segunda-feira, 23 de maio de 2016

Bioethcs...


Ilustração obtida agora (via Google Images) de
http://www.unescobiochair.org/bioethics-human-rights/

Nossa, faz tempo que não escrevo aqui! Na verdade tenho escrito bastante, e publicado coisas esparsas, mas no face... É bem mais prático nestes tempos corridos, apesar de não permitir (lá) maiores adensamentos de pensamento, como aqui. Tenho me dedicado ao tema da Bioética, que é minha paixão central acadêmica atualmente. Fiz dela minha temática de pesquisa no Programa de Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em Educação, Ambiente e Sociedade, do Centro Universitário UNIFAE, onde trabalho. É área apaixonante mesmo, e em expansão vertiginosa no mundo todo. Se colocamos o termo no buscador digital retorna 'milhares' de páginas, uma loucura.

 Um exemplo recente de implicação e desdobramentos abarcada por este tema é a infame 'pílula do câncer', como ficou denominada a fosfoetanolamina. A fosforiletanolamina ou fosfoetanolamina (fórmula C2H8NO4P , com massa molar 141,063 g/mol ) é um composto químico orgânico presente naturalmente no organismo de diversos mamíferos.

 Vejam o que informou recentemente um dos melhores informativos digitais, o Nexojornal, de endereço https://www.nexojornal.com.br/, com a reportagem

Liberada, proibida, mas nunca aprovada: o imbróglio da ‘pílula do câncer’, por André Cabette Fábio, em 21 Maio de  2016  :

 ( https://www.nexojornal.com.br/expresso/2016/05/21/Liberada-proibida-mas-nunca-aprovada-o-imbr%C3%B3glio-da-%E2%80%98p%C3%ADlula-do-c%C3%A2ncer%E2%80%99 )

O Supremo Tribunal Federal suspendeu na quinta-feira (19) a lei que permite a fabricação, distribuição e uso da fosfoetanolamina sintética, substância popularmente conhecida como “pílula do câncer”.


A decisão é temporária, e acata pedido da AMB  (Associação Médica Brasileira) contra a lei, aprovada pelo Congresso e sancionada pela presidente Dilma Rousseff no dia 14 de abril. O julgamento para decidir se a suspensão da lei é definitiva ainda não tem data para ocorrer. 


A 'fosfo' foi distribuída por 20 anos a pacientes de câncer pelo químico e professor da USP Gilberto Chierice. A substância era produzida no laboratório da universidade, na unidade de São Carlos, interior paulista. Com a suspensão da distribuição em 2014, pacientes passaram a exigir na Justiça o medicamento, dando início ao imbróglio.


Há vários relatos positivos de pacientes que dizem ter tido bons resultados no tratamento e uma intensa campanha pela comercialização do remédio. Mas os efeitos da substância são contestados por cientistas. Segundo estudos, o produto não tem consistência em sua formulação. Nas dosagens que vêm sendo utilizadas, a substância não demonstrou eficácia no controle de vários tipos de câncer. Sua liberação pelo Congresso vinha sendo alvo de duras críticas em razão do fato de a pílula não ter passado pelo processo regular de aprovação de um medicamento. 


A maioria dos ministros do Supremo acompanhou o voto do relator do caso, Marco Aurélio de Mello, segundo quem o Congresso, ao liberar a pílula, atuou em uma área que não é de sua responsabilidade, mas da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). "

O que ocorreu nesta 'comédia', que seria risível (bem, o foi na percepção de muitos países estrangeiros...) se não fosse trágico, foi que misturou-se em graus variados mas perigosos uns tantos de ignorância pública sobre os mais comezinhos procedimentos de pesquisa científica, mais populismo oportunista de presidenta que estava na iminência de sofrer impeachment, mais parlamentares irresponsáveis, tudo somado com a proverbial atrapalhação que nossos sistema jurídico por vezes perpetra em nossas necessidades.

O resultado foi a imagem (principalmente nas dimensões científica, sanitária e jurídica) do país mais uma vez enxovalhado, e a todos assistindo de camarote, sem poder fazer 'nada'... Patético!!