quinta-feira, 30 de março de 2017

'Ser forte' ou 'convivendo com o dolorido'...

Pensata obtida agora ( via Google Images ) de
https://br.pinterest.com/pin/177540410284475691/

Olhem o que achei no Pinterest... Um bom momento de reflexão, que combina 'escolhas' com 'ser forte', não importa o que a pessoa compreenda como ter 'força'. Resiliência é um termo moderno que tenho visto associado com esta idéia, mas ela, ter força/ser forte, é tão antiga quando a humanidade. É um aprendizado que todo vivente deve assimilar, e transcende as eras de tão vital. Creio que o humano do Homem é muito caracterizado por esta virtude, senão não chegaríamos onde chegamos. Óbvio que existem outras honrosas qualidades das pessoas e/ou comunidades, mas viver é, em grande parte, confrontar dificuldades e obstáculos, e 'vencemos' se temos certa espécie de fundamentada determinação para enfrentar eficazmente estes cotidianos desafios.

O aforisma acima alude a uma condição que reza mais ou menos assim - "você nunca sabe quão forte és, até ser forte ser a única escolha que você tem". Quantos de nós não pensou (e efetivou) em desistir/fugir frente a determinada situação? Depois, muita vezes, se escolhemos 'entregar os pontos', ocorre o arrependimento, a baixa auto-estima, a decepção, a descrença, etc.  Ou seja, condições mentais que não ajudam a compreender globalmente o que realmente ocorreu. Todas as coisas que se nos ocorrem são 'datados' - constituem nosso entorno precisamente em contextos complexos que envolvem muitos aspectos e dimensões que nos determinam, boa parte, não sendo levado em conta na hora de agir.

Aprendi com um antigo filósofo Clássico (o grego estóico Epiteto ) que não são as dificuldades ou as coisas em si que são problemas, e sim o modo, a maneira com a qual vemos/pensamos estas coisas/dificuldades. Creio,  deste modo, que 'ser forte' é um aprendizado, um modo de atuar, de aplicar as coisas. Uma espécie de método, por assim dizer, de lidar com os desafios, obstáculos, problemas que todos enfrentamos. 

Um problema vital que se enfrenta mais dia ou menos dia é o da dor. Certo que a representação desta vivência, mais (ou menos) enredada em suas possíveis dimensões, com o corpóreo, com o físico - o fato é que é complicado estabelecer muitas vezes fronteiras entre a dor física, psicológica ou mesmo espiritual, assumem alguns, e vemos que 'dor' é sentida pela pessoa como um amálgama ou confluência de muitas dimenssões de sofrimento.

Outro dia ouvi que é uma grande bênção para alguém envelhecer depois que se torna sábio, e que constitui certo infortúnio quando se fica velho antes de ter adquirido a sabedoria. Agradeço aos Céus ter aprendido um pouco desta virtude, pois consigo encarar as minhas  dificuldades de modo a não as 'catastrofizar' desnecessariamente, ou seja, ve-las mais complicadas do que realmente são. Considero até que sou muito abençoado, pois constato que não tenho ou tive lancinantes problemas em minha vida. Minha biografia tem muito de ordinário ( querendo aqui significar, segundo o Houaiss, "conforme ao costum e, à ordem normal; comum" )...
 
Ultimamente tenho dificuldades de saúde que envolvem dor física, resultados da idade ou da carga de exercícios atleticos que realizei - com grande satisfação - em grande parte de minha vida. Consigo ver agora o enorme potencial danoso que estas condições possuem para minar o nosso temperamento. A constância da dor é excruciante. Tenho obtido algum sucesso em lidar com estas limitações via exercícios, remédios, mas o mais relevante vejo que é minha disposição em encarar de modo positivo (conquanto se possa considerar  alguma 'positividade' em dor física...) estas situações de (falta de) saúde. 

O 'simples'  fato de entender o que sucede já é um passo em lidar construtivamente com o dorido vivenciar da condição. A falta de rumo ou perseguir caminhos errôneos faz mais desabrido nosso sofrer. Muitas estratégias são divisadas, mas poucas com sucesso se não fazemos o 'dever de casa'...

De minha parte, complemento necessariamente as ações técnicas com o aperfeiçoamento da intelecção de todo o panorama que vivencio. Sou também abençoado em ter uma esposa fisioterapeuta, que está habitualmente à minha disposição para aplicar procedimentos  necessários ou possíveis. Mas a disposição do espírito é o que mais me faz lidar proficuamente com minhas limitações. Procuro entender o contexto todo, e vejo que sou muito aquinhoado pela Providência. Creio, assim, retomando o que falei no início deste ensaio, que "ser forte" constitui-se precisamente num conjunto de ações multidimensionais e interconectadas que revelam o preparo disposicional que a pessoa detem para lidar com sua idiossincrática determinação, e isso - ser forte - somente a pessoa pode ser.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Relembranças...

Eu e Tia 'Consolita', nos anos 80...

Uma coisa muito boa aqui na GARAGE é poder garatujar, garabulhar algumas linhas, enquanto a clientela não aparece. Eu tenho curtido ficar sozinho com meus pensamentos, escutando boa música, coisa que fiz muito na adolescência - eu era meio sorumbático, macambúzio. Mas acho que os outros pensavam mesmo que eu era atormentado...

Esta tia, já falecida, irmã de minha mãe, de nome Consolação Aparecida Vieira de Souza, era uma figura. Ajudou muito a cuidar de mim e dos meus irmãos, e tinha um coração de ouro. Era muito divertida, apesar dos problemas de saúde. Lembro até hoje de muitos episódios... (Eu e meus irmãos, além dos primos, 'zoávamos' muito com ela; perceberam que eu estou fazendo 'chifrinhos' nela na foto, não?) Tinha uma paciência de Jó. Nunca se casou, mas parecia que não era problema para ela; talvez porisso que era feliz... Os muitos sobrinhos a paparicavam muito; era  um 'serhumaninho' muito solícito. As muitas irmãs, além dos amigos e amigas, a estimavam muito!

Quando penso em mulher forte, que enfrenta, guerreira, batalhadora, lembro dela. Gostava de conversar com ela. Lamento não ter apreciado muito de sua sabedoria e personalidade, pois era muito bocó, molecão e imaturo. Depois a gente cresce e vai fazer faculdade, e ficamos pretensiosos. Uma pena.

As pessoas vem e vão em nossa vida e, como uma lição atroz, as apreciamos com mais justeza depois que se vão.