segunda-feira, 18 de maio de 2015

A teia da Internet e a personalidade



Imagem obtida agora (via Google Images) de
http://baddestmotherever.com/2014/10/15/the-writing-spider/

Vejam só como a teia da internet está abrangendo mais e mais seus tentáculos... Descobri um site interessante - tem gente tentando intuir nossa 'personalidade'  (por mais polissêmico que este termo possa ser...) meramente pelo uso articulado dos mecanismos roboticos mescladamente virtuais e mecânicos - software e hardware -  que a web possa apresentar!

Olhem o site www.crystalknows.com  criado por Drew D'Agostino. As  ideias revolucionarias começam assim hoje em dia como experimentos, e vão se definindo durante o próprio caminhar. Eu gosto de refletir com meus alunos no Mestrado que o conhecimento se constitui muitas vezes no percurso da construção do conhecimento em si, ou seja, denominamos ao fim e ao cabo 'conhecimento' como o resultado final mais o modo de conduzir que precisamente levou àquele resultado do processo do conhecer. 

Fico pensando que um pesquisador disciplinado poderia descrever muito do que somos analisando os ícones, as mensagens, os arquivos que guardamos nos nossos tablets e smartphones... Eu comecei a observar a enormidade de coisas que detenho nos  meus terminais (nossa, tenho uns seis, entre celular, tablets e computadores!!!) e acho que sou um fuçador, no bom sentido de ficar revirando coisas que possam despertar minha curiosidade, e que tenho potencial de me tornar enfadadiço em curto espaço de tempo. Que horror, tenho que meditar sobre este fato. Um filósofo aqui teria muito a considerar, e como sou um tanto disso...

A Educação (e o ensino) parece que está atualmente numa encruzilhada. O que a humanidade será doravante depende do que o próprio homem determinará como deverá ser educado as novas gerações. Como existe um gap (não estou a usar palavra estrangeira - pode verificar: este termo já existe nas edições mais antigas do Aurélio!!) enorme entre os países e (dentro delas inclusive)  suas multifacetadas comunidades no que tange ao acesso a educação formal, podemos ver quão distanciadas serão as disparidades... Guetos (no bom e mau sentido) é que surgirão, cada vez mais. A questão é que as TVs e outras mídias de massa instantaneamente comunicam a todos 'tudo' o que está a ocorrer e, assim, novas modas vão se alternando, tornando velho aquilo que há pouco era novo... E tem gente que é muito sensível sobre o fato de não estar acompanhando as tendências!

Ontem fui mais uma vez num curso de pós-graduação lato sensu que iniciei (é o sétimo que perpetro), de modo a me animar/motivar, reciclar, fazer novas amizades; espanar a poeira dos neurônios, enfim. É um interessante experimento, em todos os sentidos, dada a minha profissão de Educador. Este curso de um ano e meio é realizado mensalmente, no sábado e domingo o dia todo. Sou o mais velho da classe -  a moçada vem em peso.  Muitos ficam somente no celular, alheios ao professor que se esforça para conduzir lá na frente o assunto, mediante as muitas telas do projetor de multimídia intercalado com quase-garatujas rabiscadas ali e acolá no (como se dizia antigamente) quadro-negro, hoje  quadro de giz ou lousa, que fica ao lado da branca tela vinílica.

Neste curso nem presto muita atenção ao assunto (que já é medianamente conhecido por mim: Gestão de Projetos - Project Management) e sim na construção do conhecimento em sala de aula. Vejo as estratégias, os multiformes recursos instrucionais, o entorno todo da situação. Acho que vai ser bem interessante, em todos os sentidos. Estou aberto a novas sugestões para melhorar minhas aulas que, sinto mais e mais, devem se adequar aos novos tempos, onde o aluno tem dificuldade enorme de concentração e se enfada rapidamente... Quem sabe no futuro eu não possa de modo instantâneo me adequar ao temperamento e humor da classe, analisando a população mediante a pesquisa de seus nomes na web?? Quem viver verá...

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Unica carta de Calvino a Lutero


Carta de Calvino a Lutero, em  21 de Janeiro de 1545

         Ao mui excelente pastor da Igreja Cristã, Dr M. Lutero [i],  meu tão respeitado pai.

    Quando disse que meus compatriotas franceses [ii] que muitos deles foram tirados da obscuridade do Papado para a autêntica fé, nada alteraram da sua pública profissão [iii] e que eles continuam a corromper-se com a sacrílega adoração dos Papistas, como se eles nunca tivessem experimentado o sabor da verdadeira doutrina, fui totalmente incapaz de conter-me de reprovar tão grande preguiça e negligência, no modo que pensei que ela merece. O que de fato está fazendo esta fé que mente sepultando no coração, senão romper com a confissão de fé? Que espécie de religião pode ser esta, que mente submergindo sob semelhante idolatria? Não me comprometo, todavia, de tratar o argumento aqui, pois já o tenho feito de modo mais extenso em dois pequenos tratados, em que, se não te for incomodo olha-los, perceberá o que penso com maior clareza que em ambos, e através da sua leitura encontrará as razões pelas quais tenho me forçado a formar tais opiniões; de fato, muitos de nosso povo, até aqui estavam em profundo sono numa falsa segurança, mas foram despertados, começando a considerar o que eles deveriam fazer. Mas, por isso que é difícil ignorar toda a consideração que eles têm por mim, para expor as suas vidas ao perigo, ou suscitar o desprazer da humanidade para encontrar a ira do mundo, ou abandonando as suas expectativas do lar em sua terra natal, ao entrar numa vida de exílio voluntário, eles são impedidos ou expulsos pelas dificuldades duma residência forçada. Eles têm outros motivos, entretanto, é algo razoável, pelo que se pode perceber que somente buscam encontrar algum tipo de justificativa. Nestas circunstâncias, eles se apegam na incerteza; por isso, eles estão desejosos em ouvir a sua opinião, a qual eles merecem defender com reverência, assim, ela servirá grandemente para confirmar-lhes. 

     Eles têm-me requisitado de enviar um mensageiro confiável até você, que pudesse registrar a sua resposta para nós sobre esta questão. Pois, penso que foi de grande conseqüência para eles ter o benefício de sua autoridade, para que não continuem vacilando; e eu mesmo estou convicto desta necessidade, estive relutante de recusar o que eles solicitaram. Agora, entretanto, mui respeitado pai, no Senhor, eu suplico a ti, por Cristo, que você não despreze receber a preocupação para sua causa e minha; primeiro, que você pudesse ler atentamente a epístola escrita em seu nome, e meus pequenos livros, calmamente e nas horas livres, ou que pudesse solicitar a alguém que se ocupasse em ler, e repassasse a substância deles a você. Por último, que você escrevesse e nos enviasse de volta a sua opinião em poucas palavras. De fato, estive indisposto em incomodar você em meio de tantos fardos e vários empreendimentos; mas tal é o seu senso de justiça, que você não poderia supor que eu faria isto a menos que compelido pela necessidade do caso; entretanto, confio que você me perdoará. Quão bom seria se eu pudesse voar até você, pudera eu em poucas horas desfrutar da alegria da sua companhia; pois, preferiria, e isto seria muito melhor, conversar pessoalmente com você não somente nesta questão, mas também sobre outras; mas, vejo que isto não é possível nesta terra, mas espero que em breve venha a ser no reino de Deus. Adeus, mui renomado senhor, mui distinto ministro de Cristo, e meu sempre honrado pai. O Senhor te governe até o fim, pelo seu próprio Espírito, que você possa perseverar continuamente até o fim, para o benefício e bem comum de sua própria Igreja.

 Extraído de Letters of John Calvin: Select from the Bonnet Edition with an introductiory biographical sketch (Edinburgh, The Banner of Truth Trust, 1980),  pp. 71-73.

Tradução livre:
Rev. Ewerton B.Tokashiki

Pastor da Igreja Presbiteriana de Cerejeiras – RO.
Prof. de Teologia Sistemática no SPBC – extensão Ji-Paraná


NOTAS:

[i] Nota do tradutor: o especial interesse por esta carta, pelo que sabemos, é que ela é a única que Calvino escreveu a Lutero.

[ii] Nota do tradutor: pelo que parece Calvino se refere aos huguenotes que embora haviam assumido o compromisso com uma confissão de fé reformada, mas na prática ainda preservavam os ídolos, toda a pompa e ritual da missa católica romana. Esta prática evidenciava uma incoerência entre o ato e a convicção de fé.

[iii] Nota do tradutor: Calvino se refere ao culto como uma confissão pública de fé.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Bioética



Obtido agora (via Google Images) de
http://carfleo.com/tag/bioethics/

Tenho estudado esta temática ultimamente, e como ela é vasta (bem, como qualquer área de  investigação e discussão), com muitas nuances, dimensões, interfaces. É um campo muito gostoso de refletir, pois trata da vida do dia-a-dia, que a todos interessa. O legal nestes tempos cibernéticos é que temos muito material bom na web, à disposição de quem quiser.

'Navegando' há pouco descobri um material bem feito, muito útil para o iniciante: http://lejeuneusa.org/sites/lejeuneusa.org/files/prepress_manual_13050027.pdf   pois  traz os temas mais comuns que impactam o debate, não só entre estudiosos.

Mas se você deseja um livro ótimo, veja o que eu encontrei (colocando no Google a frase 'bioethics free book' ) e está disponível aqui:  http://bit.ly/1BZuwdJ    Um dos melhores livros que eu já vi.  Completo e ainda atual; um dos editores, o Prof. Peter A. Singer, muito conhecido na área, apesar de polêmico, é muito respeitado pelo seu ativismo em prol dos animais.

Mas vasculhando a web, que é algo bem acessível hoje (quando fiz o mestrado, a gente tinha que ir para as boas bibliotecas, como as das Universidades; fui muito abençoado em poder ter perto de mim a da UNESP e a da UNICAMP, fantásticas!), podemos encontrar muita coisa boa. Veja por exemplo http://www.ufrgs.br/bioetica/biosubj.htm    Ali temos um texto que faz parte de um contexto maior, criado por um dos maiores especialistas em Bioética no Brasil, o Prof. José Roberto Goldim. Nesta página vemos a referência do texto, que é: Goldim, J. R. Bioética e Interdisciplinariedade. Educação, Subjetividade & Poder,  1997; 4: 24-8. Vou fazer um pequeno resumo deste texto abaixo - com contribuições das outras páginas do site - para sua informação. Espero que seja útil.

Ética, uma área da Filosofia, abrange um catálogo articulado de conhecimentos oriundos da discussão racional da conduta humana, intentando explicar as diretrizes ditas ‘morais’ de forma racional, justificada (ou seja, fundamentada), utilizando-se da contribuição de outras áreas rigorosas, como as diversas disciplinas científicas. É uma reflexão sobre a moralidade; assim, podemos dizer que é como uma ‘filosofia moral’.

‘Moral’ é o conjunto de regras que o homem consolida ao longo das suas atividades do dia-a-dia, abrangendo a totalidade dos indivíduos dentro de uma cultura situada no tempo e espaço. Tais regras viram, grosso modo, orientar o bem atuar de cada pessoa perante os demais e suas instituições, tentando pautar com equilíbrio as suas ações e os seus julgamentos sobre o que seria moral/imoral, certo/errado, bom/mau. Assim, no aspecto prático do com-viver, Ética e Moral tem fins semelhantes, esclarecendo os fundamentos que esculpem o caráter das pessoas e suas virtudes, facilitando a aprendizado da mais apropriada maneira de agir em sociedade.

A Ética abrange teorização e a aplicação destas reflexões: a Ética Aplicada. Esta consiste no esforço de dar respostas apropriadas a problemas concretos – os dilemas - do existir cotidiano das pessoas, constituindo-se em uma reflexão (prática) com base na realidade concreta, situada. A Bioética, atualmente, é considerada como sendo a Ética Aplicada às questões da saúde e da pesquisa envolvendo seres humanos. A Bioética aborda problemas das pessoas – muitas originadas da evolução dos costumes e da emergência de novas tecnologias -  de forma rigorosa, mas também de maneira original; marcadamente secular, mas sem desprezar as contribuições da reflexão ética de cunho religioso; inter/multidisciplinar; contemporânea, mas sem esquecer as conquistas do passado; global (ampla e inclusiva) e articulada/sistemática. Desta forma, estimula novas dimensões de discussão e de reflexão, que podem possibilitar soluções adequadas para uma enormidade de questões.
Existem várias definições para o termo Bioética, do grego bios (vida) e ética. Uma das mais completas diz que Bioética é um conjunto de pesquisas, discursos e práticas, normalmente multidisciplinares, cuja finalidade é esclarecer e resolver questões éticas suscitadas principalmente pelos avanços e pela aplicação da medicina e da biologia. A Bioética, portanto, tem forte ligação com a filosofia (pois discute as questões éticas) e considera a responsabilidade moral dos diversos tipos de cientistas em suas pesquisas e práticas. É o estudo dos problemas e implicações morais despertados pelas pesquisas científicas em biologia e medicina, e suas determinantes psicológicas, legais e filosóficas. 
A Bioética discute questões como a utilização de seres vivos em experimentos; questões sobre a definição de morte e a retirada ou não de tratamento médico destinado a  prolongar a vida; diagnóstico pré-natal e aborto; a estocagem e uso de embriões humanos congelados;  o uso de tecidos humanos, fetais ou animais para a pesquisa científica; a investigação de possível contaminação pelo vírus HIV ou outras infecções; a expansão da engenharia genética e a destinação de escassos recursos de promoção da saúde etc. No âmbito das pesquisas com pessoas, toda investigação científica tem que passar por um Comitê para averiguar a eticidade dos procedimentos, como o que temos no UNIFAE.
Nas minhas aulas de Ética no Centro Universitário sempre relembro aos alunos e alunas que esta disciplina - como a disciplina-mãe, a Ética - visa, em grande medida, a despertar nas pessoas o senso do diálogo, visto que nossos valores e atitudes, bem como nossos sentimentos, são a matéria-prima da reflexão ética, mas utilizando precisamente a Razão para garantir que estes esforços possam efetivamente redundar em mais equilíbrio e justiça - harmonia - nas relações (por vezes conflituosas, dada os multifacetados interesses e expectativas) inter-humanas.

terça-feira, 24 de março de 2015

Profissionalismo


Gravura obtida agora (via Google Images) de
http://backstage.com.br/lazzaro/?p=113

Gente...  está difícil neste pós-modernidade! Celular que não funciona, empresa que instala equipamento sem concluir todas as especificações contratadas, e... 'desaparece', sem dar retorno, que tempos; que dirão aqueles nossos descendentes no futuro? Aliás, vi que mesmo estas coisas digitais que perpetramos não vão durar muito mesmo - imaginamos que estariam guardados em algum lugar 'nuvem'? acho que vai evaporar mesmo, ou 'chover'... ou quando a empresa for vendida, pluff!! ) mas que nada, nada garante que nossas coisas vão permanecer mesmo. Bem, eu não sei nada dos pais dos meus avós - e mesmo deles sei tão pouco! 

Mas sofro para 'inter-relacionar' comercialmente pois parece que a maioria do pessoal das empresas acostumaram mesmo a atender mal a clientela. Raras são as exceções... Cansei de ir a Procons; não resolve muito - é certa ilusão também. Existe uma empresa chinesa que agora vende produtos em Pindorama que se apropriou de uma bateria de equipamento eletrônico (eu tinha mandado para conserto toda a unidade - suspeitava que o defeito poderia ser ali ou no elemento principal; não vou dizer o que era, porque já viu, né...) na maior cara de pau: disseram que eu não enviei a peça, e ficou por isso mesmo. Burro eu que não fiz um descritivo minucioso na hora que coloquei o equipamento no correio - confiei na empresa, uma gigante eletrônica, visto que me instruíram superficialmente (vai saber se esta não era a estratégia...). E vai reclamar para quem? No fundo o que eu acho é que o melhor é ter o mínimo possível, ser uma espécie de asceta urbano, vivendo vida espartana. Talvez um ermitão, um eremita!

Hoje é pregado aqui e acolá que estas virtudes pertencentes ao profissional (a coletânea de procedimentos característicos que está englobada no termo profissionalismo), como a seriedade, competência, responsabilidade, ética, enfim - é o apanágio das empresas vencedoras, lucrativas, perenes, etc. visto que do rol de empregados e donos detentores efetivamente destas características vai compor a totalidade da imagem percebida da organização. O problema humano é que 50 pessoas que agem bem, uma é a imagem, um ou dois que procedem mal... Não é fácil, mas somos assim. 

Vou ter mais cuidado doravante. A cada aquisição, a cada direito, temos que discutir o entorno de tudo, cercar-nos de excessivos cuidados e ressalvas, resguardos e restrições a nosso favor, esclarecer minudenciadamente cláusulas e alíneas obscuras... Fazer seguros adicionais e estabelecer parâmetros de auto-proteção; pegar telefones de 'todo mundo' e vigiar...  Que trabalheira!

terça-feira, 17 de março de 2015

Chuva fria - que gostoso!

imagem obtida agora (via Google Images) de
http://www.hdfbcover.com/fbcover/abstract/rain-falling-on-floor-fb-cover

1. Pronto, desativei o telefone fixo de casa - doravante teremos somente o celular. Havia feito uma 'portabilidade' - transferência de companhia operadora de telefonia mantendo o mesmo número - mas não funcionou. Como pode uma empresa deste porte oferecer um serviço e depois vir confessar que 'está tendo problemas' - e descontinuar o serviço, deixando-nos a "ver navios"? Não vou fazer portabilidade de novo, inclusive porque inexistem lojas físicas  de qualquer operadora de telefone fixo (agora virou algo ultrapassado, mas que fazer, sou de outros tempos...) hoje em dia na minha cidade: tudo tem que ser feito virtualmente, e já viu, não é?... implica ficar tempos 'pendurado' no telefone ou na web... I quit!!  Décadas atrás, telefone fixo era um bem que você declarava no imposto de renda! Tinha que fazer um carnet de pagamento, para depois de alguns anos a empresa estatal vir instalar o aparelho em sua residência, algo que era bastante comemorado!  Para falar de uma cidade para outra, tínhamos que pedir para a telefonista operadora e esperar por vezes horas para falar, e assim ficávamos em casa aguardando a boa vontade dos deuses...  memórias!

2. Que chuva fria gostosa que está caindo... a gente estava sentindo muita falta; a sequidão foi muito tenebrosa na temporada passada, até comentei aqui. As nossas represas ainda estão com estoque bem baixo do precioso líquido, e quando acabar a época das chuvas poderemos ter problemas homéricos, se tiver nossa estiagem como aquela. Comprarei uma caixa d'água para represar alguma reserva, seguramente!  Mas o tempo cinzento e frio me lembra muito a época que eu viajava toda semana para São Paulo para treinar atletismo no Esporte Clube Pinheiros, onde era atleta federado (arremesso de disco - discus throw). Saudades... Nos Jogos Estudantis Brasileiros de 1971 (Belo Horizonte) sagrei-me vice-campeão nacional nesta modalidade, junto à seleção juvenil paulista (que ganhou a maioria das medalhas, como sempre). Foi o suficiente para saber que, se eu desejasse, com determinação e planejamento, poderia ter minhas metas pessoais efetivamente auferidas - bom para a auto-confiança da gente, não é mesmo? Acho que até o meu Doutorado foi influenciado pelos tempos que me dediquei ao esporte. Realmente ajuda a formar o caráter. 

3. Nossa, gente, minha vizinha cozinhando dá uma vontade de ir lá pedir um 'comercial' pra mim e para a Ruth... que tempero que ela usa! Outro dia recebemos dela umas costelinhas de porco que foi uma experiência quase celestial. Que legal ter bons vizinhos! A dona Elisete passou a bandeja pelo muro mesmo. Retribuí a gentileza com um bom vinho chileno, que sei que eles gostam... Ruth cozinha muito bem também - engordei 20 kgs desde que casei, crédo! Sou um bom garfo; desde criança fui abençoado com acepipes divinos - minha mãe perpetrava pitéus inesquecíveis. Antes de virar atleta eu era quase gordinho!

4. Para variar, a internet hoje cedo não queria conectar. Ficamos parecendo um zumbi, sem ter muito o que fazer - pelo menos é o que parece em nossa mente mal-acostumada. Depois, falando com o suporte da provedora (BVCi - de nossa cidade aqui mesmo) aprendi que o modem parece que demora a 'esquentar' - desenvolver a conexão. Não dá para acreditar, estamos na idade da pedra cibernética. Quando, ó deuses da web, teremos conexão veloz e segura como nos países mais avançados?? Tenha dó!!! 'Ninguém merece'. Temos que sair às ruas com a camisa verde-amarela e bater nas panelas toda semana... Aliás, que bela demonstração de civismo que o Brasil deu neste dia 15! Remarkable, como diriam os americanos...

5. Estou gostando de preparar aulas e ministra-las aos meus alunos este ano - parecem mais interessados que anos anteriores, quando a coisa se arrastava - era frustrante. Como os eventos mudam de uma hora para a outra; será fase? Espero que não - se a juventude não se comprometer com o futuro do Brasil, onde iremos parar? Já não basta de limitação? 

quarta-feira, 11 de março de 2015

Problemas digitais...



Imagem obtida agora (via Google Images) de
http://businesstech.co.za/news/internet/49352/power-problems-widen-the-digital-divide/

Hoje é dia... nada está funcionando direito! Agora vemos como dependemos destes gadgets que nos acostumamos a utilizar!

1. A internet parece funcionar 'a manivela', como diz a minha secretária do Comitê de Ética, lá do UNIFAE. Demora eternidades para carregar simples páginas, e nem imaginar carregar mais de uma, pois aí que 'quase-trava'. Fico a imaginar como será nestes países mais avançados, onde o pessoal utiliza o terminal móvel até para ver TV... Que inveja!

2. Fiz portabilidade do telefone fixo (sei que poucos tem ainda este 'dinossauro' tecnológico em casa, mas muitas pessoas não gostam de gastar os créditos de celular ligando para fixo...) de uma operadora para outra, mas foi um 'tiro no pé', como se diz. Agora pareço Pai de Santo - só recebo ligações, e isto de poucos, pois muitos tem reclamado que, ao que parece, cancelei a linha, a julgar pelas mensagens que eles recebem quando tentam ligar para casa. Que bagunça: já postei até reclamação na Agencia reguladora nacional, a ANATEL, mas a operadora tem ligado para mim sem resolver a pendência... Acho que terei que ir ao PROCON - a secretaria de defesa do consumidor.

3. A Apple Store e o iTunes resolveram fazer manutenção agora cedo, ao que parece. Não atualiza nada e nem baixa novos apps. Que droga, justamente agora que precisava atualizar um programa de leitura de jornal eletrônico/digital que assinei recentemente, que resolveu dar problema. Costumo ler 3 jornais diários no meu iPad Mini, que é bem confortável, mas hoje deu problema nas leituras. Pelo menos o Yahoo Digest está ok, carregando sem problemas, e ... Ah, e o Flipboard também, e o Spotify.  Menos mal. Acho que é só uma espécie de azar. 

4. Ontem em sala de aula comentei que esta escravidão nos deixa aturdidos e quando pedi para imaginarem viver sem celular ou TV uma mocinha quase gritou, esconjurando:  "Deus me livre"!  Foi hilário... Pensei, acho que teria a mesma reação se o meu Dropbox parasse de funcionar ou desaparecesse, crédo!! Acho que nem vou ver se o OneDrive ainda está ativo...

5. Nem reclamo dos teclados que ficam falhando, dos programas servidores de e-mail que degradam nosso texto quando usamos letras não existentes no alfabeto inglês, dos hubbs para portas USB que ficam a falhar, desconectando apetrechos que a gente pendura no PC; os modems que trazem a web até a minha casa; os controles remotos da TV que estão a ignorar nossos comandos... uff, que horror, quero voltar para a Natureza!! Vou virar 'ermitão' - por um dia -  senão morro de tédio... Será? 
Imagem obtida agora (via Google Images) de
http://www.pimpmyalfresco.com.au/

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Carta de Princípios 2015


Wordle obtido agora (via Google Images) de
https://help.scholar.vt.edu/Upgrade/

Esta é a minha carta de Princípios deste ano para minhas atividades docentes no Centro Universitário onde trabalho:

                Este documento é dirigido ao corpo discente visando ratificar algumas normas institucionais importantes envolvendo o relacionamento estudante-docente, além de comunicar determinadas expectativas do docente sobre os atos acadêmicos. Espera-se comentários e contribuições para seu aperfeiçoamento.

  1. O professor considera que o aluno universitário habitualmente experimenta uma espécie de ‘choque’ quando se defronta com a metodologia de ensino acadêmico, que pode diferir muito do segundo grau. Ele ou ela se confronta com posicionamentos teóricos que vão mexer com crenças arraigadas, apesar de muitas vezes ainda não ter tido contacto com os assuntos de forma mais sistemática. É natural o aluno sentir dificuldades (que variam em grau e tipo) nesta ou naquela disciplina.
  2. O estudante não deve esperar que o docente vá dar respostas a todos os questionamentos – a meta principal é o aluno sentir-se desafiado a aprender, com certo detalhe, o que os estudiosos propuseram sobre os diversos assuntos e seus principais aspectos, identificando os fundamentos que embasam suas visões. Isto envolve um processo complexo, que fundamenta a gradual aprendizagem de qualquer área de estudo, durante todo o curso (e continua mesmo após a formatura...).
  3. Muitos alunos parecem satisfazer-se somente com que o professor comunica ou trabalha em sala de aula. Na atualidade, qualquer área de estudo é vastíssima, e as aulas acabam abrangendo um pequeno percentual do conhecimento total que existe, inclusive pela limitada carga horária destinada durante a semana. Assim, o docente assume que cabe ao aluno autonomamente AMPLIAR seu conhecimento em todas as matérias, complementando-as com atividades extraclasse, realizando sua própria pesquisa e aperfeiçoamento nas diversas áreas, seja pela internet, seja por estudos dirigidos na Biblioteca, etc. O professor poderá contribuir nesta empreitada, se o aluno ou aluna desejar.
  4. Principalmente em sala de aula, o aluno deverá exercitar suas capacidades de argumentação crítica, ou seja, suas habilidades em oferecer razões sustentadas para seus posicionamentos, ao mesmo tempo em que aprimora suas capacidades em defender sua visão contra as críticas daqueles que discordam dele, ou daqueles que possuem posicionamentos alternativos. Um pressuposto de qualquer trabalho universitário é que um posicionamento, uma visão, requer o suporte de argumentos (assertivas) pertinentes, adequadas. O principal aprendizado do aluno será permitir que alguns de seus posicionamentos sejam alterados, modificados, em face dos argumentos de outros que (igualmente de modo fundamentado, justificado) dele discordam ou se diferenciam.
  5. Muito do trabalho docente é conscientizar o alunado no sentido da descoberta dos mesmos serem os sujeitos do processo educativo (e não o objeto). Assim, os alunos devem aprender a assumir suas responsabilidades dentro de uma caminhada vivencial que contempla, de um lado, o autoconhecimento e, noutro lado, o constante aperfeiçoamento e atualização de seus conhecimentos.  Dito de outro modo, espera-se que o aluno seja o gestor do seu próprio aprendizado, na medida do seu engajamento e necessidades pessoais, e este aprendizado será tanto mais rico quanto sua dedicação à disciplina, assiduidade, sentido ético e esforço em realizar um trabalho de qualidade.
  6. O docente age na situação de sala de aula como um ‘catalisador’, funcionando mesmo como um facilitador da aprendizagem do aluno. Não se considera mais hoje que o professor ‘forneça’ o conhecimento: ele coopera junto ao aluno no aperfeiçoamento gradual de suas competências e habilidades acadêmicas, intelectuais e sociais. A atividade em classe pretende ser uma experiência enriquecedora para ambos, orientador e orientando onde, antes de ser mera obrigação didática, pretende constituir-se num espaço para o exercício de (con)vivências interpessoais significativas.
  7. Qualquer disciplina abarca um conjunto de atividades humanas a serem praticadas, e não um mero corpo de fatos a ser memorizado. Se o aluno faltar e não se atualizar sobre as atividades ocorridas, dificilmente elas surgirão ‘espontaneamente’ em sua mente, concorrendo para que o aluno não satisfaça os critérios de aprovação propostos.
  8. Em princípio, o docente assume que a grande maioria dos alunos é daqueles que demonstram respeito pelos demais colegas, não se atrasando para o início das aulas ou não adentrando à mesma ruidosamente. O professor adicionalmente crê que os alunos possuam um mínimo de capacidade de planejamento de suas atividades intra e extraclasse, de modo a evitar que ‘necessitem’ retirar-se da sala de aula (mesmo que depois voltem), antes da mesma ter terminado.
  9. O professor acredita que cabe aos alunos grande parte da responsabilidade em criar, manter e cooperar para a existência de um clima de ensino-aprendizagem adequado em sala de aula, onde ocorram efetivamente produtivas e questionadoras (motivadoras...) discussão e reflexão.
  10. O regimento interno da Instituição de Ensino Superior prevê que o aluno possa faltar em até 25% do total de aulas efetivamente ministradas, o que, em tese, abrange urgências e emergências a que todos estamos sujeitos. As compensações de faltas (não existe abono de falta) somente são autorizadas legalmente em certas situações (como p. ex., gravidez, doenças infectocontagiosas, serviço militar) e, para tanto, certas requisitos deverão ser cumpridos – o aluno deve se informar sobre as exigências, procedimentos e prazos específicos para requerer o Regime Excepcional. Se o aluno precisar faltar por motivo justo e avisar com antecedência SUFICIENTE ao docente (aconselha-se o envio de SMS/’torpedo’, ou um telefonema), o mesmo poderá, a seu critério, conceder até uma presença extra ao aluno durante a chamada em sala de aula, e desde que posteriormente não falte mais às aulas.
  11. O Regimento Interno do UNIFAE determina a aplicação de uma Avaliação semestral oficial, ao término do semestre, bem como um Exame final. A média final para aprovação (abarcando avaliação oficial e exame) é ‘cinco’ – 5,0. O docente poderá aplicar uma avaliação parcial não-oficial ao final do primeiro bimestre, que será ponderada com a prova oficial, para determinar a média do semestre. Se o aluno alcançar 7,0 (sete) nas avaliações parcial e oficial será dispensado de exame final.
  12. É esperado que o aluno tenha questionamentos e outras necessidades acadêmicas relacionadas à disciplina, em seus diversos aspectos. O professor está à disposição para entrevistas, a qualquer tempo. Por motivos óbvios, se o aluno, por qualquer razão, decidir procurar o Coordenador do Curso antes de falar com o docente, fica reservado a este conduzir a solução da pendência somente com o Coordenador do Curso, desde que devidamente notificado.
  13. É normal que o aluno tenha dificuldades em determinada disciplina, não alcançando boa nota nas avaliações parciais e oficiais. O professor poderá, mediante solicitação do aluno, autorizar ao mesmo a realização de trabalho(s) complementar(es), de modo a melhorar o aproveitamento. O aluno deverá demonstrar que o trabalho é de sua própria execução, e deverá realiza-lo à mão, seguindo as regras de apresentação do Manual UNIFAE de Elaboração de Trabalhos Acadêmicos.
  14. Fraude de qualquer natureza ofende o docente e os colegas do aluno, não beneficiando de modo algum o Curso, a Instituição de Ensino e seus funcionários. O docente acompanhará cuidadosamente as atividades, averiguando evidência de fraudes. Toda transgressão será devidamente penalizada de acordo com a política educacional vigente.  Em outras palavras, o docente espera que cada trabalho ou avaliação de aprendizagem seja da lavra própria do aluno. Plagiar, preparar trabalhos em nome de alguém ou faltar com a verdade dos fatos em provas e demais atividades será tratado de conformidade com o Regimento Acadêmico do UNIFAE.
  15. Pode ocorrer que uma aula seja cancelada ou substituída por outra atividade acadêmica. Nesta situação, a atividade poderá ser remanejada automaticamente dentro do calendário de dias disponíveis. O cronograma de aula será atualizado no primeiro dia de aula disponível.
  16.  É responsabilidade exclusiva do(a) aluno(a) manter-se atualizado quanto ao seu prontuário acadêmico, suas faltas, e também sobre as atividades acadêmicas intra e extraclasse. Adicionalmente o aluno deve inteirar-se, principalmente, das normas de funcionamento do UNIFAE sobre processos de matrículas, rematrículas, cancelamento e trancamento de matrículas, transferências, solicitação e recebimento de documentação diversas, funcionamento de estágios supervisionados, Programa de Atividades Complementares, elaboração de TCC (monografias de final de curso), bem como sobre as normas de Regime de Dependência e Adaptação. Falhas de entendimento e desconhecimento destas e de outras normas da Instituição pode acarretar sérios prejuízos acadêmicos ao(à) aluno(a).
  17. Aquele(a) que ficar em regime de Dependência deve procurar o docente NO INÍCIO DO SEMESTRE para acertar os trabalhos escritos e a matéria da prova, de modo a livrar o(a) aluno(a) o quanto antes da retenção.
  18. O docente reafirma seu compromisso de desempenhar suas funções docentes com pontualidade, qualidade e dedicação, colocando-se inteiramente à disposição dos alunos. Adicionalmente considera que, ao colocar esta CARTA DE PRINCÍPIOS no Portal Acadêmico UNIFAE, todo aluno e aluna tenha tomado conhecimento do mesmo.

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Reinício de aulas...



Quadro obtido agora (via Google Images) de
http://www.greentour-kyoto.net/arts/returning-homeedo-paintings-from-the-gitter-yelen-collection-2/

As férias estão se acabando, como foram 'rápidas' este ano... Parece que foi ontem que as aulas acabaram! Pelo menos acho que estou descansado, pelo tanto de filme que assisti aqui em casa.. estimo uns 35... A maioria chambara, mas vi também uma série muito bem feita, VIKINGS, originalmente passada no NatGeo - National Geographic Channel... Muito boa; este ano deve passar a terceira temporada. 

A grande preocupação destes tempos é a falta d'água. Aqui em São João não sofremos este problema, inclusive porque a população se conscientizou e anda economizando. Mas eu já estou vendo caixa d'água para comprar, pensando em armazenar água de chuva, etc. E tenho visto soluções criativas para poupar o precioso líquido. O maior problema é que ela é muito barata, e o cidadão desperdiça mesmo neste cenário... Aqui em casa somos eu e Ruth e gastamos não mais que 15 dólares por mês para ter serviços de água e esgoto, imagina...

Para variar, um superior meu lá na Universidade pediu um trabalho (sim, estou de férias mas moro no Brasil...) de última hora para ser entregue segunda feira - o bom é que minhas desenvoltura e  produtividade são muito elevadas naquilo que é minha expertise... Projeto é comigo mesmo, costumo dizer. 

Ontem fomos, Bilú, Brunhilda, Telma e eu, a Mogi Guaçu numa atividade da SAF - Sociedade Auxiliadora Feminina, da Igreja Presbiteriana. Depois das atividades (duraram a tarde toda, num calor infernal na Igreja sem janelas - pode??) passamos pelo Shopping Center (os Mall aqui de brazólia...) da cidade, que não conhecíamos. Pelo tamanho, nos Estados Unidos seria uma lojinha do Costco ou da Target, mas pelos nossos padrões é de tamanho bom. O legal lá é que tem muitas vagas de estacionamento para cadeirantes ou idosos, como o meu caso... Ruth sempre adora pois tem que andar menos, veja só. Comprei mais alguns DVDs e Blue Ray Discs para desfrutar aqui. Sinto saudades de minha sogra; ela adorava cinema! Sinto saudades de nossas conversas e de sua risada gargalhada. Eu seguramente iria buscá-la para ver todos os filmes que tenho comprado. Que saudade dela, foi embora tão cedo...

Durante o dia penso e 'decido' tanta coisa para vir comentar aqui e, depois, quando sento aqui neste terminal, as idéias simplesmente 'fogem' - que horror a idade, ficamos esquecidos demais. Mas acabo de ler um artigo bem interessante do Físico brasileiro radicado nos Estados Unidos, o Marcelo Gleiser, no jornal Folha de São Paulo, que dá o que pensar. O nome do artigo é  "ARTIFÍCIOS DA INTELIGÊNCIA  -  O que será da mente se máquinas pensarem?", e pode ser baixado em sua versão digital precisamente neste endereço aqui:  http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrissima/206369-artificios-da-inteligencia.shtml  É muito legal; fala sobre o impacto da maquinaria (principalmente a cibernética) na natureza humana. Nesta edição do jornal (o melhor do Brasil hoje em dia, em minha humilde opinião) também tem uma crônica divertida do Ferreira Gullar, nosso maior poeta vivo, mas não se consegue acessa-lo sem ser assinante. Como ele escreve bem, é um deleite semanal. Já recortei os artigos para usar com os alunos em sala de aula! Mahalo! Aloha!!



sábado, 10 de janeiro de 2015

Férias amodorradas...



Livia, eu e Ruth, em 08 de Janeiro de 2015

1. Liv veio passar uns dias aqui em casa, mas a levamos de volta ontem para Rio Claro... saudades! Está moça já, bem adolescente, e vive encafuada nos gadgets dela, mas até que desta vez ela devorou mais de 300 páginas de um livro que eu tinha comprado para ela na Livraria Saraiva... Está bem alta a rapariga, e acho que vai ficar do mesmo tamanho das outras duas manas (1,80m.) ...

2. Tenho tanta coisa para contar ao longo do dia, mas quando sento aqui no terminal as ideias me fogem... ando a cada dia mais esquecido, mas tem acontecido de brotar reminiscências assim, do nada, em minha mente - outro dia diverti a Ruth com lembranças do tempo da Indústria Química DPV, comentando sobre os tipos humanos que lá havia. O que mais gosto é o Celso, um afrodescendente que ria de si mesmo e de suas dificuldades, tendo uma disposição e temperamento admiráveis. Certa vez fiquei intrigado com certo esquete que ele teimou em fazer o dia inteiro com quase todos os seus colegas de trabalho. Ele era baixo, de compleição não muito, digamos, privilegiada para os padrões estéticos exigentes desta pós-modernidade, e ele de repente encarava o colega e perguntava "você queria ser eu??". Risos e mais risos, pelo absurdo da cena, e todos mofavam do fato das pessoas ficarem sem ação, totalmente sem jeito... ele era uma peça rara, como se diz. Outra cena: eu tinha um ornamento artificial na minha sala, uma folhagem com flores bonitas que ele admirava. Uma vez, vendo que ele gostou muito do vaso, eu pedi para ele ir pegar água para colocar na planta... e ele ficou conhecido na firma por ser aquele indivíduo que rega planta de plástico. Mas ele recebia bem as brincadeiras; era boa-praça! 

3. Que calor, cruz crédo! Vamos ficar uns dias na praia, vou recompor meus níveis de Vitamina D... Houveram arrastões na praia da Enseada, mas parece que o problema já foi debelado pelas autoridades. É o mundo atual... o negócio é não levar nenhum pertence de valor na praia, focar só na cervejinha e olhando a paisagem. 


4. Enquanto escrevo aqui coloco rádios de Smooth Jazz para ouvir. É o gênero mais apropriado para devanear... Quem gosta de ficar ouvindo música de fundo deve tentar colocar o aplicativo www.tunein.com - é um agregador de rádios, notícias e outras coisas mais... Eu recomendo!

  

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Sex-agenário...



Foto baixada agora (via Google Images) de 
http://l-amour.net/papi-et-mamie-saiment-encore/

1. Ultimamente tem sido engraçado: desde que virei sex-agenário tenho aproveitado as oportunidades em filas, estacionamento, etc. Por vezes as pessoas olham desconfiadas, intrigadas para a minha figura mas, não sei se pelos meus 1,90m. ou porque meu rosto normalmente é de poucos amigos, as pessoas não dizem nada - conformadas, ao que parece.

Agora há pouco estive no plano de saúdo ao qual sou filiado, para atualizar umas guias de exames. A sala estava cheia! Pensei que iria demorar bastante, mas com o acesso privilegiado pela idade, até que foi rápido. Sei que já amarguei muita fila interminável antes dos 60 anos, mas ainda agora sinto-me como que abusando, ainda que seja direito meu.

Mas vejo que logo-logo a coisa vai desandar: já tinha lá na oportunidade muito idoso na minha frente, sem falar nas mães com bebês de colo ou grávidas. Daqui a pouco, a taxa de idosos na população vai ser muito mais elevada e não vai adiantar muito ter a legislação a diferenciar as idades para dar mais qualidade de vida... 

Mas enquanto isso Ruth é que vai gostando mais da ideia: nos Shopping Centers agora podemos colocar o carro mais perto da entrada, aproveitando as vagas de idosos do estacionamento, e ela não precisa andar tanto como antes. Eu já acho que sempre uma atividade física a mais é bem vinda para tirar-nos da pasmaceira...

2. Hoje cedo fui no Lar São Vicente (antigo Asilo...) fazer barba e cabelo dos idosos, como sempre faço às terças e sábados. Sempre é um privilégio esta honra que o Senhor me concede em servi-lO. Ele me guia na ida e na volta à minha casa, e sinto-me jubiloso em realizar algo para engrandecimento do Seu Nome. Muitas vezes aproveito para relembrar algum idoso de lá sobre as bênçãos de nosso Deus e muitos ficam gratos em compartilhar. Neste mundo decaído e nas condições de saúde que muitos estão lá somente pelo espírito que se consegue proferir algo que seja edificante para a alma deles.  Falar de Deus é algo que nos aproxima da pessoa idosa, pois a maioria teve formação cristã, e estas recordações sempre são gratas, de parte a parte.

Não sei sobre o futuro, mas os jovens parecem estar sempre em outra motivação, onde a religiosidade não ocupa lugar primordial, como nas gerações pregressas. Com tudo o que vi e vivi, sei que religião ainda é a via que efetivamente resgata o ser-aí, que parece mais e mais perigosamente balançar entre a sanidade e o desespero, nestes nossos dias. Na sociedade de hoje, é muita maluquice alvoroçada, ansiosa e recorrente que se presencia, suscitada pela tecnicidade tirânica, onipresente, e também pelos valores cada vez mais hedonistas.  Tenho conversado muito com minha caçula, e parece que a mente dela é bem alerta, orientada, conscientizada. Quanta preocupação para o pai moderno! Quem viver verá...

3. Trouxe de Campinas mais alguns DVDs Blue-Ray para passar as tardes e algumas manhãs na minha 'maratona' de videos chambara. Tirei também do baú alguns mangás sobre as sagas samurai de diversos heróis, que aprecio sobremaneira. As histórias são um belo mostruário dos valores daquela época, que muito aprecio. E são muito bem desenhadas, com enredos emocionantes. Só quem conhece pode aquilatar a enormidade dos afetos envolvidos...

A julgar pelo que se vê cotidianamente nos jornais, a Civilização vai ter que se reinventar, pois parece que os valores mais elevados estão démodé, e o interregno das gerações maior, a cada vez.  No que tange à educação, tomei algumas decisões 'didático-propedêuticas' para adequar/facilitar minha vida profissional doravante. Vou mudar meus valores sobre o processo ensino-aprendizagem, e adaptar minhas ferramentas aos novos tempos. Não, não é só usar mais intensamente os recursos digitais, mas ter uma relação professor-aluno mais diversificada, em sala de aula principalmente. A moçada não tolera mais aquela aula tradicional, quase-professoral. A tônica hoje em qualquer organização é o trabalho colaborativo, e vou por esta via, inclusive porque facilita a aquisição de habilidades de tomada de decisão. Vou acelerar o processo de aquisição aos alunos destas competências. Vou ter que reformular muita aula, mas "faz parte"...  

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Primeira de 2015, 302a. postagem...



Gravura obtida agora (via Google Images) de
http://br.freepik.com/vetores-gratis/2015-minimalista_759245.htm

1. Primeiro post de 2015... A contagem de publicações deste blog indica que esta é a 302a. postagem, o que até acho baixo, levando em conta que desde o final de 2008 me propus a rabiscar aqui... é algo até  talvez psicoterapeutico; em vez de rabujar, escrever! E os poucos que são amigos podem acompanhar meu pensar (e portanto existir, segundo o Cogito) sem a quase-frieza pasteurizada do Facebook, que pouco frequento.

2. Vejo aqui no iPad Retina Mini as notícias que chegam pelos jornais virtuais. Assino o Correio Popular, de Campinas, mas acabo vendo também neste dispositivo o que existe nos aplicativos da BBC News, no Flipboard, no CNN, Slate, The Economist, The Root, no Zite, no The Sao Paulo Times, UOL ... vejo que sou viciado em informação. Preciso um detox...

3. Nestas publicações, além de assuntos de Filosofia (Ética, Epistemologia), Ciências e Tecnologia, procuro ler coisas ligadas à linguagem, à Hermenêutica, da Gramática. Creio que uma das atividades precípuas do educador seja corrigir o mau uso do vernáculo por parte dos alunos. Se deixar como se observa, daqui a pouco estaremos proferindo palavras irreconhecíveis... A língua é coisa viva, mas o que faremos se em duas ou três gerações os jovens só puderem ler nossa  literatura com dicionário??

4. Uma coisa intrigante que (primeiro por motivos profissionais e depois por motivos espirituais) volta e meia reflito é o suicídio, e parece coisa óbvia, mas não existe um trágico ato igual ao outro, pois as motivações são assemelhadas; mas, como as pessoas são únicas, pela biografia de cada qual se tornam eventos parecidos na finalização, mas únicos na origem e destinação. Ficava impressionado principalmente com o suicídio daqueles mais aquinhoados pela inteligência pois, à primeira vista, matar-se traz embutida certa contradição, mas quem pode julgar? Quanto mais penso vejo quão complexo é o tema. Creio que nunca vamos chegar a uma conclusão, pois fatores emocionais (leia-se aqui algo primitivo, instintivo) estão na base do fenômeno, e a Psicologia ainda sabe pouco sobre isso. Mas creio que, deslocando-se o foco da análise, o problema mesmo fica para aqueles que sobrevivem pois, ao morto, 'resolvido' está...

5. Acabo de receber convite, nesta sexta feira cedo, para um churrasco. Não costumo comer muita carne - creio que é algo tóxico se consumido em excesso (soube certa vez que uma pessoa vegetariana, vacilou e abusou, vindo a falecer por causa disso!!) e fico mais na verdura-frutas-legumes mesmo. Quero chegar aos 90 anos pelo menos, e lúcido!!

6. Paro tudo o que estou fazendo e vou preparar o café de minha esposa. Normalmente eu que ofereço a ela a bebida - ela tem as horas certas para sorver a tisana (às 07, às 10 e depois às 16hs), senão sobrevém certa dor de cabeça... Cada um  é cada um. 

7. Agora nas férias passo parte das manhãs vendo filme japonês (aprecio os chambaras - filme de samurai) fascinado mais pela fotografia, mas aprecio também os valores do bushido - o modo de vida daquela classe de militares - que veio a moldar muito do caráter do povo nipônico. Tem muito disso nas lutas marciais, em especial o sumô (aliás,  nas próximas semanas inicia-se o torneiro de janeiro...) mas vemos principalmente no kendô - a arte marcial das katanas, as mortíferas espadas super afiadas... Minha frustração é não ter aprendido esta modalidade de luta - só tem dojos nas grandes cidades...

8. Estudando agora pela terceira vez as Institutas, de Calvino, vejo ainda mais como esta voragem tecnológica despersonaliza as pessoas, pois ajudam muito a desvia-las do que é o mais importante - conhecer ao nosso Criador, mediante o (único e definitivo) Mediador. Como a religião está se tornando algo secundário! Cada vez menos pessoas vão aos cultos. Cada vez menos os pastores visitam os membros, que também não se congregam, em parte por falta de atividades além das costumeiras  - louvor e adoração -  da semana, levadas a cabo nos templos. Tempos tristes.

9. Semana que vem vou a Rio Claro - trarei a Lívia para passar a semana conosco. Cada dia fica mais lindinha a minha caçula. Mas está moça cada vez mais, e deixa o velho aqui orgulhoso. O tempo vai passando, às vezes rápido, outras vezes arrastando... Mas tudo passa mesmo, só não passa o (incomensurável) amor de Deus.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Ecos natalinos... e algumas fotos!



Família Geraldo Vieira Dutra (da esquerda para a direita...):
Luciano (primogênito),  Lia (quinta filha),  Geraldo (patriarca),  Lucas (segundo filho),  Lucia Helena (quarta filha),  Firmina (matriarca)  e  Luiz Sérgio (terceiro filho, o autor da foto), em 26 de Dezembro de 2014

       Todo ano é comemorado o nosso Natal e logo após o aniversário do patriarca, o que sempre 'estica' as festividades. Boas lembranças, que fazemos há quase 60 anos... Vamos fazer tudo para que esta tradição continue na família. Mesmo porque a moçadinha continua a aparecer, crescer e acostumar-se com as festas e comemorações. Bem, boa parte da família (especificamente o meu ramo) não participa, por 'n' razões, mas é válido assim mesmo. Estes mistérios somente serão revelados além do véu.


Esta foto é restauração digital de slide; aparece nela minha avó
paterna, Vó Adalgiza (Zizi), muito querida...


Então... como o tempo muda, hein??
(ah, a cachorrinha chamava-se Pupy...)
Foto em frente à piscina da casa de Rio Claro


Este slide recuperado é do começo dos anos 60...


Esta é um pouco mais antiga, Lia ainda não tinha chegado...
Muito legal a iniciativa de registrar os momentos,
não é mesmo? Acho que os meus netos vão dar
muita risada...



Meus queridos pais - uma bênção de Deus aos cinco filhos!

Que 2015 seja um ano feliz para todos e pleno de esperanças!