." Outra insatisfação grande, segundo ela é não ser reconhecido, cobrado e valorizado, o que exige melhorias na comunicação e na forma como as lideranças atuam. Até mesmo o uso das redes sociais é visto como uma questão estratégica. "É uma realidade e não pode mais ser ignorada."


Nas empresas de médio porte, em especial as de tecnologia, esse novo profissional já encontra território acolhedor. Na Conectt, os 150 funcionários têm a liberdade de propor ideias a qualquer momento. São eles que decidem também os programas de bem-estar, além de desfrutar de horários maleáveis. Alguns designers nunca pisaram na sede da empresa, em São Paulo, e trabalham remotamente de diferentes pontos do Brasil. No ano passado, um programador recém-contratado avisou que sairia em seguida para passar uma temporada na Austrália. Foi incentivado e lhe asseguraram que teria sua vaga na volta. Segundo o sócio-diretor Pedro Waengertner, o importante é a equipe entregar o trabalho, independentemente da quantidade diária de horas trabalhadas, e ela se sentir parte fundamental do processo. "O funcionário é um ativo valioso e, para reter os melhores, é preciso ter flexibilidade", diz ele.


Nesse cenário de mudanças aceleradas, a legislação trabalhista brasileira é um entrave. Criada em 1943 por Getúlio Vargas e alterada em poucos detalhes ao longo das últimas décadas, a essência da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) corresponde a um Brasil que já não existe. A rigidez da CLT, que impede, por exemplo, a opção de meio período para várias profissões, é o ponto mais criticado pelos especialistas. Um estudo realizado no ano passado pelo IZA, de Werner Eichhorst, em parceria com a USP, faz um comparativo entre os dois países e mostra que a possibilidade de os funcionários alemães negociarem seus salários diretamente com os empregadores, sem sindicatos nem governo no meio, ajudou a salvar 350 mil postos durante a crise de 2008. No Brasil, a pesquisa aponta a cultura de desconfiança entre as partes como fruto de uma lei extremamente paternalista. Resultado: dois milhões de casos julgados na Justiça do Trabalho a cada ano.


Apesar do embaraço legal, o mercado trata de pressionar, na prática, por mudanças. "Os empregadores vão achando as brechas até alguém ter a coragem de mudar", acredita a professora Adriana, da ESPM. O governo Dilma acena com transformações. Irá propor ao Congresso duas novas formas de contratação, a eventual e a por hora trabalhada. As alterações podem dar mais dinamismo ao mercado e permitir que quem dá expediente dois dias na semana ou três horas por dia seja integrado formalmente à força produtiva do País. Se a proposta for adiante, estará em maior sintonia com a realidade atual.


Afinal, a revolução no mundo do trabalho já começou.

(assino embaixo!!)

quarta-feira, 4 de abril de 2012

161a. postagem: mais uma do aforista amador...

gravura obtida agora de
http://www.substantivoplural.com.br
(ótimo site que aborda o que discuto agora...)


Outro dia aprendi um outro apotegma fantástico, de Georg Simmel (1858-1918), filósofo e sociólogo alemão:

"O deslumbramento das pessoas diante do telégrafo e do telefone leva-as a esquecer o fato de que aquilo que realmente importa é o valor do que se tem a dizer". 

O que este scholar (sim, tem no Houaiss...) apontou continua válido ainda hoje - e vai continuar sempre atual. Vemos nas mídias o enorme bafafá em torno das redes sociais, de ferramentas como celular e tablet e suas possibilidades. Mas o que presenciamos (principalmente aqueles que se preocupam mais com o espírito...) é a valorização da forma, dos processos e da estrutura, em detrimento do conteúdo. Todos são fundamentais, por assim dizer (quando 'tudo' é fundamental, já imagina o que sobra...), mas sempre o Homem é que deveria ser a destinação de tudo, e não precisamente aquilo que as pessoas usam, criam, destinam, humanizam. 

Não se valoriza mais a leitura dos clássicos, o cultivo do espírito, as boas maneiras (só para citar alguns exemplos), como se fazia até há pouco. Evidentemente mudam-se o foco, as modas, as prioridades. Só que esta mudança evidencia a colocação do Homem para planos inferiores àquilo que ele mesmo criou e continua criando. O exemplo mais onipresente hoje corporifica-se no robô de busca Google. Muitos jovens ordenam suas mentes a partir daquele instrumento, daquele mecanismo, daquele dispositivo que trabalha dia e noite. Chega a parecer que não foi o homem que o criou. Não está distante, pressinto, os tempos que nos foram advertidos pelos visionários quase-apocalípticos da sujeição do homem pela maquinaria, pela tecnologia. Veja a medicina de hoje - os médicos, por vezes, parecem escravizados a uma 'bateria' de exames - não se diagnostica a não ser a partir de uma barafunda de inspeções e discussões... 

Vamos voltar às origens, obviamente 'guardadas as proporções'... ninguém quer voltar à Idade Média. Mas se não cultivarmos, resgatarmos as coisas do espírito, onde vamos parar?

terça-feira, 3 de abril de 2012

Relembrei mais uma coisa dos tempos da faculdade...

foto obtida agora de
http://juneravenna.blogspot.com.br/

Uma das vivências mais mobilizadoras que um estudante de Psicologia pode ter são aquelas nas instituições asilares, em especial os hospitais psiquiátricos. Eu tive excelentes experiências em nosocômios de Campinas e em Valinhos, à época administrados por psiquiatras que estão, hoje, na crista da onda, como se diz. Muitas destas ocorrências falo em sala de aula e me divirto com os olhos arregalados de muitos educandos.

Tenho classes interessantes este ano (ainda que com alguns alunos que não sei discernir o que estão a fazer ali) e estou apreciando deveras a comunicabilidade de alguns outros. Deram a me escrever, coisa que pouco vi nestes anos todos de Universidade aqui em São João. 

Tomo a liberdade de pinçar um pedaço do texto de um aluno, R. (preservo seu nome porque ele afirma coisas importantes que podem ferir 'suscetibilidades', por assim dizer) , que me relembrou estas experiências dos anos 70. Diz ele, de um modo bem intenso, e que nos faz refletir estas importantes questões:

"Tenho presenciado cenas que soam estranhas para mim no sanatório, é muito duro, e ao mesmo tempo muito educativo, ver pessoas que não tiveram a mesma sorte que eu na vida, a sorte de ter uma boa família, a sorte de ter recebido uma boa educação, e principalmente a falta gritante de AFETO. Eu realmente acho importante o papel do hospital psiquiátrico, e realmente apoio a luta contra os manicômios, mas eu defendo a mudança de regimento, a mudança de conduta para com os ocupantes; existem pessoas ali, seres humanos que estão sofrendo MUITO, e poucos vão compreender esse sofrimento, e eu me sinto mal sobre esse aspecto, pois a falta de estrutura e de conhecimento em relação aos doentes é desolador, é MUITO triste ver pessoas sofrendo 'sozinhas', sem a minima lucidez e capacidade de entender o que acontece a elas. Não quero ser presunçoso, e muito menos discriminador, mas me incomoda MUITO ver o modo como os psiquiatras tratam aqueles SERES HUMANOS que vivem e convivem ali; é preciso entender seus problemas, é preciso auxiliá-los da melhor maneira possível, não é APENAS AMARRAR E DAR REMÉDIOS, isso é simplesmente "jogar a sujeira para de baixo do tapete". E tenho aprendido muito com os psicólogos que estão ali dentro, é um trabalho LINDO, um trabalho de SER HUMANO, PARA SER HUMANO. Vai muito além de remédios -- é amor, compaixão, serenidade, paciência, EMPATIA; é tentar entender ao máximo o sofrimento daquela pessoa, e ajudar a melhorar ao máximo sua qualidade de vida."

Que legal poder ver idealismo assim, vontade de mudar e de compreender, num plano humano, arraigado à existência. Faz-nos acreditar em nossa profissão. Assino embaixo! Continue assim, caro aluno, você vai ser grande em nosso fazer. Conte comigo...