segunda-feira, 24 de março de 2014

A vida - nada e tudo!



Mostrei a fotinho acima (tem alguns anos que a tirei; estava usando um óculos que gostava e que depois quebrou, sem mais nem menos...) para Bilú e ela disse que 'estou melhor hoje' -não sei acho esta apreciação boa ou não; não digo 'ruim'; evito usar este termo, é tendencioso, não é? Mas voltando à foto, acho eu que não mudei quase nada, mas ela acha. De qualquer forma, é a configuração que tenho mais usado nos últimos tempos - barba baixa e cabelo curto. Lembro-me do tempo que usava cabelo comprido - hoje não dá mais, por 'n' motivos, sob vários aspectos, inclusive estéticos, obviamente. Envelheci muito (e mais rapidamente) depois dos divórcios. Estresse, seguramente, e em todos os sentidos.

Engraçado como tendemos a avaliar a pessoa e principalmente nós mesmos mais pelo exterior -  a figura - e menos pelo que não se pode ver (as coisas que temos que abstrair pela razão), apalpar, dimensionar. Muita da confusão interpessoal do dia-a-dia vem desta sutil tendência de nossa mente. Outro dia um aluno parecia deslumbrado com a frase 'a mente mente' e achei até engraçada a jogada linguística a princípio, de tão banal, mas ela guarda muita verdade. Quanto mais achamos que dominamos a subjetividade e suas armadilhas, mais somos ludibriados, ao que parece. A maioria do trabalho mental do prudente é se precaver contra estas auto-armadilhas. Bem, esta tem sido minha tarefa nas últimas décadas. E continuo aprendendo e me surpreendendo.

A vida é o grande barato, e a gente fica se perdendo na análise dos seus muitos pedaços. Mas a totalidade é o que conta - os Budistas ensinam muito isso, e sua equilibrada metodologia remete a esta lembrança quase o tempo todo. Dependendo do olhar, a vida é 'tudo' ou nada, como parecem acreditar alguns 'existencialistas'... Não, não vou falar disso, boring... A moçada não quer 'perder' tempo falando disso hoje em dia, que pena!

Parece que calor começa a ir embora; inclusive o verão acabou. Já vai tarde. Vou programar a compra de um ar-condicionado porque acho que não vou suportar o verão do ano que vem se for parecido com este. Estou cansado de ler comentários sobre isso a partir da famigerada mudança climática. Todos falam e ninguém tem razão.

Acabou o torneio de Sumô de março - agora o próximo será em maio, de 11 a 25 (domingo a domingo). Às vezes eu gostaria que o tempo andasse mais depressa. A nota chata foi a aposentadoria do lutador búlgaro Kotooshu Katsunori (nome original Karoyan Ando), um lutador de mais de 2m de altura. Já falei dele neste espaco anteriormente. Ele foi o primeiro europeu a ganhar um torneio japonês, o mais importante do mundo, mas ultimamente estava muito lesionado, e perdendo lutas 'faceis'; desanimou, ao que parece.

Quem ganhou o torneio desta vez foi o lutador Kakuryu, um Ozeki (um posto no ranking antes do Yokozuna, este o posto mais alto da hierarquia dos lutadores) nascido na Mongólia, com 1,86m e 154 kg de músculo (bem, e alguma gordura, para dar inércia...) que venceu no torneio os dois Yokozunas atuais. Ele vai ser um no futuro, com certeza.

Kakuryu Rikisaburo
Foto obtida agora do site oficial
http://www.sumo.or.jp/en/sumo_data/rikishi/profile?id=2416

sábado, 8 de março de 2014

Dia das Mulheres...



Obtido agora (via Google Images) de
http://www.123greetings.com/events/womens_day

8 de março... um dia como todos os dias deveriam ser! Parabéns a elas, e firmes contra o preconceito e contra toda a forma de violência contra a Mulher. Eu, que tenho e tive tantas em minha vida, sei como sou abençoado. Ruth, you're the best!!

Levei hoje Liv de volta a Rio Claro; cheguei a tempo de ir almoçar com Bilú - ela está nas aulas de estudos pós-graduados em Fisioterapia Dermatológica. Este curso prevê 2 aulas mensais, no sábado e domingo all day. É chato ficar aqui sem 'nada' para fazer. Ninguém telefona, nada na TV. Esqueci de comprar jornal hoje com a correria da viagem logo cedo; se não é o jornal digital que baixo via web, ficaria sem saber das novidades mundiais. Parece que desapareceu um avião que ia da Malásia para a China, com 239 pessoas a bordo. Morte triste, patética, afundados no mar.

Quanto mais interajo, mais sinto saudades do tempo da adolescência, quando curtia incompreensível (aos olhos dos outros) solidão. Vivia interciso, pensando em relacionar-me, mas tembém em ficar 'na minha', como se diz. Era bom, à época, pois aprendi a refletir - mas para realizar isso eu tinha que ler - e ler muito - de modo a bem discernir a mixórdia, o mistifório de idéias, confusas e obscuras. Mas se parecia tudo embaralhado, porque agora o quase-banzo? Por que, paradoxalmente, naquela idade, naquele processo todo, eu era feliz (Para registro, a partir desta fase comecei a colecionar anexins, epodos - veja bem, não é apodo ...).

Que legal... Amanhã começa o Grande Torneio de Sumô de Março. Diversão garantida por 15 dias!! Mais importante de tudo - amanhã é o Dia do Senhor, que alegria; vou servir em Sua Casa, vou orar, louvar e bendizer. Que abençoado sou!

terça-feira, 4 de março de 2014

Carnaval...



Foto obtida agora (via Google Images) de
http://www.infoescola.com/carnaval/carnaval-do-rio-de-janeiro/

Acho que (quase...) sou deste tempo! Não gosto deste tipo de festa. As músicas carnavalescas de hoje são muito diferentes (piores!!!); existe muita exacerbação das emoções, muita bebida e violência, em especial no trânsito. Sempre arranjo coisas alternativas para fazer (agora que estou a escrever neste blog, Bilú me traz um iogurte grego para tomar; a gente fica o dia todo a paparicar um ao outro - eu faço 3 cafés por dia para ela, imagina; ela adora - também, com pó moído na hora, água de filtro, açúcar orgânico, etc. fica 'divino'!) para não ter que absorver as eventuais coisas indigestas destes festejos momescos. Mas, pensando em Ruth, é efetivamente uma bênção conviver com pessoa educada, gentil, polida e atenciosa. Coisa a cada vez mais rara.

Felizmente fui convidado por uma colega professora do UNIFAE - a Ana Salviato - a dar uma preleção, no sábado à noite, num acampamento da Igreja Presbiteriana da vizinha cidade de Aguaí. Falei sobre o fato de nossa Fé ser uma Religião do Convênio, do Pacto (Salmo 105, 8). Que Comunidade vibrante,  jovem, amiga, amorosa. O Pastor Limírio certamente tem boa parte dos créditos pela atmosfera efetivamente cristã daquela Igreja. Ficamos até tarde da noite. Mas em todos os Carnavais fico mesmo em casa, na maior parte do tempo. No domingo eu fui à tarde com Ruth na casa do amigo Júlio e esposa Flavinha; nadamos e comemos feijoada, manobrada pelo chef Paulão. 

Imagine só - lá esteve um grande artista sanjoanense, conhecido como 'Só Kaká'; grande instrumentista e vocalista, que 'tóca' qualquer música que você solicita... Quando o conheci, há muitos anos, no Restaurante 'Casarão' - aqui de são João, junto com um grupo de professores da outra universidade daqui que ministrei aulas (a Unifeob) - ele estava animando o espaço somente com um violão e fiquei extasiado! Ele é uma pessoa carismática, efetivamente. Ele fez uma jam session com o João (de São Paulo, SP), tio do Júlio, e foi demais... Um luxo! Uma tarde memorável, com gente bonita e simpática (De manhã e de noite fomos na Igreja, pois temos obrigação administrativa, além da espiritual). Mas o que fiz mesmo neste carnaval foi preparar aulas, postar material para alunos e ler... adoro ler! Ah, e escutar música também!


https://myspace.com/sokakashow