quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Resumo de alguns conceitos pactuais

                                                                            
Recentemente adquiri um livro, com bem cuidada edição, da Editora do site MONERGISMO.COM (que recomendo a todos inspecionar): Keeping God's Covenant, de Herman Hanko e David J. Engelsma, s/l: British Reformed Fellowship, 2006. (95 p.) Fiz abaixo um pequeno resumo dos conceitos centrais explanado no primeiro capítulo, assunto melhor detalhado nos capitulos seguintes do livro, que recomendo a leitura, aliás, bem agradável. Os autores, docentes e ministros da Palavra, tem o dom da escrita clara e objetiva, aliado ao rigor e fidelidade teológica reformada. Estes conceitos irei utilizar numa palestra que ministrarei a casais em atividade na igreja em breve.

GUARDAR O CONVÊNIO -  SALMO 105: 7 e 8
 
Ele é o SENHOR nosso Deus; os seus juízos estão em toda a terra.
Lembrou-se da sua aliança para sempre, da palavra que mandou
a milhares de gerações.
 
            Para alguns, a verdade da Aliança é familiar; para poucos pode ser controversa; para muitos é virtualmente desconhecida.
            Nós todos temos de estar convencidos da importância do Pacto: muitos não praticam a santidade de uma vida cristã como expressão da guarda co Convênio; eles devotam sua vida a Jesus ou imitam a vida de Cristo, ou ainda, obedecem a determinadas regras estabelecidas na Bíblia.
            Digo esta verdade celestial: de  acordo com as Escrituras, o Convênio é de imensa importância a todos nós que nos proclamamos cristãos, visto que, entre outras coisas, todas as bênçãos que recebemos do Pai Celestial são bênçãos pactuais. E como é isso?
       
            Quando Deus planejou a salvação de seu povo em Israel do Antigo Testamento, providência que culminou com a vinda do Messias e a redenção, este mesmo Deus começou seu trabalho fazendo um Pacto com Abraão e sua posteridade conf. vemos em Genesis 12.  A partir deste ponto, a história do Antigo Testamento é uma “história pactual”.
            Desde que esta trajetória tem Jesus como meta, ele veio ao mundo para coroar o Convênio, e sob os auspícios do Convênio. É o que Zacarias explicou sobre o nascimento de Jesus, como vemos em Lucas 1: 72 e 73.  “...para lembrar seu sagrado Pacto, o solene juramento (algumas Bíblias dizem aqui “a solene promessa”) que fez ao nosso pai Abraão”.
            Todo o trabalho salvífico de Jesus foi realizar o Pacto – o novo Pacto – com a comunidade dos eleitos, e com cada pessoa em particular. É o que vemos em HEBREUS 8: 6 a 13, onde o Paulo cita uma passagem de Jeremias que se encontra no cap 31, versos  31 a 34:

Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de uma melhor aliança que está confirmada em melhores promessas.
Porque, se aquela primeira fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para a segunda.
Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, Em que com a casa de Israel e com a casa de Judá estabelecerei uma nova aliança,
Não segundo a aliança que fiz com seus pais no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; Como não permaneceram naquela minha aliança, Eu para eles não atentei, diz o Senhor.
Porque esta é a aliança que depois daqueles dias Farei com a casa de Israel, diz o Senhor; Porei as minhas leis no seu entendimento, E em seu coração as escreverei; E eu lhes serei por Deus, E eles me serão por povo;
E não ensinará cada um a seu próximo, Nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece o Senhor; Porque todos me conhecerão, Desde o menor deles até ao maior.
Porque serei misericordioso para com suas iniqüidades, E de seus pecados e de suas prevaricações não me lembrarei mais.
Dizendo Nova aliança, envelheceu a primeira. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar.

            Pela sua morte vicária, Jesus adquiriu o direito, em nome do povo de Deus, de receber o convênio.
            Pelo seu Espírito e Palavra, Cristo realiza efetivamente o Convênio com cada pessoa do povo de Deus, individualmente. Assim, Hebreus 8: 6 nomeia a Jesus como o “Mediador do Convênio”.
            Sim, somos chamados a guardar o Convênio. Nenhuma tarefa que possamos ter é maior do que o dever de guardar o Sagrado Pacto.
            Mas o que é este Pacto, o Convênio, a Aliança, bênção que vemos percorrer toda Bíblia de forma uniforme, como uma verdadeira unidade??
            O Pacto de Deus com seu povo é um relacionamento único de amizade, de camaradagem íntima, e  amor mútuo. Este era o Convênio anunciado a Adão e Eva no Paraíso, imediatamente após a queda, e também o Pacto de Abraão. Foi também administrado a Israel e a nós todos. Mas não é um tipo de acordo como aqueles que fazem entre si os homens de negócio...
            Nós aprendemos sobre a natureza deste Convênio na Bíblia: ela nos ensina sobre o Pacto, de modo claro e inequívoco, revelando em detalhes em quê consiste esta bênção.

            PRIMEIRO: em toda passagem de escritura onde está implícita a idéia de Pacto, em especial onde se desenvolve novos aspectos do Convênio, as mesmas palavras são empregadas: “EU SEREI SEU DEUS E VOCES SERÃO MEU POVO”.
              Isto está em GENESIS 17:7, no estabelecimento do Convênio com Abraão; em EXODUS 20:2, no prefácio dos dez mandamentos; como apontamos, está também em JEREMIAS 31: 33, no novo convênio para Israel e Judá,  e em APOCALIPSE 21:3, quando João vê a nova criação e a Igreja Gloriosa.
              Estas palavras são claramente a “fórmula do Convênio”, que descreve o Pacto como uma ligação de Amor, sendo esta fala similar quando o homem diz a uma mulher: “eu serei seu marido e você será minha esposa” ;  é similar também quando um homem diz a uma criança “eu serei seu pai e você será meu filho”.
             SEGUNDO, as duas instituições terrenas com as quais a Escritura compara o Convênio são ambos relacionamentos íntimos de amor: a relação matrimonial (veja Ezequiel 16:8) e a relação entre pai e filho (veja Êxodo 4: 23).
             TERCEIRO: uma das mais belas experiências que podemos ter na terra é a relação de companheirismo afetuoso com os amigos, a nossa vida familiar, e também a enriquecedora vida conjugal. Agora, a intimidade com Deus, que precisamente é o Convênio, é, nesse sentido, ainda mais o nosso maior Bem, o mais alto privilégio de amizade, e a suprema bênção para a Humanidade.
             QUARTO: enquanto relacionamento com nosso Pai Celestial, o Pacto não é um meio para alcançar um estado interno maior ou melhor, e, sim, consideramos que o Convênio é precisamente a meta, o fim em si mesmo. A Bíblia ensina que o Convênio é eterno – GENESIS 17: 7 – “Estabelecerei  a minha aliança  como aliança eterna entre mim e você e os seus futuros descendentes, para ser o seu Deus e o Deus dos seus descendentes”.  Também em HEBREUS 13: 20 – “O Deus da paz, que pelo sangue da aliança eterna trouxe de volta dentre os mortos o nosso Senhor Jesus, o grande pastor das ovelhas”.
             Em comunhão com Deus, uma comunhão de crianças com seu Pai Celestial, o Pacto reflete a própria vida divina de Deus – Deus não é um ermitão isolado, ele vive numa comunhão de pessoas.
            Sua rica vida é uma vida Triúna, a vivência de amor do Pai, e do Filho e do Espírito Santo João 1, 18 : Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou.
            QUINTO – Jesus estabeleceu as bases do Convênio com sua morte sacrificial, obtendo para o povo de Deus o direito de serem filhos de Deus.

            Ascendido aos céus, Jesus criou a vívida ligação entre cada alma do povo de Deus e Deus, mediante o seu Evangelho e o Espírito Santo.
            A realização do Convênio era a oração de Jesus, conforme João 17: 21 -  “Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste”.
            A esta oração Deus responderia no dia seguinte, pela redenção da cruz. Assim, como dissemos, Jesus é chamado o Mediador do Convênio (Hebreus, 9: 15).
            Desde que Jesus é o mediador do Convênio, o único caminho para o Convênio, a única experiência do Convênio é a Fé em Jesus o Cristo. OU SEJA, nós vamos  para o Pai somente pela Fé em Jesus – João 14: 5 a 10 :

Disse-lhe Tomé: Senhor, nós não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho?
Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto.
Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta.
Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai?
Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras.

            Mas há que se ressaltar, de modo claro, um outro aspecto no qual o Pai Celestial estabeleceu o Convênio em Cristo: - Deus fez o Convênio pessoalmente com Jesus!
           O Convênio não é feito com o eleito diretamente, é feito diretamente com o Cristo; o Convênio é realizado conosco somente e tão somente porque pertencemos a Jesus.
            De acordo com GENESIS 17: 7, Deus fez concerto, um pacto com Abraão e “sua semente”.  

            Nós podemos pensar aqui em Isaac ou os demais filhos de Abraão, mas a semente de Abraão é Jesus, como aponta Paulo em GÁLATAS 3: 16  Ora, as promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. Não diz: E às descendências, como falando de muitas, mas como de uma só: E à tua descendência, que é Cristo.

             Deus fez a promessa do Convênio a Cristo, ele estabeleceu seu Convênio com Cristo como o cabeça, o principal do Convênio; assim,  ele é nosso representante de todo o povo de Deus.
            Disso sabemos – da mesma maneira que o Convênio da criação (Pacto de Obras) no Paraíso foi feito com Adão como principal, como cabeça da raça humana, da mesma forma o Convênio da Graça foi realizado com Cristo como cabeça da nova raça humana dos eleitos de todas as nações.
            ROMANOS 5: 12 e vers. seguintes compara Adão e Cristo como os dois principais cabeças dos Convênios através dos tempos. Isto implica que o Pai Celestial realiza seu Convênio com aqueles que Ele elegeu em Cristo para a Salvação; em outras palavras, Deus não fez seu Convênio com todos os homens sem exceção – ver GÁLATAS, 3: 29  “E se vocês são de Cristo, são descendência de Abraão e herdeiros segundo a promessa”.
            Portanto, a promessa, o Convênio e sua herança são para aqueles que são de Cristo.
            Estabelecido em Cristo, o Convênio é gratuito, gracioso, é o verdadeiro Convênio da Graça, como as Confissões Reformadas o nomeia.
            Não é Convênio do trabalho do homem, ou oriundo do desejo humano, ou ainda oriundo do valor do homem.
            O Pai Celestial decretou o Convênio em seu Celestial Conselho, somente pela Graça.
            Deus confirmou o Convênio na Cruz de Cristo, somente pela Graça.
            Deus estabeleceu o Convênio no coração dos eleitos e seus filhos crentes (os filhos da promessa – Em  ROMANOS 9: 8 lemos  - Isto é, não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência.
            Deus mantém o Convênio e o aperfeiçoa com todos aqueles que são de Cristo, preservando-os, somente pela Graça.
            O Convênio é incondicional, não depende do pecador. Se dissermos que o Convênio é ‘condicional’, negamos a salvação somente pela Graça.
             À luz do que constitui o Convênio, um vero relacionamento amoroso entre o Pai Celestial e seu povo, estabelecido em Cristo, de modo gracioso, nós podemos entender corretamente o que a Escritura diz quando nos admoesta a guardar o Convênio.
            Os dez mandamentos são obrigações pactuais. EXODO 34: 28 chama os dez mandamentos como “as palavras da Aliança” (ou seja, do Pacto, do Convênio). 
            
             ASSIM, os cristãos são chamados a guardar o Convênio, a observar os termos do Convênio, a realizar o que o Pai Celestial requer dos parceiros do Convênio, vivendo o tipo de vida que serve ao Convênio.
            Como vimos em uma citação do apóstolo Paulo, JEREMIAS (em cap. 31: 33) profetizou:
Mas esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o SENHOR: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.
            Amar a Deus em nossos corações , e obediência a todos os mandamentos não são trabalhos do pecador dos quais dependem o Convênio. AO CONTRÁRIO, eles são bênçãos de Deus à Igreja eleita e seus membros, no labor divino de estabelecer Convênio conosco.
            
            PORTANTO, obedecer à Lei não é mera condição junto ao Convênio mas, antes, um privilégio e uma bênção do Convênio.
             
            Nossa santificação – e isso é o que significa guardar o Convênio – não é nosso trabalho sobre o qual a salvação depende, ou nossa colaboração ao trabalho de Deus.
              
            Convencidos de que é necessário guardar o Convênio, visto que o Pai Celestial assim o ordena, sabemos agora que é o caminho pelo qual somos efetivamente salvos, além do mais porque glorifica a Deus, que é o fim principal do Convênio.
           
             Somos advertidos contra o grave pecado de quebrar o Convênio, como está em Hebreus 6, versículos de 4 a 8, ou ainda mesmo no capítulo 10, versículos de 26 a 31 : 

Porque, se pecarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados,
Mas uma certa expectação horrível de juízo, e ardor de fogo, que há de devorar os adversários.
Quebrantando alguém a lei de Moisés, morre sem misericórdia, só pela palavra de duas ou três testemunhas.
De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue da aliança com que foi santificado, e fizer agravo ao Espírito da graça?
Porque bem conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu darei a recompensa, diz o Senhor. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo.
Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo.
             
            Quem quebra o Convênio, violando e transgredindo o pactuado, é culpado e atrai sobre si a maldição do Convênio.

     EM RESUMO - COMO GUARDAMOS O CONVÊNIO?

             PRIMEIRO – Obedecendo aos dez mandamentos: SALMO 103:  17 e 18

Mas a misericórdia do SENHOR é desde a eternidade e até a eternidade sobre aqueles que o temem, e a sua justiça sobre os filhos dos filhos;
Sobre aqueles que guardam a sua aliança, e sobre os que se lembram dos seus mandamentos para os cumprir.
           
             SEGUNDO – amando a Deus sobre todas as coisas, e isto com todo nosso coração e mente. Para amar a Deus precisamos conhecê-lo e, quanto mais os estudamos na Palavra, mais desejamos vir a conhecê-lo.
           
             TERCEIRO – achegando-nos ao Pai Celestial de modo apropriado – Hebreus 10: 22 e 23 :

Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé, tendo os corações purificados da má consciência, e o corpo lavado com água limpa,
Retenhamos firmes a confissão da nossa esperança; porque fiel é o que promete. 

            QUARTO – aceitando e vivendo a incondicionalidade bilateral do Convênio, na Igreja, na sociedade, no nosso Lar e, aqui, em especial, na união conjugal, uma das maiores bênçãos proporcionadas por Deus aos homens.  Somos advertidos de que esta aceitação da incondicional bilateralidade abrange por vezes sacrifícios, sofrimento e dores – MARCOS 8: 34   E chamando a si a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Aula para futuros formandos


          Os tempos são outros, seguramente, e vejo como os jovens tem dificuldade em discernir sinais para tomar as decisões certas para seu encarreiramento. Já se disse que a overdose atual de informação (o termo mais preciso aqui seria  'dados', visto que tudo o que ocorre por aí nada mais é que fatos ou fofocas que demandam interpretação do leitor, para DAÍ sim se considerar informação - algo útil para quem dela se utiliza) faz as pessoas sentirem-se desorientadas, inseguras, confusas... Falta à pessoa parâmetro para bem julgar, diferenciar o "joio do trigo".  E isto mais drástico para os mais imaturos, sem experiência, sem desenvolvimento. Quanto mais donzel (sic) o pensamento, maior risco para seu detentor, neste cenário pós-moderno (para usar um termo da moda...).

Mas, neste âmbito, alguns temas podem ser úteis para a reflexão:

1. O cenário: a economia em geral modificou-se radicalmente nas últimas décadas, ou seja, as empresas e os postos de trabalhos se transformaram (isso vai continuar, só que mais rapidamente).
2. Existe certa crise da falta de qualificação profissional frente ao mercado de trabalho cada vez mais dependente do uso de conhecimento (o 'quê'), e uso de ferramentas mentais e instrumentais - digo máquinas -  de computação (o 'como'). Isto implica em maior possibilidade de demissões e/ou redesenhos de cargos, para aqueles que não acompanharem a tendência.
3. TRABALHO não é mais sinônimo de segurança. As relações empresa-empregado não são mais duradouras como antigamente.  Pode-se esperar que a pessoa terá vários empregadores (às vezes bem diferentes) num futuro bem próximo, o que já ocorre bom boa parcela da população.
4. Hoje se requer um trabalhador bem preparado, com níveis elevados de Inteligência emocional e domínio de vários tipos de TECNOLOGIA, além daquelas habilidades de relacionamento interpessoal que as antigas famílias passavam aos seus rebentos (e que hoje muitas já não oferecem). Isto cria um descompasso enorme entre o que se espera de um bom colaborador e o que as pessoas acreditam que devam fazer nos diversos segmentos laborais.
5. Vemos hoje ainda, por incrivel que pareça, empresas que “se contentam” com indivíduos medianos, medíocres. Não se apercebem que assim agindo perpetuam sua condição de empresa medíocre também. Aprendi pelo exemplo da MICROSOFT que ela é o que é porque Bill Gates desde o início decretou que sua empresa SÓ teria pessoas bem acima da média, em todos os sentidos.
6. Outro cenário importante que muitos ainda não estão atentando:  o aumento da expectativa de vida média das pessoas. A população está ficando mais velha e isso a passos largos, o que vai determinar profundo redesenho das relações econômicas, além dos declinados acima.
7. E, por fim, fechando esta minha humilde lista, observamos a tendência firme da maior participação das mulheres no mercado de trabalho e nas Universidades, o que implica em reformas perenes na maneira que os generos se relacionam. Veremos ainda outras revoluções nos costumes, algo diversas do que encontramos recentemente.

          Veja o quadro abaixo. Ela sumariza algumas mudanças críticas, sem retorno...  (digo 'crítica', significando, no quadro de referencia organizacional, àquelas mudanças que determinaram/determinam amplamente os resultados das coisas que delas dependem)

ATÉ DECADA 
DE 70
ENTRE ANOS
70 e 90
ATÉ O ANO 2000
DESDE 2000 ...
EXPERIÊNCIA
ALTA ESCOLARIDADE
PERFORMANCE
TRABALHO EM EQUIPE
TRANQÜILIDADE
CONFIANÇA
CURIOSIDADE
TRAB. POR PROJETOS
TEMPO DE CASA
“POLÍTICO”
INDEPENDENTE
MOSTRA RESULTADOS
DEPENDÊNCIA
CRIATIVIDADE
GERA MUDANÇA
AUTODIDATA NO SEU DESENVOLVIMENTO
CARREIRA SOLIDA
COMPETITIVIDADE
COOPERADOR
GLOBALIZADO
RESISTENCIA À MUDANÇA...
APTO A MUDAR! A PESSOA SE ADAPTA...
MULTIPLICADOR
FACILITADOR, COM  SOLIDARIEDADE
SALÁRIO FIXO
SALÁRIO VARIÁVEL
SALÁRIO POR OBJETIVOS E METAS
MELHORIA CONTÍNUA E BONUS; AÇÕES
POUCO CONHECIMENTO
ELEVADO CONHECIMENTO
COMPROMETIMENTO
LIDERA MUDANÇAS; CONSULTOR INTERNO
LEAL  À  EMPRESA
ESPECIALISTA
GENERALISTA
MULTIESPECIALISTA

          Analise este quadro com cuidado - veja como cada dimensão evoluiu, com dráticas alterações de perfil.  Este quadro pode ajudar a determinar algumas necessidades imperiosas (muitas destas determinações mão são claramente discernidas, num primeiro olhar...) para o profissional que se prepara para enfrentar o mercado de trabalho, estabelecendo alguns CRITÉRIOS pessoais para o mesmo se auto-avaliar constantemente:
  1. Ficar atento às oportunidades que surgem e que o profissional mesmo “determina”...
  2. Montar um PLANO DE CARREIRA, com objetivos e metas situados no tempo.
  3. O trabalho tem que ser adequado à VOCAÇÃO, o que envolve pesquisa permanente de interesses e aperfeiçoamento de habilidades (sabendo que a somatória delas é que forma o núcleo da sua Motivação).
  4. COMPETÊNCIA PROFISSIONAL é a somatória de estudo e treinamento. Isto pressupõe capacitação constante !! 
  5. IDONEIDADE. Isto mais do que nunca será um diferencial neste mundo cansado de corrupção e conluios. 
  6. A pessoa deve possuir saúde física e mental (adornadas com energia e simpatia), e isto se conquista com alimentação correta, atividade física, atitude positiva de vida, religiosidade e alguma terapia, pois ninguém deve se 'endeusar'... 
  7. Toda pessoa cônscia deve ter uma reserva para tempos turbulentos. Isto se planeja a longo prazo e com medidas amplas e coordenadas. 
  8. Construir e manter o NETWORKING. Ninguém é uma ilha, realmente.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Conduta assertiva e outras modernidades.


Outro dia ministrei aula sobre assertividade para meus alunos. Não se trata somente de assunto didático - preciso instruir a moçada sobre certa falta de conduta que muito se observa hoje e que já foi assunto de artigos meus em jornais. Há muita confusão hoje em dia sobre como se deve portar junto aos demais. A regra geral parece ser, entre os jovens, da grosseria pura e simples. E quando a gente enfrenta certos descalabros somos taxados de 'arrogantes', como sou conhecido entre os alunos... 

Assertividade, segundo o Dicionário Houaiss, é qualidade ou condição do que é assertivo: que faz uma asserção; que declara algo, positivo ou negativo, do qual assume inteiramente a validade;  mesma coisa que declarativo; afirmação que é feita com muita segurança, em cujo teor o falante acredita profundamente.

O conceito de assertividade, compreendido como uma subárea das habilidades sociais, envolve a afirmação dos próprios direitos e a expressão de pensamentos, sentimentos e crenças de maneira direta, honesta e apropriada (sem ser agressivo, sarcástico ou lamuriento), de modo a não violar o direito das outras pessoas. Nas relações interpessoais, assertividade se refere a uma amplitude positiva de respostas e de soluções ganha-ganha, nas quais todos os envolvidos sentem-se confortáveis e comprometidos com os resultados a serem alcançados. 

O comportamento assertivo é ativo, direto e honesto, transmitindo uma impressão de auto respeito e respeito pelos outros. Uma pessoa assertiva convence pela influência, atenção e negociação, oferecendo ao outro a opção pela cooperação. Não oferece retaliações e estimula a comunicação de mão dupla. Enfim, ser assertivo é expressar seus sentimentos sinceros sem constrangimento e exercitar seus direitos sem negar os direitos dos outros. Assertividade é a capacidade de concretizar desejos, incluindo os desejos dos outros.

O comportamento assertivo estabelece-se num conjunto de valores que se deve ter em conta, a saber: ter opinião e defendê-la, enfrentar críticas quando justas e oportunas ou não, manter-se com naturalidade quando formula pedidos ou os recuse, estabelecer conversação sem imposições descabidas, estar receptivo sempre para mudanças mais enriquecedoras.

Os componentes da conduta assertiva são:

1.                  Conteúdo
2.                  expressão facial e corporal
3.                  voz: entonação, volume, cadência
4.                  situação (contexto)

Exemplos de conduta assertiva, quando exibidas de modo apropriado (ou seja, integrando de modo adequado os quatro componentes acima - não os executando de modo isolado, desarticulado):

1.                  pedir desculpas
2.                  elogiar
3.                  dizer “não”
4.                  agradecer
5.                  pedir um favor

(Obviamente, se a pessoa tem problemas nesta área, deve procurar um psicólogo especializado para dissecar estes aspectos sucintamente esboçados acima).

Podemos ver o quanto pode ser trabalhoso para certas criaturas discernir de modo efetivo entre ser assertivo e ser mal-educado, grosseiro, pois não necessariamente se confundem. Hoje não é mais prioridade aos pais ensinar urbanidade às crianças, de modo a imperar a polidez nas relações entre os generos, entre as diversas idades, entre familiares...  Vejo, principalmente nos restaurantes, na escola e no trânsito, exemplos diuturnos de boçalidade explícita. Dá vontade de ir morar no sítio e viver isolado... 

Trabalho em uma instituição de ensino. Quando iniciei lá meus trabalhos ficava muito chocado com alguns docentes que negavam o simples cumprimento quando do encontro em sala de professores - olhávamos em sua face, dizíamos 'bom dia' e nenhuma resposta de volta!!  'É o cúmulo', como diria minha mãe... Imagino que alguns destes mal-educados constituam exemplos do que o anglo-saxão americano rotula de 'stuffed shirt' - ignorantes que se dão muita importância.... Paciência. Para muitos lá não me digno mais dirigir o olhar, nem mesmo quando quase 'trombo' pelos corredores. 

Costumo ir sempre à Biblioteca da Universidade, onde somos muito bem atendidos pelas Bibliotecária e suas auxiliares. Educadíssimas. Mas os alunos... às vezes, sentado em uma mesa lendo meus jornais, os alunos vem e colocam ruidosamente seus pertences na mesa, sem ao menos me dirigir um olhar, enquanto saem para buscar livros; não que tal distinção fosse necessária para 'pedir autorização', mas para me reconhecer como ter chegado anteriormente ao local, delimitando o meu espaço...  Que nada, outro dia eu me imaginei perguntando ao aluno se ele queria que eu saísse do local para ele poder tomar posse condignamente... chega a ser gozado, imagino se fosse uma senhora ou um idoso que ali estivesse! Quanta falta de respeito, lastimável.

Devemos orar por estas almas atormentadas; vai saber o que lhes ocorre no íntimo...