terça-feira, 17 de junho de 2014

Ciência



A Ciência é o grande empreendimento humano dos últimos séculos. A Ciência emprega a Pesquisa Científica, que é um conjunto articulado de procedimentos sistemáticos, fundados no raciocínio lógico, objetivando encontrar soluções para os diversos problemas humanos que são propostos, mediante o emprego de métodos (incluído aqui as técnicas e procedimentos) científicos.

Para realizar em sofisticado empreendimento, os homens aprenderam a concatenar recursos humanos, materiais (inclusive disponibilidade de tempo), financeiros e, em especial, a qualificação dos pesquisadores, de modo a realizar os propósitos de auferir o melhor conhecimento sobre o Cosmos (incluído aqui o microcosmo... nós mesmos!) e isso com o mínimo de gastos e no melhor tempo. O pesquisador tem um importante papel nesta equação, e ele ou ela deve ter os requisitos seguintes para dar conta de tão complexa tarefa: (1) Conhecimento do assunto a ser pesquisado; (2) Curiosidade científica; (3) Criatividade; (4) Integridade intelectual; (5) Atitude autocorretiva; (6) Sensibilidade social; (7) Imaginação disciplinada; (8) Perseverança/paciência, e (9) Confiança na experiência. A partir desta lista vemos que não é qualquer um que pode arvorar-se em ser cientista. Alguns acreditam que o são, mas não satisfazem a maioria destes critérios.

Porquê se pesquisa cientificamente? Temos duas finalidades: (1) Razões de ordem intelectual (para alcançar o saber, satisfazer o desejo de adquirir conhecimento correto), realizada por cientistas e diferentes pesquisadores para contribuir para o progresso da Ciência. É a denominada Pesquisa pura ou fundamental.  E (2) Razões de ordem prática (visa aplicações práticas, com objetivo de atender às exigências concretas da vida moderna), realizada por vezes por empresas que criam tecnologia. É denominada Pesquisa aplicada. Não existe uma fronteira intransponível entre estes 2 tipos principais.

A Ciência é uma espécie de vacina moderna contra a irracionalidade e o primitivismo, que insistem em acompanhar os homens. Como tudo hoje em dia, é atacada, desafiada e contrastada como adversária de outras formas de conhecer, como a pertinente à religião ou as maneiras alternativas de se conhecer a realidade. Mas a Ciência nada mais é que uma construção humana, imperfeita, mas é o que é – uma ferramenta - que pode ser mal ou bem utilizada, como qualquer outra. 

Quer saber mais? Quando colocamos o verbete 'Ciência' no Google, recebemos uma miríade de sites instigantes, como o http://labdeensino.blogspot.com.br   Clique lá e você saberá de muita coisa legal. Este, no caso, é despretencioso, mas tem outros sites bem sofisticados, como o http://blog.cienctec.com.br  De qualquer modo é uma área estratégica a educação em Ciência (veja um interessante exemplo inglês em http://www.ase.org.uk/resources/classic-resources-and-archive/global-dimension ) Eu sou apaixonado por este tema, e a melhor coisa que desenvolvi a partir destes estudos todos foi respeitar de igual modo outras maneiras de se ver o Mundo, em especial a Religião. Sim, sei que tem muitos que acham que são - Ciência e Religião - coisas incompatíveis, mas no fundo são Magistérios diversos, que não tem que ser adversários, necessariamente... Quem conhece um pouco destes dois domínios não os vê como opostos.

Eu, como professor da área, vejo com tristeza a falta de familiaridade dos meus alunos com este campo. Quando comparamos nossa nação com aquelas que estão mais avançadas, vemos que elas alcançaram posições elevadas de desenvolvimento por causa do cultivo do espírito científico. Somos ainda, de certo modo, reféns de estruturas arcaicas, quase rudimentares de discussão e gerenciamento de nossa realidade, em suas multicores e multidimensionais matizes. No fundo, acabamos sempre averiguando que nossa Educação é rudimentar (em especial em Ciência), quase incipiente, o que nos leva a sermos insipientes em diversos graus, apesar de nossas "ilhas de excelência”.

Vou propor à minha Universidade a realização de atividades de extensão visando minorar esta deficiência que noto em quase a totalidade dos alunos. Creio que seria o melhor caminho para dotar nossos jovens de ferramentas mais acuradas de pensamento, de julgamento. Tenho duas instâncias que me podem ajudar naquela Instituição de Ensino Superior: um Grupo de Pesquisa e o Comitê de Ética. Bom desafio vejo à frentetrabalho para muitos anos. Mas estou bem animado!

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Ética em Pesquisa, dia dos namorados e Copa



Platão e Aristóteles
Gravura obtida agora (via Google Images) de
http://www.biographile.com/the-personality-divide-are-you-more-like-plato-or-aristotle/25239/

Fui designado como Coordenador do Comitê de Ética em Pesquisa lá do UNIFAE. Este comitê é um colegiado multi e transdisciplinar, independente, que deve existir nas instituições que realizam pesquisa envolvendo seres humanos (existem comitês para analisar protocolos de quem usa animais em pesquisa, mas tais comitês não se confundem - pelo menos aqui em brasólia), criado para defender os interesses dos sujeitos da pesquisa em sua integridade e dignidade e para contribuir no desenvolvimento da pesquisa científica dentro de padrões éticos. O CEP, como se abrevia, é responsável pela avaliação e acompanhamento dos aspectos éticos de todas as pesquisas envolvendo pessoas - e isso compreende analisar também a metodologia. Este papel de averiguar investigações científicas com humanos está baseado nas diretrizes éticas internacionais (Declaração de Helsinque, Diretrizes Internacionais para Pesquisas Biomédicas envolvendo Seres Humanos CIOMS) e brasileiras (Resolução do Conselho Nacional de Saúde número 466/12 e complementares). De acordo com estas diretrizes: “toda pesquisa envolvendo seres humanos deverá ser submetida à apreciação de um CEP”. 

As atribuições do CEP são de papel consultivo e educativo, visando contribuir para a qualidade das pesquisas, bem como a valorização do pesquisador, que recebe o reconhecimento de que sua proposta é eticamente adequada. Se o investigador científico trabalha com pessoas, deve dispor de um protocolo de pesquisa que seja o resultado de cuidados tanto técnicos (relacionados à discussão científica de um tema de pesquisa) quanto de cuidados dos sujeitos da pesquisa. Tenho muitas tarefas a executar e presentemente estu na fase de ajustar os relatorios do Comitê, os formulários e informativos das rotinas. Existem muitas providências que fazem parte do sistema CEP, além de julgar os protocolos de pesquisa. É o que faremos em boa parte de nosso trabalho doravante no UNIFAE. Que o Pai Celestial me ampare em tão complexa tarefa. 

* * *

Hoje começou a Copa de Futebol aqui no Brasil - não estou muito confiante com nossa Seleção, mas o brasileiro é mais patriota nesta hora do que em outras situações que assim o mereceriam. Não gostei do jogo; tomara que nossa Seleção se ajuste com o andamento dos jogos. Mas temos divertimento certo por um bom tempo. Por exemplo, amanhã temos Holanda versus Espanha, espero espetáculo melhor do que vimos hoje, certamente!

* * *

Passeamos, Ruth e eu, em Poços de Caldas, como sempre fazemos, dede a manhã - hoje o motivo foi o dia dos namorados - e Bilú faz questão de ganhar algum presente. Sempre acerto levando-a a escolher um sapato ou bolsa; como (quase) todo ser feminino, ela é alucinada por estes adereços. Como digo sempre, não tente entender a mulher - elas não seguem a Lógica, e são por demais complexas... Antes que digam que sou machista, arremato: "Mulher não foi feita para ser compreendida, foi feita para ser amada..." É um vuco-vuco quando digo isso em sala de aula, mas todas gostam quando dou o veredicto final - devemos ama-las e pronto!

Não pude deixar de me emocionar (Ruth depois me confessou que também se comoveu): bem do nosso lado, na hora do almoço, uma adolescente deixou cair a bandeja de comida dela, esparramando ruidosamente o prato, talheres e bebida ao chão. As atendentes acorreram logo - limparam o local, abateram a despesa, mas a moçinha ficou inconsolável, e nem quis mais se alimentar. Ficou em sua solidão derramando lágrimas silentes e digitando o celular. Um casal que a acompanhava não teve a sensibilidade de orienta-la nesta hora; tivemos, Ruth e eu, a percepção da jovem senhora ser a sua mãe, acompanhada de um amigo - talvez um pretendente, posto que o homem não parecia (pela atitude e pelas feições) ser seu pai. Eu faria tão diferente se fosse a minha filha (lembrei-me na hora das minhas 3 meninas - como eu ansiava protege-las!); ela não ficaria se sentindo desamparada daquele modo. Mas 'fazer' um filho é muito diferente de educa-lo. Sei que não sou boa referencia para ninguém pois fui forçado a divorciar por 2 vezes, mas enquanto meus filhos estiveram comigo procurei cumprir o melhor que pude meu dever de pai. Uma das coisas mais lindas que ouvi na vida foi meu filho  dizer que ele iria criar seus filhos do mesmo modo que eu o criei (e eu o criei do modo com que meu pai criou meus irmãos e a mim, com diálogo e mão firme, num lar cristão).

* * *

Demorei a escrever aqui - muitas provas (elaborar e corrigir) e as providências do Comitê de Ética, principalmente, entremeadas com os dias que vou ao Asilo e às minhas leituras. Tenho uma carga elevada de leitura, auto-imposta, mas essencial em todos os sentidos  - papers, jornais diários, revistas, Bíblia (Esta me toma, hoje em dia, a maior parte do tempo - quanta oportunidade de aprendizado espiritual 'perdi', não bebendo da Fonte! Mas também tive que me preparar bem para isso...). Tenho esta rotina desde jovem, e é o que me mantém vivo, em especial a leitura da Palavra.

* * *

Nestas férias de Julho terei, ao que parece, que assessorar meu filho que vai vir aqui ao Brasil a trabalho. Mas estou vendo também se faço a cirurgia de desvio de septo nasal, que já deveria ter feito há tempos. Vamos ter que planejar e articular os diversos projetos. E não vou ter o mês inteiro de inatividade acadêmica, 'por causa' do Comitê de Ética e também por causa do meu Grupo de Estudo do Idoso. Tenho que dar conta disto tudo, mas sei que o Senhor me ampara; procuro andar no Seu Caminho...

O Senhor firma os passos de um homem, quando a conduta deste o agrada;
ainda que tropece, não cairá, pois o Senhor o toma pela mão.
Salmo 37: 23 e 23  ( Nova Versão Internacional)