quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Izabel



Ante-ontem faleceu nossa amiga, depois de uma vida abençoada e frutífera. Eu a conheci faz pouco tempo, mas sabia muito a seu respeito, pelo seu marido Nathanael. Quando penso nela relembro a passagem da Mulher Virtuosa que lemos em Provérbios 31: 10 a 12 

Mulher virtuosa quem a achará? O seu valor muito excede ao de rubis.
O coração do seu marido está nela confiado; assim ele não necessitará de despojo.
Ela só lhe faz bem, e não mal, todos os dias da sua vida.

Ela estava debilitada pela idade avançada, mas nunca deixou de exibir seu sorriso (e muitas risadas!!) e alegria a todos que se aproximavam. Todas as pessoas com quem converso tem palavras doces para se referir a ela, mas o maior fã foi sempre o Nathanael. Ele me disse muitas vezes como ela foi esposa conselheira e parceira, ótima dona de casa e serva fidelíssima do Nosso Senhor Jesus Cristo. Ficamos saudosos, mas alegres também porque todos temos a certeza de que Ele a recebeu de braços abertos assim que abriu os olhos na Glória. Nathanael ontem mesmo (de São Paulo,  onde ocorreu o sepultamento) me ligou pedindo para ir colocar no Jornal  O Município (sairá na edição do próximo sábado) a mensagem abaixo:

AGRADECIMENTO

                A Família Nathanael Oliveira Neves vem a público agradecer aos amigos e em especial ao irmãos e irmãs das Igrejas Presbiteriana Central, Presbiteriana da Vila Brasil, Presbiteriana de Águas da Prata, Presbiteriana Boas Novas e Batista de São João da Boa Vista, nas pessoas dos Pastores Rodrigo, Alex, Matheus, Ivã, Aldair e Mário, o carinho e amizade recebidos por ocasião do passamento da inesquecível

IZABEL MAGALHÃES NEVES
ocorrido em 28 de Janeiro de 2014 em nossa cidade. O sepultamento ocorreu às 14 horas do dia 29 de Janeiro em São Paulo (SP) no Cemitério dos Protestantes.

Saudades do esposo Nathanael, das filhas Naísa, Maria Cristina e Maria Isabel, dos genros Werner e Norivaldo, e das netas Heloísa, Débora e Victória.


Izabel fez parte daquele seleto grupo de eleitos que conseguem ver o Cristo nos necessitados, nos desvalidos. Ela adorava cantar, e fez parte de muitos corais. Fundou Igrejas, junto com o marido. É daquelas pessoas que perfumam a nossa existencia. Uma pessoa a ser invejada, uma filha dileta do Pai Celestial.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Lembranças...



Gravura obtida agora (via Google Images) de
http://g1.globo.com/concursos-e-emprego/noticia/2013/12/

Hoje relembrei da letra que meu pai tem. Eu sempre admirei a escrita dele, principalmente porque tenho letra feia; já fiz a análise do quê pode ter influenciado meus garranchos, e acho que foi o fato de eu ter entrado muito cedo na escola - minha psicomotricidade não estava amadurecida para tal exigência (acho que já postei algo sobre isso tempos atrás). Mas consigo fazer letra bonita quando quero, ainda que dê uma certa câimbra... (nossa, existe também a forma 'câibra', mas é tão estranha de se falar; nunca ouvi alguem falar assim, sem o 'm' entre o 'i' e o 'b'...). Pelo menos é bem legível, ainda que alguém possa tentar assacar alguma dificuldade por parte do seu executor...

Semana passada e esta estão sendo bem legais para mim - é que estamos no décimo terceiro dia do campeonato de começo de ano do Sumô (televisionado pela NHK, a ótima rede estatal de TV nipônica), e eu estou levantando às 5 horas da manhã para ver o dia completo do torneio. E depois às 15 horas tem o compacto - muito legal. 


Foto obtida agora (via Google Images) de
http://pt.wikipedia.org/wiki/Sumô

Domingo vi um texto do conhecido escritor Carlos Heitor Cony no jornal Folha de São Paulo. É de certo modo intrigante como estes ateus volta e meia falam Dele... será que é uma espécie de 'atavismo literário-espiritual' ? Divertido mesmo é que muitos não fazem o 'dever de casa' - não pesquisam o tema em suas multicores nuances... Mas veja o texto lá do atormentado escritor - está em http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/148315-deus.shtml


Gravura obtida agora (via Google Images) de
http://www.napec.org/apologetica/nao-creio-em-ateus-ateus-nao-existem/

As férias estão acabando, que pena. Já baixei o calendário escolar deste ano lá do UNIFAE - ficou muito bom!! Terei mais aulas, felizmente (ou seja, com a Graça do Pai Celestial) e novos desafios. Já estou a preparar as aulas e os planos de ensino, pois gosto de 'madrugar' - sempre pode surgir algum imprevisto e não gosto de fazer as coisas de 'qualquer jeito'. Meu pai ensinou que temos que ter capricho, esmero em tudo o que fazemos, pois assim as pessoas percebem que fazemos bem feito. Sábias palavras. 

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Exames de saúde periódicos...



Foto tirada por mim mesmo!

Então... janeiro é época de revisar os parâmetros vitais de funcionamento da carcaça. Espero chegar aos 90 anos com saúde - quem sabe consigo ver meus netos casando e me dando bisnetinhos, não seria legal? Já plantei árvores e escrevi livros (bem, tem muitos outros planejados) então não falta muito para deixar alguma marca nesta terra.

Já fiz colonoscopia - o pessoal reclama deste, mas eu já estou 'expert' no assunto - e me sinto muito abençoado em viver numa época em que temos estes recursos; imagina, eu era para estar morto a esta altura... Pesquisei também uréia, hemograma, creatinina, glicose, acido úrico, psa total + livre (com o órgão respectivo está tudo ok), hormônio tireoestimulante, tiroxina t4 livre, colesterol total, triglicerideos, creatinofosfoquinase, urina tipo 1, testes de sensibilidade específicos, estudo urodinâmico e estudos com ultrassonografia dos diversos órgãos abdominais - Ufa!! Farei também consulta cardilógica e exames de esforço - o problema aqui é que o convênio de saúde que eu pago marcou consulta somente para daqui a 2 meses. É o Brasil (mas poderia ser outros país bem pior, o que me consola), com seu amadorismo e oportunismo. Fui reclamar e disseram que, se eu quisesse pagar consulta particular, 'tem horário amanhã mesmo'. Pulhas, os médicos et caterva. Ah, e por fim farei exames de vista para atualizar a receita dos óculos (consulta marcada desde dezembro). Como já tomei (e reviso periodicamente) todas as vacinas possíveis (algumas eu tive que pagar, pois o sistema de saúde do governo não prevê algumas), acho que tenho boas perspectivas de uma vida longa - e com saúde, pois consumimos aqui em casa muita frutas, verduras e legumes; usamos panela de ferro e evitamos 'porcariadas' - alimentos, bebidas industrializadas e outros venenos permitidos pelas autoridades sanitárias, mas que fazem mal à saúde.

Sou totalmente a favor destes exames preventivos, que faço desde os 40 anos de idade. Nunca houve alterações, a não ser a retirada, há alguns anos, de um pólipo do instestino, que seria fatal. A única coisa que anda me chateando é que não consigo fazer mais atividade física como fazia antes - tenho tido problemas ortopédicos, que originam dores que aborrecem e limitam (e, confesso, certa preguiça, um horror!). Acho que corri muito na adolescência, e isto até os 50 anos, o que determinou muito desgaste e danos estruturais, que agora me atingem em diversos pontos. Até já operei um dos joelhos. Paciência. Mas sou muito abençoado. Agora que cortei a barba hirsuta e também o híspido cabelo, ouvi que 'remocei' - estou até querendo ir no banco para ver o atendente dá novamente a senha de idoso...  [ só para constar - fui no dicionário ver a conjugação deste verbo 'remoçar' - e vi que, nesta primeira pessoa do pretérito perfeito, não tem o 'c' com o cedilha... curioso, mas é isso: todas as outras tem... Porisso que o estrangeiro reclama da nossa língua! ]

Bem, vamos agora preparar o ano letivo - fazer apostilas para as novas aulas, telas de power-point (copyright Microsoft), revisar os demais materiais. Pensar novas estratégias didáticas e atualizar as informações; tenho já muitos recortes de jornal que gosto de usar em sala de aula; acho motivador, pois são bem atuais e demonstram a operacionalidade dos conceitos explanados (se bem que para muitos alunos isto não faz muita diferença...).

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Filmes à tarde...


Frida Kahlo e Diego Rivera
(obtido agora - via Google Images - de

Nestas tardes por demais calorentas (o que me obriga a ficar o tempo todo sob a brisa de um ventilador...; bem, as noites tem sido assim também!), sempre surge um bom filme na TV a cabo. Vi novamente aquele filme muito bonito ('Frida'), que recebeu 2 Oscar da Academia, abrangendo a vida dos dois pintores acima, muito famosos. Existência maluca a deles, bem retratada na afamada película. Pessoas atormentadas...

Como sempre faço, socorro-me da Britannica para me inteirar do assunto. Lá vi que ele, de nome Diego Maria Concepción Juan Nepomuceno Estanislao de la Rivera y Barrientos Acosta y Rodrígues - que comprido, convenhamos! - nascido em México em 8 de dezembro de 1886 em Guanajuato, e falecido a 25 de novembro de 1957 na cidade do México, foi muito famoso em seu tempo, realizando muitas pinturas que ficaram igualmente célebres. Ela, que se casou com ele por duas vezes, teve o nome mais conhecido de Frida Kahlo de Rivera, mas originalmente era Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón. Ela nasceu também no México, a 6 de julho de 1907 em Coyoacán, e ali faleceu em 13 de julho de 1954, ano em que eu nasci. Ela foi muito famosa pela pintura primitivista de auto-retratos intensamente coloridos, pelos quais foi identificada como Surrealista, apesar dela não reconhecer a influência ou pertença. 

O fato marcante da vida de Frida foi ela ter sofrido em 1925 um pavoroso acidente quando andava de coletivo, determinando que ela sofresse 35 cirurgias ao longo de sua vida. No lento processo de recuperação, ela acabou se interessando pela pintura. Quando voltou a andar, pediu a Rivera (já famoso pintor que havia conhecido alguns anos antes) uma opinião sobre sua arte, e ele a incentivou a continuar, legando uma extensa e marcante produção. Hoje, a casa dela em Coyoacán se tornou o Museu Frida Kahlo, muito visitado.




quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Espinosa (1632-1677)


Gravura obtida agora (via Google Images) de

Gosto de ler sobre as pessoas (especialmente filósofos, pois muito influenciaram a Psicologia) que contribuiram para a formação do pensamento ocidental e até do Oriente. Vejo que eram pessoas iguais a cada um de nós, apesar de terem intelectos por vezes muito privilegiados. Mas, reafirmo, sofreram igualmente das muitas mazelas e percalços que colorem nossa humana vida...

Outro dia vi um aforismo deste importante e polêmico filósofo, expoente maior do Racionalismo do século XVII. Os ingleses nomeiam-no Benedict (hebreu: Baruch) de Spinoza, mas seu nome português era Bento de Espinosa, visto que seu pai e avô (também sua mãe) eram de Portugal - apesar dele mesmo ter nascido em Amsterdam, na Holanda. Sua família - eram judeus - refugiou-se lá devido à perseguição da Inquisição, oriundo da Espanha. 

Foi um pensador que se interessou por uma infinidade de temas, oferecendo posições que influenciaram muitos intelectuais de seu tempo e da posteridade. Faleceu moço, antes de completar 45 anos, segundo consta, pela saúde frágil, e problematizado pela deposição de poeira de vidro em seus pulmões, que inalava no trabalho como polidor de lentes em sua loja.

Ele afirmou que 'a felicidade é a compreensão lógica do mundo e da vida'. Grande verdade, o quanto se pode averiguar o contexto e a dimensão enorme de cada termo que compõe o apotegma. Só para ilustrar o que pretendo ponderar sucintamente aqui - não quero cometer um estendal... , 'felicidade', que hoje é um termo muito discutido, debatido, encerra inúmeras concepções, definições as mais diversas, o quanto seja a perspectiva, a época, o viés de quem o considera. Esta particularização (quase que uma 'redução') que é colocada pelo nosso preclaro filósofo é apenas uma entre tantas... 

Quando estudei Hermenêutica no Doutorado (e olhe que, nesta disciplina, me limitei a um - renomadíssimo - autor, o alemão Hans-Georg Gadamer), fiquei pasmado com a discussão ampla que o termo 'compreensão' encerra, coisa que um não-especialista nem sequer imagina  a extensão. E quando apensamos o termo 'lógica' a esta compreensão, imagina-se a dificuldade para realizar o pleno entendimento da equação verbal. Pois 'mundo' e 'vida' são fenômenos ou realidades tão imensas, desmedidas, que julgo que somente a abordagem oferecida pela Lógica não poderia contempla-las... Sei, a Razão deve presidir todo esforço, por mais ingente que seja, de compreender, mas ela, a racionalidade, é tão limitada! Como o limitado pode entender o ilimitado? Sei que não temos outra saída a não ser empregar a Razão, mas quero aqui dizer que não se deve esperar muito dela...

O que quero afinal apontar é que muitos entendem - a partir de raciocínios como o ilustrado no aforisma -  que bastaria a racionalidade para dar conta de entender o mundo e a vida, levando o vivente a conquistar a tão-sonhada felicidade. Mas, a cada vez, o que vemos neste mundo, mais e mais dominado pela Ciência e sua tecnicidade, é o quanto infeliz o Homem é. Os fatos parecem contrastar o que estabeleceu o insigne pensador. 

Pensadores outros julgam identificar o que falta na equação, que é precisamente o sentido que estas coisas tem ou deveriam ter para o Homem. De nada adianta saber, se o quê se sabe não representa, não significa (existencialmente) algo que efetivamente importa para o vivente ou à Vida enquanto tal. Aqui entra, na minha concepção, a Religião, para dar conta da perspectiva, do sentido do mundo ou da vida, para a pessoa, lastreando, fundamentando para ele ou ela a posse da Felicidade. Bem sei; o mundo atual, em grande medida (em parte devido à defesa e/ou adoção de posições às quais alude o aforismo em tela), julga que este domínio já não se faz necessário - poderia mesmo ser dispensável.

De tudo o que já estudei, investiguei, vivenciei, vejo que é uma miopia deixar esta dimensão da religiosidade/espiritualidade de lado. Somos seres de sentido - as coisas tem que significar, a cada um de nós. Basear somente na racionalidade a compreensão do mundo e a vida não nos fornece 'felicidade', talvez o seu arremedo. Concedo que esta apreensão é algo particular, idiossincrático, pessoal. Cada um tem que trilhar seu caminho. Mas, preste atenção - veja também quem ou o quê se escolhe levar nesta caminhada...

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

2014 chegou!!



fotos do meteoro que caiu na Rússia em fevereiro de 2013

O que achei mais impactante no ano passado foi a queda do bólide acima. Faz-nos relembrar como somos frágeis e passageiros, efêmeros. Lembro-me também, na oportunidade, de ter visto a foto, num destes jornais sensacionalistas, de uma pessoa que foi atingida, segundo afirmou, por um detrito oriundo do meteoro; estava com um enorme esparadrapo na face. Ri muito, pois se fosse verdade ela teria falecido, seguramente. Mas imagine participar de um evento cosmológico como esse - que cena! - como somos pequenos... Por isso digo que a humildade é a virtude de importância capital.

O que mais se vê na TV ou se lê agora, nesta semana, são receitas para tornar efetivas nossas resoluções de Ano Novo. Podem até funcionar, algumas. Mas nada substitui a necessidade, em seus diferentes graus e urgências; a gente é por demais indolente, mesmo acomodado. Lei do menor esforço, fazer o quê... E quanto mais velho se fica, tudo fica mais operoso - digo isso de cadeira. Não, não por ser já - bem, quase; há controvérsias - um idoso (imagina que outro dia fui no banco e - nem ousei solicitar - o atendente me deu senha de idoso!!! Bilú devertiu-se muito e, confesso, eu também...), mas por ser um arguto observador das mazelas humanas.

Mas de qualquer forma, para não fugir à regra, tomei minhas resoluções (hmm, umas duas, três). Deixo de menciona-las aqui para não cansar o leitor (também, poderiam dizer... who cares?) mas estou determinado. Ou seja, existe a necessidade, quase premente. Uma grande decisão que tomei anteriormente foi de ser voluntário no Asilo, conforme já retratei aqui. Como me satisfaz!! Deu novo alento à minha vida. Lamento o tempo que deixei de contribuir, de fazer o que devia fazer, talvez por certa espécie de orgulhosa cobardice. Mas acho que o Pai Celestial nos encaminha do melhor modo, pois Ele não precisa da gente - nós é que não somos nada sem Sua misericórdia. Mas sei também que ele nos usa para Seu santo e soberano propósito. A cada dia supreendo-me com a 'pedagogia' d'Ele para comigo... sou muito grato por isso.

Uma resolução de Ano Novo, creio, tem que ser uma tomada de posição firme, ampla, que influencia a vida de modo perene, impactando o rumo da existência. Decidir fazer um regime ou deixar de comprar bobagens desnecessárias não são resoluções de vida - são estratégias para conseguir algo, mas não implicam até certa transformação de caráter, como sói acontecer com as efetivas e significativas resoluções. Melhor não assumir uma resolução de Ano Novo se depois constatar que foi modismo ou imitação, uma coisa apequenada.

No futuro vou comentar estas duas ou três resoluções aqui; talvez você se lembre que as assumi como resoluções de Ano Novo. Fizeste a tua, também? Boa sorte!