sábado, 23 de janeiro de 2016

Urubus e outros bichos...


Foto obtida agora (via Google Images) de
http://www.ecoloja.com.br/goto/store/textos.aspx?SID=Ecoloja&id=136
 
 1. Resido perto da companhia de energia Elektro, neste mesmo quarteirão. No perímetro da sucursal sanjoanense desta grande empresa existe uma elevada torre metálica, sustentando no topo um portentoso para-raios que, acredito pela nossa proximidade, ajude a nos proteger destas perigosas descargas elétricas da atmosfera. Pouco antes da ponta deste equipamento tem-se uma espécie de plataforma, acredito que para facilitar a manutenção. Pois tal lugar tem sido usado por um urubú como seu particular poleiro, para monitorar a circunvizinhança. "Tem dias" (logo pela manhã) que, toda vez que olho naquela direção, que percorre toda a lateral de nossa residência, lá está aprumado nosso amigo, e permanece em seu posto por horas. Por vezes um(a) colega vem lhe fazer companhia. E olha pra cá, olha prá lá... Depois de uma chuva, abre as asas para secar as penas. Que inteligência revela o animal! Imagino que, por termos uma enorme área verde e descampada no entorno destas quadras - é o grande Clube Sanjoanense, magnífico conjunto de edificações de esporte e lazer - a tarefa de esquadrinhar sua refeição fica facilitada. Já vi, em dias de calor, ele  sair em busca de colunas ascendentes de ar quente, para planar sobranceiro seus vôos magníficos... Inveja! 
 
 2.  Outro dia fomos, Bilú e eu, realizar nosso cadastramento biométrico na Justiça Eleitoral. Gosto de fazer as coisas de modo adiantado, se eu posso, de modo a não dar 'correria' mais à frente. Surpreendemente, contrário à expectativa do provimento de serviço público deste jaez, demoramos não mais de meia hora para cumprir o requisito. Isto porque existe a opção de se marcar hora via internet para a sessão de efetivação do direito, que consiste basicamente em, de um lado, levar pessoalmente os documentos necessários  e, de outro, colher-se os dados (fotos, exame de credenciais como identificação e comprovante de residência, etc.)  por funcionário devidamente habilitado (em nosso caso, duas senhoras muito educadas, amáveis). O novo título de Eleitor sai impresso na mesma oportunidade. Ruth aproveitou para atualizar seu nome de casada. Fiquei pensando que, por ser um serviço federal, não fosse a oportunidade para emitir-se um Documento Único de Identificação, sepultando de vez a emissão redundante entre os vários estados da federação, de documentos oficiais de registro do cidadão. O nosso número de CPF poderia ser o principal ordenador no procedimento, pois morre-se com ele... Mas somos uma nação muito atrasada; nossos burocratas e/ou políticos são - nem todos, evidentemente -  muito despreparados ou mal-intencionados. Que fazer... Resultado, ao longo da vida, colecionamos uma infinidade de números a nos identificar, desde o âmbito trabalhista, passando pelos documentos legais aduaneiros até os de saúde e/ou previdenciários.  Um cipoal caliginoso!
 
3.  As férias estão se acabando... Como sempre, passam tão depressa! A marca desta vez é o casamento de minha filha Marília, que não pude comparecer, por motivos do nosso Real estar valendo muito pouco frente ao dólar americano, o que torna impraticável, com meu salário, enfrentar as despesas necessárias. Ficou muito chato não poder comparecer, mas temos que razonar com coragem estas situações. Uma coisa é a realidade sofrente que se nos possui, outra é nós mesmos aumentar nossa dor pela nossa maneira imprópria de receber e gestar nosso pessoal padecimento. Nossa carnalidade se faz presente em cada ato, e vamos carregar até o fim dos dias nossa desdita. 
 
4.  Vamos agora, sabadão modorrento, na casa do sogro. Espero que ele não esteja com aquela famígera camisa do curínthia!!

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Férias... 2 (chove sem parar!)


Gravuras baixadas agora (via Google Images) de
http://planetminion.com/

1. Estou agora a falar de dois filmes, um que vi na Faculdade, hoje um clássico, Laranja Mecânica (1971), de Stanley Kubrick (1928-1999), e o último filme da saga Guerra nas Estrelas, recentemente lançado. O primeiro me impactou muito pela narrativa, e refleti muito depois de ler o livro sobre a violência massiva que descreve. Eu julgava com este experienciar que poderia ser útil na minha formação como psicólogo. Na época não existia no Brasil a violência onipresente - era mais ''política'' a coisa, creio eu. Acho que é um pouco por causa disso que hoje alguns mentecaptos - eles nem imaginam o que foi a ditadura -  desejam a volta dos militares... Já os filmes Stars Wars foram muito bacanas a princípio para mim, pela novidade e estética geral, mas hoje eu não iria ao cinema ver este último da série (meu mano mais velho, nerd incorrigível da velha guarda já foi ve-lo duas vezes em 3D, haja!!).  Sou mais ligado hoje em dia em filmes de outro gênero, tipo shambara, como já comentei (aliás, já comprei dois lançamentos lá na Livraria Saraiva).

2. Bom nas férias também é que leio ainda mais do que já costumo, e revejo alguns bons que eu li anteriormente. Acabei de reler aquele bom livro de Carl Sagan (1934-1996) que acho que já comentei, de nome Variedades da Experiência Científica (São Paulo: Cia. das Letras, 2008), que é muito bom para aprender um pouco sobre o Cosmos e a Ciência - e de quebra - 'polirmos' nossos preconceitos, e até mesmo contribuir para fazer de nós melhores pessoas espiritualizadas... Ele discute temas como ateísmo, cientificidade e cientificismo, e a nossa procura por Deus. Ele não se aprofunda, mas consegue passar uma postura elegante. Outro livro legal seria o Bioética, de Robert M. Veatch (3a. edição, São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2014). Ótimo para quem trabalha com pessoas, principalmente na área da saúde.

3. Que chuva maravilhosa... ver filmes e ler, ler, ler... boas férias mesmo, inclusive porque o dinheiro está curto e não dá para viajar... Esta crise está chata; minha filha Marilia vai se casar agora lá em California; mas como pegar o avião para prestigiar a cerimônia com o US$ a 4,00 Reais? Impossível, que fazer... Quando puder vou levar meu abraço ao casal.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Politicagem, corrupção e Mordor


Imagem obtida agora (via Google Images) de 
http://blenderartists.org/forum/showthread.php?288081-Mordor

1. Gente, nosso Parlamento em Brasilia parece pejado do caos de Mordor... Todos os dias aparecem (iniciou mais fortemente no ano passado...) politicos de variegada plumagem perpetrando sandices com a maior cara-lisa (caradura, cara-seca) ... Tem dias que me pergunto se eles estão esperando o povo pegar em armas e sair para exprobrar... Nem imagino o horror. O pior é que só em março que vamos ter uma melhor visão da evolução dos acontecimentos. O tal de impeachment de nossa Presidenta está super indefinido, e o povo todo, de fio a pavio, sofrendo com estas inseguranças, com as indefinições e os os 'desequilíbrios' políticos. E os excelentíssimos e nobilíssimos políticos não estão "nem aí" - a não ser que o japonês da Polícia Federal bata logo cedo na porta deles!
 
2. Outro dia fiquei pensando... oriundo de uma curiosidade, um auto-desafio, que em princípio poderia parecer certa brincadeira ou passa-tempo de minha parte  - escrever um blog - tornou-se com o tempo algo sério. Vislumbrei utilidades importantes para estas mal-traçadas linhas.  Olho agora e não consigo atinar como 'consegui' mais de 23.000 hits até o momento!

3.  Bilú tem feito caminhadas... Todas as férias são assim (o bicho atlético a coopta...), e o chato é que com meus problemas físicos (desabamento do arco plantar, dores das articulações, etc.) não posso mais acompanha-la. Que chato. Fico a pedalar mesmo aqui em casa na bicicleta ergométrica (aproveito para ler os jornais, conforme já comentei aqui).

4. Felizmente a cirurgia para a troca de marca-passo do meu pai foi um sucesso. O aparelho anterior era novo, mas deu defeito. Ainda bem que tem garantia, e imagino se o velho não fosse inteligente e não percebesse que o artefato estava inoperante. Perigo de vida real que, por graça de Deus, foi bem solucionado.

5. Todo o dia passa um celerado em frente de casa e dá uma imutável buzinada, como se estivesse a cumprimentar jocosamente alguém. Que mania, que coisa aborrecente! Que infantilidade, pois quem faz isso exibe pouco apreço pelo próximo. Existe um outro energúmeno que também passa (em direção ao Clube aqui perto) em sua moto Kawasaki ninja numa velocidade tal que chego a imaginar o estrago, se um dia houver algum acidente, originado por exemplo, por um obstáculo... Deus limitou a inteligência mas não a burrice, como reza o ditado... Palerma.

6. Tenho me sentido cansado... Sei que a idade começa a pesar, mas às vezes penso que o mosquito aedes aegypti deixou algum virus passeando em minhas veias... Com estas chuvas e calor o que tem de pernilongo esvoaçando!  Mas a saúde anda bem, em todos os quesitos, graças aos céus.

7. Vejo na Folha de São Paulo de hoje reportagem sobre o escritor italiano Primo Levi (1919-1987). Uma pessoa que sofreu nos campos de concentração da II Grande Guerra. Pessoa charmosa, elegante e sensível. Faleceu com a idade que estou hoje, e discute-se se foi suicídio ou não. Vão ocorrer eventos sobre esta persona no Brasil em futuro próximo. Quando vejo alguma celebridade interessante vou logo averiguar o que existe sobre ele na Encyclopaedia Britannica, e o gajo está lá. Creio ser fundamental recobrar sua importancia em nossos dias, tão esquecidos do passado recente! Essencial; tem muitos livros dele publicados no Brasil - já fui ver na Saraiva, e... seguramente mais livros para comprar, ô sina!!

PRIMO LEVI
Foto obtida agora (via Google Images) de
http://posmanbooks.com/event/a-celebration-of-primo-levi-with-ann-goldstein-dave-remnick-and-others/ 

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Férias...

Ozzy Osbourne (da Web...)
Mas... curioso: se você digitar o nome dele
no Google Images esta foto lá não tem. Existem milhares
de outras fotos, mas esta não...

1. Eu ia escrever aqui um post no fim do ano passado, para encerrar bem 2015, mas como sempre sucede, 'mil' coisas aparecem e (também o enfado que por vezes me acomete invariavelmente a misturar os ânimos...)  outros assuntos se intercalaram. Nada de mais no tocante ao fim do ano. Natal em Campinas (vestiram-me de Papai Noel... e as crianças mais novas se assustaram!) com a família - pais e irmãos - e depois o Ano Novo com o meu sogro aqui em São João. Normal. Vida funcionária, como diria o grande escritor Pedro Nava. Tenho visto muito filmes na TV - acho que o bicho cinéfilo da minha saudosa sogra me picou. Ela adorava filmes! Este NetFlix é uma facilidade ímpar nesta pós-modernidade. Vicia. Mas vou rever todos os meus shambaras, inclusive vou ler também os mangás de samurai antigos, que guardo com carinho. É como um ritual que tenho, há anos. Tem muito valor moral nestas estórias, como honra e lealdade, coisa um tanto escassa nowadays... Outro dia vi na TV um filme de 1971 - Fiddler on the roof, com aquele artista israelense famoso, Chaim Topol.  É um filme triste mas muito bem feito, que sempre me faz relembrar a filharada distante. Veja em  https://pt.wikipedia.org/wiki/Fiddler_on_the_Roof  para maiores informações. Recomendo!
 
2. Mas o meu amigo das fotos aqui é o conhecido roqueiro Ozzy Osbourne (John Michael Osbourne, nascido a 03 de dezembro de 1948 em Aston, Inglaterra. Hoje mora nos Estados Unidos da America) um dos fundadores da vertente Heavy metal, com a famosa banda Black Sabbath (desde 1968; segundo a MTV, a maior banda deste estilo de todos os tempos). O artista vendeu mais de cem milhões de discos desde então, com a banda e depois na carreira solo. Compôs músicas hoje consideradas 'clássicas' dentro do estilo. Tenho quase todos os discos dele. Além de gostar da musicalidade/sonoridade, tenho curiosidade por esta persona. Ele é divertido, um grande artista, que cresceu muito depois que sua atual esposa assumiu o papel de manager de sua carreira. Desde a faculdade eu sempre escuto o som pesado quando estou só, em 'retiro',  ou meditando ou trabalhando. É um bom exercício... Um companheiro de solidão.  
 
3. Mesmo nas férias não perco o hábito de ler jornais (tenho ido também na biblioteca da FAE para ler a Folha de São Paulo), e isso é facilitado pelas edições digitais que assino e que logo cedo as 'descarrego' no tablet. Fico a cada dia mais boquiaberto com a miríade de assuntos que o pessoal ajunta em cada edição. O mosaico de temas abarcados - em especial nestas férias -  é assustador. A complexidade está demais; temos dificuldade, como já comentei aqui, de filtrar tudo! O chato que tudo é temperado com modalidades intercambiantes de violência, de muitas nuances. Ou a temática é em si violenta, ou o modo da narrativa do interlocutor é nesta direção. Está cada dia mais difícil a gente se entender (como entender a si mesmo sem compreender nosso entorno - afinal, não fazemos parte dele?). Ainda bem que a teologia calvinista é o meu porto seguro! 

de http://www.rollingstone.com/music/artists/ozzy-osbourne