sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Fim de ano, uff...

Gravura com o símbolo da banda australiana AC/DC, obtido agora do site
http://downloadtudomaster.blogspot.com/2011/02/download-discografia-acdc.html

Com músicas do meu grupo de rock preferido (o artista é Ozzy), o AC/DC, escrevo aqui minhas considerações de fim de ano. Gosto de fazer tudo com 'fundo musical'... que fenômeno misterioso esta 'coisa musical'. Até um bebezinho ginga quando se brinca com música, é incrível. Terapias existem baseadas em melodias e ritmos. Pode-se variar muito quanto ao genero/tipo de música, mas é raro encontrar alguém que não goste de música. O fato do Pai Celestial apreciar boa música no louvor e adoração é sinal da celestialidade da coisa (outro dia vi uma discussão quase filosófica sobre  a palavra 'coisa'; aprecio estas questões linguisticas, são muito esclarecedoras, principalmente em Psicologia).

Este grupo pop me chamou a atenção pelo nome - aqui quer dizer antes e depois de Cristo, mas lá no exterior desconheço a significação ('AC', na lingua inglesa, segundo o Webster, quer dizer ante Christum, do latim medieval, mas 'DC' em inglês não significa 'depois de Cristo') -  eu sou uma pessoa antes de Cristo, e outra, depois dEle... Um dia falo sobre minha conversão...

Este ano foi, apesar da crise, 'normal', em que pese o suspense criado em torno da criação de um campus da UNESP (a terceira das grandes Universidades estaduais, onde - cada uma das 3 - todos os jovens sonham estudar) encampando nossa UNIFAE. Seria ótimo, em todos os sentidos, para a cidade, para os alunos, para os professores, principalmente. Isto porque teríamos um verdadeiro ambiente de ensino-aprendizagem, além de um sistema integrado de pesquisa e extensão. Um extraordinário avanço para a cidade e a região, sem dúvida, e iria beneficiar o outro Centro Universitário daqui, em situação delicada (como o nosso UNIFAE) por causa da inadimplência dos alunos. Mas está mais para novela do que progresso.

Estudei bastante a Palavra este ano, encerrando o último curso de Pós-Graduação do Centro Presbiteriano Andrew Jumper, do Mackenzie - fiz dois, Estudos Bíblicos e Estudos Teológicos. são muito bons, e dão muita firmeza ao crente. Mas o que mais apreciei foi reler As Institutas, de Calvino. Que notável teólogo, incomparável. Li diversos outros livros, acadêmicos, de literatura e espirituais, e alguns mais de uma vez - é o meu método de 'saborear' as boas obras. Confesso que adquiri o costume visto que - não sei se é alguma pessoal afecção ou distúrbio ou ainda idiossincrasia - tenho enorme dificuldade em memorizar as idéias, o que parece piorar com os anos. Temi que fosse um tipo de aprosexia (que tem definições desencontradas nos dicionários), mas não parece ser o caso, comigo... Em todo caso, ainda não chega ao ponto de tornar-me mofino, mas começa a passar perto. Em todo caso, o Senhor é Soberano!

Profissional e pessoalmente, tudo conforme a vontade de Deus; sou muito feliz e agradecido. A nota distoante que distingo em meu entorno é a situação política do meu país, conturbada, empobrecida com a corrupção endêmica espraiada pelos diversos atores, encrustados nos 3 Poderes, o que nos desanima. O governo (esta entidade tanto virtual quanto onipresente) atrapalha muito, apesar de ser uma espécie de mal necessário. Dizem que a saída para o Brasil é o aeroporto. Começo a pensar que sim, apesar do progresso econômico e, timidamente, educacional do povo... Acho que ainda verei muitas coisas interessantes neste país.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

O cavalo e o cervo

Gravura medieval

Do libreto de Fábulas... (traduzido de AESOP'S FABLES, The Horse and the Stag, XC. London: Penguin Books, 1996,  p. 93 - Penguin Popular Classics,    vol. 20. Selected and Adapted by Jack Zipes)

Um cavalo certa vez possuiu uma pradaria inteiramente para si, mas um cervo surgiu e danificou a pastagem. Ansioso para vingar-se, o cavalo perguntou a um homem se este poderia auxilia-lo a punir o cervo. 'Sim', disse o homem, 'mas você deve me deixar colocar um travão em sua boca e subir no seu dorso. Depois eu irei encontrar as armas para castigar o cervo'.

O cavalo concordou e o homem o cavalgou. Desde então, entretanto, em vez de obter a vingança, o cavalo tem sido escravo da humanidade. Moral da estória: Vingança pode não ser de valor algum para alguém quando se paga por ele com sua própria liberdade.

É por demais encontradiça a situação onde, visando uma vantagem, a pessoa 'sacrifica' algo, decisão esta como que necessária para alcançar o benefício. Sempre se avalia o custo-benefício de tais e tais estratégias, e o cálculo, o cômputo dos prós e contras nada mais é do que um tipo de juízo que se percorre sobre probabilidades (que se estima), em diversos contextos.

Ocorre que esta habilidade de julgar é complexa e nem todos se esmeram em aperfeiçoa-la (supondo que todos a tenham...) e, no mais das vezes, as pessoas se revelam mais e mais impacientes. E, também, intrinsecamente, somos tendenciosos em considerar os fatos mais propícios (a nosso favor...) do que o são na realidade. Outro dia afirmei em uma palestra que somos mais propensos a acreditar naquilo que desejamos do que naquilo que vemos ou discernimos, mesmo  pela razão.

O que 'sacrificamos' para conseguir coisas que imaginamos serem melhores para nós em geral são mais valiosas do que estas mesmas coisas - fato que constatamos depois do arrependimento nos visitar, com sua pesada carga... Existe certa cegueira que impede averiguar esta equação com clareza: os valores que utilizamos para pensar certas situações são viciados, distorcidos, enganosos. Assim, o cerne da dificuldade discutida aqui hoje reside em mal-avaliar o que já possuimos, e não possuir critérios para o correto confronto diário com aquilo que se nos (sedutoramente) apresenta. É, em grande medida, o que muitos filósofos e psicólogos denominam de 'auto-engano'. Enganamos a nós próprios - mas como pode ser isso? Crer em algo que se sabe inverídico? Mas isso é mais comum do que imagina... Digite 'auto-engano' e 'self-deception' no google e milhares de páginas surgirão - é um dos temas mais discutidos hoje em dia em psicologia e filosofia da mente. Voltaremos ao assunto.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Família... e a Fé do Centurião

Liv, eu e Bilú
(Rafael de Oliveira, Trick foto, 2011)

Ontem fomos, como disse ontem, à Trick Foto, do meu ex-aluno Rafael. Aproveitamos e tiramos também a foto acima, para recordar. É a minha familia 'disponível', como se poderia dizer, pois os demais filhos moram MUITO longe... É a minha sina, e aceito-a, submisso ao Soberano Deus e Senhor. Ainda assim, digo mais: toda a Glória seja só a Ele.

Hoje cedo estava meditando a Palavra, como sempre inicio o dia. Fiquei emocionado com a perícope abaixo (Evangelho de Lucas 7, 1 a 10; NVI):

(...) Tendo terminado de dizer tudo isso ao povo, Jesus entrou em Cafarnaum.
Ali estava doente, quase à morte, o servo de um centurião,
a quem seu senhor estimava muito.
Ele ouviu falar de Jesus e enviou-lhe alguns líderes religiosos dos judeus,
pedindo-lhe que fosse curar o seu servo.
Chegando-se a Jesus, suplicaram-lhe com insistência: 
"Este homem merece que lhe faças isso, porque ama a nossa nação e construiu a nossa sinagoga".
Jesus foi com eles. Já estava perto da casa quando o centurião mandou amigos dizerem a Jesus: "Senhor, não te incomodes, pois 
não mereço receber-te debaixo do meu teto. 
Por isso, nem me considerei digno de ir ao teu encontro. 
Mas dize uma palavra,  e o meu servo será curado.
Pois eu também sou homem sujeito a autoridade, e com soldados sob o meu comando. Digo a um: ‘Vá’, e ele vai; e a outro: ‘Venha’, e ele vem.
Digo a meu servo: ‘Faça isto’, e ele faz".
Ao ouvir isso, Jesus admirou-se dele e, voltando-se para a multidão que o seguia, disse:
"Eu lhes digo que nem em Israel encontrei tamanha fé".
Então os homens que haviam sido enviados voltaram para casa
e encontraram o servo restabelecido.

 O centurião romano não deveria, a princípio, despertar simpatia entre os judeus mas, como demonstrou amar o país, apesar de representar militarmente um país opressor, intercederam a seu favor perante Cristo. Ele concede ir ver o que sucede, mas aquele líder de uma centúria Lhe diz que 'basta dizer uma palavra', e o servo estimado seria curado. O Mestre afirma perante todos que 'nem em Israel (o que seria esperado) encontrou tamanha fé'...

Minha oração ali foi que o Pai me concedesse uma partícula de tal fé, pois nossa tendência, nossa natureza decaída é duvidar, ser cético, descrer - se não pelo intelecto, pior, no espírito... De nossa parte não podemos fazer nada; só nos resta clamar, suplicar, na certeza que seremos ouvidos (e atendidos, ainda que no tempo de Deus, que não é o nosso...). 

Amanhã iremos 'devolver' Liv a Rio Claro, e depois iremos a Mogi-Mirim, onde celebraremos com meus pais e alguns dos irmãos o nascimento do menino Jesus. Oro para que esta efeméride possa ser uma data de meditação, exercício de humildade (implicando em nosso espírito acatamento, deferência, submissão às verdades reveladas) e refrigério. É o que desejo, além da família, a todos nós!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Sartre 2 e fotinhos...


Saímos Ruth, Lívia e eu para tirarmos algumas fotos com nosso Fotógrafo (veja http://trickfoto.blogspot.com) Rafael e fazer 'comprinhas'; entre elas, presente de Natal de Liv (ela ganhou um toca CD portátil). Ela é, de certa forma, exigente... Comprei-me um outro libreto de Jean-Paul Sartre (1905-1980), uma obra do início da carreira universitária do grande filósofo, romancista, dramaturgo, ensaísta, jornalista e militante político francês, datado de 1936 denominada L'imagination - recebeu aqui o nome de A imaginação (Porto Alegre: L e PM, 2011, coleção L e PM Pocket, v. 666). Já  tenho 'diversão' garantida antes e depois do Natal!

Lívia - 10 anos, de férias (que olhar enigmático!
pergunto-me porque ela tem olhinhos tristes...)

Não é um charme? Está quase do tamanho de Ruth (bom, não é difícil alguém ser mais alto que a Ruteca...) e acho que vai chegar aos 1,80m como as irmãs Mariana e Marília...Mulher cresce até os 18 anos, pelo menos, e homem cresce até os 21 anos (porisso que o meu filho tem 2 metros de altura).

Ruth - não é linda??

Outra pessoa que não revela o que pensa, nem sob tortura - não digo que isso não tenha seu certo charme; adoro mulher misteriosa, e Bilú é um típico exemplar deste adorável genero.... 

Disseram que pareço certo tipo de mafioso...
(Liv está fazendo campanha para que eu corte o cabelo) 

Estas fotos são para nossa documentação para o visto - pretendemos ir todos para os EUA em julho, visitar Noemia Marie e a patotinha do JD (não sei se vamos para Salt Lake City ou Fresno, na California). Não tive coragem para ir agora, no fim do ano (e ainda por cima é inverno lá), com o caos total que ficam nossos aeroportos... Vamos tirar o visto no proximo semestre e viajar no meio do ano, com mais calma... (assim espero). Parece que as autoridades aeroportuárias vão inaugurar uns 'anexos' em Guarulhos (o pessoal diz que é um 'puxadinho' das instalações principais; inclusive fizeram umas matérias jornalísticas sobre acidentes que ocorreram naquelas malfadadas obras). Que país inferior que é o nosso; se alguém desejar se aborrecer é 'só'  ler alguns dos grandes jornais - matérias intermináveis sobre violência e a onipresente corrupção. Que tristeza. Não sou daqueles que dizem "Se eu pudesse ia embora daqui", pois em todo lugar existem boas ou más pessoas, mas que às vezes dá vontade, dá...

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Fim de ano e releituras...

 Jean-Paul Sartre - foto obtida nesta data do site:
http://e-barao.blogspot.com/feeds/posts/default

Cáspite! Já é dia 19 de dezembro, e estou de férias; às vezes lembro que volto a trabalhar no Centro Universitário em fevereiro e refaço o planejamento do que tenho que 'dar conta' até lá: dois relatórios de iniciação científica e dois artigos (paper) que desejo publicar. Costumava ir à praia (Guarujá) sempre na segunda semana de janeiro, mas em 2012 ficarei por aqui mesmo.

Amanhã vou buscar Lívia para passar aqui esta semana (devolvo-a já no sábado) e devo ficar com ela algum tempo em janeiro, novamente. Está bem moçinha meu bebê... como o tempo passa, a criançada cresce muito depressa.  A gente fica com muita saudade!

Estou lendo novamente o libreto Esboço para uma teoria das emoções, de Jean-Paul Sartre (Porto Alegre: L e PM, 2006. Coleção L e PM Pocket Plus. Obra original de 1939). Já li algumas vezes, mas ali o prazer de ler é tão grande (e o livrinho é 'fininho'...) - ainda que de trabalhoso escrutínio - que volta e meia retomo a obra. Indiquei aos meus alunos ao final da disciplina de Psicologia Humanista-Existencial (6o. semestre); sei que alguns o compraram, inclusive porque é barato, fato importante para estudantes. É Psicologia pura, em todos os sentidos, apesar do autor ser grande filósofo.

É uma bela introdução à filosofia sartreana, e importante, visto que introduz idéias que serão por ele desenvolvidas na sua obra prima O Ser e o Nada, de 1943. Volto ao assunto. Agora devo ir a uma reunião do Condomínio - atividades cívicas, como doar sangue e votar, que também faço...


quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Tablet...

imagem obtida nesta data de
http://targethd.net

Ahh... manhã de chuva, deliciosa; vamos ao meu passatempo predileto - blogar! Aqui comigo no escritório do apartamento minha bebida de cola preferida, acondicionada num mug de porcelana (se estivesse mais frio teria chá nele - 'adoro' chá, principalmente os ingleses); rock dos anos 70 no CD player (Ozzy, obrigatório...) como fundo musical - é a situação quase de êxtase! Na próxima sexta feira entro de férias e só volto em fevereiro ao batente...

Pronto! Comprei... Fui numa destas boas lojas de departamentos e adquiri um tablet. A prazo (para não molestar o orçamento deste humilde professor), sem juros (isto alegra qualquer comprador!), com garantia extendida (tenho agora 3 anos 'sem preocupação'... será?); 'óbvio', pois estou escolado com alguns fornecedores. Para não dizer nomes, não me proponha adquirir produtos de certo fabricante oriental, pois posso 'surtar'... Existem inúmeros picaretas hoje em dia à espreita de um incauto consumidor. Verdadeiros escroques organizados em quadrilhas, sem que tenhamos a quem recorrer...

Eu tenho 2 manos engenheiros eletrônicos super expert neste âmbito, verdadeiros gadgeteer, mas não gosto de molestar a irmandade para intuir a melhor decisão a respeito de compra, etc. E, na verdade, a responsabilidade é só minha mesmo; então, fiz a lição de casa: li tudo a respeito, consultei revistas especializadas, vi o que os cadernos informáticos do Estadão e da Folha de São Paulo vem trazendo há tempos sobre este tipo de terminal, verifiquei blogs que troxessem informações relevantes (como aquele acima, de onde tirei a ilustração, parece bem sério). Para adquirir uma máquina deste tipo (bem... na verdade, como para adquirir qualquer outra que pressupõe tanta tecnologia embarcada...) existem muitos aspectos a se considerar sobre capacidade, sistema operacional, tamanho da tela, aplicativos, etc... E acho que fiz uma boa aquisição, que atende àquilo que necessito - (a) leitura de e-mails, (b) download e leitura de livros e papers, (c) navegar pela web, (d) uso em situação escolar, na pesquisa e ensino - não necessariamente nesta ordem de importância.

Qualquer profissional hoje tem que acompanhar o desenvolvimento tecnológico, pois ficar defasado com este avançamento periclita a ampla competência laboral que se exige de um trabalhador honesto. E eu 'não tenho mais idade' para permitir que alguém venha e me acuse de desídia; que vergonha que seria... não teria como olhar para meus pais e meus filhos, sem falar de Bilú! Existem tantas opções de ferramentas, informáticas ou não, para potencializar nossa produtividade; é lorpice alhear-se de tais oferecimentos da modernidade.

Lembro-me dos tempos de aprendizado com meu pai, trabalhando com ele em suas empresas. Houveram 'casos' de pessoas que tiveram que ser dispensadas do serviço pois recusavam-se a receber treinamento no florescente campo da informática pessoal, com o surgimento dos primeiros PCs e seus diversos periféricos. O tempo dos telegramas e terminais de telex estava se encerrando, e o 'must' eram os aparelhos de fax (transmissão de fac-símile), que eram caríssimos. E isto - volto a comentar, pois (se ainda não estou totalmente tomado de aprosexia) já aventei em posts passados -  também passou: estamos na era da enorme volatilidade e transitoriedade das tecnologias e processos, sempre ultrapassadas, num curto espaço de tempo, por outras mais potentes, numa espiral avassaladora... Será que é por isto também que as relações interpessoais estão tão superficiais, tão frustrantes?

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Sem sono...


  
Imagem obtida nesta data a partir do site
http://netprime.g3wsites.com/fotos/paisagens-2/

Hoje fui fazer uns exames periódicos de saúde, como faço todo fim de ano, de modo preventivo (sempre cuidei muito da saúde, em especial depois dos 40...) e, sob efeito de anestesia, dormi metade da tarde. Resultado... estou sem sono, e são 2 e 30 da manhã!  Mas daqui a pouco vou para a cama de qualquer jeito - acho que consigo conciliar o sono; tenho atividades várias a partir da manhã, até a noite, onde deverei aplicar prova (exame) para alguns alunos. É só acabar este post. Passei boa parte da noite alterando o leiaute deste blog - é um grande passatempo...

Aquela foto acima eu tinha há tempos em meu micro; não sabia mais de onde tinha vindo, nestes tempos altamente informáticos (quando comecei a 'fuçar' na área falava-se em 'cibernética' - ciência que tem por objeto o estudo comparativo dos sistemas e mecanismos de controle automático, regulação e comunicação nos seres vivos e nas máquinas, segundo o Houaiss), mas imagine!... Acessei o Google Images (http://www.google.com.br/imghp?hl=pt-BR&tab=wi) e arrastei a imagem para lá. Descobri um endereço  (como consta no rodapé da foto) onde existe uma parecida, mas existem outros sites com a mesma imagem - parece que caiu no domínio público, como se diz. Eu usei esta foto como ilustração para meu blog aqui, por algum tempo, acho-a muito bonita. 

Como a informática está desenvolvida atualmente! Quantas ferramentas existem hoje para incontáveis usos... Não se consegue acompanhar mais a velocidade com que as novidades se sucedem. Os nichos vão se tornando mais e mais especializados. Tenho observado que quanto mais criativa uma idéia, mais favorece ao inventor tornar-se detentor de uma sinecura, aos olhos dos demais, o que não considero verdadeiro, a princípio. Mas, o grande problema que distingo neste contexto  é, hoje em dia, o jovem desenvolver apropriadas habilidades sociais e profissionais em tal cipoal de oportunidades. Sem orientação existe grande perigo de desvio de formação - basta ver quantos ilícitos se comete mediante o uso do computador. Cada época tem seus perigos mais típicos... Boa noite...


terça-feira, 6 de dezembro de 2011

130a. postagem: Reflexão matinal...

Detalhe do Profeta Jeremias, de Michelangelo
(Capela Sistina, Vaticano)


Acabo de realizar meu estudo da Palavra, ao iniciar o dia (após fazer o café da Ruth, disponho sempre os livros, opúsculos e a Bíblia de Estudos de Genebra para conduzir minha leitura e meditação das escrituras). Que privilégio poder começar sempre o dia assim!

A Bíblia é uma obra única. Mesmos não-crentes com um mínimo de erudição ou letramento sabem apreciar o notável repositório de sabedoria que ela encerra. Já vi literatos agnósticos afirmarem que ela possui textos de notável beleza dramática e estilística, afora as virtudes espirituais implícitas da narrativa. 

O crente deve munir-se de ferramentas de interpretação para o correto entendimento dos livros que compõem a Bíblia, individual e no seu conjunto, visto que é uma coleção de obras escritas por diferentes autores (ainda que uma só seja a inspiração) em datas e épocas bem distintas e variadas. A riqueza e o correto ensino da Bíblia se esvanecem quando a abordamos de modo inapropriado como, por exemplo, lendo passagens pinçadas a esmo, aleatoriamente. 

A Hermenêutica bíblica hoje compreende um conjunto extenso de disciplinas, cada uma delas com uma profundidade enorme... Quando fiz meus estudos bíblicos e teológicos no Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper, do Mackenzie (SP), fiquei impressionado com a vastidão e complexidade do ramo, com autores, pesquisadores, estudiosos das mais diversas origens, tendências e escolas de interpretação. É fácil a pessoa se ‘perder’ quando não se tem normas corretas e apropriada orientação para apreciar o razoado de tantas posições. 

Muitas passagens são claras para qualquer leitor, mas outras não. Veja esta passagem, contida no livro do Profeta Jeremias (cap. 29: vs. de 11 a 13, versão Almeida Corrigida e Revisada Fiel, obtido de http://www.bibliaonline.com.br  em 05/12/11):

11 Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais.
12 Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei.
13 E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração. 

Lemos diretamente aqui nestes 3 versículos como o Deus da Paz coloca claramente que, se o crente busca-lO  de todo o coração, via oração, será por Ele ouvido. Esta grandiosa promessa já nos suscita anelar por esta relação toda especial. Mas o amplo aprendizado que esta passagem encerra só se descortina se nos aplicarmos a discernir também, entre outros aspectos, o seu entorno, o seu contexto -  no caso, a situação que Jeremias aborda, que é aquela do reinado dos últimos reis de Judá: Josias, Jeoacaz, Jeoaquim, Joaquim e Zedequias. 

O Profeta Jeremias (seu nome quer dizer Yahweh estabelece) era também Sacerdote, originário da cidade de Anatote, situada no território de Benjamim e foi chamado por Deus em 626/7 a.C., com aproximadamente 20 anos.  Jeremias viveu durante o período de desintegração do reino, presenciando a destruição de Jerusalém e do Templo; ele profetiza em meio a um conflito opondo, de um lado, a adoração idólatra de deuses estrangeiros (bem estabelecida desde o reinado de Manassés, 696-642 a.C.) e, de outro, a adoração ao Senhor, que Josias tentou restaurar com sua reforma (como vemos em 2 Reis 22 e 23). Jeremias vem a testemunhar  o fracasso da reforma de Josias, visto que as praticas nefastas de Manassés foram também realizados pelos sucessores de Josias.

Esta situação toda, parcamente esboçada aqui, dá um colorido e redimensiona a amplitude da Palavra para o crente, expressa naqueles 3 versículos acima. Portanto, o convite à sabedoria pelo estudo das Escrituras pressupõe, adicionalmente, a que a pessoa se esforce para averiguar as condições, a situação da entrega e do registro da Palavra que, muitas vezes aplicada objetivamente a uma necessidade do homem do seu tempo, vem a servir também para o homem dos dias de hoje... 

Para auferir tudo isso temos à disposição, hoje em dia, uma miríade de comentários bíblicos, artigos acadêmicos, estudos da Escola Dominical, etc., que permitem esclarecer sobre estas necessárias informações ‘contextuais’. Que possamos apreciar a Palavra aproveitando todos os recursos que Deus nos faculta nestes últimos dias!

 Profeta Jeremias
(Pintura de Rembrandt van Rijn)

domingo, 4 de dezembro de 2011

Morte sem graça...

19 fev 1954 - 04 dez 2011

O ex-futebolista Sócrates faleceu na madrugada de hoje, em São Paulo; estava internado no Hospital Albert Enstein desde o dia primeiro, por complicações advindas de uma infecção intestinal. Ele morreu em decorrência de um choque séptico por volta das 4 horas e 30 minutos. Sua saúde já estava abalada por dificuldades anteriores (esteve internado há pouco por problemas hepáticos decorrentes do abuso do álcool), o que determinou a  complicação do seu caso, levando-o a óbito.

Tinha um nome bem comprido: Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira, mas apelidos solenes e que homenageavam condignamente seu talento ou o seu biotipo: Doutor Sócrates, Doutor, Magrão, Calcanhar de Ouro. Era uma pessoa inteligente, querida pela nação corintiana, principalmente, e manteve-se sempre ligado ao esporte, atuando inclusive como comentarista esportivo. Quando lembro dele vejo uma pessoa recolhida, ensimesmada, de olhos tristes. Quem pode saber o que vai no coração do outro?

Sua partida precoce deixa-nos, a todos, mais carentes; cada ser que fenece é um empobrecimento da humanidade, mas morrer assim, 'bestamente', como se diz em minha terra, é muito triste. Fico chocado com estes paradoxos todos. Ele era médico, sabia o que fazia quando bebia sem medida. Fico aturdido com pessoas que se mutilam, aniquilam-se paulatinamente (ou não) via drogas ou procedimentos manifestadamente nocivos. Como não amar um patrimônio tão nosso como nosso corpo - é o nosso único meio de relacionamento como o mundo!

Cedo compreendi que seria muito bronco, obtuso, se não gerenciasse minha saúde com o melhor conhecimento disponível. Lembro-me das palestras familiares que minha mãe promovia em casa com a filharada, explicando a função dos diferentes alimentos, os grupos diferenciados de nutrientes e o papel dos reguladores, tudo contribuindo para o apropriado funcionamento do complexo organismo. Somos (em grande medida) o que comemos. Eu prometi doravante a mim mesmo alimentar-me bem, valorizando cada variada garfada. Agradeço a Deus esta abrangente graça imerecida. Ainda mais agora vejo como o conhecimento do que Deus espera de cada um pode ajudar a encontrar o caminho correto também neste particular...

Esta morte assinala a necessidade de promover-se mais e mais a informação adequada sobre a alimentação e os amplos cuidados com a saúde, adornada com a orientação apropriada sobre o respeitar, cada qual, a si mesmo (e os demais), em amplo espectro, pois é incongruente vivermos impondo-nos (e, reciprocamente, aos demais) encargos que poderiam ser evitados com a honesta e coerente ação voltada à preservação de nosso vigor, em todos os níveis.

Esta, a contradição, é uma marca que vejo como a mais marcante de nossa geração: tanta informação veraz no sentido de pautarmos de modo salutar (noss)as ações para termos uma vida com qualidade, de um lado e, de outro, tantas atitudes em sentido contrário com o que seria coerente com os ensinos destas multifacetadas informações, do conhecimento que a humanidade vem consolidando há tanto tempo. Mas parece que está embutido no ser humano o retrocesso, a burriquice: agir seguidamente como se não detivesse tão críticos conhecimentos. É nossa natureza, ao que se afigura... Que a morte deste ser humano afável, de gestos elegantes, de talento reconhecido, não seja em vão.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Oscar Fingal O'Flahertie Wills Wilde

Oscar Wilde
(obtido nesta data de http://pt.wikipedia.org/wiki/Oscar_Wilde)

          Tenho um libreto que ganhei há tempos de um amigo paranaense que costumava aportar por aqui, na época que ainda trabalhava no Centro Universitário UNIFEOB. Chamava-se Rodrigo, e era um vero empreendedor da área da educação, cativante mesmo (as mulheres diziam-no muito charmoso). Nunca mais o vi, mas ficou a lembrança. Este livro ('Aforismos', de Oscar Wilde, Rio de Janeiro: Newton Compton Brasil Ltda., 1997. Coleção Clássicos Econômicos Newton, vol. 02; tradutor Mario Fondelli) traz saborosos ditados do conhecido (e polêmico) poeta, romancista, comediógrafo, talvez o mais importante escritor da época vitoriana. Este simpático opúsculo (98 p.) traz também ótima nota biobibliográfica sobre Wilde, além de boa Introdução, de autoria do conhecido intelectual italiano Riccardo Reim (veja http://www.riccardoreim.it ). Pesquise no endereço da wikipedia acima um bom resumo da conturbada vida de Wilde. É um autor "obrigatório"...

          Suas frases fazem pensar, não tanto pelo inusitado da costumeira apresentação verbal - ele esgrimia com maestria as palavras - mas pelas verdades que embutem. Uma das minhas preferidas (e com a qual me identifico, de certa maneira) é   'Adoro as coisas simples. Elas são o último refúgio de um espírito complexo'. Um grande frasista sabe ser sintético, mas com estilo! Em verdade, serve esta frase a todos/todas e qualquer um; todos somos pessoas de imensa complexidade, todos nós, humanos, pessoas, mesmo os que recusam esta existencial determinação de pessoalidade.

          Mas o que gostaria de comentar hoje aqui é uma de suas frases modelares sobre a verdade. Aprecio também os ditos de Sebastian Melmoth (uma de suas conhecidas onomatóposes...) porque carregam um certo desafio de reflexão, como aqueles paradoxos zen que intentam realizar nossa iluminação mediante o estupefacto meditar nelas. Diz assim:

Raramente se dizem verdades que merecem ser ditas. Seria preciso escolher as verdades com o mesmo cuidado com se escolhem as mentiras, e escolher as nossas virtudes com aquele mesmo cuidado que dedicamos à escolha dos nossos inimigos (opere citato, página 89).

          Nesta nossa sociedade, progressivamente mais e mais adoecida, a cada vez 'precisamos' ser menos verdadeiros, ao que (paradoxalmente) parece... O medo do relacionar-se faz-nos pensar demais (e sucumbir à tentação) em falsear nossos relacionamentos, pois nunca vemos claramente o que os outros poderão fazer com as nossas 'verdades'. Mas, ao fim e ao cabo, demonstramos muito nosso não-ser, o que não nos pertence, de fato. Só pode resultar em confusão, o que, parece também, ser a marca destes nossos tempos.

          Interessante como nosso Autor liga aqui verdade com a idéia da virtude que, para mim, é esta inerente, intrínseco à idéia da Ética enquanto tal. Nossa pessoalidade é organizada e expressa em grande medida pelas virtudes que cultivamos. Pode-se estimar, avaliar muito o(a) outro(a) pelo que ele/ela demonstra com sua conduta virtuosa (ou viciosa). Na verdade é (esta estimativa) algo relativamente fácil, mas de dificultosa aquisição pelo homem/mulher simples.

          Se é trabalhoso, árduo proferir verdades aos demais, o mais precioso é, vejo, a partir destas reflexões de Wilde, aprender a dizer-se verdades a si mesmo...  Como nos auto-enganamos hoje em dia!

sábado, 26 de novembro de 2011

bons tempos...

Foto por Ruth Barroso

          Hoje, quase curtindo merecidas férias, ‘matei’ as saudades de um costume que desenvolvi na faculdade (anos 70...). Certa vez vi uma foto do grande psicólogo Carl Gustav Jung (26 julho 1875 – 06 junho 1961) degustando um belo cachimbo e comecei a pesquisar este antiquíssimo costume (veja umas fotos de Jung – existem outras por aí -  aqui neste endereço: http://briarfiles.blogspot.com/2010/01/featured-pipe-smoker-carl-jung.html). Antigamente não havia esta grita sobre o tabagismo, e havia ainda alguma aura (quero dizer aqui, como consta de uma acepção do Houaiss, ‘ambiente exterior de um estado de espírito’) charmosa associada a tal curtição...

          Sempre imaginei que apreciar cachimbo era algo que envolvia conhecimento e arte, e não me enganei. Adolescente, experimentei cigarro e achei a coisa mais cretina que se podia impingir, depois do álcool. Cachimbo e  charuto, diferentemente do cigarro, não se tragam; saboreia-se o aroma do tabaco, mormente temperado sob variegadas condições e, assim, instila-se no ar olores marcantes, por vezes sublimes, como só quem conhece pode afirmar. 

          Ao longo dos anos tornei-me bastante expert no assunto, comprando livros, adereços e equipamentos, e com ajuda de meus pais que, sempre que viajavam ao exterior, tinham a gentileza de trazer fumos tradicionais por onde passavam. Assim, pude conhecer os melhores fumos ingleses (incomparáveis), holandeses (os meus preferidos), dinamarqueses e americanos, em suas diversas expressões. Gostava muito de todo o ritual de ‘inicializar’ um novo cachimbo, de modo a torna-lo apropriado ao uso. Um cachimbo bom pode custar muito dinheiro, e eu tinha – e tenho ainda algumas peças - uma coleção ótima, constituída em sua maioria de fornilhos que tinha recebido de pessoas amigas e aficionadas pelo cachimbo. Era meu único hobby, e só parei com a prática regular, de um lado, por causa das crianças e, de outro, pelo crescente alarido em torno das melhores ações em prol da saúde – fumaçar hoje não ‘pega bem’, o que concordo, em geral.

          Agora há pouco peguei meu cachimbo inglês (legítimo! é aquele da foto...) Partner Black -- que ganhei de meu quase-sogro José Luiz Jacques Guisard, um verdadeiro gentleman, no final dos anos 70 -- coloquei um fumo holandês Amphora (Dowe Egberts, de Rotterdam), tipo Cavendish (um blend de tabacos Burley, Kentucky, Oriental e Virginia), mild aroma; acendi-o com palito de fósforo, como manda o figurino e, voilá! Contentamento...

          Cachimbar (veja as acepções que este termo tem no Houaiss...) é algo que se concede primacialmente de modo isolado, meditativo, solipsista. Ajuda a pensar e refletir. É algo que ajuda a ‘fugir’ desta barafunda que é a vida moderna; é um breve 'retiro', saudável (psicológica e espiritualmente falando...) e refrescante, que se auto-presenteia, geralmente em um determinado lugar da casa (o meu é uma cadeira de balanço da sala de estar, de onde posso ficar olhando a linda paisagem que se descortina da janela do meu apartamento). Hoje, para mim, cachimbar tem um sentido mais de nostalgia (no bom sentido), algo que se permite fazer de vez em quando, para recordar, remembrar bons momentos que não voltam mais...
(para saber mais sobre Jung, veja http://www.nytimes.com/learning/general/onthisday/bday/0726.html

sábado, 19 de novembro de 2011

A Pajem e o Lobo


Foto obtida nesta data do site
http://fohn.net/wolf-pictures-facts

         Conta a fábula (nro. LXXXV do livro Aesop's Fables, London: Penguin Popular Classics, 1996, p. 88) que um lobo errante, procurando comida, passou frente a uma porta onde uma criança estava chorando e sua pajem a estava censurando. Assim que o lobo parou para escutar, ouviu a senhora dizer "se você não parar de chorar agora, vou te colocar para fora e o lobo vai te pegar!!

        Imaginando que a mulher pudesse ser boa como afirmava, o lobo esperou quieto fora da casa, contando com uma ótima refeição. Mas assim que escureceu e a criança se acalmou, o lobo escutou a pajem mimando a criança  dizendo "Que menino bom! Pois agora se o lobo malvado aparecer eu vou bater nele até morrer! "  

       Desapontado e mortificado, o lobo pensou que era agora hora de ir para casa. Esfomeado como somente um lobo pode ser, ele foi embora murmurando consigo mesmo "Isto é o que acontece por escutar pessoas que dizem uma coisa, mas querendo significar outra..."

       Este é mais um exemplo das mazelas humanas; nossa comunicação é muito complicada. A linguagem é um fenômeno tão dúbio, tão enganador, que é notável que possamos nos compreender amiúde (pelo menos é o que parece!)... Sei, os termos são por vezes polissêmicos, mas falo mais da intencionalidade que subjaz no emprego das palavras. 

      Eu, psicólogo por profissão, educador por vocação (se bem que muitos pedagogos acham que este termo é privativo de sua prática, que viés ...), lembro sempre aos meus alunos como devemos ser muito observadores da totalidade do ser (e da situação) do interlocutor, se desejamos realmente chegar perto do que ele/ela tenciona em sua fala.... e mesmo assim não se garante a real intelecção. Eu sempre assumo que (talvez) chego 'perto', e assim tenho evitado muitas decepções. Mas creio que este fato seja mais uma evidência (ou decorrência?) do inexorável, inelutável solipsismo a que, ao que tudo indica, estamos todos encerrados.

       Este ano, academicamente, foi muito interessante para mim. Precisei substituir na Faculdade uma professora na disciplina de Psicologia Humanista Existencial e, em virtude dos debates dos diversos assuntos, realizei boa revisão destas idéias. Um tema pertinente é a atividade de conferir sentidos, que parece ser privativa dos humanos. Ainda que existam alguns, como o notável literato Rubem Braga (1913-1990) que afirmem que as coisas, em geral, não tem sentido algum, sabemos que o conferir sentidos é-nos imanente, mesmo essencial à nossa natureza e práxis. E fazemos isso primacialmente pela linguagem, ainda que imperfeita, provisória, enganadora...
   
       A arte de viver - que muitos hoje em dia aparentam desprezar seu aprendizado - está imbricada no aperfeiçoamento do nosso linguajar, seguramente. Agradeço aos céus ter tido este vislumbre logo cedo em minha juventude, o que tem, creio, me poupado de muito desalento e aflição. Estou ainda aprendendo. Vejo como uma das tarefas mais lancinantes (a que nos podemos propor) a imperiosa, preciosa introspecção - e como é trabalhosa! Mas como pretender saber um pouco do outro se não nos entendemos um tanto mais? Assim vejo a equação - entender ao outro a partir do entendimento que obtenho de mim mesmo. É divertido ver as agruras daqueles que querem se entender a partir do outro - tenho minhas reservas sobre tal estratégia...

sábado, 12 de novembro de 2011

fim de ano

Fim de ano na Ilha da Madeira
(foto obtida agora no site http://www.baixaki.com.br)

          Nossa, semana que vem iniciam-se as provas finais no Centro Universitário. Mês seguinte, os exames dos 'recalcitrantes', e merecidas férias... O tempo passa, nesta voragem dos fins dos tempos, cada vez mais rápido (pelo menos é assim que vislumbro, que sinto...) e não atinamos suas consequências. Hoje fui a Mogi Mirim no almoço de casamento de sobrinho José Antônio -  o 'casório' foi ontem; Ruth foi mas eu não pude, pois tinha que ministrar 4 aulas no UNIFAE - levei à tarde Lívia a Rio Claro e voltei a São João da Boa Vista, desta vez por Piraçununga (é assim que se grafa no Houaiss, significando cachaça; não sei se o nome da cidade é, no uso corrente, grafado, como desconfio, 'Pirassununga'...), pela estrada que vai a Aguaí, cidade perto daqui. Que 'périplo'... é muita kilometragem e só fico agradecendo ao Pai Celestial pelo livramento, pela bênção de poder fazer tudo isso em segurança! Sei que se Ele assim dispusesse, eu seria ceifado num átimo, num estalar de dedos (nem isso...) visto tantas são as situações, e Ele é Soberano, está no comando total, como dizemos na Igreja.

          Amanhã tenho, antes de ir à Igreja, muita correria, muito 'trabalho braçal': relatórios, corrigir trabalhos, averiguar o site americano de concessão de vistos de viagem ao exterior, examinar papers e outros documentos, elaborar aula da Escola Dominical (classe dos adultos), uff!, um 'monte' de coisas! É raro poder ficar em frente à TV por puro deleite, regalo, de 'papo para o ar'... Quanto tempo faz que não assistimos um filme no DVD, como assinala Ruth... Ainda bem que nas férias 'tiramos o atraso'...

          Quinta feira tivemos curso de Brigadista (noções de combate a Incêndio e Primeiros Socorros) aqui no condomínio. Isto é necessário para renovarmos a licença de funcionamento. Quantas instruções interessantes! Graças ao auxílio de um condômino de boa alma, conseguimos reunir o número necessário de 'alunos', face à existência de 96 apartamentos aqui. A meta agora é expandir as atividades para aperfeiçoar nossa segurança, em todos os sentidos.

          Sexta feira ministrei, representando nosso Centro Universitário, mais uma palestra sobre Auto-conhecimento e  Gerenciamento de Stress para os Policiais Militares da Vigésimo Quarto Batalhão da PM, sediado aqui em São João. Gosto deste trabalho, pois podemos cooperar para o aperfeiçoamento de tantos bons profissionais, que muitas vezes são injustiçados em suas atividades. A sociedade tem uma dívida enorme para com a Polícia Militar, frente à abnegação e dedicação destes homens e mulheres que, não raro, dão a sua vida em prol do bem comum. Ainda temos mais dois encontros similares, até o fim do ano.

sábado, 5 de novembro de 2011

Quarta netinha...

Noemia Marie Dutra
*02 de Novembro 2011, Salt Lake City (Utah)

          Estamos em festa, as Famílias Jones e Dutra - nasceu mais um membro! Como de praxe, digo que ela é muito parecida com meu filho, que coisa linda; lembro-me de quando ele nasceu, em 04 de novembro de 1982, lá em Rio Claro, no Hospital Evangélico. 
Minha filha Marília com a nova sobrinha
Marília é muito 'coruja' com a sobrinhada...

          Ficamos aqui orando ao Pai Celestial para que Ele abençôe esta nova pessoinha; que ela tenha todo o amor do mundo e o acompanhamento de seus pais em todos os seus passos. Os irmãos Drake (o mais velho) e Gavin estão 'babando', como o pai. Que 'inveja', imagino a felicidade!

 Drake Boyd, JD & Gavin Ross, os 3 Dutras...
 Meu filhão é 'agarrado'  nos meninos como eu era com ele!
(JD conta que os 2 são muito 'arteiros'...)

Olha os dois garotos com a irmãzinha; imagino o trabalho que ela vai ter com os dois manos e mais o pai 'pegando no pé' dela por causa de namorado, etc... Coitadinha!

Espero que Deus me abençôe num futuro próximo para que eu possa acompanhar o crescimento destes meus netos lá nos Estados Unidos. Tenho que ajudar meus filhos com a filharada... Bem, não esqueço que ainda tenho a Lívia - ela está com 10 anos e, 'imagina', daqui a uns 15 anos quem sabe também já encaminhou sua vida - ela já disse que ter 'muitos' filhos. Ela adorou a nova sobrinha - ela se dá muito bem com crianças, nenês especialmente; se tudo der certo iremos todos o ano que vem conhecer lá a nenezinha....

          Quando aposentar (faltam somente 8 anos) irei sempre para a América do Norte ver a turma. Marilia - quem sabe até lá também vai estar casada...- vai me dar outros netos e vamos fazer 'aquela' bagunça. Nada como curtir a familia - o tempo vai passando e os cenários vão se alternando, é a lei da vida. Oro para que o Pai Celestial me conserve com saúde para eu poder ver meus netos ainda por muitos e muitos anos!

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

GO - Grupo de Oração

barns grand tetons mountains
Obtido nesta data de
http://rst.gsfc.nasa.gov/Sect6/Sect6_6.html

          Hoje à tarde houve mais um encontro do GO das segundas feiras (tenho outro, às quintas feiras, sempre aqui no meu apto.), que a cada semana se reune alternativamente na casa de cada membro. Sempre é edificante, um bálsamo!
         
          Todos nós sabemos que ORAÇÃO é como se fosse o ‘fôlego da alma’, que nos é dado por Deus Pai, Filho e Espírito Santo, graciosamente, para nutrir nossa relação vital com Ele, para ajudar a constituir o sentido de nossa existência e cultivar a vida entre as pessoas. A oração é uma das maneiras mais belas de vivermos a Fé Cristã: pela oração reconhecemos a total dependência para com nosso Pai Celestial.
  
          A intenção destes GO é propiciar uns aos outros um tempo de compartilhamento, agradecer e orar pelas nossas necessidades e de pessoas que nos solicitam, e realizar um pequeno estudo dos ensinamentos da Bíblia, tanto do Antigo como do Novo Testamento. Não realizamos normalmente qualquer tipo de pregação com esta atividade ecumênica, que é aberta a todos (qualquer um pode convidar quem quiser para comparecer). O desejo é somente reunir cristãos e/ou demais interessado(a)s em compartilhar suas orações e interceder por aqueles que necessitam, além de apreciar as verdades e tesouros do Evangelho.

            Uma reunião típica se inicia com um bate-papo informal, segue-se o breve entoar de hinos (um ou dois) e o registro em livro próprio das intercessões solicitadas para o grupo. Após, são oferecidas orações audíveis pelos membros presentes que desejam orar e, em seguida, há a leitura e debate sobre os ensinamentos contidos em uma passagem bíblica. Habitualmente quem hospeda a reunião de oração serve chá (ou refrigerante) e biscoitos (ou bolo, etc.) ao final, antes do papo final e das despedidas.

           É comum o pessoal comunicar que 'estava esperando a semana toda'  pela segunda feira, para participar do GO. Sentimos falta mesmo do encontro, quando não se pode participar, por um motivo ou outro... É uma hora abençoada!

          Quem sabe você não se anima a organizar um GO em sua casa - faz um bem danado!

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

aula... e dica de site de imagens grátis!

Image: vorakorn kanokpipat / FreeDigitalPhotos.net

           Olha só que imagem incrível! Obtive -a agora, grátis, no site citado acima (conforme instruções dos mesmos) que tem milhares de imagens, uma mais linda que a outra... Para quem aprecia fotografias, um 'prato cheio'!!

          Ontem ministrei auma aula sobre técnicas de psicologia humanista-existencial, da vertente rogeriana, para alunos do sexto semestre. Para mim foi um momento especial. Pude esclarecer muito do meu modo de ser como docente, coisa que muitos alunos tem dificuldade de discernir. Fico feliz em poder ser cristalino e autêntico em minhas relações com eles. Como sempre digo, penso não somente no aqui-agora da vivência da sala de aula, mas n'eles como meus colegas e profissionais logo-aí, no próximo futuro...

          Esta minha experiência choca-se com uma constatação que a cada vez se apresenta à minha pessoa. Os relacionamentos hoje em dia estão com tonalidades que eu desconhecia até a poucos anos. Não sei se a velocidade das diuturnas e polifacetadas exigências e/ou o fluxo cada vez mais "bombardeante" dos dados e informações que caem sobre nossa cabeça que cooperam, no seu conjunto, para nos deixar cada vez mais alienados de nós mesmos nestas relações que somos confrontados a cada minuto. Constato isto por inúmeros 'sinais' (que denomino 'sintomas'), sendo talvez o mais insidioso o fato das pessoas 'não escutarem' o que você diz. Parece que somos, no mais das vezes, platéia para discursos solipsistas, ensimesmados, apartados. O outro definitivamente parece, nestes tempos pós-modernos, transmutado no 'inferno' a que aludiu Sartre. Mas eu acho mesmo que (por nossa humana deficiência intrínseca neste amplo, complexo entorno social hodierno) transformamo-nos, para cada qual de nós mesmos, em vera inferneira para nossa mútua compreensão e enfrentamento... Será que tem jeito?

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Caramba, esqueci...

ilustração obtida nesta data de
http://hypescience.com/com-o-erro-se-aprende-a-errar/

          Chateação! Segunda feira fomos, Ruth, Lívia e eu, a Campinas apanhar nossos passaportes e nem me dei conta de pagar boletos que venceram no fim de semana e no dia aprazado. Agora terei que ir de banco em banco (onde o título está em cobrança) pagar cada 'fatura', pois tem juros, etc... Ah, estas modernidades! E o pior é que fiquei à noite descansando - lendo e vendo TV - da maratona que foi o dia (fomos também ao shopping Iguatemi, o melhor da cidade; almoçamos com os irmãos num almoço festivo na casa dos meus pais...) e poderia ter pago via web facilmente as pendências. Quando se envelhece ficamos mais esquecidos, realmente, mas parece que este problema não me apoquentava quando jovem (ou eu não lhe dava a devida importância, não sei dizer...).

          Agora, quarta feira cedo - 6 e 30 da manhã (hora que normalmente já acordei 'faz tempo'...) - feriadão, com este silêncio adorável, ouvindo o chilreio dos pássaros lá fora (como tem pássaros aqui! ah, também  lagartos, alguns grandes...) coloco minhas idéias em ordem. A mesa está uma bagunça, com  papéis para arquivar, livros e diversos objetos e outras coisas para processar. Ao meio dia temos churrasco para nos divertir, com gente jovem, todos colegas de faculdade de Bilú. Antes, farei minha ginástica diária (ou quase...): pular no mini-tramp uma hora, frente à TV, 'escaneando' os canais...

          Ontem à noite, véspera de dia comemorativo do Dia das Crianças, pouquíssimos alunos foram à aula. Ministrei a somente 5 estudantes, e fiquei mais uma vez triste pelas pessoas que não puderam privar da estimulante aula. Discorremos sobre um importante assunto - as condições da relação de ajuda, segundo Carl R. Rogers, dentro da disciplina de Psicologia Humanista-Existencial - entendimento primacial dentre as práticas psicoterapeuticas neste campo do saber. Notei que outros cursos lá de nosso Centro Universitário não tiveram uma presença sequer, e isto em várias classes. Não entendo este tipo de 'desânimo' de nosso alunado. Na verdade nem sei se é desalento ou um tipo de preguiça que se nos assalta cotidianamente, pela enormidade de compromissos e estímulos que esta pós-modernidade nos determina. Mas para esta moçada fugidia esta evasão (pode ser entendida aqui esta palavra especificamente ou no sentido figurado, veja só a polissemia...) é-lhe de certo modo desastrosa: não volta mais esta vivência, esta significativa intelecção. Nem digo pela falta que fará na avaliação de aprendizagem que procederemos ao final do semestre, mas pela oportunidade perdida de segura vivência que cooperaria para moldar, de modo modelar, sua vida profissional.

          A razão desta digressão se perfaz, se apresenta sempre à minha consciência visto que a enormidade de dados e informações (no âmbito mais técnico estes termos tem significações diversas!) impõe novo tipo de escravaria ao cidadão - não dispomos naturalmente de cabedal apropriado para lidar com esta enxurrada... Muitos, ouso dizer - a maioria -  não sabem o que fazer com tanta opinião e conhecimento expressos em revistas, jornais e livros, TV, informes acadêmicos, documentos, relatórios técnicos, ou seja, textos diversos que nos são 'despejados' ininterruptamente... Como formar, em meio a esta torrente, um senso crítico? Creio que este desafio, o criticismo (à vezes leio 'criticidade' - existe?), é o maior que se impõe aos educadores daqui para a frente...

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Steve Jobs



          Impossível passar em branco... Que bonito ver uma pessoa passar por este mundo e deixar a sua marca! Sei que cada pessoa tem sua importância, e não tem sentido fazer comparações - esta 'briga' é de cada um consigo mesmo. Mas este rapaz - um ano mais novo que eu - inegavelmente contribuiu para que o mundo ficasse bem melhor. Eu não conheco os produtos da Apple - se fosse mais barato ou eu necessitasse para meu trabalho seguramente os teria examinado, mas não é necessário experimenta-los para saber de suas inegáveis qualidades. Steve foi um gênio na inovação, no marketing e na comunicação. Mas não é somente pelas inovações e produtos que Steve vai ser lembrado.

          Existe um video no YouTube ( http://www.youtube.com/watch?v=D1R-jKKp3NA ) onde Steve faz um discurso para formandos na universidade americana de Stanford, em 2005. Vale a pena assistir (está em inglês). Na página de um dos jornais de notícia da TV Globo apanhei uns trechos traduzidos deste discurso que irei comentar brevemente ( http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2011/10/confira-frases-marcantes-do-co-fundador-da-apple-steve-jobs.html ).

          Ele abordou ali muitas coisas interessantes, que valem para todos nós, e fico pensando em meus alunos - gostaria que alguns deles lessem e meditassem nisto...  "Às vezes a vida te bate com um tijolo na cabeça. Não perca a fé. Estou convencido de que a única coisa que me fez continuar foi que eu amava o que eu fazia. Você precisa encontrar o que você ama. E isso vale para o seu trabalho e para seus amores. Seu trabalho irá tomar uma grande parte da sua vida e o único meio de ficar satisfeito é fazer o que você acredita ser um grande trabalho. E o único meio de se fazer um grande trabalho é amando o que você faz. Caso você ainda não tenha encontrado  [o que gosta de fazer], continue procurando. Não pare. Do mesmo modo como todos os problemas do coração, você saberá quando encontrar. E, como em qualquer relacionamento longo, só fica melhor e melhor ao longo dos anos. Por isso, continue procurando até encontrar, não pare".   Esta coisa de fazer com amor as coisas que nos são caras é importantíssimo! Vejo com tristeza que alguns alunos estão fazendo seu curso sei lá o porquê. Passam uma impressão ruim do resultado de seu estudo para seu ser, seu futuro... No meu tempo de faculdade, a imensa maioria de meus colegas era apaixonada pela Psicologia, e os professores adoravam dar aulas em nossa classe porque a gente era comprometido e discutia com ardor os assuntos; líamos os textos, preparávamos as tarefas, prestávamos muita atenção e participávamos de tudo quanto surgia na Universidade... Muitos de meus colegas de classe fizeram Mestrado e Doutorado... Parece que tem mais gente 'perdida' hoje ou é porque estou ficando velho??

          O que mais me tocou neste discurso foi ele discutir sobre a morte, tema que me fascina:   "Lembrar que eu estarei morto em breve é a ferramenta mais importante que eu encontrei para me ajudar a fazer grandes escolhas na vida. Por que quase tudo – todas as expectativas externas, todo o orgulho, todo o medo de se envergonhar ou de errar – isto tudo cai diante da face da morte, restando apenas o que realmente é importante. Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira para eu saber evitar em pensar que tenho algo a perder. Você já está nu. Não há razão para não seguir o seu coração.   (...)   Isto foi o mais perto que cheguei da morte e espero que seja o mais perto que eu chegue nas próximas décadas. Tendo passado por isso, posso dizer agora com mais certeza do que quando a morte era apenas um conceito intelectual: ninguém quer morrer. Até mesmo as pessoas que querem ir para o céu não querem morrer para ir para lá. Ainda, a morte é um destino que todos nós compartilhamos. Ninguém conseguiu escapar dela. E assim é como deve ser porque a morte é talvez a melhor invenção da vida. É o agente que faz a vida mudar. É eliminar o velho para dar espaço para o novo. Neste momento, o novo são vocês, mas algum dia não tão longe, vocês gradualmente serão o velho e darão espaço para o novo. Desculpa eu ser tão dramático, mas é a verdade".  (aviso: os 'links' já vieram com o texto...) 

          Que lições magníficas! Concordo em genero, número e grau! Sinto-me reconfortado em ver que penso como ele... Ainda hoje vemos como estas questões humanas da finitude e o aniquilamento são existenciais; constituem, também, nossa maneira de ser. Veja como ele conecta esta perspectiva da cessação de tudo com as questões vitais de se entregar de coração à vida, de mudança, das expectativas,  das perdas, e de se 'ter' que agradar as pessoas... Gostei da posição que ele teve ao falar do enfrentamento da morte, como que prenunciando, anos atrás, o que ele passou agora. Percebo que ele deve ter divisado este seu momento (que é-será de cada um) de modo digno, uma maneira especial de coroar a sua existencia enquanto esteve entre nós. Uma grande pessoa, sem dúvida. Todos morremos um pouco ontem, mas com ele, seu legado e sua presença celebramos a vida!