sábado, 14 de janeiro de 2017

Osteoartrite (artrose)


Imagem obtida agora (via Google Images) de
http://www.hipandkneesurgery.ie/osteoarthritis.html

Sim... descobri que tenho osteoartrite (no local ilustrado acima). Aquelas dores difusas que andava sentindo após muita atividade, incluindo por vezes levantar peso, subir escadas, 'ferrugem' etc. depois foram ficando mais definidas, no fim do ano passado. Não consegui (ainda que tenha um ótimo convênio médico da Santa Casa Saúde) à época marcar consulta com ortopedista aqui na minha cidade, somente conseguindo atendimento numa cidade vizinha, felizmente com um médico muito bom. 
Após os exames específicos (os exames de praxe que faço rotineiramente para controle continuam - Graças ao Pai Celestial - não acusando nenhuma alteração!!), que foram alguns raios-X e certos movimentos executados pelo médico confirmamos o diagnóstico. Estou tomando somente colágeno, pois não quero saber de analgésicos ou anti-inflamatórios. Continuo não gostando de tomar drogas, a não ser quando estritamente determinado pelo médico em tratamentos. Complemento esta terapia fazendo regime (preciso perder pelo menos 20% do meu peso) e frequentando um Studio de Pilates 3 vezes por semana (felizmente existe um muito bom, quase em frente à minha residência). Já sinto melhoras sutis, pela iniciante estabilização das estruturas envolvidas.
 Hoje dia temos muita informação disponível via internet e, sabendo pesquisar, encontramos sites ótimos, acreditados. Fica mais fácil saber como proceder. Fico grato a Deus pelo modo como as coisas vão se desenrolando... Comprei uma bengala para enfrentar o desafio, mas não tenho precisado da ferramenta a todo momento. Interessante como a intensidade das dores flutuam ao longo do dia... Tem vezes que, depois de ficar sentado um tempo (quase não consigo ficar parado em pé) até começar a movimentar é algo ruinoso... Os ossos estralam (a turma do Pilates graceja e diz que somos 'crocantes'...) e curtimos nossa 'ferrugem' com estoicismo. Mas Deus sabe que em tudo sou muito grato a Ele e nunca seria capaz de formular algum tipo de reclamo. Mesmo nisto tudo consigo divisar as  muitas bênçãos imerecidas que sou detentor. 
É, a velhice chegou; estou a formular ponderações sobre questões da idade... Mas o melhor de tudo isso é que ficamos melhores 'filósofos' !
 

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Morte...

Gravura obtida agora (via Google Images) de
http://ilovehdwallpapers.com/view-phases-of-life-from-birth-to-death-2560x1600.html

Êita assuntinho que ninguém gosta de conversar. Quando se é jovem, pouco se pensa sobre o tema, a não ser quando confrontado inapelavelmente com ela - habitualmente para o jovem imagina-se que está muito longe de acontecer isso com a pessoa; então, para quê se preocupar... 

Mas à medida que envelhecemos, qualquer morte - relatada, anunciada, vilusbrada, enfrentada, etc - aparece como um lembrete de que ela nos espreita mais à frente, e isso maximiza-se se não temos boa saúde, passamos por algum 'perrengue', ou pertencemos a qualquer grupo de risco. 

Eu acho que pertenço a uma minoria - sempre pensei na dita-cuja, principalmente porque sempre me sentia muito vivo, e a morte parece bem ser o contrário disso. Acho que já contei aqui ou noutro lugar: depois que estudei diversos temas (principalmente os de cunho espiritual), vi que 'morte' pode ser concebida, com maior ou menor rigor epistemológico, como o contrário do nascer, e não necessariamente como o contrário da 'vida', não importa como se postule (também com maior ou menor rigor) o fenômeno da animação da matéria. 

Ocorre que ainda sabemos pouco sobre o que significa 'vida' ou matéria animada, vivente, com toda a multiplicidade e multidimensionalidade que implica; então, creio que a cessação destes processos e fenômenos do ter 'vida'/viver (ou, no humano do homem, existir) carrega/acarreta a mesmas dificuldades de compreensão e 'indefinições'.

Quando falece um aparentado ou amigo, logo após as exéquias voltamos nossas preocupações para as problemáticas mais prementes ou interessantes, visto que, quanto ao falecido, enterrado está, e em geral as coisas vão se resolvendo, tanto mais (ou menos) aproximada a pessoa do extinto. Quero dizer que, quanto à morte, nosso nível de preocupação ou consideração assemelha-se ao chiste   '...morreu? antes ele do que eu...' , pois pouco se pode fazer - dizemos a nós mesmos - frente à morte, a não ser aceita-la. Como ensinou Benjamin Franklin, ao lado dos impostos, é a morte a outra das duas únicas certezas que temos nesta 'vida'...

Esta pachorra em pensar o morrer nos faz ter sempre a mesma atitude nas suas diuturnas ocorrências: uma modorrenta consideração, apassivada e despicienda.

Alguns se apavoram, pelo inexoravel confronto com o desconhecido, e se assanham em divisar, com maior ou menor rigor uma 'explicação' que preencha o vazio do entendimento, ao mesmo tempo que acalme os temores da possível confrontação, mais dia, menos dia. 

Esta é a nossa compatilhada 'maldição' da posse da intelecção: saber-se finito, encerrável, esquecível (ainda que não se saiba a hora)... Vade retro!