sábado, 26 de fevereiro de 2011

Dica de leitura aos meus alunos

          Hoje uma dica especial, de um escritor fecundo que não é muito comentado hoje em dia, mas cuja leitura atenta me ajudou em muitos úteis  insigts. Era comum, além dos professores, a moçada que fazia o curso de Psicologia da PUC-Campinas comigo indicarem livros legais, instrutivos para a nossa formação e profissão. Li diversos, com a graça de Deus e a ajuda dos meus pais. 
          Hermann Hesse (em muitos lugares o pessoal grafa ‘Herman’) nasceu em 02 de julho de 1877 em Calw, Alemanha, e faleceu em 09 de agosto de 1962, em Montagnola, na Suíça. Foi novelista, contista, ensaísta, poeta, e ganhou o prêmio Nobel de Literatura de 1946 – desnecessário maiores detalhes sobre sua habilidade com as letras. Foi editor de importantes obras da literatura alemã. Um dos seus maiores temas foi a libertação do homem das maneiras cristalizadas pelo processo civilizatório/social para alcançar a essência de seu espírito. Ele pregava diversas idéias que são caras ao movimento da nova era, e é apreciado por muitos psicólogos humanistas. Entre suas obras mais conhecidas cito os ótimos Gertrud (1910), Rosshalde (1914), Demian (1919), Siddhartha (1922), O Lobo da Estepe (1927), Narciso e Goldmund (1930). 
          Durante a Primeira Guerra Mundial Hesse viveu na Suíça, escrevendo contra o nacionalismo e militarismo, tornando-se residente permanente naquele país em 1919 e um cidadão naturalizado em 1923. Foi adversário declarado do nazismo e se opôs à ascensão da ditadura via publicação de muitos artigos. Hesse submeteu-se a sessões de psicoterapia com J. B. Lang, um discípulo de Carl Gustav Jung, este o mais famoso dos alunos de Freud. Estas experiências com a análise transparecem no romance Demian, que aborda a conquista da auto-consciência por parte de Sinclair, um adolescente atormentado. Os trabalhos posteriores de Hesse denotam sua grande preocupação com a dualidade da natureza o homem e também seu amplo interesse nos conceitos junguianos de introversão e extroversão, do inconsciente coletivo e dos símbolos. 
          Eu recomendo especialmente a você, leitor interessado em psicologia, uma edição lançada no fim do ano passado (custa pouco!!) pela edições BestBolso (um selo da Editora Best Seller, do Rio de Janeiro – pertencentes ao Grupo Editorial Record), contendo o aqui nominado Sidarta e Demian – é um livro tipo ‘dois-em-um’ (www.edicoesbestbolso.com.br). Boa leitura!

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Lembranças familiares

Tia Cordélia, GVD, Liv & Fir

Outro dia estava parlando com Ruth  sobre certas tradições familiares que tanta coisa nos ensinam... Quando criança, meus pais tinham o costume de fazer com que o aniversário  natalício de qualquer um, pai ou mãe,  fosse bem comemorado pela família.  Eles compravam diversos presentes, um para cada filho ou filha entregar para o aniversariante, como se fosse dele(a)s (para nós crianças, era assim mesmo; éramos nós que presenteávamos...): no dia do natalício, meu pai (ou mãe) nos acordava bem cedinho, enfilerava silenciosamente, no maior segredo (adorávamos o 'suspense'...), as crianças na entrada do quarto, entregava um presente para cada um (a começar do mais velho, que ia na frente) e, ao sinal do pai (ou da mãe), entrávamos ‘de surpresa’  no quarto, fazendo o maior alarido, cantando parabéns, etc. e pulando na cama e entregando os presentes.

[ Devo dizer que NUNCA a gente entrava no quarto do casal sem bater na porta (mesmo porque invariavelmente sempre se encontrava trancada...) ou mesmo dormíamos na mesma cama que meus pais.  Quando alguém estava doente meus pais velavam o sono, mas na própria cama da criança, nunca na cama dos meus pais. Também nunca ninguém perguntou ou questionou tal costume, depois de velho é que a gente percebeu; era natural meus pais terem sua privacidade e creio que era certo. Que eu me lembre, quando chegou a minha vez de ser pai, sempre que eu podia carregava minhas crianças para a minha cama, doentes ou não.  Cada um com seu costume – o importante é que se respeite! ]

Pois bem, continuando com a memória – sempre o pai (ou a mãe) levava ‘susto’ com a algazarra de 5 crianças entrando repentinamente nos aposentos, cheios de presentes e o mesmo (ou a mesma) demonstrava muita alegria com nossas gentilezas e carinhos; abriam-se todos os presentes e todos comemorávamos o natalício de um dos queridos genitores. Depois,  íamos todos tomar café e tocar as atividades do dia...

Meu pai sempre presenteava minha mãe. No aniversário, ela ganhava diversos cortes de tecido, que ela costurava com maestria - ela chegou a dar aulas de corte e costura às amigas da vizinhança, e muita neta sua aprendeu a costurar com ela, que tinha o maior carinho em repassar seus conhecimentos, entre as diversas aptidões que era (e é) detentora (uma das mais apreciadas por todos são os dotes culinários!). Lembro que uma vez ela aproveitou a barra de um casado de pele e fez 3 casacos de feltro para os meninos - eu adorava a gola macia, sedosa do dito indumento. Antigamente poucos tinham dinheiro para comprar roupas em lojas - as mulheres costuravam as roupas de uso comum em casa mesmo.

Todos os dias, os 5 filhos reuniam-se às 11:30h em volta da mesa do almoço para a principal refeição, com meu pai numa cabeceira, com seu olhar grave e penetrante, e minha mãe na outra ponta da mesa, administrando a distribuição dos pratos. Ninguém faltava, e aí eram repassadas as instruções, pedidos e, por vezes, algum ‘pito’, exprobação, reprimenda ou sarabanda necessária a algum petiz da vez...

Laços familiares que nunca se quebram!

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Pentateuco

Nebulosa (c) Microsoft
Coloco hoje aqui alguns apontamentos de uma das aulas (estudos no Pentateuco) do curso de Teologia que faço no Mackenzie, e que recomendo a todos  http://ead.mackenzie.br/cpaj .  Te convido a refletir comigo uma das passagens mais impactantes que existe nas Sagradas Escrituras. Refiro-me aos acontecimentos da libertação dos judeus do domínio egípcio (com as diversas idas de Moisés ao Faraó e as pragas que sobrevieram), e sua jornada pelo deserto, por 40 anos. Os fatos abrangem Exodo 4 a 32.  Abaixo temos os pontos principais (entre tantos outros que se poderia ressaltar...) que ora destaco.

A idéia de ‘fugir’ do Egito já estava prevista no Plano original de Deus:
Era necessário que o povo padecesse e fosse provado no deserto, conforme Deuteronomio, 2 e 6 e, além disso, Deus já havia feito saber a Abrão o que sucederia à sua posteridade (Genesis 15, 13 a 16), e isto seria para confirmar a palavra que Deus jurou a Abraão, Isaque e  Jacó (Deuteronomio 9, 4 a 6). 

As idas de Moisés ao Faraó:
a) Na primeira vez que Moisés foi a Faraó, sua a petição era, em nome de Deus, “deixar ir do Egito os filhos de Israel, para que me sirvam no deserto” (Ex 7: 2); Moisés deveria fazer sinais para que acreditassem nele, como lançar o bordão para que virasse serpente. Ainda assim o coração do Faraó se endureceu (7: 13). Como resultado, adveio a primeira praga (7: 17) – as águas se tornarão em sangue. Os egípcios cavaram poços para beber.
b) Na segunda vez que Moisés foi a Faraó,  8:1, a petição foi igual à que vemos em 7: 2, e ‘se Faraó se recusar, castigarei com rãs’segunda praga. Faró pediu ( 8: 8) para Moisés tirar a praga e prometeu libertar o povo. Deus fez conf. Moisés falou (v. 13); Faraó, aliviado, não cumpriu, endureceu seu coração. Deus ordena a Moisés: dize a Arão – estende o bordão para que o pó da terra se torne em piolhos – terceira praga. Os magos não puderam igualar: “isto é o dedo de Deus” (v. 19). Ainda assim Faraó não os ouviu.
c) Pela terceira vez, Moisés vai a Faraó, com a mesma petição (8: 20). Caso não deixasse ir, Deus mandaria um enxame de moscas – quarta praga (v. 25). Faraó promete (v. 30); Moisés ora (v. 31), Deus atende Moisés e tira as moscas; Faraó não cumpre sua palavra.
d) Pela quarta vez (9: 1), a petição é igual à do 7: 2. Se o Faraó recusasse, sobreviria a peste no rebanho – quinta praga. No verso 6, vemos que morre todo o gado egípcio e nenhum dos judeus. Ainda assim Faraó endurece o coração e não deixa o povo ir. Deus manda a sexta praga – úlceras, pegas inclusive pelos magos! Lemos, em 9: 12, que o Senhor endureceu o coração do Faraó e ele “não os ouviu”.
e) Pela quinta vez, Moisés vai a Faraó e renova (9: 13) a mesma petição vista em 7:2. Vemos, no vv. 18, 22, que Deus manda a sétima praga – a chuva de pedras. Moisés estende o bordão e cai chuva copiosa de pedras e fogo, menos em Gósen, onde estavam os judeus. Faraó diz “esta vez pequei” e promete (v. 28). Deus atende ao pedido de Moisés (v. 33), mas Faraó torna a pecar (v. 34), ao ver que a chuva de pedras cessou...
f) Na sexta vez que Moisés vai ter com Faraó (10: 1) e exclama ‘até quando recusarás humilhar-te, ó Faraó?’ A petição é a mesma ‘deixai o povo ir para que me sirva’. Pela dureza do Faraó, a oitava praga – gafanhotos, é ministrada. Faraó diz que ‘só os homens podem ir’. Eram muito numerosos os insetos (v. 14) e vemos, no v. 16, Faraó dizer  novamente ‘pequei’...Lemos que (v. 19) após Moisés orar, Deus livra o Egito da praga mas, no v. 20, ainda assim ‘Deus endureceu o coração do Faraó’. Moisés estende a mão e houve tenebrosa treva por 3 dias – é a nona praga. Faraó promete (v. 24), mas o Senhor endurece o coração do Faraó (v. 27).  Assim, Deus diz a Moisés – ‘darei mais uma praga’ (11: 1) a décima praga: morrerá todo primogênito (11: 5; 12: 29), ‘então Faraó vos deixará ir’. O porquê destas coisas? No v. 9, diz o Senhor a Moisés – ‘Faraó não vos ouvirá, para que as minhas maravilhas se multipliquem na terra do Egito’. Mas depois deste último sinal, lemos em 12: 31 que faraó chama Moisés e Arão e ordena, finalmente,  que se vão.

Sobre a jornada no Deserto:
A pretensa ‘demora’ para Deus cumprir as promessas feitas aos Patriarcas (os descendentes de Abraão esperaram 4 gerações para vê-las, principalmente a Terra Prometida) deveu-se, podemos ver pelos diversos versículos, à contaminação, abominada por Deus, das terras que seriam dadas ao seu povo santo por parte dos habitantes que lá estavam anteriormente. Sendo Deus Santo, nada impuro pode acercar-se d’Ele, e seu povo eleito deveria saber, assimilar e imbuir-se desta necessidade de santidade. 

Creio, adicionalmente, pela perfeição do Plano Celestial, que sempre provê o aperfeiçoamento dos Santos - Deus proveu tudo para que o Pacto fosse efetivo – mesmo em Deuteronomio, no capítulo 8, nos versos 2 e 6 vemos que “o Senhor te guiou no deserto estes 40 anos para te humilhar, para te provar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias ou não os seus mandamentos”... O amor de Deus pelo seu  povo excede todo entendimento!

A rebeldia do povo eleito:
A natureza da queda do povo de Israel, que magoou profundamente ao Pai Celestial tem como característica a rapidez  com que o povo se desviou do Pacto, e consiste essencialmente esta rebeldia como fazer uma imagem de um outro deus (o bezerro de ouro) e lhe prestar culto.

Estes fatos são importantes para compreendermos o valor do NOVO PACTO, que Jesus veio cumprir. Aprendi ainda mais nestes estudos do Pentateuco o valor da obediência e da disciplina, e vejo com olhos renovados meus Salmos prediletos,  37: 4   e   86: 11. 

Nesta noite vou dar mais uma palestra na Igreja, sobre comunicação interpessoal. Que bom sermos instrumentos da obra; é nosso grande privilégio!


Boa semana e que o Pai Celestial possa também muito lhe abençoar!

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Sabadão, arte e poesia...

          Sabadão... tempo para colocar a casa em ordem, preparar aulas, realizar tarefas do curso de Teologia (ler e compor textos), organizar e dealbar os pensamentos aqui... À tarde temos reunião na Igreja. Primeiro, umas dicas importantes. Neste mundo conturbado que (ao que tudo indica) parece estar efetivamente entregue ao debo, precisamos nos prevenir contra a inexorável surmenage que espreita, sem nos apercebermos... Uma chave para conseguir se proteger é precisamente equilibrar o nosso eu frente às provações mundanas. E, neste sentido, ao lado do esporte, da religiosidade e outros procedimentos preventivos e ‘resgatadores’, sugiro que analise o poder da arte (uma que aqui aprecio muito é a boa música!), principalmente pinturas e poesia. 

          Se você acredita que a arte é um dom de Deus e que nos aproxima d’Ele, acesse www.googleartproject.com   Incrível como mais de mil reproduções selecionadas de importantes galerias de arte americanas e européias estão disponíveis na ponta dos dedos! Imperdível. 

          Para quem gosta de poesia na língua inglesa, existem dois sites imperdíveis: http://www.completeclassics.com  e    http://www.poemhunter.com  (clique neste aqui  classical poets). Neste último,  a dica legal é ler os poemas de Elizabeth Bishop, que está ‘bombando’ (ela viveu um tempo no Brasil, de 1951 a 1967 onde teve muitos amigos). Veja abaixo o mais conhecido dela, retirado do ótimo site:

One Art
The art of losing isn't hard to master;
so many things seem filled with the intent
to be lost that their loss is no disaster,

Lose something every day. Accept the fluster
of lost door keys, the hour badly spent.
The art of losing isn't hard to master.

Then practice losing farther, losing faster:
places, and names, and where it was you meant
to travel. None of these will bring disaster.

I lost my mother's watch. And look! my last, or
next-to-last, of three beloved houses went.
The art of losing isn't hard to master.

I lost two cities, lovely ones. And, vaster,
some realms I owned, two rivers, a continent.
I miss them, but it wasn't a disaster.

-- Even losing you (the joking voice, a gesture
I love) I shan't have lied. It's evident
the art of losing's not too hard to master
though it may look like (Write it!) a disaster. 


          No fim de janeiro (sábado, dia 29, à p. E-10 do caderno Ilustrada) saiu na coluna da Folha de São Paulo do Drausio Varella o texto Descobertas da década, comentando as dez descobertas científicas mais relevantes da década passada, segundo os editores da prestigiada revista científica ‘Science’.  Podemos ver quanta informação existe por aí e que contribuem para deixar a cada vez o homem mais isolado, por mais paradoxal que seja (sim, não dá para viver como dentro de um escaparate...).  Penso, de auditu, que não se nasce com ‘manual de instruções’, e as pessoas tem, ao que parece,  cada vez menos tempo (e paciência) para ensinar ao outro como se faz para bem viver... Creio que isto (a arte de viver) é algo que mais e mais vai ficar na responsabilidade de cada um! Considere apreciar poesia e arte para ajudar a  purificar a alma e, assim, protege-la dos inimigos do mundo que a querem faze-la miseravel como eles...

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Buscar a Deus...


          Anteontem ministrei a Palavra na Congregação. Como sempre, uma experiência muito especial. Falei sobre 'buscar a Deus', que acho um grande desafio para o Homem hoje em dia. Na modernidade, buscar a Deus parece algo deslocado, démodé...  A Ciência (e alguns filósofos) parecem 'decretar' a  todos a desnecessidade de qualquer espécie de deidade. À parte qualquer análise antropológica ou sociológica  que se possa  assacar  aqui (para não dizer da minha especialidade), prefiro constatar a inutilidade desta  pretensão ou mesmo a imposição desta inexistência de Deus  para a realidade do homem comum, daquele ou daquela despossuída dos mais comezinhos aspectos de uma digna vida.

           Todos sabem que, em todo tempo e lugar, o homem expressou e expressa/expressará  sua espiritualidade. E, ademais, quando se carece de tudo, o bastião último a resguardar o que resta de sanidade e ânimo para o vivente restringe-se à esperança, ao espiritual, mesmo que se chegue, em alguns casos, ao numinoso de Rudolph Otto...

          No caso de minha preleção, ponderei (fundado na Palavra) que o imperativo do cristão de buscar a Deus se faz intrínseco à própria Fé, posto que desconhecemos em grande medida a este Pai Celestial que se nos fez inequívoca intelecção, e que, em decorrência, tem uma relação individual com cada qual.  Expus que esta insuspeitada ignorância pactual que nos auto-impomos nos prejudica em muitas dimensões, posto que deixamos de receber, de auferir graça e bênçãos, e o pior, não oferecemos o louvor devido ao Eterno.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Firmina, minha mãe...


          Dito já algo do meu velho, hoje vou dizer algumas coisas da  mommy's (como meus irmãos gostam de chamá-la), a matriarca da família, o esteio silencioso (bem, às vezes ela assume o palco, principalmente nas festas - a familia dela era 'festeira'...) em quem todos se apoiavam, desde que me conheço por gente. Personalidade forte, católica ferrenha e devotada, nascida em 1929, em ótima forma, como podem ver - ela se cuida, é vaidosa, muito ativa ainda hoje e até faz Pilates!

          Ela fundou um Clube de Mães em Rio Claro (quando os 5 filhos estavam crescidos e 'encaminhados'), na Paróquia do Bom Jesus, onde congregávamos, e foi sua Presidente por décadas, deixando a obra consolidada nas mãos das voluntárias que ela treinou.  'Passou o bastão' da Ong para outra mulher somente quando acompanhou meu pai na mudança para Campinas. Esta obra assistia uma enormidade de mães carentes, dando toda espécie de auxílio, principalmente educação, artes domésticas e encorajamento. Trabalhei muitas vezes lá, dando palestras, orientando alguma coisa do trabalho com as crianças na creche anexa, ajudando nas quermesses que regularmente aconteciam (quanta gente prestigiava...), buscando leite em pó na LBA em Piracicaba para ser distribuida para as mães assistidas...

          Firmina criou os 5 filhos com mão de ferro (no bom sentido; bem, às vezes tinha chinelada, mas ninguém ficou com 'trauma' por causa disso...), e creio que se tivesse uns 10 filhos teria dado conta tranquilamente. Ela ficava na retaguarda, e meu pai podia batalhar o pão de cada dia, na empresa onde trabalhou, desde que o casal se mudou de São Paulo para Rio Claro, nos anos de 1955, comigo e com o Luciano (ou seja, Luíz Sergio, Lúcia Helena e Lia Cristina nasceram  nesta cidade, e no mesmo hospital que meus 3 filhos nasceram, o Hospital Evangélico, de grata memória).

          Poderia contar tanta coisa que compartilhamos... Eu era o mais 'encapetado' dos 5 filhos.  Eu creio que eu tinha TDAH, analisando uns videos antiquíssimos e pelo relato de todos. Parece que eu 'infernizava todo mundo'. Eu era o mais forte, e costumava castigar quem se opunha aos meus desmandos.  Minha mãe era a defensora dos demais, óbvio. Mas, no geral, a gente se dava bem, e agradeço a firmeza da correção e do acompanhamento, principalmente na escola.  O ambiente em casa era intelectualmente muito estimulante. Toda a minha vida meu pai  e mãe assinaram os 2 principais jornais diários, o 'Estadão' e a 'Folha', e também diversas revistas. Minhas irmãs fizeram faculdade e trabalharam nas respectivas profissões e, com o casamento, elas se ocuparam de outras prioridades; eu e meu irmão Luciano fizemos pós-graduação até o Doutorado, e o Luís Sergio não pode fazer mais do que Mestrado, por causa das suas obrigações profissionais. Lembro-me que meus pais nunca foram ver se o dinheiro que eu sempre pedia para comprar livros era mesmo gasto com aquelas obras todas que eu ia acumulando... cheguei a ter 3 mil livros! E hoje tenho somente uns mil pois, com a internet, tem tanta coisa útil ao alcance da mão, e já doei os  outros  para as duas principais bibliotecas universitárias aqui de São João - mais um benefício que meus pais fizeram sem o saber! Aliás, o tanto de pessoas que meus pais ajudaram, sem fazer alarde, ou querer retribuição, é um dos tantos motivos de orgulho e gratidão por Deus ter me dado genitor e genitora tão especiais! É a maior graça que recebi dos Céus, sem dúvida.

          Minha mãe tem uma fé cristã muito diferenciada - ela pratica  efetivamente sua religião e sempre lutou com os filhos para serem firmes na fé. 'Para variar', o único que não é católico sou eu - sou reformado (quer dizer, grosso modo, 'calvinista'; não é bem a mesma coisa que 'protestante') faz alguns anos, e estou estudando Teologia no mais prestigiado instituto  teológico presbiteriano (o  CPAJ, do Mackenzie). Mas não existe pedra de tropeço entre nós; ela até me presenteia com Bíblias e outros recursos - ela me forneceu obras utilíssimas! Eu já a presenteei com livros de bons autores (inclusive católicos) e trocamos idéias, o que é salutar em todos os sentidos.

          Fico a pensar um tanto sobre quando não mais a tiver entre nós. Ruth perdeu sua mãe há mais de ano e sofre até hoje. Meu sogro diz que o que temos que fazer é viver bem com todos,  dizer que gosta, amar, conviver, enquanto a pessoa está viva - depois que o Pai  Celestial chama a pessoa não adianta ficar se lamentando! Mas vai ser um baque  para todos da família quando ela faltar! Na verdade, quando os dois se forem, imagino que vazio enorme - me preparo há muito para isto que deverei enfrentar; não fujo disso, é o destino de todos nós. Encaro como uma espécie de 'rito de passagem' - aceitando com gratidão a Soberania de Deus em tudo!