segunda-feira, 21 de abril de 2014

Bênçãos...


Firmina e Geraldo Vieira Dutra

Olha os meus pais no começo dos anos 70... eram bonitos, hein? Sou muito grato a eles por terem - perseverantemente - nos ensinado (meus irmãos e eu) nos valores cristãos. O ensino dos filhos é um dos aspectos mais importantes do convênio do cristão com o Pai Celestial, conforme vemos em Hebreus 12, 1 a 17. Nos versículos de 6 a 9 lemos (Almeida Corrigida e Revisada Fiel):

6 Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho.
7 Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos;  
porque, que filho há a quem o pai não corrija?
8 Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, 
sois então bastardos, e não filhos.
9 Além do que, tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem, e nós os reverenciamos; não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, para vivermos?

Agora idoso, vejo quanto tempo perdi em não ter reverenciado o ensino e a Palavra como devia. Mas acho que o Senhor em sua misericórdia me preservou e me resgatou, regenerando-me em definitivo nesta fase que posso finalmente entender Seu Plano Eterno. A Fé Reformada foi central nesta minha conversão. Quando digo Fé Reformada reverencio o grande teólogo João Calvino, o maior que consigo divisar.

Hoje temos muita boa instrução sobre os desígnios celestiais, fundados nas Sagradas Escrituras. Indico aqui um ótimo livro, escrito por dois pastores inigualáveis, Herman Hanko & David J. Englesma. O nome é 'Keeping God's Covenant', e pode ser adquirido no site  http://www.britishreformedfellowship.org.uk , mais especificamente  http://www.britishreformedfellowship.org.uk/index.php/books-a-pamphlets

Sou muito grato a Deus pela sua instrução e amor a uma pessoa tão viciosa como eu. Ele nunca desistiu de mim. Honrarei sempre a meus pais e a memória dos meus antepassados, pois sei que foi por eles que o Pai Celestial me ama...

Saberás, pois, que o Senhor teu Deus, ele é Deus, o Deus fiel, que guarda a aliança e a misericórdia até mil gerações aos que o amam e
 guardam os seus mandamentos.  (Deuteronomio, 7:  9)

sábado, 12 de abril de 2014

Vinde a mim... (Mateus, 11: 28)



Gravura obtida agora (via Google Images) de
http://www.brasilescola.com/filosofia/filosofia-crista.htm

Ainda me lembro da vivência sentimental quando entendi (e aceitei com todo o meu ser) este convite, em meu coração. Não tanto pelo fato de ter lido a frase tantas vezes anteriormente, mas não a ter compreeendido, mas pela impressão existencial que determinou (naquela vez especial), quando eu efetivamente estava preparado, destinado, a entende-la. Ela me vem sempre à mente, e me conforta muito. E me emociona; é um relembrar que mobiliza, como dizem os psicólogos.

O crente deveria meditar sempre neste convite, que Ele nos (re)faz constantemente, a cada passo. "Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei." (Versão Almeida Corrigida e Revisada Fiel) Este convite tem toda a sua dimensão cósmica e eterna posto que foi selada com o sacrifício que Ele fez por nós, de uma vez por todas, no Calvário.

E porquê Ele (e somente Ele) pode nos fazer tal convite? Porque Ele, reconciliando-nos nEle com o nosso Pai Celestial, tirou-nos o fardo do pecado, coisa que não poderíamos ter feito por nós mesmos. O que Ele nos pede agora ficou factível... "Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve." (Mateus 11:30). Todo o crente não pode esquecer disso - ninguém pode duvidar disso!

Nos dias atuais, corruptos e violentos, este convite ecoa com mais veemência, mas parece que já há tempos se anuncia...  "E acontecerá, naquele dia, que a sua carga será tirada do teu ombro, e o seu jugo do teu pescoço; e o jugo será despedaçado por causa da unção." (Isaías, 10: 27). Só Deus sabe o quanto sou grato a Ele por isso!

terça-feira, 8 de abril de 2014

Relacionamentos interpessoais e outros bichos...




Logo oficial obtido de
http://anheuser-busch.com

Minha cunhada, a Rachel, irmã gêmea de Bilú, sugeriu um tema para refletir aqui. Ela, solteiríssima, estava 'injuriada' com a dificuldade pós-moderna de relacionar-se com o sexo oposto. É este um sub-tipo de relacionamento interpessoal, e carregado de problematizadores determinados pelos generos. 

Usarei um conceito para nos auxiliar - o das expectativas. Nossas ações podem ser em boa parte 'explicadas' (compreendidas) em função dos objetivos e das escolhas de cada pessoa e das suas expectativas em atingir esses mesmos objetivos. Agimos em grande parte de acordo com o que esperamos ocorrer no futuro, a partir do que fazemos, do que decidimos, daquilo que manipulamos (ou pensamos manipular) da realidade ao nosso alcance. Obviamente, como muita coisa foge do nosso controle detemos, a cada momento, mais ou menos 'certeza' que as coisas vão ocorrer como desejamos, como esperamos que ocorra. 

Esta regra quase-informal é razoável em sua utilização quando operamos no mundo físico, material. Agora, quando o nosso semelhante entra em cena, a operacionalidade desta equação se perde muito; que fazer... Problemas ocorrem quando se imagina o quanto que as pessoas podem ser previsíveis - quer dizer, o quanto que nossa expectativa pode ser efetivamente equacionada e realizada em nossos relacionamentos. Tantas são as variáveis que podem modular, modificar e embaralhar nossas expectativas que o vivente acaba se 'perdendo', no mais das vezes, no afã de tentar antecipar os acontecimentos.

Todos temos nossas inclinações, balizadas dentro de contextos amplos que teimamos em não levar seriamente em consideração. Previsibilidade e controlabilidade são temas interessantes para filósofos e psicólogos, mas de escassa operacionalidade no que tange a nós pobres mortais. E no campo das emoções e sentimentos, são de pouca valia, ao que parece. Então - ao final e ao cabo - cada um que cuide de si mesmo, sendo virtuoso e aprimorado no viver, no vivenciar. Por extensão, teremos mais facilidade de nos relacionar com o próximo, seja parente, amigo, parceiro, cônjuge, colega, etc... Não adianta exigir do outro o que nós mesmo não podemos oferecer. E assim voltamos à antiga regra de ouro, que existe na Bíblia - faça aos outros o que desejas que façam a ti. Simples assim.

Vivenciamos constantes choques comunicacionais, oriundos de interpretações e valores os mais diversificados, e tanto mais nesta época de grande complexidade. Exemplifico: a melhor cerveja para mim hoje é a Budweiser, da Cervejaria Anheuser-Bush. É a melhor cerva para o dia-a-dia - o dito 'King of Beers' é verdade verdadeira. Uma das que gosto mais é a belga Gulden Draak (Brouwerij Van Steenberge) mas não é uma cerveja para tomar todo dia, por vários aspectos. Imagine que encontro um apreciador de cerveja também - quase-impossível ele ou ela ter o mesmo gosto, preferência que eu, seja para bebericar no dia ou em dias especiais. Bilú me disse outro dia, comentando o que havia lido numa rede social: 'prefiro ter paz do que ter razão'. Concordei com ela e adotei o adágio para minha vida. Nestes tempos bicudos, é rara erudição.

Adoro paisagens. Veja que linda esta que baixei do site da Microsoft... Seja feliz!


Foto obtida agora de
http://windows.microsoft.com/pt-br/windows/wallpaper