terça-feira, 31 de dezembro de 2013

2014 chegando ...



Deck da casa do mano Sérgio (bairro Souzas, em Campinas)

Antes de terminar o ano gostaria de deixar uma mensagem para finalizar o ano condignamente. Agradeço ao Pai Celestial as infindáveis oportunidades e privilégios, imerecidas. Agradeço minhas famílias, a que nasci, em especial meus pais, e a que constituí, em especial meus filhos e netos. Agradeço a capacidade de me emocionar com a criação do Deus Soberano, apreciando-a em suas multifacetadas dimensões, a todo instante desveladas no livro da vida, escancarado à minha frente. Apesar da iniquidade e injustiça reinantes aqui na Terra, o Cosmos é por demais belo e, ainda que tenha surgido a separação entre Deus e o homem, o universo continua maravilhoso. Afinal, a gente é menos que poeira, um caniço ao vento, uma flor que à tarde já murchou.

Que todos possam ter suas vidas aprimoradas no ano que se inicia, encontrando-se sempre no caminho que se tem que trilhar, cada qual em sua condição e circunstância. Que saibam encontrar na Palavra tanto a instrução quanto o encorajamento, com a certeza que Ele está ao nosso lado, o quanto cumpramos nossa parte do Convênio. Nada é mais importante que a Paz de Cristo, que excede todo entendimento.

Outro dia vi a frase "É perseverando que vocês obterão a vida" (Lucas, 21: 19; NVI). Taí uma clara instrução, que sigo à risca, há um bom tempo. Sou grato pela alegria e contentamento, e pela esperança, a cada dia mais presente em meu coração.

Esta noite estamos Bilú e eu aqui em casa, alegres e gratos - será uma das melhores passagens de ano de minha vida, no nosso cantinho. Comprei para Ruth uma bonita blusa branca; ela arrumou uma camisa bem passada para mim. Vamos ver o estouro de fogos de artifício do Rio de Janeiro e abrir uma champagne. Saúde a todos!

sábado, 28 de dezembro de 2013

Confissão...


LUIS MIGUEL
Foto obtida agora (via Google Images) de

Confesso... sou romântico. Sou de outros tempos, efetivamente. Hoje, na hora do almoço, depois que voltei do trabalho voluntário no Asilo (aham... hoje em dia não devemos mais chamar estas instituições asilares de 'asilo', posto que remete a lembranças ruins; devemos agora chamar de 'Lar' para idosos, pois todos os nomes foram mudados para dar 'cara' nova a estas organizações... Coisa de brasileiro mesmo - acham que mudando de nome, 'tudo' muda...) eu coloquei no CD player um disco do Luis Miguel (com os boleros favoritos dele), este cantor incrível, e fiquei olhando Bilú a fazer o almoço... Ela é muito formosa.

Boas lembranças - isto é uma das coisas boas de se ficar velho. Mas ser romântico é uma maneira de ser bem-quisto pelas mulheres, pois elas valorizam isso. Normalmente os homens tem mais dificuldade de lidar com o mundo dos afetos, e isto as incomoda. Quando me entendi por gente vi que este era um bom caminho para conhece-las... Mas elas ainda são bem incompreensíveis; nunca vi um homem que se considerasse entendido no belo sexo. Ainda bem, acharia-o um cascateiro, sem dúvida. Esfinges, é o que elas são! Mas nada de ruim nisso; acho até que muito do charme delas reside nesta incognoscibilidade...

Nosso natal foi em Campinas, na magnífica casa do mano Sérgio, legal como sempre. Tiramos muitas fotos...







Comprei-me hoje um radinho de pilha (FM, AM e ondas curtas), semelhante àquele que eu tinha quando jovem. Gosto de música e fico o tempo todo 'plugado' nalguma rádio. Sim, sei que qualquer celular hoje tem rádio fm, mas temos que colocar aquele par de fones de ouvido, e é 'aborrecente'... Gosto de acordar cedo (tenho pouco sono - incrível, durmo somente umas cinco ou seis horas à noite... mas não tenho sono durante o dia. Alzheimer à vista???) e ficar ouvindo o noticiário matinal que tem numa boa emissora daqui, a rede Jovem Pan - às vezes até durmo mais um pouquinho!

Vamos passar o Ano Novo, Bilú e eu, aqui sozinhos em casa, observando pela TV a queima de fogos do Rio de Janeiro, que será muito legal, como sempre. Mesmo que alguém convidar a gente para passar junto a mudança de ano, creio que não vamos... estamos eu e ela, a cada vez, mais 'caseiros'... Gostamos muito do nosso cantinho, nossa casinha velha.

Bom Ano Novo a todos!!

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Fim de ano...


'Watching Time Tick' (by Veliremus)
Obtido agora - via Google Images, de

http://mygodjourney.blogspot.com.br/2010_07_01_archive.html

Fim de ano se aproxima... Este 2013 poderia  ser um ano bom a ser esquecido, se fôssemos pessimistas - mas para um cristão nem esta perspectiva deveria interpor-se (gosto deste termo - veja no dicionário como ele é rico!). O que quero dizer é que, neste Universo inteiramente sob o comando soberano do Criador, tudo o que sucede àquele que O teme é, coerente com nossa conduta engajada, para o seu bem (Romanos, 8: 28). Mas o mundo se nos apresenta e seduz constantemente e, se não estamos vigilantes, nos entregamos facilmente, e temos que nos fortalecer na Palavra para vencer o que o mundo coloca ( I Coríntios, 16: 13; Apocalipse, 17: 14).

O fato é que nestes últimos tempos seremos provados, mais e mais, mas nossa esperança nos sustenta (Jeremias, 1: 19). E se pertencemos a uma comunidade de Fé, tudo se torna mais fácil, como se diz. Por isso constantemente estou a ler as Escrituras, como se pudesse resgatar tanto tempo que perdi na juventude, afastado de Deus e da Palavra. Sou muito grato ao Pai Celestial por Ele nunca ter me abandonado.

Este ano não vou viajar. Muito caro sair por aí, e perigoso também. O máximo que farei será ir levar a Livia para casa e ficar com os pais e manos no Natal. Irei preparar as próximas aulas (de 2014) e orar para que as coisas se encaixem no meu ambiente de trabalho, pois as mudanças estão sendo muitas, e levando ou constrangendo alguns de roldão... Eu mesmo perdi (ao que sei) 3 classes que ministrava aulas. Estou vendo outras coisas para fazer, mas o clima de insegurança, de não se saber o que virá, instalou-se. 

Mas em Deus estou confiante e sei que Ele está comigo (Deuteronômio 31: 6; Isaías, 35: 4; Salmo 142: 6).

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

São João ao entardecer...


Serra da Mantiqueira, vista de São João
Foto por Lucas V. Dutra

 Veja que foto linda; tirei do apartamento da amiga Lígia (Marília a conhece) ontem mesmo, ao entardecer - por volta das 19 horas aproximadamente. À direita temos a Igreja do Perpétuo Socorro iluminada pelos últimos resquícios de sol. Quando o astro rei já se tinha posto, tirei a imagem de baixo, apanhando a cena um pouco abaixo e à esquerda, do bairro onde fica o prédio. Imagine que tirei a foto com meu celular Samsung S3 Mini, uma máquina bem suficiente para a gente se entreter... Ficou razoável, não? Clique duas vezes nestas imagens que ficarão bem maiores em sua tela.


Quando vim morar por estas plagas me chamou muito a atenção as paisagens, uma mais linda que a outra, diferente da outra cidade que amei, Rio Claro. Esta é por demais plana, e sem árvores, coisa que aqui temos bastante.

Já comentei aqui que quanto mais velho fico, mais presto atenção ao meio físico e sua arquitetura, e menos nas pessoas que estão, a cada vez, mais cansativas, nestes últimos tempos. A única parcela da população que ainda me enleva são os idosos - por quem sempre me senti atraído. Gosto muito de crianças, especialmente bebês, mas idosos é tudo de bom, e isso sei desde petiz. Eles tinham muita paciência comigo, especialmente meu avô materno, que me acompanhava nos meus tratamentos de vista, em São Paulo. Que saudade. Pena que ele se foi tão cedo! Tenho sentido muita alegria nas terças e sábados ao trabalhar no Asilo - ontem até ajudei a alimentar um deles. Impossível não sentir carinho por eles; imagino meus pais e talvez eu mesmo, daqui a alguns anos. 

Escrevi aos meus filhos outro dia; somente um deles me telefonou. Ruim ficar sem notícias, mas que fazer - as distâncias são enormes, e eles tem seus afazeres que, acredito, se avolumam, principalmente àqueles que se tornaram genitores. Quem sabe quando eu ficar bem velho eles encontrem um tempinho a mais para mim (espero ainda estar por aqui...). Tenho sentido inveja dos que vão morrendo - desejo estar com o meu Criador um dia, e quanto mais cedo melhor, poderia se pensar, mas vou aproveitar bem o resto do meu tempo por aqui - é o meu dever. Não que eu não seja aquinhoado pelo destino - sou muito abençoado! É que eu já consegui tudo o que importa nesta vida, e o que vier é ainda mais benção de Deus. A maior graça dos Céus realmente foram meus pais e os irmãos, e agora a Ruth. Mas o maior dom foi o chamado imerecido de Deus, e o sacrifício expiatório do nosso Mestre. Sou muito grato. É a esperança o que me mantém vivo. A paz não tem preço. 

sábado, 16 de novembro de 2013

Muita coisa estas semanas...

Supernova
(obtido agora  - via Google Images -  de
http://www.supamadi.net/supernova-wallpaper/)
Gosto muito deste tipo de imagens!

Estas ultimas semanas foram atípicas: estive absorto na finalização de um projeto de pesquisa que postei em uma agência federal de financiamento de investigações científicas, e iniciei a proposição do mesmo em outro site, agora de agência estadual - mas muito mais burocratizado o processo. Vai demorar mais ainda providenciar tudo o que eles querem; que fazer, é brazólia. Quem sabe um deles 'gosta' do meu projeto - é sobre idosos, temática do grupo de pesquisa (GP-CNPq) que inaugurei. Já coloquei o endereço do mesmo aqui, mas repito para quem não visitou ainda... : 
(lembre-se: está ainda em construção...)

Chuva agora (e quase toda semana)... Quinze dias atrás meu carro estava no conserto - peguei várias chuvas, de moto ou a pé... Foi muito legal, traz boas lembranças! Pelo menos tudo o que tenho que fazer é aqui no centro da cidade, onde moro, e a cada vez acho que foi uma das melhores decisões que tomamos nos últimos tempos... Esta cidade é muito bonita, e o povo mais agradável que a média. Mas penso que o trânsito começa a ficar chato nas horas de 'pico'... Que fazer, é o progresso - muitas pessoas conseguem comprar um carrinho hoje em dia (quantas lojas de carro existem em São João, sinal de riqueza); o chato é que fazem tudo embarcado nos bólidos, sendo que algumas coisas poderiam fazer a pé. Nossa população logo será como os Estados Unidos, com boa parcela da população quase obesa...

Noutra semana Bilú precisou ir à capital do estado por dois dias, socorrer uma sobrinha que quebrou a perna em dois lugares - foi treinar o pessoal da familia a fazer alguns procedimentos fisioterápicos básicos, de modo a minimizar os efeitos do acidente. Faz falta a guria; a gente está por demais acostumado! Que coisa; mas é mesmo ruim viver sem a pessoa que se ama... E a preocupação, pois a metrópole está perigosa e violenta.

Mandei a bicicleta ergométrica-like tipo 'eliptical' para a revisão, e ficou uma 'sêda', como se diz em minha terra. É um modelo alemão, que ganhei da mana Lia - ela trouxe da Alemanha quando voltou de sua estada lá (morou por longos anos). Não se pode ficar sem ginástica, ainda mais agora que beiro os 60 anos... Mas tenho agora uma rotina legal - ginástica por volta das 11 e 30h, depois tomo sol (pelo menos 10 minutos), em seguida banho e almoço, preparando para a jornada da tarde e noite... Gosto de ficar assim, meio enredado, quase entrechado.

Descobri recentemente que tive um desabamento do arco plantar. Não, nada grave, só  é desconfortável, devido ao peso da idade - fadiga de material, acho eu. Às vezes me acode uma bengala (para horror de Ruth - não sei porque o preconceito - acho isso certo charme); tenho uma há anos, que comprei quando machuquei os tornozelos. Quando era criança, usei palmilhas para corrigir pé plano (vulgo 'pé chato') e agora voltei a ter o problema (bem, mais no pé direito, mas acho que o esquerdo também vai pelo mesmo caminho), o que determina dores desagradáveis (principalmente ao caminhar), pé inchado, enfado... Terei que usar palmilhas de novo, olhe só!! Mas é muita bênção viver numa época onde tudo (quase tudo) se resolve sem grandes 'dramas'.

Calor demais estes dias, imaginem quando chegar o verão - em janeiro e fevereiro. Penso em comprar um ar condicionado para colocar pelo menos no quarto de dormir. Só o ventilador não está funcionando... Que clima chato; se ainda fosse à beira-mar -  aí se pode sempre sentar e tomar um refresco, um chopp com os amigos e jogar conversa fora. Aqui a graça não é a mesma.

Hoje cedo fui dar palestra num 'acapamento' de jovens da igreja - digo acampamento com aspas porque foi dentro do prédio da Igreja. É muito gostoso trabalhar para Jesus. Eu adiantei a barbearia no Asilo ontem e pude hoje até almoçar por lá na Vila Brasil, um frango com macarrão muito apetitoso, preparado pela mestre-cuca Juvelina. A fraternidade das irmãs e irmãos realizando as tarefas é algo que não tem preço. E a moçadinha é ótima, educada e atenciosa.

Novas mudanças na carreira docente - terei menos aulas e farei mais pesquisa... É o que eu sempre quis, e agora parece que terei este espaço, com a mudança da Reitoria. Estes que entraram tem uma visão mais progressista em termos de Academia, sem dúvida. E vislumbro uma janela de oportunidade - como as aulas que ministro, são coisas 'aborrecentes', que muitos desdenham. Bom para mim.

Salmo 40: 8
Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu;
 sim, a tua lei está dentro do meu coração.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

O coração do homem - Provérbios 20:5


Hoje estava estudando a Palavra e vi a passagem acima. Na Bíblia NVI lemos "Os propósitos do coração do homem são águas profundas, mas quem tem discernimento os traz à tona". Na versão Almeida Corrigida e Revisada Fiel lê-se "Como as águas profundas é o conselho no coração do homem; mas o homem de inteligência o trará para fora". Na versão Almeida Imprensa Bíblica lemos "Como águas profundas é o propósito no coração do homem; mas o homem inteligente o descobrirá". Outras tantas versões giram em torno do mesmo tema, o fugidio alento do mundano viver.

Os tradutores da Palavra em suas alternativas versões comunicam precisamente o que Deus deseja ao homem compreender: que ninguém sabe de primeira mão seus próprios intentos... Precisamos de inteligência, discernimento para divisar sua natureza, o que é (são); que nossos propósitos são inacessíveis, profundos, complexos, variáveis, e este, tantos quanto as areias do mar.

Sozinho pouco ou nada pode o homem fazer neste particular. Carecemos da graça de Deus - Inteligência para a vida plena, verdadeira somente pode vir d'Ele. Pobre da pessoa que se arvora em tentar auferir este conhecimento por si mesmo. Para o crente, ledo e passageiro engano!

Neste mundo a cada vez mais informado e informatizado, tal deslize, equívoco ou ludíbrio é mais e mais sedutor, acorrentando as almas desavisadas. O que somos e para quê viemos aqui nesta esfera, somente o podemos saber a partir da perspectiva eterna. O Pai Celestial se nos revelou (senão, de nós mesmos, nunca O conheceríamos) e devemos agora nos esmerar em aperfeiçoar este conhecimento d'Ele. Felizmente temos o roteiro para isso (coisa que muitos ansiaram e não foram agraciados): a Palavra, disponível a qualquer hora e lugar. Que a saibamos honrar.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Saudades de escrever...

Pedra Balão (São João da Boa Vista, SP)
Fotógrafo: meu ex-aluno Udo Matiello
(clique uma vez na foto para aumentar - vale a pena ver
como é o entardecer aqui em minha cidade...)

Novos projetos acadêmicos tem consumido meu tempo - tenho que ficar mais horas no UNIFAE. Que bom que surgiu algo para dar novo ânimo acadêmico. Depois que se consegue atingir certas metas de vida ficamos meio sem 'rumo'... Vou trabalhar mais com pesquisa e menos em sala de aula - acho bom, pois estou ficando cansado, com o passar dos anos. Ah, e vou dar palestras também sobre temas diversos, como Ciência e Iniciação Científica, esta, área que estou cooperando junto à Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. Parece que virei uma espécie de 'lecturer' interno, ao fim e ao cabo de minha carreira acadêmica...

Cêdo estava a meditar minhas leituras matinais (que consomem às vezes mais de uma hora e meia) e notei que o silêncio maravilhoso que existe neste pedaço do centro da cidade é entrecortado por ruídos intensos de motos, vans, cachorros e pássaros, estes os mais diversos. Em Salt Lake City, o que mais estranhei é a falta deles, como já devo ter comentado aqui. Que maravilha nossa fauna e flora, coisa que muito patrício não dá valor, infelizmente. 

Minha colega Vice-Líder de Pesquisa do meu Grupo de Pesquisa (CNPq) via ganhar um menino - estamos todos na expectativa. Lembro do nascimento dos meus filhos;  é uma das maiores experiências de todo vivente, em especial para as mães - que bênção de Deus... Que ele chegue cheio de saúde!

Hoje cedo coloquei os materiais recicláveis no alpendre, para as moças da reciclagem apanharem. Que serviço maravilhoso que elas realizam. Pela quantidade de scrap que retiram das casas (cada dia é um setor da cidade que recebem as equipes de coletores) fico a imaginar que estrago faria ao meio ambiente se tudo fosse depositado em lixões, como até pouco tempo atrás... e tem gente que não coopera; é possível?

Fim de semana vou visitar uns amigos, enquanto bilú inicia sua Pós-Graduação Lato Sensu em Fisioterapia Dermatológica (vão ser dois dias, sábado e domingo, dia todo, uma vez ao mês, uff...) no UNIFAE mesmo. Pelo menos espero que possamos nos encontrar na hora do almoço.  A gente se acostuma tanto com a companhia do outro que a falta é enorme. Que fazer...

Ouvi hoje na hora do almoço Nat King Cole, aquele cantor norte-americano nascido no Alabama. Corri ver na minha Encyclopaedia Britannica sua biografia. Morreu moço o cantor e pianista de jazz; foi-se embora cedo, como muitos artistas excepcionais. Vou procurar saber mais sobre ele. É o que faz minha vida colorida - gosto de 'mergulhar' na informação, ainda que depois de algum tempo, tendo dominado o assunto, sinto certo tédio e 'corro' logo atrás de outra coisa para averiguar. Costumo ler uns 5 livros 'ao mesmo tempo'; é gostoso - leitura é uma das maiores bênçãos dos Céus!

Agora vou para a sessão quinzenal de acupuntura com meu amigo Adão Carlos, Biomédico e colega professor lá no UNIFAE. Ele vai ser o próximo Coordenador do novo curso de Farmácia. Nossa Universidade está aumentando a oferta de cursos - novas oportunidades. Oxalá tenha mais alguma aulinha para mim, mas de Metodologia, que é o que eu mais gosto. Saravá!!

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Dia dos professores


Sei... esta foto não tem muito a ver com o que vou dizer, mas 'só por Deus' mesmo, hoje em dia, para sentir alegria em ser professor. Longe vai o tempo que eu admirava meus professores e dizia a mim mesmo "meu sonho é ser professor!!". Li duas matérias a respeito da (des)valorização do docente que se instalou em brazólia na edição de hoje do jornal CORREIO POPULAR, de Campinas, que assino via web (que facilidade baixar todo o jornal diariamente em pdf...). Quanta mudança de valores em tão pouco tempo, deixando-nos pouco espaço para adaptações... Quem ficar curioso mande um e-mail para mim (tecnoleto arroba live.com) que eu envio anexo as cronicas... vale a pena! 

Mas sigo fiel ao que aprendi da profissão docente, que acho das mais sublimes, posto que voltado para a formação do ser humano integral, da pessoa em desenvolvimento. Que papel lindo reservado a este tipo de profissional. Ainda é valorizado no mundo todo, mas aqui... Creio que será uma das boas memórias que terei para curtir na velhice, apesar dos últimos anos.

Outro dia comentei que até levando borrachada de policiais os professores estão se sujeitando, sofrendo nos olhos as irritações do spray de  pimenta; logo-logo levar tiro de bala de borracha ficará também comum, como já o é levar tiro de verdade de algum aluno em sala de aula (como vimos outro dia uma professora em Ribeirão Preto, salvo engano).

Mas o que mais causa espanto e espécie é observar que ocorre, por vezes, uma das cenas mais perversas para o preceptor vivenciar - quando alguns de seus colegas são colocados em posição de mando, logo travestem-se de déspotas, sujeitando seus companheiros de lida, de labuta como se nunca tivessem sido profitentes. Triste, mas humano, demasiado humano.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Frio, professores e Grupo de Pesquisa

Foto obtida agora (via google images) de

Vocês imaginam que fez um tempo feio aqui em São João parecido com este acima? Mas é da época, início de primavera... Eu gosto muito de chuva e vento, mesmo que esteja frio - o ruim é quando estraga instalações e machuca as pessoas, ou ainda deixa desabrigados, mas é um espetáculo!!

Finalmente consegui colocar meu Grupo de Pesquisa 'no ar'... Como de praxe, as coisas são mais complicadas aqui em brazólia, mas mesmo com a "burrocracia", conseguimos inscrever o grupo no CNPq. Veja o link:  http://grupo-de-estudos-terceira-idade.webnode.com/  Mas o site está ainda em construção. Mas passa lá para ver... Esta semana vou fazer a primeira reunião oficial do GP.

Vamos ver se consigo ficar mais animado. Acho que idade começa a pesar - consegui tudo o que queria na vida em termos intelectuais, e preciso de desafios. Felizmente meu Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação (é o setor de minha Universidade ao qual o Grupo está subordinado), Professor Guilherme, é um sujeito muito estimulador, companheiro e aberto, além de comungar na mesma fé reformada. Boas perspectivas!

Marcante esta semana a surra que os professores manifestantes do Rio de Janeiro levaram da polícia.  Veja em http://is.gd/Znj2WV  Qual docente hoje em dia que não pensou em mudar de profissão? A coisa piora a cada dia, que fazer. Sempre lembro o que eu li um dia no jornal   "a saída para o Brasil é o aeroporto".   Dá vontade de ir embora mesmo.  Quem sabe um dia...

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Segundona...

Foto obtida agora (via Google Images) de
http://www.samanage.com/blog/2012/10/should-you-gamify-your-service-desk/

Segunda feira 'braba', e eu sem a esposa, que foi fazer curso com uma colega fisioterapeuta em outra cidade - só volta à noite. Já produzi bastante agora cedo, já que não tenho que ficar à disposição da patroa - ela me consome, me absorve, me suga - mas eu "góstcho!!", como se diz dos nordestinos, ô povo bom da gota! Quando vejo o Alceu Valença na TV ou quando o escuto na música, fico enlevado. Pelo menos Ruth deixou comida pronta na geladeira - vou comer frio assim mesmo, como eu gosto.

Tentei um bom tempo averiguar com o provedor VIVO (de telefone fixo) a mudança de telefone de uma empresa que preciso contactar e, naturalmente, os bancos de dados não se entendem. Se disco para o número original, o robô diz que o mesmo 'mudou'; consulto a lista de terminais alterados e o robô devolve que 'não houve alteração'... Liguei para a Ouvidoria da provedora; depois de várias tentativas a operadora abriu um 'processo' - tem até uma semana para eles me contactarem de volta. Ô modernidade!! Penso um dia em ir morar no meio do mato...

Felizmente, depois de diversas tentativas, o CNPq recebeu o e-mail que eu precisava enviar - ou seja, o antivirus deles parou (misteriosamente) de bloquear minhas correspondências - , solicitando a inscrição de minha Instituição de Ensino Superior num banco de dados deles mesmo (eles já a tem em outros, mas temos que formalizar a duplicidade das informações em outros domínios... vai entender a burocracia; é algo sufocante mesmo). Quem sabe 'agora' vamos conseguir colocar meu Grupo de Pesquisa no ar. 

Ontem  houve esfuziante repasto na Igreja Presbiteriana da Vila Brasil, em comemoração ao dia da Escola Dominical. Que alegria poder servir, 'trabalhar para Jesus', como se diz. Tinha bastante gente, e a comida magistralmente preparada pela Juvelina e pela Sueli, nossas 'Mestre-Cuca'... Inesquecível. A turminha do meu grupo de Oração ficou depois lavando os pratos, talheres e vasilhas, numa interação muito divertida. 

Pelas barbas do Profeta! Temos somente (exatamente, diga-se de passagem...) mais 2 meses de aula na faculdade. Como o tempo vôa, daqui a pouco será o fim do ano e Natal... Que horror, a todo momento lembro que tenho mil coisas a fazer - o dia deveria ter mais que 24 horas, de fato. Este é o inferno da atualidade: a falta de tempo. Felizmente começou o torneio de Sumô de setembro... veja lá.... http://www.sumo.or.jp/en/index

Do Google Images

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Complexidade 2

foto obtida (via Google Images) de
http://www.instructables.com/id/Chunky-Jigsaw-Puzzles/

Já escrevi uma vez sobre isso. Mas a cada vez fico mais pasmo com a torrente de coisas despejadas em nossa cabeça dia-a-dia - nem consigo ler direitos os jornais (leio pelo menos 3, todo santo dia, vocês já sabem). E a enormidade de especialistas e 'especialistas' hoje em dia é 'fascinante', ainda que as estatísticas educacionais indiquem que somos pouco estudados... Mas o grande problema que vejo é que poucos educam sistematicamente sua mente, de modo a averiguar luz nessa cipoada de dados e informações. 

Vejo muita gente tendenciosa 'forçando a barra' para 'vender seu peixe', distorcendo os fatos, enviesando os pontos de vista. Lisura é uma das virtudes em baixa hoje em dia, a julgar pelo que lemos em boa parte das midias impressas, escutamos nas radios ou vemos nas televisivas. O negócio é 'faturar', auferir algum de qualquer jeito. Já devia ter deixado de me assombrar há tempos...

Paradoxalmente, não posso deixar de examinar aqui e acolá os acontecimentos, os comentaristas, os analistas e as suas opiniões, os colunistas, os cronistas, certos frasistas e até os polemistas...  Eles me alimentam, de um lado, e me alertam, de outro, sobre o que vemos ou pensamos ver. Muitos me fazem exercer a humildade. Ter a mente treinada para realizar a crítica dos fatos não é facil empreitada; temos que adestrar continuadamente o criticismo.

Tudo é massivo hoje em dia; perde-se um tempo tentando classificar as coisas. Com um pouco de ordem podemos começar a pensar eficientemente sobre as coisas, senão, como ter certeza, mesmo que provisória? A minha regra é aquela que aprendi de Felix Guisard (passada nos anos 70 pelo seu neto, o cativante José Luiz Jacques Guisard, pai de minha grande colega de faculdade, Denise Guisard):  Paciência, Prudência e Perseverança. No fundo, serve para tudo, em especial para entender o caos atual.

domingo, 8 de setembro de 2013

60 anos do mano Luciano: fotoblog...

Luciano e filhos Suzana, Izabel e Lucas

Família Geraldo (e Firmina) Vieira Dutra:
filhos Lia, Lúcia, Luciano, Lucas e Luiz

Presentinhos...

Eu contei umas piadas engraçadas...

Soprando velinhas...

Semana passada fomos a Mogi das Cruzes celebrar o niver do primogênito Luciano - todos os manos e filhos dele estavam presentes. Foi tudo ótimo, menos a viagem de volta (fomos, a turma destas bandas, de Van) onde o veículo quebrou e ficamos parados no acostamento, sujeitos aos acontecimentos...

Ao que parece a empresa não faz boa manutenção...

Encaramos, meus manos, esposos e meus pais, estoicamente a desdita, orando que nenhum marginal aproveitasse a ocasião para nos delapidar... Outro carro somente apareceu para nos socorrer após 2 horas de espera. Cáspite! que incompetência da empresa... 

Moçoilas fazendo pose; ao fundo vê-se a represa
que fica perto de Atibaia - Itatiba

O mais chato foi o cair da noite, gerando certa apreensão, mas felizmente Pai Celestial nos protegeu de piores consequências. Depois de irmos a Campinas, fomos jantar com a mana Lúcia em Mogi Mirim, e chegamos em São João da Boa Vista às 23 horas - não pudemos ir à Igreja... O ano que vem será a minha vez de comemorar os 60 anos. A festa será na magnífica vivenda do Neiroberto e da Lúcia...

Pelo menos, um lindo pôr do sol se fez presente...

Outro ângulo, um pouco antes

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Vida fugaz...

foto obtida agora (via Google Images...) de
http://www.fatoreal.com.br/espaco-livre/item/4278-vida-passageira

Estivemos neste fim de semana em Campinas, agora para um jantar comemorando o 'niver' de minha mãe. Só o mano mais velho não pode ir. Dormimos lá, Ruth e eu, na casa dos velhos e vontamos na tarde de domingo mesmo. Tentamos passar no Shopping Iguatemi para ver a Livravia Saraiva mas, por motivo deles estarem ampliando as instalações, não se conseguia vaga para estacionar nosso bólido (meu humilde carro), então viemos embora assim mesmo. Chegamos em tempo de descansar e irmos à Igreja, dando carona para a amiga Juvelina, que é muito engraçada.

Hoje à tarde temos reunião de oração de um grupo de membros da Igreja Presbiteriana da Vila Brasil. Igual aos dias em que vou barbear os idosos no Asilo, é uma oportunidade que espero com alegria, antevendo os momentos prazeirosos. São eventos que significam nossa vida e nos fazem sentir 'fazendo parte', merecendo nosso fugaz existir. Volta e meia sou lembrado da efemeridade da vida, que só aparentemente parece demorada. Mesmo para minha tia Cordélia, que fez 97 anos recentemente, se olharmos para o universo, não é 'nada', apesar de parecer demorado para a pessoa. Quanto aos meus quase 59 anos, passaram rapidamente demais, não obstante eu ter vivido intensamente quase todos os meus episódios, em especial o nascimento dos meus filhos. 

A lição que fica é atentarmos para o que realmente vale a pena. Quanto tempo se perde com ninharias, pequenices, coisas sem importância, mas que o fazemos 'valioso' somente pelas nossas enviesadas tendenciosidades. A vida, paradoxalmente, tem o condão de envilecer a si mesma, por nossa própria natureza corrompida e, se não ponderamos, sopesamos suas causas e efeitos, somos levados de  roldão numa voragem difícil de livrar.

Se o vivente não tem uma balaustrada, um corrimão confiável para se apoiar na caminhada, hoje, nestes tempos sem precedentes na história da Humanidade, o mesmo facilmente se perde, infelizmente. É o que vemos a todo instante... A Palavra de Deus é nosso castelo forte, que nos protege na borrasca... 

domingo, 18 de agosto de 2013

Dia dos Pais e outras coisas...

parte da turma reunida

eu e meus queridos irmãos, mais o patriarca GVD

Geraldo-Luiz Sérgio-Neiroberto-Luciano (deste, rara foto sorridente)

Dias dos Pais fomos em Campinas na vivenda do mano Sérgio, em Souzas; tarde muito agradável, em todos os sentidos. Fico muito feliz ao ver a alegria dos velhos com todos os filhos reunidos e na mais perfeita harmonia - sempre foi assim nestes meus 58 anos e sempre será. 

. . . 

Finalmente conseguimos debelar lançadiça vazadura na caixa-d'água que teimava em ocorrer nas horas mais impróprias. Dois encanadores já tinham subido ao telhado da casa e nada de identificar o vazamento de água, por incrível que possa parecer. Felizmente este último operário conseguiu identificar o filiforme derramamento que nos era pespegado na face tal como um revirete, e após certa corveia, resolveu o problema. De sobra, o responsável e aplicado fazedor sugeriu-nos a limpeza das placas de aquecimento solar que estavam empoeiradas, o que seguramente estava comprometendo o rendimento da produção de água quente, o que lhe rendeu polpuda gorjeta. Surpreendedor é nenhum dos trabalhadores antecedentes ter resolvido a dificuldade ou sugerido a limpeza que se fazia manifesto. Por Júpiter! que cambada de imprestáveis...

. . . 

Como é o nosso português... O (Carlos Heitor) Cony escreveu em sua coluna de hoje do jornal Folha de São Paulo que nossa presidenta Dilma 'perdeu ... o rebolado'. Toda a língua tem, quase para cada termo, locuções as mais variadas (veja, no dicionário, o termo 'língua' quantas as tem!!!). Fico a pensar um estrangeiro, ao ver o uso particular do termo acima, escrito ali e lá... Por isso que estudar o idioma e os modos de falar é tão fascinante...

. . . 

Ontem fomos às exéquias do ínclito Reverendo Odayr Olivetti na Igreja Presbiteriana Central (que é perto aqui de casa). Quanta falta ele fará! Tive oportunidade de conversar com ele algumas vezes - rapidamente vê-se que era ser diferenciado dos demais humanos. Uma pessoa escolhida, sem dúvida. A quantos ajudou a encaminhar a vida a Deus... Eu posso de certa forma me considerar um deles - quem leu e estudou As Institutas (de João Calvino) e a Teologia Sistemática (de Louis Berkhof), magnificamente traduzidas por ele, sabe do que digo. Foi acometido de grave enfermidade mas nunca se ouviu de sua boca alguma reclamação - parecia que nem estava doente! Ele era, além de colunista, pastor, pregador, escritor, um teólogo importante da Fé Reformada. Ah, e era rio-clarense, minha terra de adoção, assim como o grande Ulysses Guimarães... Grandes homens.

Foto obtida (via Google Images)


domingo, 4 de agosto de 2013

Amanhã reiniciam as aulas...

Anfiteatro da Pontifícia Universidade Gregoriana
(via Google Images...)

16: 17 horas... oportunidade de fazer uma bebida quente. Gosto de variar; agora fiz uma xícara de cevada; gosto de capuccino, de chocolate  e de chá também. Pego umas bolachas para acompanhar e...  tome digitação!

Estou aqui neste domingão preparando o reinício das aulas. Não posso avançar muito visto que estão modificando o site do UNIFAE, meu Centro Universitário - não estão disponíveis os links para os professores postarem materiais ou acessarem outras informações. Pelo menos tenho o antigo calendário escolar, mas fomos avisados de que haverá alterações. 

Está sendo planejado a constituição de novos cursos em nossa Instituição de Ensino Superior, o que nos manterá ocupados por muitos anos, assimilando todas as novidades - até curso de Medicina está sendo postulado, além de Farmácia e Engelharia de Software. Um tipo de curso como o de Medicina costuma mexer muito com a rotina de qualquer comunidade... 

A primeira semana de aula constuma ser bem 'morna' - os alunos estão mais com vontade de ficar colocando a 'conversa em dia' entre si. Eu levo minha parafernália multimidia e coloco imagens atrás de imagens, não dando muito tempo para o alunado se distrair. Este semestre resolvi colocar uma "carta de princípios" para discutir, de modo a harmonizar expectativas de parte a parte. 

Vou colocar em seguida uma parte desta carta, pois pode ser de utilidade. Há tempos estou compilando estas informações, coligidas a partir de planos de ensino de amigos, de cursos que frequentei e de planejamentos de curso estrangeiros que vi na web.  Omiti agora aspectos que são específicos da parte burocrática, e viso aqui passar uma ideia de como entendo a 'filosofia' da atividade docente no que tange a algumas dimensões do ensino e aprendizagem. Vou discutir com os alunos todos estes pontos, e outros que costumam 'dar problema', visto que a moçada hoje é mais 'tranquila' com relação a estas questões...

  1. O professor considera que o aluno universitário habitualmente experimenta uma espécie de ‘choque’ quando se defronta com a metodologia de ensino acadêmico, que pode diferir muito do segundo grau. Ele ou ela se confronta com posicionamentos teóricos que vão mexer com crenças arraigadas, apesar de muitas vezes ainda não ter tido contacto com os assuntos de forma mais sistemática. É natural o aluno sentir dificuldades (que variam em grau e tipo) nesta ou naquela disciplina.
  2. O estudante não deve esperar que o docente vá dar respostas a todos os questionamentos – a meta principal é o aluno sentir-se desafiado a aprender, com certo detalhe, o que os estudiosos propuseram sobre os diversos assuntos e seus principais aspectos, identificando os fundamentos que embasam suas visões. Isto envolve um processo complexo, que fundamenta a gradual aprendizagem de qualquer área de estudo, durante todo o curso (e continua mesmo após a formatura...).
  3. Muitos alunos parecem satisfazer-se somente com que o professor comunica ou trabalha em sala de aula. Na atualidade, qualquer área de estudo é vasta, e as aulas acabam abrangendo um pequeno percentual do conhecimento total que existe, inclusive pela limitada carga horária destinada durante a semana. Assim, o docente assume que cabe ao aluno autonomamente AMPLIAR seu conhecimento em todas as matérias, complementando-as com atividades extraclasse, realizando sua própria pesquisa e aperfeiçoamento nas diversas áreas, seja pela internet, seja por estudos dirigidos na Biblioteca, etc. O professor poderá contribuir nesta empreitada, se o aluno ou aluna desejar.
  4. Principalmente em sala de aula, o aluno deverá exercitar suas capacidades de argumentação crítica, ou seja, suas habilidades em oferecer razões sustentadas para seus posicionamentos, ao mesmo tempo em que aprimora suas capacidades em defender sua visão contra as críticas daqueles que discordam dele, ou daqueles que possuem posicionamentos alternativos. Um pressuposto de qualquer trabalho universitário é que um posicionamento, uma visão, requer o suporte de argumentos (assertivas) pertinentes, adequadas. O principal aprendizado do aluno será permitir que alguns de seus posicionamentos sejam alterados, modificados, em face dos argumentos de outros que (igualmente de modo fundamentado, justificado) dele discordam ou se diferenciam.
  5. Muito do trabalho docente é conscientizar o alunado no sentido da descoberta dos mesmos serem os sujeitos do processo educativo (e não o objeto). Assim, os alunos devem aprender a assumir suas responsabilidades dentro de uma caminhada vivencial que contempla, de um lado, o autoconhecimento e, noutro lado, o constante aperfeiçoamento e atualização de seus conhecimentos.  Dito de outro modo, espera-se que o aluno seja o gestor do seu próprio aprendizado, na medida do seu engajamento e necessidades pessoais, e este aprendizado será tanto mais rico quanto sua dedicação à disciplina, assiduidade, sentido ético e esforço em realizar um trabalho de qualidade.
  6. O docente age na situação de sala de aula como um ‘catalisador’, funcionando mesmo como um facilitador da aprendizagem do aluno. Não se considera mais hoje que o professor ‘forneça’ o conhecimento: ele coopera junto ao aluno no aperfeiçoamento gradual de suas competências e habilidades acadêmicas, intelectuais e sociais. A atividade em classe pretende ser uma experiência enriquecedora para ambos, orientador e orientando onde, antes de ser mera obrigação didática, pretende constituir-se num espaço para o exercício de (con)vivências interpessoais significativas.
  7. Qualquer disciplina abarca um conjunto de atividades humanas a serem praticadas, e não um mero corpo de fatos a ser memorizado. Se o aluno faltar e não se atualizar sobre as atividades ocorridas, dificilmente elas surgirão ‘espontaneamente’ em sua mente, concorrendo para que o aluno não satisfaça os critérios de aprovação propostos.
  8. Em princípio, o docente assume que a grande maioria dos alunos é daqueles que demonstram respeito pelos demais colegas, não se atrasando para o início das aulas ou não adentrando à mesma ruidosamente. O professor adicionalmente crê que os alunos possuam um mínimo de capacidade de planejamento de suas atividades intra e extraclasse, de modo a evitar que ‘necessitem’ retirar-se da sala de aula (mesmo que depois voltem), antes da mesma ter terminado.
  9. O professor acredita que cabe aos alunos grande parte da responsabilidade em criar, manter e cooperar para a existência de um clima de ensino-aprendizagem adequado em sala de aula, onde ocorram efetivamente produtivas e questionadoras (motivadoras...) discussão e reflexão.
  10. Fraude de qualquer natureza ofende o docente e os colegas do aluno, não beneficiando de modo algum o Curso, a Instituição de Ensino e seus funcionários. O docente acompanhará cuidadosamente as atividades, averiguando evidência de fraudes. Toda transgressão será devidamente penalizada de acordo com a política educacional vigente.  Em outras palavras, o docente espera que cada trabalho ou avaliação de aprendizagem seja da lavra própria do aluno. Plagiar, preparar trabalhos em nome de alguém ou faltar com a verdade dos fatos em provas e demais atividades será tratado de conformidade com o Regimento Acadêmico.

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Pulcritude...

Às vezes fuço na web visando destrinçar a trama 'infinita' que se criou digitalmente, e isto em tão pouco tempo... Agora à pouco coloquei o termo 'pulcritude' no Google Images, e você não imagina a baralhada de imagens que se reúne ali, sem qualquer nexo entre elas, o que se poderia esperar a partir da palavra-chave. Não consigo atinar o critério da ferramenta!

Isto ilustra nossos tempos, sem dúvida, amálgama que define toda e qualquer existência. Já discuti isso aqui; fico a pensar como o jovem se posiciona frente tal mixórdia de polifacetadas dimensões e graus, sem falar nos gêneros... Sabe qual foi a chave para eu conseguir decifrar meu mundo? Sim, pois eu apanhei o começo de toda esta profusão de dados, informações, opiniões, ensinamentos e 'ensinamentos', orientações e disposições que assolam o vivente a cada segundo, sem manual de instruções... A chave foi precisamente estudar a Linguagem

Se tudo passa pela palavra, é ela a chave para decifrar o mundo, pois os horizontes que se formam a cada inspeção, a cada constatação, a cada interpretação - passos prévios a cada compreensão do que é - só podem ser discernidos apropriadamente se dominamos a ferramenta da palavra. 'Dominar' aqui é uma aproximação, pois não sei se conseguimos isso efetivamente. Talvez seja uma espécie de ilusão, uma quimera. Iniciei cedo na tarefa, seduzido pelas primeiras letras, e sou até hoje sôfrego leitor, e isto de todo tipo de texto - quem não se apaixona pela Literatura? Aprendi até, ao longo do caminho (principalmente no estudo da Hermenêutica - meu mestre foi Hans-Georg Gadamer), que cada um de nós pode ser considerado um tipo de 'texto', imagina!

Mas consigo 'respirar' hoje em dia, sem me deixar afogar por tanta coisa que me é despejada, ininterruptamente. Consigo identificar jogos de linguagem, suas figuras, as enunciações dos variegados discursos, as implicações e as possibilidades de entendimento. Já é algo que me acalma, e sempre me municia, a linguisticidade, de estratégias para realizar a compreensão. Quer um conselho? Aproxime-se da Palavra! 

Só para ilustrar: normalmente coloco uma figura no exórdio dos meus posts, mas desta vez nada coloquei - somente o título. Não defini o termo pulcritude, que não é de uso comum (e até não muito êufono, eufônico, convenhamos...). Aqueles que me acompanharam até aqui sem decifrar de imediato o termo, tiveram uma compreensão. Quem procurou, antes de tudo, o que significa o termo, terá outra compreensão de tudo aqui, pois creio que uma figura ou palavra ajuda a formar um entendimento prévio, e qualquer coisa que eu colocasse figurativamente como proêmio agiria para 'endereçar' as possibilidades de entendimento, concorda? Pois então... a figura agiria como um texto (complexo, denso, como certos termos...) para o entendimento prévio do que veio a seguir. É o mesmo que colocar um termo, desconhecido ou não. É isso. Fica o desafio.

domingo, 28 de julho de 2013

Domingão...


foto obtida agora (via Google Images) de
http://www.backtotheroots.com/blog/53

Imaginem que nesta semana tivemos muitas montanhas aqui no Brazil parecidas com esta acima retratada... Incrível, mas nevou em muitas cidades do sul - saiu nos jornais e tudo o mais... não precisamos ir mais para o exterior para ver neve... Felizmente a frente fria já amainou e o tempo volta a ser mais palatável.

Ligo a Tv agora à tarde e coloco o computador no colo para escrever no blog, ao mesmo tempo que vejo o jogo de futebol – estou curioso para ver como meu time vai atuar nesta sua desastrosa temporada. Coisa chata nosso time perder partida após partida, e “ninguém toma providência”!! Mas não sou do tipo fanático que sai perpetrando sandices porque nossa agremiação esportiva favorita vai mal... Paciência!

Ruth está a preparar uma carne assada e pede minha opinião – degustando... – de vez em quando para ver se o petisco está ‘no ponto’. Lombo de porco na cerveja, que delícia!! Depois de peixe, é a carne que mais aprecio.

Estou meio preguiçoso para escrever nestas ‘férias’, não sei bem o porquê. Não faltam ideias ou observações a refletir. Minha cabeça anda à mil; vejo cotidianamente coisas que merecem ser reportadas, mas o enfado é medonho, como já reportei aqui. Quando ando pela cidade, coisa que faço agora quase todo dia (pois moro atualmente no centro, numa gostosa vivenda), fico pensando em diversos temas que mereceriam uma crônica aqui, mas confesso que quando chego em casa não me lembro muito do que concebi na caminhada: é a idade ou um possível processo degenerativo...mas não me preocupo muito com isso; aprendi a receber toda Providência como um privilégio dos céus, não importa a valoração que se possa dar. Passo meus dias em feliz submissão ao meu Pai Celestial, soberano e misericordioso.

Hoje cedo após acordar fiquei matutando antes de levantar para fazer o café matinal. Os sonhos que tenho são muito curiosos: sempre ajo de modo diverso a que sou no dia-a-dia; não vou comentar detalhes para não dar munição aos freudianos de plantão... Mas o misturado de cenas e temas que ocorrem é intrigante nesta atividade neural – coisas do passado mesclam-se com coisas que vi ou vivi no dia em curso e por vezes com coisas que ainda vão acontecer... muito maluco tudo isso. Mas o que quero apontar é que eu não me deixo abalar por estes sonhos, mas outra pessoa, que se deixa impressionar ou não consegue atinar os porquês destas ‘mensagens’ oníricas, pode-se abater ou desanimar, mesmo desesperar. Existem ‘especialistas’ em interpretar sonhos, e certas ‘compreensões’ são bem risíveis; não sei de onde tiram tanta imaginação, e vemos que estas pessoas nunca estudaram nada de linguagem, teoria da narrativa ou semiótica.

De qualquer modo vamos encerrar o dia e iniciar a semana indo à Igreja, para o culto dominical – recarregar as baterias, significar, reequilibrar, louvar, agradecer. Coisa boa de se esperar para o fim da jornada – abarca para mim muito dos existenciais que valem a pena vivenciar. O resto é relativo!

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Frio e chuva

Foto obtida (via Google Images) de:
http://oddessey2000.com/index.php?/archives/2355-rainy-day.html
(um blog familiar interessante...)

Você acredita que um dia frio e chuvoso assim me anima a escrever, a sair e até a me exercitar? É que tenho lindas lembranças dos tempos em que eu treinava atletismo (lançamento de disco) no Esporte Clube Pinheiros, em São Paulo, nos idos de 1970, 1971, 1972, e sempre que ia (de trem) à capital estava um tempo nublado, chuvoso, frio - que delícia!

Mas agora aqui em São João o tempo está assim. Gosto de ficar olhando para fora, vendo na rua as pessoas passarem, os carros, os animais tomando chuva - quantas estórias, e eu aqui assistindo ou fazendo parte da cena, de certo modo. A vida é muito breve mesmo; vivemos um átimo, um estalar de dedos!

Metade das 'férias' já se foi. Ruth arranja 'coisa' para a gente fazer quase todo dia (hoje à noite vamos nuns amigos muito queridos da Igreja), e eu vou preparando as aulas, fazendo barba no Asilo, colocando a leitura em dia, visitando a parentela, passeando de motocicleta.

Minha vida foi feita de muitas mudanças radicais - ainda hoje, que começo a me sentir velho, sinto vontade de mudar radicalmente, sei lá; mas agora não é mais possível. Mudanças extremas talvez só quando aposentar. Já não se tem atualmente muito espaço para se aventurar, mesmo com planejamento. O mundo mudou demais para mim. Está tudo muito 'acelerado'; a gente não acompanha mais as alterações - vamos 'levando', ao que parece. Difícil manter a criticismo nesta borrasca toda. Somente a religião nos mantém firme...

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Retorno de sobrinho: festa familiar...

Liv e eu (corujíssimo...)

Sábado fomos a Campinas - comemoramos domingo a volta do sobrinho Ivo, filho do meu irmão Sérgio e da Marli Elisete de um período de estudos (intercâmbio) na Alemanha. Como sempre, churrasco a cargo de nosso cordon-bleu, Neirobert, marido de Lúcia. Ruth e eu apanhamos Lívia em Rio Claro antes, e ela vai passar umas semanas destas férias com a gente aqui em São João.  Vejam como está linda minha menina - já está mais alta que Bilú, e muito charmosa. Fico zoando com ela o tempo todo... Ela tem paciência comigo, decididamente! Voltamos hoje a São João, pois temos Reunião de Oração, visitas, trabalhos e planos a executar por aqui; segundo semestre se avizinha...

Em Campinas vi a notícia (no Globo News!!) que aqui tinha ocorrido pavoroso acidente automobilístico, ocasionado por 2 jovens alcoolizados que estavam fazendo 'racha' com suas respectivas caminhonetes a 170Km/h terminando, com esta imprudência (eu diria intuito criminoso) por assassinar 2 pessoas, na nova estrada que corta a cidade. Que tragédia para tantas pessoas. O chato é que parece que são, os rapazes, de famílias de certa posse, o que nos faz imaginar que talvez nem cumpram pena pelo quase premeditado assassínio. Tem dias que a TV nos desanima! Triste viver neste brazil...

O Ivo é o jovem de camiseta branca, à frente, quase no centro da 
foto, com sua querida irmã Paula apoiada em seu ombro.
O Neirobert é o sorridente de camiseta vermelha,
todo orgulhoso com a pequena neta Talita, esta que está ao lado
da esposa (minha querida mana) Lúcia, os únicos sentados 
(meus pais estão ao lado de Lúcia).
Sérgio e Marli estão na extrema direita da foto.
Eu e Bilú na extrema esquerda (nada de política...)

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Lapso e férias, digo, 'recesso'...

Leo (maridão da Valéria, pai da Mariana) e eu,
 responsáveis pela pipoca na Festa Junina do Lar São José,
asilo aqui de São João da Boa Vista onde já fiz
trabalhos de orientação de estagiários

Nóooossa, fazia tempo que eu não escrevia aqui, sorry! Acho que ninguém sentiu muita falta; ninguém reclamou, nem fez 'manifestação'... Mas estou de férias ou, como se diz, em 'recesso', pois minha universidade não trabalha em julhos - digo recesso entre aspas, pois nem todas as atividades estão paralisadas nesta Autarquia, somente as didáticas ligadas ao ensino-aprendizagem em sala de aula.

Mas quantas coisas aconteceram ultimamente... Além de certo enfado de minha parte (será uma espécie de sintoma das mudanças de temperamento que advém com a idade??) a sucessão de coisas me deixou aturdido. A mais acachapante foi o movimento, felizmente já amainado, das tais 'manifestações'. Li montes e montes de coisas sobre ela nos diversos meios impressos de comunicação, além da massacrante onipresença em todos os canais de TV. Tive a tentação de expor aqui neste espaço meus pensamentos, mas ia seguramente como que perpetrar uma espécie de pastiche, então desisti. Na verdade, foi o momento da emergência (uma conduta bem exemplar de nossas soeiras...), da eclosão de inúmeros entendidos e 'especialistas', a conceder entrevista, postar textos e comentários em todos os meios possíveis, tentando elucidar tal fenômeno, em todos os seus matizes sociológicos, antropológicos, psicológicos, econômicos, lúdicos, religiosos etc. ... um sufoco!! Muita coisa interessante, mas também muita bobagem foi dita; foi a festa dos jornalistas e analistas de plantão. Abusando do lugar-comum, seria cômico se não fosse trágico.

Guardei diversos recortes de jornais e revistas para relembrar um tanto da atmosfera de tais fatos, no futuro (tenho este costume; existem guardados preciosos no meu porão, tudo organizado em pastas suspensas nos meus arquivos...) quando estiver aposentado. Gosto de re-meditar certos acontecimentos, principalmente depois que a poeira já baixou bem. 

Gostaria de recomendar a leitura de um dos textos mais lúcidos e elucidativos destas coisas todas, curiosamente oriunda de um poeta (que admiro), o Ferreira Gullar. Em sua coluna aos domingos no Jornal Folha de São Paulo, no caderno Ilustrada (ano 93 nro. 30.769, 30 de junho de 2013, página E-10), publicou o texto "A vez do povo desorganizado", que recomendo  a leitura. Entre no site do jornal  www.folha.uol.com.br   e pesquise o autor; verás o texto fácil-fácil...

Semana gostosa - torneiro de Sumô rolando (quinze dias de curtição garantida!), novo disco do Black Sabbath no toca-disco (crédo, ia escrever vitrola - ainda tem no dicionário, sim!) mas acho que seria demais - estou velho, mas tenho que cuidar do que escrevo...


quarta-feira, 19 de junho de 2013

John Stott

John Stott

Recebi há tempos de meu amigo Nathanael um livro deste importante teólogo inglês, falecido há pouco tempo, que recomendo - é uma verdadeira aula sobre espiritualidade cristã. O livro é o famoso “A Biblia toda, o ano todo: Meditações diárias de Gênesis a Apocalipse” editado pela Editora Ultimato em 2007 - www. ultimato.com.br, de Viçosa (MG) - eles tem livros maravilhosos lá, e editam também uma ótima revista.  A oração que transcrevo abaixo se encontra no mesmo, e é muito bonita:  incorporei em minhas preces diárias...

Deus Todo-Poderoso e eterno,
Criador e Sustentador do universo, eu te adoro.
Senhor Jesus Cristo,
Salvador e Senhor do mundo, eu te adoro.
Santo Espírito,
Santificador do povo de Deus, eu te adoro.
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.
Tal como era no princípio, é agora e será para sempre, até o final dos tempos.
Amém.

Pai Celestial, peço-te que neste dia
eu possa viver em tua presença e agradar-te mais e mais.
Senhor Jesus Cristo, peço-te que neste dia
eu possa tomar a minha cruz e te seguir.
Espírito Santo, peço-te que neste dia teu fruto possa amadurecer em minha vida  –
amor, alegria, paz, paciência, bondade, mansidão, fidelidade, generosidade e autocontrole.
Santa, bendita e gloriosa Trindade, três pessoas e um único Deus, tem misericórdia de mim.
Amém.

(Do Pentecostes à Parusia: meditação sobre a Trindade, p. 296 – Mateus 28:19).
Saiba mais acessando http://ultimato.com.br/sites/john-stott/


Eu pessoalmente acrescentei, para a minha oração matinal, somente o termo SOBERANO, na primeira estrofe, segunda linha, após o 'Sustentador' - para ser mais fiel ao calvinista que sou...

quarta-feira, 12 de junho de 2013

noite estrelada...

Foto baixada agora (via Google Images) de
http://www.arcfile.com/tosaband/wp-content/uploads/2013/01/stars.jpg

Gosto muito de caminhar, em especial à noite. Quando volto da Universidade onde ministro aulas (por volta das 23 horas) não tem quase viv'alma nas ruas (nossa São João não é grande cidade, e ainda por cima tem uma lei que veda bares ficarem abertos depois de certa hora...) e a gente experimenta uma gostosa 'solidão'. Vejo muitas coisas impossíveis de captar quando passo de carro pelo mesmo caminho. Mas de noite é mágico!! O silêncio é o que mais me cativa. Quanto mais velho fico menos suporto barulho, que coisa...

Este final de semestre está me cansando, não sei se é pelo número maior de aulas que precisei assumir. Mas acho que o que me enfastia é a dificuldade que as pessoas tem em nos aceitar como somos - sempre acabamos por aborrece-las, ao que parece. As relações interpessoais estão muito custosas e antagonizadas...; parece que as agendas são a cada vez mais individualizadas, prescindindo cada qual do outro (o que é utópico). Vejo que me encastelo em meu solipsismo, acompanhado da leitura e da reflexão, que sempre me marcaram após a juventude. 

Sempre gostei de vivenciar minha subjetividade, explorando a maravilha que é a mente. Sempre entendi que se eu fosse ser alguma coisa, precisaria polir, acepilhar meus pensamentos. Ainda persigo tal tarefa, por demais trabalhosa. Às vezes acho que não é mais valor a ser alcançado pela maioria das almas, como antigamente. Ao se fiar na TV e outras mídias, tal meta não é prioritária. Fico cada vez mais me sentindo peixe fora d'água!

Mas é só olhar um céu estrelado para acabar com esta bobajada. Cada um responde por si!


quarta-feira, 5 de junho de 2013

Feriados, frio, preguiça e final de semestre...

Foto obtida agora, via Google Images, de
http://www.webdesigncore.com/2009/12/20/25-astonishing-sun-light-photography/

(visite o site, é muito legal, tem lindas fotos e outras coisas 'bem boladas'...)

Nossa, faz tempo que não escrevo aqui; viagens (por causa de feriado de Corpus Christi), passeios, preguiça (por causa do frio), trabalhos na Universidade, revisão do Trabalho de Conclusão de Curso de Bilú, trabalho voluntário... uff, quanta coisa! Mas fui a Rio Claro (buscar e levar a Lívia), a Campinas e a Poços de Caldas (estado de Minas Gerais), que eu simplesmente adoro.  Tenho raízes mineiras dos dois lados da família, como já é sabido.

Que foto bonita acima; que coisa artística, não é mesmo? Eu aprecio muito, como uma boa música. Ajuda a gente a enfrentar as notícias ruins que aparecem toda hora nos jornais ou na TV. Às vezes dá vontade de virar uma espécie de 'ermitão' e não frequentar as redes sociais e a mídia de um modo geral - parece que o que mais chama a atenção é má notícia... Tempos chatos estes que vivemos atualmente. 'Lá vem ele com o papo de velho de novo', dirão alguns. O que me 'salva', além das boas imagens, música e amigos do coração (a esposa reside em categoria especial...) é a boa leitura. Leio muito; em geral, mais de um livro, a cada vez. Tenho agora uns 8 que estou lendo concomitantemente. Assuntos diversos, mas habitualmente Filosofia, Religião e sobre o problema do Idoso, que é o assunto de minhas investigações recentes. Psicologia, já cansei um pouco do assunto. Neste particular, Hermenêutica ainda chama minha atenção (apesar de ser mais ambientado na Filosofia...).

Logo começam os jogos da Copa das Confederações. A única vantagem que vejo neste Pão e Circo oficial é que teremos mais oportunidade para evitar não fazer muito feio (mas faremos) na Copa do Mundo de Futebol, por causa da Seleção, dos aeroportos e da infraestrutura, entre outros. Mas seremos 'fatalmente' ridicularizados, mais uma vez, perante o resto do mundo. Esperemos para ver a magnitude da coisa. No fundo os brasileiros já estão acostumados, ainda que indignados. Mas com os políticos que temos, não tem solução.

Mais um fim de semestre se aproxima e aquela torrente de avaliações, correções de prova, chororô dos alunos e 'correria' para postar notas e presenças. Começo a ficar cansado. E ainda tenho mais 12 anos de trabalho, até a aposentadoria.. Ainda bem! Mas já estou começando a planejar como vai ser depois dos 70... Planejamento é tudo. Pena que o brasileiro não tenha este costume. Será que isto contribui para sermos tão atrasados??

sábado, 25 de maio de 2013

Friozinho 'ajeitado'!!

"Cold Blues", by alexiuss,
obtido agora, via Google Images, de
http://fc06.deviantart.net/fs10/i/2006/080/3/1/Cold_Blues_by_alexiuss.jpg

Linda imagem, não? Gosto muito de boas fotos; esta aí é ótima... Lembra-me a infância, quando passávamos temporada na Fazenda Boa Esperança, na cidade de Piraçununga (este vocábulo, de origem indígena - tupi -  quer dizer 'cachaça', aguardente de cana) , de propriedade do sr. Rolf Weinberg - não sei se erro na grafia do nome; era um dos judeus patrões do meu pai - muito boa pessoa, educadíssimo - na empresa que ele trabalhava na época (anos 60, começo dos 70).

'Adoro' o frio - sinto-me bem à vontade. Nesta semana os colegas foram 'encapotados' na Universidade; eu ia só de 'uniforme' mesmo: camiseta paquistanesa preta e calça jeans (como o Steve Jobs...) - não tem nada mais confortável. Só não uso tênis todo o tempo, pois gosto de mocassim.

Nestas férias que se aproximam vou fazer umas mudanças 'logísticas' aqui em casa; sairei das catacumbas, dos porões aqui do casaréu, e ocuparei uma dependencia na parte de cima. Lá em baixo, apesar do isolamento, não temos bom alcance do serviço de celular e da web (wireless). E também Bilú vai precisar de um cantinho para colocar seus apetrechos de trabalho de Fisioterapia, agora que vai se diplomar (é sua segunda faculdade; ela é Administradora de Empresas). Acho que tudo vai se acomodar bem, pois lá na 'antiga' sala tem até instalações sanitárias do lado - esta casa tem vários cômodos pelos 2 pavimentos, e 4 banheiros (!) ; é bem mais que suficiente para nós dois.

No fundo, eu e ela gostamos de sempre estar alterando as coisas aqui em casa e 'sendo alterados' por elas... Gostamos de mudança. É um truísmo que  única coisa fixa neste mundo é que tudo se altera, e não se pode lutar contra esta determinação. Mas Ruth gosta ainda mais que eu de mudar mobília e adereços - interessante esta persistente inclinação dela. Ela é muito zelosa do lar, como eu acho que tem que ser uma esposa; infelizmente, este valor não é mais comum entre as mulheres, atualmente. Sinal dos tempos.

Fim de semana agitado este aqui - temos visita de um jovem casal aqui em casa (ela é minha colega pesquisadora na Universidade) com sua filhinha, também de nome Mariana, como minha primeira menina. No domingo, almoçamos na Igreja. Semana que vem é Semana Cultural no UNIFAE, e vou dar duas palestras, e acompanhar mais uma (desta professora, a Valéria, que vem aqui em casa hoje), todos os temas voltados à Terceira Idade, linha de pesquisa do meu Grupo de Estudos (GP-CNPq) lá onde trabalho. Já elaborei as provas de final de semestre (que 'trabalheira' isso dá...) e me preparo para as férias. Como o tempo anda 'passando' rápido - sinal que estamos velhos! Ah, e na quinta feira próxima vamos buscar Lívia para passar o feriado e fim de semana conosco. Saudades... falo com ela quase todo dia pelo celular, mas ficar junto é mais legal!

Revisando o texto, vi que coloquei muitas aspas nas palavras - será cacoete (acepção 06 do Dicionário Eletrônico Houaiss, por favor... )? Costumo ficar 'polindo' as palavras, pois elas são tão limitadas-poderosas... mas o fato é que aprendi a ama-las, com certo temor e reverência. É a grande experiência que um vivente pode ter, no plano mais elevado do saber. São como que chaves para boa existência; abarcam aquela classe de objetos que ninguém consegue nos subtrair, nos impedir de desfrutar. É a grande invenção da Humanidade - o resto são derivações, derivativos, derivatórios... gosto destes jogos de linguagem!

Já fui fazer a barba dos velhinhos; hoje tinha um lá que não gosta de tomar banho e as atendentes me 'ordenaram': "se ele não for tomar banho, não faça a barba dele!!" Eu disse "Fulano, se você não tomar banho não vou fazer sua barba"... e ele disse que ia 'me matar'...  demos muitas risadas, todos que estavam perto...  Ao final, duas mulheres atendentes, santas senhoras, com toda a paciência e boa vontade (como ocorre sempre lá no asilo Lar São Vicente de Paulo) vieram e o convenceram a se banhar (acho que ele faz certo charme, denguice, mas não posso afirmar; ele é simpatico comigo e ficamos depois dando risada da sua teimosia...). O gozado é que eu estava comentando jocosamente com o senhor sentado na cadeira na hora "puxa, faz muito tempo que duas mulheres não me convidam para ir tomar banho..." e não vi que uma das moças estava por perto e ela disse, deixando-me "sem graça":  "... Não seja por isso!!" O fato é que naquele Asilo a camaradagem é enorme, ainda que o serviço seja ininterrupto àqueles 76 idosos que lá residem. Azáfama diária... E só aumenta a demanda de lar de idosos e asilos no Brasil. A Irmã Superiora das Freiras que administram o lar, a querida Irmã Davina, disse-me que se houvesse outro asilo igual àquele a ficar pronto, num momento já estaria com todas as vagas preenchidas, tal é a fila de espera de famílias para colocar lá seus idosos. Que coisa; é o envelhecimento da população, que caminha célere... E eu no meio da turma!