segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Ecos natalinos... e algumas fotos!



Família Geraldo Vieira Dutra (da esquerda para a direita...):
Luciano (primogênito),  Lia (quinta filha),  Geraldo (patriarca),  Lucas (segundo filho),  Lucia Helena (quarta filha),  Firmina (matriarca)  e  Luiz Sérgio (terceiro filho, o autor da foto), em 26 de Dezembro de 2014

       Todo ano é comemorado o nosso Natal e logo após o aniversário do patriarca, o que sempre 'estica' as festividades. Boas lembranças, que fazemos há quase 60 anos... Vamos fazer tudo para que esta tradição continue na família. Mesmo porque a moçadinha continua a aparecer, crescer e acostumar-se com as festas e comemorações. Bem, boa parte da família (especificamente o meu ramo) não participa, por 'n' razões, mas é válido assim mesmo. Estes mistérios somente serão revelados além do véu.


Esta foto é restauração digital de slide; aparece nela minha avó
paterna, Vó Adalgiza (Zizi), muito querida...


Então... como o tempo muda, hein??
(ah, a cachorrinha chamava-se Pupy...)
Foto em frente à piscina da casa de Rio Claro


Este slide recuperado é do começo dos anos 60...


Esta é um pouco mais antiga, Lia ainda não tinha chegado...
Muito legal a iniciativa de registrar os momentos,
não é mesmo? Acho que os meus netos vão dar
muita risada...



Meus queridos pais - uma bênção de Deus aos cinco filhos!

Que 2015 seja um ano feliz para todos e pleno de esperanças!

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Jubiloso Natal e Feliz 2015...


Gravura obtida agora (via Google Images) de
http://www.longitudeonda.com/

1. Caríssimos...  mais um ano se finda; é lugar-comum comentar a velocidade com que o tempo transcorre, não é mesmo? Talvez só os jovens não se atentem para este detalhe. Mas um dia atentarão! Não tanto pela idade, mas pelo contexto digital de nossos tempos nossa obrigação vital é vivenciar cada momento como se fosse o último, não só o 'único', que parece não satisfazer mais...

2. Terminei bem o ano em nossa instituição de ensino superior, sem maiores problemas, como esperava acontecer, e com boas perspectivas de realização para o ano que vem - estou animado com os novos projetos. Nosso Reitor tem uma visão bem ampla quanto às nossas potencialidades, e não me surpreenderia se, num futuro próximo, nos tornássemos vera Universidade.  Mestrado nós já temos; faltaria um Doutorado e outras instâncias, mas o céu é o limite para a imaginação - e empenho - humanos.

3. Olho para meu humilde escritório e vejo quantos livros comprei neste ano, sem falar nos e-books. Há muitos anos contei meus livros e cheguei a ter quase 3 mil. Como comprava sistematicamente, desde 1973, muitos estavam desatualizado e doei uns 2 mil para os dois centros universitários daqui de São João.  E agora acho que estou chegando perto novamente daquela cifra. Terei que doar novamente, pois hoje temos muito mais agilidade para pesquisar via acesso a papers, artigos científicos e sites bem fundamentados. Creio que cada vez comprarei menos livros em papel e farei talvez menos doações. Mas o dia em que eu me for, Ruth tem instruções para doar tudo para o UNIFAE. 

4. 'Férias' é bom porque eu me 'reciclo': leio novamente alguns livros que considero "mágicos" (você vai ter que vir um dia à minha casa para saber o que é e quais são...) e também os inúmeros mangás (espécie de gibi japonês) de samurai que tenho aqui. Aliás, comprei-me recentemente 19 (sim, dezenove!) filmes DVDs de cinema samurai ('chambara'), que se somam agora aos 12 que eu já dispunha. Maluquice?  Jogue a primeira pedra!!!   Ah e, imagina! - tem torneio de sumô agora em janeiro, que maravilha... Saudades dos tempos de só rosetar... no bom sentido!

5. Na verdade, nestas férias terei que ir ao UNIFAE diversas tardes, pois tenho que preparar recursos e procedimentos do Comitê de Ética, elaborar os materiais das novas classes, preparar a implantação de uma 'universidade da terceira idade', conversar com a Coordenação e algumas Pró-Reitorias... Mas vou tirar uma semana para matar as saudades do mar, que não vejo -  fisicamente - faz tempo. Vou aumentar os níveis de vitamina D...

6. Vou agora ler os jornal Correio Popular (Campinas) que recebo digitalmente. Ficou muito mais fácil de lê-lo via iPad Mini, realmente... As notícias dão conta dos estragos que a chuva tem feito em algumas cidades, quem diria... Há pouco estávamos numa estiagem! Mas fico penalizado com as pessoas que tem as casas invadidas pelas águas. Que horror, meu Deus! Mas vai demorar uns 5 anos para nossos reservatórios se encherem adequadamente.

7. Notícia no jornal - assaltante faz selfie em aparelho smartphone recém-roubado e tem a foto baixada - via app do celular -  no computador da vítima, que se apressou a repassar às autoridades, e agora o instantâneo do gatuno está estampado até no jornal.... ô tempos (e que imbecil) !!

8. Desejo a todos e todas um Natal maravilhoso e um 2015 pleno de esperanças. Que Deus possa sempre instrui-lo(a) em Seus preceitos. Não se esqueça de orar todo dia para que Ele te conceda as bênçãos de modo a operarem em você e de você aquilo que Ele soberanamente requer...

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Antenado nas noticias...


O mundo ficou pequeno mesmo; pela minha atividade profissional, tenho que me manter 'antenado', e costumo ler pelo menos 3 jornais todo dia (acho que já comentei isso aqui, mas que fazer, estou ficando velho e esquecido - hoje corri na Universidade para ver se tinha esquecido a carteira lá, e ela estava em casa mesmo... ô Senhor!!), dois em papel no UNIFAE e um, eletrônico, que recebo pela web. Mas o que mais estou gostando de percorrer ultimamente é o tal agregador de notícias acima. Muito bom recurso, e a gente que acaba determinando os assuntos que quer seguir. Todo dia aciono o aplicativo via iPad mini e é bem confortável de ler, principalmente pelo adensamento de pixels que meu leitor digital tem (o recurso Retina). Recomendo - vc não vai se arrepender...

Na verdade acho que estamos ficando mais solitários ainda, cogitando em nossas cabeças a enormidade de informação, digo, dados (informação é quando os dados são interpretados, criticados, assimilados produtivamente...) que 'chove' em nossa mente constantemente. A gente vive correndo, não é mesmo? E com isso tem menos tempo - quando tem - de refletir sobre as coisas. Na maior parte do tempo não se medita mesmo e vai-se vivendo (ou desvivendo...), hmm  sobrevivendo... se é que isso é vida, na acepção plena da palavra.

Ontem foi o último dia de aula, quer dizer, da necessidade de ir passar o cartão no leitor de chip corporativo da Universidade, para atestar nossa presença. Eu terei que ir todos os dias trabalhar nos projetos que tenho que dar conta, mas só de tarde; não preciso ficar os dois períodos. 'Fora' uma semana que vou estar realmente "'de férias",  os outros dias trabalharei  no UNIFAE para agilizar procedimentos e providências a meu encargo. Estou animado e feliz com os novos desafios; sou movido a desafios, definitivamente.

Uma vivência muito significativa que tenho experimentado nestes últimos tempos tem sido as epifanias que consigo divisar, pela graça do nosso Deus. Pequenos instantes só meus, que nem tento compartilhar, pois implicaria em diminuir linguisticamente o fato e me frustrar pela incompreensão do outro (ou outra). Na verdade cada um tem ou teria a sua, se a procurasse, se se abrisse a ela. Tem tanto recurso hoje em dia para quem busca a Deus...   Mas vejo que se me torna, a cada dia, algo mais vital, no sentido de significar a existência. Eu, que já li tanto sobre a vida de pessoas que se abrem ao numinoso, vejo confirmada agora em mim, a todo instante, a verdade estampada nesta outra dimensão do existir, que é, insisto, muito pessoal. É perigoso a pessoa vir a achar-se mais do que é, por esta relação tão especial que se desenvolve com o Criador, mas é a nossa tendência decaída - no fundo isto constituiria uma contradição em termos, mas nunca se sabe o tamanho de nossa depravação, no sentido calvinista do termo. Para mim, a chave foi  e é estar constantemente ligado à Palavra, que nos reanima e relembra as velhas lições que a carnalidade insiste me nos fazer esquecer, e nunca fraquejar no recurso da oração, a sós ou em comunhão. Como o Pai efetivamente responde a elas; fico 'assombrado', mas creia -  a relação é de alegria, de conforto, de satisfação, de estar-se amparado, de ser acompanhado a cada instante. O Senhor me leva pela mão, dando um beliscão de vez em quando, mas dou muita risada!! Não vejo a hora de encontra-Lo. O dia que eu me for, amigo, não se entristeça - vou feliz e jubiloso!

A chuva parece que voltou, felizmente, que saudades! Pena que vai demorar agora de 4 a 5 anos de regime apropriado de precipitação para recompor as reservas dos lagos e represas... E as autoridades fazendo 'cara de paisagem'... que incompetência (criminosa!).


Obtido agora (via Google Images) de
http://www.deskbeauty.net/


quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Notas e informações...


(do Google Images)
  1. Gente... Estava aqui no blog escrevendo via iPad Retina mini... Nunca imaginei esta tecnologia toda, nem nos meus pesadelos mais sombrios. Muito desconforto há nesta opção, pois o tecladinho é improviso só... Mas que é mudança enorme, é... Guardarei o rascunho para terminar no PC, o que agora faço. Resumo: inviável escrever só por aqui; não é user friendly...
  2. Voltei outro dia do Asilo com um pensamento na cabeça - o cheiro da morte. Penso que já o senti, por 2 vezes, viajando de motocicleta (quase morri em acidentes) - pelo menos pensei nisto; antes era aterrador, medo puro, instintivo. Mas hoje, com o ensino dos Céus, transmutou-se - a morte - em libertação. Não é ruim estar-se aqui nesta esfera, apesar de tantas mazelas e injustiças mas, na Glória, nossa esperança aqui faz a vida futura certeza de boniteza incomensurável...
  3. Sobre trabalhar no Asilo, sou muito grato ao Senhor por me honrar sempre em servi-Lo. É o que me faz feliz hoje. Sempre.
  4. Tem uma cachorrinha albergada na casa ao lado da minha aqui, pela rua Theófilo Ribeiro. Que belo cão de guarda! Ela tem meia-idade, mas um vigor em sua função que fico impressionado. Chama-se Fofinha, e é sempre desconfiada de mim pois quando ela late sem parar (até para a Lua, penso) dou um "CHIU!!" bem sibilante e ela pára com a altercação - juro que não fui eu quem a condicionou; deve ter sido o velho que morava nesta casa aqui antes (pois os outros 2 cães que moram na casa em frente - pela Rua Prudenciana -  também exibem o mesmo comportamento). Ser um psicólogo bem observador ajuda nestas horas.
  5. Comprei um vinho chileno, da casa Viña Sur Andino, de uva Carménère, de nome Costa Pacífico, importado pela Miolo, veja só. Recomendo - ótimo vinho de mesa, bom e barato! Bom, eu só compro vinho chileno mesmo... Bilú e eu temos nossa hora diária de bebericar e colocar a conversa em dia, antes do almoço, com vinho ou cerveja (Budweiser ou Original). Depois, a oração antes da refeição principal do dia.
  6. Voltei a ler um livrinho maravilhoso, Discurso do Método, de René Descartes. É o livro que 'inaugura' a Ciência aqui no ocidente. Já indiquei aos meus alunos várias vezes.
  7. Fiquei álacre - Ruth resolveu ler as Institutas, de Calvino, depois de muitas loas que fiz sobre a magnífica obra, que foi a pá de cal sobre os enganos dos clérigos daquela época...
  8. Escrever no blog via iPad é ruim, pelas limitações, mas ler o meu jornal diário nele  é ótimo, incrível experiência que me faz pensar que muito dos livros, periódicos ou revistas transmudar-se-ão... A moçadinha - a petizada - e juventude já se adaptaram, ao que parece. Mas observo que esta turma não tem o costume de se aprofundar nos assuntos. O que existe hoje é muita superficialidade. Quando se pede uma análise ou posicionamento, o que se vê é somente dislates, superficialidades ou platitudes... Estou preocupado!
  9. Comprei uma bicicleta ergométrica - é um aparelho que usei muito quando moço, para ver se me animo - eu era tão entusiasmado para a atividade física, mas agora, quase-macróbio, deixo a desejar neste quesito. Que horror, 'feneço-me' a cada dia.  =(
  10. Bilú comprou um queijo cobocó, mineiro, que delícia; a vida plena é constituída de pequenos prazeres, alguns inusitados, mas só 'nossos'. Sou espartano e simples - meu pai assim me ensinou. 'Sem  apegos', aprofundou-me este viés a ética budista (e cristã também, porque não).
  11. Bilú tem se entretido em suas aulas de corte-e-costura. É a hora alegre dela. Mas que a casa fica muito vazia sem ela, fica. Boring... 
  12. A vida vai escoando, até se perder na poeira do tempo... Outro dia encomendei ao Google um back-up dos meus dados alocados lá; deu terabytes de arquivo - tentei o download, mas foi 'impossível' -  o computador ficou dedicado à tarefa, virando a noite, e ocorreram vários erros, tanto que desisti. Quando tudo acabar, que se acabe. A vida é assim, efêmera, e a gente não pertence a esta esfera mesmo; estamos de passagem, somos peregrinos. Meus avôs Lucas e José Antônio (Niniu) foram figuras tão maravilhosas, criaram filhos e tudo o mais e o que eu sei deles? Quase nada. Meus netos também vão saber 'nada' de mim, e é assim a vida. Portanto, vivamo-la nós mesmos, plena e saborosamente, mas no temor do Senhor, aviso logo!
  13. Outro dia lembrei-me de novo de um ebulitivo amigo, o Roberto Cerântula, onde andará? Ele tinha somente um braço, mas uma alma completa, plena, esfuziante!
  14. Ética - estou animado agora com a Bioética, assunto que nunca me afastei, mas agora, coordenando o Comitê de Ética da Universidade, estou a mil; dedico-me hoje, além das atividades quase-modorrentas do dia-a-dia das rotinas, à elaboração das POPs - Procedimento Operacional Padrão - que temos que ter lá naquele setor, para padronizar e melhor acompanhar as diversas ações. É coisa que gosto: planejar, regulamentar, analisar, discernir, prospectar, pesquisar, metodizar. Cada macaco no seu galho, não é o segredo para sentir-se feliz? Vou agora sair 'correndo' pois temos a nossa reunião ordinária mensal, para analisar os protocolos de pesquisa postados. 
  15. Agora nas férias estarei mais presente por aqui. Neste semestre, com as 9 classes que administrei, o tempo encurtou - veja só, fiquei quase um mês sem aparecer. Sorry!