Clique ou passe o mouse...

sábado, 12 de abril de 2014

Vinde a mim... (Mateus, 11: 28)



Gravura obtida agora (via Google Images) de
http://www.brasilescola.com/filosofia/filosofia-crista.htm

Ainda me lembro da vivência sentimental quando entendi (e aceitei com todo o meu ser) este convite, em meu coração. Não tanto pelo fato de ter lido a frase tantas vezes anteriormente, mas não a ter compreeendido, mas pela impressão existencial que determinou (naquela vez especial), quando eu efetivamente estava preparado, destinado, a entende-la. Ela me vem sempre à mente, e me conforta muito. E me emociona; é um relembrar que mobiliza, como dizem os psicólogos.

O crente deveria meditar sempre neste convite, que Ele nos (re)faz constantemente, a cada passo. "Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei." (Versão Almeida Corrigida e Revisada Fiel) Este convite tem toda a sua dimensão cósmica e eterna posto que foi selada com o sacrifício que Ele fez por nós, de uma vez por todas, no Calvário.

E porquê Ele (e somente Ele) pode nos fazer tal convite? Porque Ele, reconciliando-nos nEle com o nosso Pai Celestial, tirou-nos o fardo do pecado, coisa que não poderíamos ter feito por nós mesmos. O que Ele nos pede agora ficou factível... "Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve." (Mateus 11:30). Todo o crente não pode esquecer disso - ninguém pode duvidar disso!

Nos dias atuais, corruptos e violentos, este convite ecoa com mais veemência, mas parece que já há tempos se anuncia...  "E acontecerá, naquele dia, que a sua carga será tirada do teu ombro, e o seu jugo do teu pescoço; e o jugo será despedaçado por causa da unção." (Isaías, 10: 27). Só Deus sabe o quanto sou grato a Ele por isso!

terça-feira, 8 de abril de 2014

Relacionamentos interpessoais e outros bichos...



Logo oficial obtido de
http://anheuser-busch.com

Minha cunhada, a Rachel, irmã gêmea de Bilú, sugeriu um tema para refletir aqui. Ela, solteiríssima, estava 'injuriada' com a dificuldade pós-moderna de relacionar-se com o sexo oposto. É este um sub-tipo de relacionamento interpessoal, e carregado de problematizadores determinados pelos generos. 

Usarei um conceito para nos auxiliar - o das expectativas. Nossas ações podem ser em boa parte 'explicadas' (compreendidas) em função dos objetivos e das escolhas de cada pessoa e das suas expectativas em atingir esses mesmos objetivos. Agimos em grande parte de acordo com o que esperamos ocorrer no futuro, a partir do que fazemos, do que decidimos, daquilo que manipulamos (ou pensamos manipular) da realidade ao nosso alcance. Obviamente, como muita coisa foge do nosso controle detemos, a cada momento, mais ou menos 'certeza' que as coisas vão ocorrer como desejamos, como esperamos que ocorra. 

Esta regra quase-informal é razoável em sua utilização quando operamos no mundo físico, material. Agora, quando o nosso semelhante entra em cena, a operacionalidade desta equação se perde muito; que fazer... Problemas ocorrem quando se imagina o quanto que as pessoas podem ser previsíveis - quer dizer, o quanto que nossa expectativa pode ser efetivamente equacionada e realizada em nossos relacionamentos. Tantas são as variáveis que podem modular, modificar e embaralhar nossas expectativas que o vivente acaba se 'perdendo', no mais das vezes, no afã de tentar antecipar os acontecimentos.

Todos temos nossas inclinações, balizadas dentro de contextos amplos que teimamos em não levar seriamente em consideração. Previsibilidade e controlabilidade são temas interessantes para filósofos e psicólogos, mas de escassa operacionalidade no que tange a nós pobres mortais. E no campo das emoções e sentimentos, são de pouca valia, ao que parece. Então - ao final e ao cabo - cada um que cuide de si mesmo, sendo virtuoso e aprimorado no viver, no vivenciar. Por extensão, teremos mais facilidade de nos relacionar com o próximo, seja parente, amigo, parceiro, cônjuge, colega, etc... Não adianta exigir do outro o que nós mesmo não podemos oferecer. E assim voltamos à antiga regra de ouro, que existe na Bíblia - faça aos outros o que desejas que façam a ti. Simples assim.

Vivenciamos constantes choques comunicacionais, oriundos de interpretações e valores os mais diversificados, e tanto mais nesta época de grande complexidade. Exemplifico: a melhor cerveja para mim hoje é a Budweiser, da Cervejaria Anheuser-Bush. É a melhor cerva para o dia-a-dia - o dito 'King of Beers' é verdade verdadeira. Uma das que gosto mais é a belga Gulden Draak (Brouwerij Van Steenberge) mas não é uma cerveja para tomar todo dia, por vários aspectos. Imagine que encontro um apreciador de cerveja também - quase-impossível ele ou ela ter o mesmo gosto, preferência que eu, seja para bebericar no dia ou em dias especiais. Bilú me disse outro dia, comentando o que havia lido numa rede social: 'prefiro ter paz do que ter razão'. Concordei com ela e adotei o adágio para minha vida. Nestes tempos bicudos, é rara erudição.

Adoro paisagens. Veja que linda esta que baixei do site da Microsoft... Seja feliz!


Foto obtida agora de
http://windows.microsoft.com/pt-br/windows/wallpaper

segunda-feira, 24 de março de 2014

A vida - nada e tudo!



Mostrei a fotinho acima (tem alguns anos que a tirei; estava usando um óculos que gostava e que depois quebrou, sem mais nem menos...) para Bilú e ela disse que 'estou melhor hoje' -não sei acho esta apreciação boa ou não; não digo 'ruim'; evito usar este termo, é tendencioso, não é? Mas voltando à foto, acho eu que não mudei quase nada, mas ela acha. De qualquer forma, é a configuração que tenho mais usado nos últimos tempos - barba baixa e cabelo curto. Lembro-me do tempo que usava cabelo comprido - hoje não dá mais, por 'n' motivos, sob vários aspectos, inclusive estéticos, obviamente. Envelheci muito (e mais rapidamente) depois dos divórcios. Estresse, seguramente, e em todos os sentidos.

Engraçado como tendemos a avaliar a pessoa e principalmente nós mesmos mais pelo exterior -  a figura - e menos pelo que não se pode ver (as coisas que temos que abstrair pela razão), apalpar, dimensionar. Muita da confusão interpessoal do dia-a-dia vem desta sutil tendência de nossa mente. Outro dia um aluno parecia deslumbrado com a frase 'a mente mente' e achei até engraçada a jogada linguística a princípio, de tão banal, mas ela guarda muita verdade. Quanto mais achamos que dominamos a subjetividade e suas armadilhas, mais somos ludibriados, ao que parece. A maioria do trabalho mental do prudente é se precaver contra estas auto-armadilhas. Bem, esta tem sido minha tarefa nas últimas décadas. E continuo aprendendo e me surpreendendo.

A vida é o grande barato, e a gente fica se perdendo na análise dos seus muitos pedaços. Mas a totalidade é o que conta - os Budistas ensinam muito isso, e sua equilibrada metodologia remete a esta lembrança quase o tempo todo. Dependendo do olhar, a vida é 'tudo' ou nada, como parecem acreditar alguns 'existencialistas'... Não, não vou falar disso, boring... A moçada não quer 'perder' tempo falando disso hoje em dia, que pena!

Parece que calor começa a ir embora; inclusive o verão acabou. Já vai tarde. Vou programar a compra de um ar-condicionado porque acho que não vou suportar o verão do ano que vem se for parecido com este. Estou cansado de ler comentários sobre isso a partir da famigerada mudança climática. Todos falam e ninguém tem razão.

Acabou o torneio de Sumô de março - agora o próximo será em maio, de 11 a 25 (domingo a domingo). Às vezes eu gostaria que o tempo andasse mais depressa. A nota chata foi a aposentadoria do lutador búlgaro Kotooshu Katsunori (nome original Karoyan Ando), um lutador de mais de 2m de altura. Já falei dele neste espaco anteriormente. Ele foi o primeiro europeu a ganhar um torneio japonês, o mais importante do mundo, mas ultimamente estava muito lesionado, e perdendo lutas 'faceis'; desanimou, ao que parece.

Quem ganhou o torneio desta vez foi o lutador Kakuryu, um Ozeki (um posto no ranking antes do Yokozuna, este o posto mais alto da hierarquia dos lutadores) nascido na Mongólia, com 1,86m e 154 kg de músculo (bem, e alguma gordura, para dar inércia...) que venceu no torneio os dois Yokozunas atuais. Ele vai ser um no futuro, com certeza.

Kakuryu Rikisaburo
Foto obtida agora do site oficial
http://www.sumo.or.jp/en/sumo_data/rikishi/profile?id=2416

sábado, 8 de março de 2014

Dia das Mulheres...



Obtido agora (via Google Images) de
http://www.123greetings.com/events/womens_day

8 de março... um dia como todos os dias deveriam ser! Parabéns a elas, e firmes contra o preconceito e contra toda a forma de violência contra a Mulher. Eu, que tenho e tive tantas em minha vida, sei como sou abençoado. Ruth, you're the best!!

Levei hoje Liv de volta a Rio Claro; cheguei a tempo de ir almoçar com Bilú - ela está nas aulas de estudos pós-graduados em Fisioterapia Dermatológica. Este curso prevê 2 aulas mensais, no sábado e domingo all day. É chato ficar aqui sem 'nada' para fazer. Ninguém telefona, nada na TV. Esqueci de comprar jornal hoje com a correria da viagem logo cedo; se não é o jornal digital que baixo via web, ficaria sem saber das novidades mundiais. Parece que desapareceu um avião que ia da Malásia para a China, com 239 pessoas a bordo. Morte triste, patética, afundados no mar.

Quanto mais interajo, mais sinto saudades do tempo da adolescência, quando curtia incompreensível (aos olhos dos outros) solidão. Vivia interciso, pensando em relacionar-me, mas tembém em ficar 'na minha', como se diz. Era bom, à época, pois aprendi a refletir - mas para realizar isso eu tinha que ler - e ler muito - de modo a bem discernir a mixórdia, o mistifório de idéias, confusas e obscuras. Mas se parecia tudo embaralhado, porque agora o quase-banzo? Por que, paradoxalmente, naquela idade, naquele processo todo, eu era feliz (Para registro, a partir desta fase comecei a colecionar anexins, epodos - veja bem, não é apodo ...).

Que legal... Amanhã começa o Grande Torneio de Sumô de Março. Diversão garantida por 15 dias!! Mais importante de tudo - amanhã é o Dia do Senhor, que alegria; vou servir em Sua Casa, vou orar, louvar e bendizer. Que abençoado sou!

terça-feira, 4 de março de 2014

Carnaval...



Foto obtida agora (via Google Images) de
http://www.infoescola.com/carnaval/carnaval-do-rio-de-janeiro/

Acho que (quase...) sou deste tempo! Não gosto deste tipo de festa. As músicas carnavalescas de hoje são muito diferentes (piores!!!); existe muita exacerbação das emoções, muita bebida e violência, em especial no trânsito. Sempre arranjo coisas alternativas para fazer (agora que estou a escrever neste blog, Bilú me traz um iogurte grego para tomar; a gente fica o dia todo a paparicar um ao outro - eu faço 3 cafés por dia para ela, imagina; ela adora - também, com pó moído na hora, água de filtro, açúcar orgânico, etc. fica 'divino'!) para não ter que absorver as eventuais coisas indigestas destes festejos momescos. Mas, pensando em Ruth, é efetivamente uma bênção conviver com pessoa educada, gentil, polida e atenciosa. Coisa a cada vez mais rara.

Felizmente fui convidado por uma colega professora do UNIFAE - a Ana Salviato - a dar uma preleção, no sábado à noite, num acampamento da Igreja Presbiteriana da vizinha cidade de Aguaí. Falei sobre o fato de nossa Fé ser uma Religião do Convênio, do Pacto (Salmo 105, 8). Que Comunidade vibrante,  jovem, amiga, amorosa. O Pastor Limírio certamente tem boa parte dos créditos pela atmosfera efetivamente cristã daquela Igreja. Ficamos até tarde da noite. Mas em todos os Carnavais fico mesmo em casa, na maior parte do tempo. No domingo eu fui à tarde com Ruth na casa do amigo Júlio e esposa Flavinha; nadamos e comemos feijoada, manobrada pelo chef Paulão. 

Imagine só - lá esteve um grande artista sanjoanense, conhecido como 'Só Kaká'; grande instrumentista e vocalista, que 'tóca' qualquer música que você solicita... Quando o conheci, há muitos anos, no Restaurante 'Casarão' - aqui de são João, junto com um grupo de professores da outra universidade daqui que ministrei aulas (a Unifeob) - ele estava animando o espaço somente com um violão e fiquei extasiado! Ele é uma pessoa carismática, efetivamente. Ele fez uma jam session com o João (de São Paulo, SP), tio do Júlio, e foi demais... Um luxo! Uma tarde memorável, com gente bonita e simpática (De manhã e de noite fomos na Igreja, pois temos obrigação administrativa, além da espiritual). Mas o que fiz mesmo neste carnaval foi preparar aulas, postar material para alunos e ler... adoro ler! Ah, e escutar música também!


https://myspace.com/sokakashow

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

O calor começa a ir embora.. felizmente!!



Foto obtida agora (via Google Images) de
http://bioexpedition.com/desert-biome/

Nóossa, como a internet está lenta hoje - como a gente acaba ficando dependente destes gadgets... Lenta e instável. Poucas coisas funcionam aqui 100% o tempo todo. Que incrível deve ser dispor de uma web de alta velocidade, como se ouve falar! Aqui no Brasil vai demorar para termos acesso a esta facilidade. Uma pena; um país tão bonito como o nosso mas com as elites, os dirigentes, os políticos que tem. A saída, como eu já disse, está no aeroporto mais próximo... Não, não estou a praticar o esporte nacional de falar mal do nosso país - é pura constatação. Às vezes não sei se leio os textos/notícias dos jornais (e revistas semanais) como textos hilários ou trágicos... Mas é uma obrigação profissional a cada vez mais sofrido.

Mas o que gostaria de comentar é o calor abstruso que experimentamos estes meses. Parece algo 'global' estes distúrbios climáticos, pois vemos neve à beça ainda nos Estados Unidos, inundações em Londres e outras perturbações assemelhadas em outros lugares. E ainda dizem que pode não haver aquecimento global!

Incompreensível...




Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF)

Ontem vimos a notícia de que, na recente votação dos Ministros do STF, os trambiqueiros do famoso (ou infame?) "mensalão", um dos casos mais escabrosos da nossa política, foram inocentados da acusação de formação de quadrilha.

O que causa espécie é que na composição dos ministros do colegiado anterior (alguns se aposentaram) quase todos definiram que havia sido efetivamente formada a conspiração delituosa pela parranda, pela corja dos partidários do Partido dos Trabalhadores... E agora, com os componentes jurisconsultos algo mudados, a decisão foi alterada, como se não tivesse existido o que antes foi formalizado, 'sacramentado'. Sei que o Direito não é Ciência exata, mas como confiar que existam critérios válidos, ainda que não in totum neste campo do saber, mas no suficiente para ter-se alguma certeza mais confiável nas decisões legais, de modo a produzir equilíbrio e paz na sociedade? A impressão que fica é que existem duas Justiças, uma para o pobre, o desvalido e outro para os mais aquinhoados.

O Brasil apequenou-se; mais uma vez seremos motivo de riso pela estrangeirada...  Como se diz, a saída para nossa terra é o aeroporto!

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Senso crítico e criticar...



Gravura obtida agora (via Google Images) de
http://twocanview.com/tag/critical-thinking/

Iniciamos bem este semestre acadêmico - parece que todas as classes estão motivadas para o trabalho didático (mas sempre tem os renitentes que acham que sala de aula é para brincar, ficar conversando com os colegas, jogar video-game nos celulares - mal sabem o que os espera quando se formarem...). 

Uma grande tarefa que procuro realizar com os alunos em todas as aulas é que eles desenvolvam o senso crítico. Criticar (analisar, examinar, perscrutar), na Academia, é o exercício do livre julgamento de um intelectual sobre as questões (intencionais, metodológicas, históricas, políticas, religiosas, contextuais, estéticas... etc...) envolvidas na compreensão de um texto, de um argumento ou de um raciocínio, discutindo (debatendo, questionando...) logicamente seu significado (sentido, aplicação...), bem como – principalmente -  a verificação das evidências subjacentes à verdade e, assim,  ter as condições para apreciar o seu VALOR (utilidade, etc... ). Muitos alunos chegam pensando que 'criticar' é simplesmente (ou somente) 'censurar' - alguns acham que é até imprecar. Mas logo anexam mais um uso ao vocábulo, felizmente.

Eu fui conferir e vi que até no Wikipedia tem um pequeno texto interessante sobre esta habilidade do senso crítico ou criticismo (alguns dizem 'criticidade'), que vale a pena ver:  http://pt.wikipedia.org/wiki/Pensamento_crítico

Para dar conta de desenvolver o senso crítico, habitualmente as minhas atividades em sala de aula mesclam exposição dialogada e atividades práticas sobre algum tema em pauta. Os textos para discussão são fornecidos com antecedência ou trazidos pelo docente no dia da atividade, conforme o planejamento. A leitura prévia do texto por parte dos alunos é fundamental para instrumentalizar o debate em sala de aula, permitindo adicionalmente aos mesmos tomar os devidos apontamentos que julgarem pertinente. Obviamente, sempre advirto que simplesmente ler os artigos, separatas, apostilas e capítulos de livros não vai preparar o aluno para participar dos debates ou redigir trabalhos. Espero sempre que o aluno se engaje intimamente com a reflexão dos textos, questionando os argumentos e analisando sua lógica. (Ajuda em muito tomar apontamentos enquanto lê, ao mesmo tempo em que sumariza os principais aspectos apresentados) Se o aluno vem à sala de aula com ao menos duas questões para discutir é um bom indicativo de seu envolvimento, penso eu. Mas é um trabalho árduo. Muitos alunos passam o ano todo em atitude passiva - não são poucos os que 'entram mudos e saem calados' quase todo dia... Eles não questionam, não observam o questionamento dos colegas, não se engajam. Apassivam-se, literalmente. Negam-se a si mesmos, ao fim e ao cabo, e não desenvolvem habilidades e competências preciosas. Preocupo-me e me exponho denunciando o problema, mas muitos alunos acham que exagero ou até que os destrato... Hard times!

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Provérbios 16: 3 e 4




Como sempre faço todo dia, medito sobre a Palavra e hoje vi algo que quero compartilhar: Consagre ao Senhor tudo o que você faz, e os seus planos serão bem-sucedidos. Está em Provérbios, 16:3, na versão NVI (em outras edições alguns termos são diversos ocasionalmente, mas com o mesmo sentido). É um procedimento que tenho seguido, o consagrar minhas ações; bem, tentado seguir sempre, apesar de minhas inúmeras deficiências e dificuldades. A chave é sempre iniciar algo com a necessária oração.

Porquê consagrar ao Senhor nossas ações? Porque tudo é dEle, e isso nos ajuda a dar o tom correto, o sentido apropriado às nossas ações. O problema é o automatismo, o 'piloto automático' que configuramos para seguir com a vida do dia-a-dia... E quando divisamos aquelas pessoas tenebrosas, amargas, ameaçadoras de nossa conexão com o Santo Espírito, sei que fica difícil enxergar o Cristo em cada uma delas... Mas aí está um grande desafio. Consigo a cada dia ver o Mestre neste tipo de pessoas, e isso me ajuda a tratá-las diferentemente do modo como elas me tratam. Dura empreitada, mas Ele está do nosso lado; esta é a promessa.

Mas o que também é  interessante nesta perícope vem logo a seguir (verso 4):

O Senhor faz tudo com um propósito; até os ímpios para o dia do castigo.

Aqui reside um outro aspecto que muito me maravilha: a Soberania de Deus, que é o nosso conceito-chave. Temos que nos esforçar para entender o propósito de Deus para cada um de nós. O Pacto é estabelecido com o Seu povo, mas cada um é responsável, em suas diversificadas atribuições, pelo nosso relacionamento pactual. E o sagrado convênio se espraia em diversas dimensões - na familia, na comunidade de Fé dos eleitos, no casamento - cada membro com seus encargos pactuais. Gosto muito de estudar as Santas Palavras, que muito significam minha existência. Sou muito grato ao Pai Celestial pela instrução, pelo amor celestial.

* * *
Uma coisa 'aborrecente' nestes dias é a canícula atroz que se manifesta. Sinal dos tempos? Penso agora em ir na loja e comprar uma mini-piscina... só não vou correndo porque vou suar muito, e meus escrúpulos ecológicos me constrangem, com a escassez do precioso líquido. Fico furibundo quando, nesta estiagem, alguém lava a calçada ou veículos com a água tratada. Mas nossas autoridades são muito incompetentes: não vejo campanhas nem políticas públicas desenvolvendo na população modos mais racionais de lidar com a água. Paciência, podia ser pior! Lembro dos meus filhos lá nos Estados Unidos, com aquele frio todo. Bem, todo extremo é ruim, mas gosto MUITO mais do frio do que do calor...

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Aulas voltando...




Designer: K. Tribett

Quando estive a última vez nos Estados Unidos vi este quadrinho numa das lojas da linda cidadezinha perto de Salt Lake City chamada Park City, estado de Utah (onde uma atleta brasileira - teinando para as Olímpíadas de Inverno -  acidentou-se semana passada) e não resisti. É emblemático do que se encontra majoritariamente em muitas organizações. Incrível como, depois de anos da ciência da Administração, possamos encontrar empresas geridas por verdadeiros trogloditas. Alguns administradores e empreendedores parecem gostar de maltratar colaboradores e clientes. Certas pessoas, depois que  se instalam/são instaladas em posição de mando, exercendo determinado poder, exacerbam-se e extrapolam em suas 'razões'. Patético. Quando comprei o quadro imaginei que poderia sempre me acautelar quanto a esta falta de humildade. Eu pendurei o quadro na parede do meu escritório e o uso para fins psicoterapeuticos, imagine só...  mas de uma maneira lúdica, alegre, simpática até. 

Realmente é uma arte a Administração de Empresas. Não é para qualquer um; digo 'arte' porque é um daqueles empreendimentos humanos que necessariamente combinam sensibilidade, conhecimento e intuição na sua execução. Muitos acreditam que são administradores, sem o serem de fato. Eu achava que cortar cabelos era coisa 'simples', habilidade manual e alguma destreza. Agora que sou voluntário sei quão difícil é esta arte... e necessária, pois lida com a auto-estima da pessoa. Cabelo é coisa séria - pergunte a qualquer mulher!

Mas voltando à arte da Administração, ouso colocar abaixo um quadrinho que vi na web. Quando eu o encontrar vou comprar para fazer par com aquele de cima, e vou ambém usar as sugestões nas minhas aulas da faculdade. A moçada de hoje está precisando muito destas instruções!


Obtido agora (via Google Images) de:
http://umdcareers.wordpress.com/2013/01/17/office-etiquette-part-1/
-Visite o blog, tem sugestões interessantes, e é bem light!! - 
http://umdcareers.wordpress.com/

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Izabel



Ante-ontem faleceu nossa amiga, depois de uma vida abençoada e frutífera. Eu a conheci faz pouco tempo, mas sabia muito a seu respeito, pelo seu marido Nathanael. Quando penso nela relembro a passagem da Mulher Virtuosa que lemos em Provérbios 31: 10 a 12 

Mulher virtuosa quem a achará? O seu valor muito excede ao de rubis.
O coração do seu marido está nela confiado; assim ele não necessitará de despojo.
Ela só lhe faz bem, e não mal, todos os dias da sua vida.

Ela estava debilitada pela idade avançada, mas nunca deixou de exibir seu sorriso (e muitas risadas!!) e alegria a todos que se aproximavam. Todas as pessoas com quem converso tem palavras doces para se referir a ela, mas o maior fã foi sempre o Nathanael. Ele me disse muitas vezes como ela foi esposa conselheira e parceira, ótima dona de casa e serva fidelíssima do Nosso Senhor Jesus Cristo. Ficamos saudosos, mas alegres também porque todos temos a certeza de que Ele a recebeu de braços abertos assim que abriu os olhos na Glória. Nathanael ontem mesmo (de São Paulo,  onde ocorreu o sepultamento) me ligou pedindo para ir colocar no Jornal  O Município (sairá na edição do próximo sábado) a mensagem abaixo:

AGRADECIMENTO

                A Família Nathanael Oliveira Neves vem a público agradecer aos amigos e em especial ao irmãos e irmãs das Igrejas Presbiteriana Central, Presbiteriana da Vila Brasil, Presbiteriana de Águas da Prata, Presbiteriana Boas Novas e Batista de São João da Boa Vista, nas pessoas dos Pastores Rodrigo, Alex, Matheus, Ivã, Aldair e Mário, o carinho e amizade recebidos por ocasião do passamento da inesquecível

IZABEL MAGALHÃES NEVES
ocorrido em 28 de Janeiro de 2014 em nossa cidade. O sepultamento ocorreu às 14 horas do dia 29 de Janeiro em São Paulo (SP) no Cemitério dos Protestantes.

Saudades do esposo Nathanael, das filhas Naísa, Maria Cristina e Maria Isabel, dos genros Werner e Norivaldo, e das netas Heloísa, Débora e Victória.


Izabel fez parte daquele seleto grupo de eleitos que conseguem ver o Cristo nos necessitados, nos desvalidos. Ela adorava cantar, e fez parte de muitos corais. Fundou Igrejas, junto com o marido. É daquelas pessoas que perfumam a nossa existencia. Uma pessoa a ser invejada, uma filha dileta do Pai Celestial.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Lembranças...



Gravura obtida agora (via Google Images) de
http://g1.globo.com/concursos-e-emprego/noticia/2013/12/

Hoje relembrei da letra que meu pai tem. Eu sempre admirei a escrita dele, principalmente porque tenho letra feia; já fiz a análise do quê pode ter influenciado meus garranchos, e acho que foi o fato de eu ter entrado muito cedo na escola - minha psicomotricidade não estava amadurecida para tal exigência (acho que já postei algo sobre isso tempos atrás). Mas consigo fazer letra bonita quando quero, ainda que dê uma certa câimbra... (nossa, existe também a forma 'câibra', mas é tão estranha de se falar; nunca ouvi alguem falar assim, sem o 'm' entre o 'i' e o 'b'...). Pelo menos é bem legível, ainda que alguém possa tentar assacar alguma dificuldade por parte do seu executor...

Semana passada e esta estão sendo bem legais para mim - é que estamos no décimo terceiro dia do campeonato de começo de ano do Sumô (televisionado pela NHK, a ótima rede estatal de TV nipônica), e eu estou levantando às 5 horas da manhã para ver o dia completo do torneio. E depois às 15 horas tem o compacto - muito legal. 


Foto obtida agora (via Google Images) de
http://pt.wikipedia.org/wiki/Sumô

Domingo vi um texto do conhecido escritor Carlos Heitor Cony no jornal Folha de São Paulo. É de certo modo intrigante como estes ateus volta e meia falam Dele... será que é uma espécie de 'atavismo literário-espiritual' ? Divertido mesmo é que muitos não fazem o 'dever de casa' - não pesquisam o tema em suas multicores nuances... Mas veja o texto lá do atormentado escritor - está em http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/148315-deus.shtml


Gravura obtida agora (via Google Images) de
http://www.napec.org/apologetica/nao-creio-em-ateus-ateus-nao-existem/

As férias estão acabando, que pena. Já baixei o calendário escolar deste ano lá do UNIFAE - ficou muito bom!! Terei mais aulas, felizmente (ou seja, com a Graça do Pai Celestial) e novos desafios. Já estou a preparar as aulas e os planos de ensino, pois gosto de 'madrugar' - sempre pode surgir algum imprevisto e não gosto de fazer as coisas de 'qualquer jeito'. Meu pai ensinou que temos que ter capricho, esmero em tudo o que fazemos, pois assim as pessoas percebem que fazemos bem feito. Sábias palavras.