terça-feira, 23 de outubro de 2012

Habacuc

HABACUC
( Obtido agora de
http://ecclesia.com.br/synaxarion/?p=3049 )

Hoje cedo no libreto devocionário aprendi uma passagem que estimo, está em Habacuque 3, 17 a 19 (Bíblia Nova Versão Internacional):

17. Mesmo não florescendo a figueira, não havendo uvas nas videiras; mesmo falhando a safra de azeitonas, não havendo produção de alimento nas lavouras, nem ovelhas no curral nem bois nos estábulos,
18. ainda assim eu exultarei no Senhor e me alegrarei no Deus da minha salvação.
19. O Senhor Soberano é a minha força; ele faz os meus pés como os do cervo; ele me habilita a andar em lugares altos. 

Mesmo que as coisas não ocorram do modo como desejamos, como vemos que seria o certo ou justo, mesmo quando as coisas saem 'erradas' - o que é trágico ao ser humano - devemos ver a situação por outro ângulo. Vejo no texto que, à época, as desgraças retratadas se ombreiam ao que poderíamos dizer hoje - 'mesmo que não tenhamos dinheiro para comprar bens, especialmente alimento, mesmo que o salário não saia, mesmo que meus bens se percam ou sejam subtraídos, mesmo que eu esteja sem saúde ...' e tantas outras coisas que nos fazem por vezes blasfemar, AINDA ASSIM a melhor conduta é jubilar, alegrar-se no Senhor, no Deus que salva ( A Bíblia do Peregrino fala nesta perícope em 'festejar' ! ). 

Duras tarefas estas, mas não podemos esperar realizá-las justo na hora que acontecem os percalços... Temos que adquirir 'musculatura' antes, para bem enfrentar a batalha quando se avizinha. Ou seja, se não fortalecermos o espírito pelo estudo e oração, como esperamos ver os fatos diversamente à nossa carnal tendência, quando surgem? A nossa mente é enganosa e ilusória, como já refletimos aqui anteriormente. O mais natural quando os obstáculos aparecem é termos auto-piedade, lamentar, clamar aos céus para que cuidem de algo que não lidamos antecipadamente...

Veja agora no versículo 19 como o profeta encerra a passagem e o livro: o Senhor SOBERANO é a nossa força, que nos capacita (a sermos eficientes, ágeis como um cervo) e o principal, nos eleva, dá as condições a que, mesmo em adversidades, habitemos e contemplemos coisas elevadas, do alto, e não as terreais, carnais, tendenciosas, viciadas, deturpadas, como predispõe nossa mente corrompida pela queda de Adão. Deus é Soberano pois tudo está na Sua mão, e não podemos com nossa pequenez intentar divisar Seus intentos a nosso respeito, ainda que saibamos que é para nosso bem, nós que (efetivamente) O tememos, em espírito e em verdade...

Habacuque
( Obtido agora de 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Habacuque )

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Mais uma do barbeador amador...

gravura obtida agora de
http://www.zazzle.com.br


Hoje cedo fui novamente ao asilo, como faço todas as sextas feiras, aparar as barbas e cabelos dos idosos. Que grata experiência, como já reportei; a turma já acostumou comigo e a coisa flui bem - a média é umas 12 barbas, tudo com máquina elétrica, que é mais prática e o resultado é razoável. Peguei bem o jeito da coisa - o segredo está em esticar bem a pele, fazendo os pelos ficar 'em pé'.

Tem idosos de todo tipo. A tez, a epiderme do rosto de alguns parece tão fina que a temo cortar, se fizer força além do necessário. Alguns homens estão bem enfraquecidos, 'pele e osso', mas gostam de ficar de barba feita. Alguns dos que estão esclerosados protestam, mas com carinho e jeito estamos acostumando todos à rotina. A gente conversa sobre futebol, coisas da vida, fico descobrindo quem é ou foi casado, quem é viúvo ou separado - as mulheres são bom assunto de conversa... Lembro de um caso (se já contei, perdoem, mas vale a pena) de um senhor bem provecto com quem eu estava a conversar que, ao passar de uma donzela calipígia,  o mesmo ficou a olhar a traseira da mesma, sim, o rabiosque (a grande paixão nacional) e eu vendo isso disse, pretendo provocá-lo:  "tio, quê isso, tudo isso é ilusão!", e ele me perguntou, atônito -"Ilusão???"  "Sim", respondi, "tudo isso é ilusão!!", querendo dizer que pode ser bonito de ver, mas por vezes nos faz sofrer etc. Então ele replicou com a maior certeza dos inocentes - "Então quero morrer iludido!!"...

Mas, falando sério, alguns idosos me fazem lembrar meu pai, pelo semblante ou pelo olhar. Difícil segurar a emoção às vezes; fico a pensar se poderei cuidar do meu velho quando ele precisar, do jeito que ele merece, tão zeloso e amoroso ele foi com todos os filhos (na verdade, o é até hoje...) Temos que demonstrar amizade e amor àqueles idosos, coisa que desmonta qualquer prevenção ou desconfiança deles. Um abraço carinhoso, falar que eles são meus amigos e que torcem (bem, nem todos...) para o meu time, que ganhou o último jogo etc. são minhas estratégias para acalmar os mais renitentes que não querem ser barbeados. Mas o pessoal da direção do Asilo faz questão que todos fiquem 'apresentáveis', pois as visitas podem pensar que estão mal cuidados e isto seria uma injustiça - todos as atendentes e as irmãs de caridade  são devotadas a todos eles e elas (são 76 idosos em média) e é fato que a gente se afeiçoa a todos, uns mais e outros menos, mas todos são queridos. 

Que Deus me conserve para servi-Lo ainda por muitos anos nesta minha pequena atividade, que faz mais bem a mim do que aos idosos. Outro dia a Superiora do Asilo, Irmã Davina, um exemplo de Serva de Deus, quis me agradecer pelo meu serviço, mas eu a lembrei que devemos agradecer mesmo é ao Pai Celestial porque todos pertencemos a Ele, e somos todos servos inúteis - fazemos somente aquilo que temos que fazer. O fato é que Deus, em sua eterna Soberania, dispõe (pessoalmente, a cada um) o curso das coisas de modo a nos fazer aprender mais e mais o verdadeiro valor das coisas e isso, principalmente, quando Lhe servimos, mirando Sua misericórdia, mercê das inúmeras bênçãos que recebemos todo dia, sem o merecermos.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Maravilha tecnológica...

foto obtida agora de
http://imagenspravoces.blogspot.com.br
(muito interessante!!)

Comprei-me um presente de aniversário: um celular mais refinado, para ter acesso a certas funcionalidades (além de falar ao telefone), como uma boa agenda de compromissos. Uso há tempos uma agenda de papel, mas confesso que minha letra é feia (problemas psicomotores na tenra idade??) e acabava ficando um horror (sem falar na tragédia que é perder a agenda!). Agora, tendo eletronicamente esta ferramenta à mão, no celular, posso registrar e recuperar agilmente a informação necessária, e sem feiume. E se perder o celular, meus dados estão salvos no meu computador principal. 

Estes celulares estão cada vez mais poderosos, como já comentei aqui. A possibilidades de conter variados aplicativos (programas específicos, de acordo com a necessidade de cada um) é enorme. E acaba virando também um terminal para trabalho (acessa-se facilmente a internet com determinados modelos) e diversão, com jogos, música, videos etc. 

Li  agora cedo no computador o jornal digital - de hoje - que assino (o Correio Popular, de Campinas) e lá consta, à página B-10 que nosso país possui já 258 milhões de linhas móveis, distribuídas por várias operadoras. Apesar do serviço de celular em geral não ser bom, é inegável nosso avanço. Eu me lembro bem quando ter uma linha telefônica fixa era um patrimônio, que se declarava no Imposto de Renda... Podia-se pedir um  terminal à provedora estatal, mas demorava anos para ser instalado, apesar de ter que pagar religiosamente o carnê. A primeira linha móvel que tive, da Telesp Celular, foi-me passada por documento lavrado em cartório! Meu aparelho era um 'tijolão', marca Motorola, e era uma caixa bonita, que se carregava numa alça, a tiracolo (existiam outros modelos menores, mas não eram potentes para funcionar como este no meu local de trabalho). 

Hoje esta ferramenta impregnou nossa vida de tal modo que arriscamos a dizer que certas criaturas 'não conseguem' mais viver sem ele... Muitos alunos ficam nas aulas digitando e consultando seus aparelhos (sem falar que volta e meia um celular toca no meio dos trabalhos), em vez de prestar atenção à aula. Muitos dos efeitos do telefone móvel na educação e em nossa sociedade como um todo ainda estão por ser mensurados.  Modernidades!

Nesta semana terminamos de corrigir o livro de memórias de um amigo, o Nathanael. Demoramos quase dois anos para registrar suas lembranças, em quase 200 paginas. Chegando mais perto do lançamento do mesmo eu conto mais detalhes. Foi um bom divertimento...

domingo, 14 de outubro de 2012

Dia do Professor!

Professor Girafales (Ator Rubén Aguirre Fontes)
Obtido agora de http://caras.uol.com.br

Amanhã é o meu dia 'profissional', mas não sei se tenho tantos motivos para comemoração. Meu trabalho não tem mais o prestígio de antes, bem, pelo menos aqui no Brasil. Veja na foto acima aquele que parece ser o professor mais famoso aqui atualmente... Quando eu era criança via a profissão com tanta deferência (lembro que eu tinha um tio professor do antigo Primário que era muito respeitado quando andávamos na rua) que eu me decidi por ela. Hoje, ser professor é motivo de piada, ainda que por vezes carinhosas, como a Escolinha do Professor Raimundo. Mas porque chegamos neste estado de coisas?

Um fator, creio, é a nossa propensão natural de esculhambar tudo. Sempre pensei que os militares levaram muito a sério a ameaça marxista aqui no nosso país. Você acha, vitoriosa a revolução comunista, que o brazuca típico, mesmo com sua 'adquirida' índole socialista (sei que generalizo um pouco, mas vejam hoje nossos petistas...), iria deixar de lado a Nossa Senhora Aparecida, o Padre Cícero ou o Carnaval? Se o brasileiro pode avacalhar algo, avacalhado será. O grau de amadorismo e irresponsabilidade que viceja aqui e acolá é espantoso. Quando a gente viaja para o exterior constatamos isto com muita clareza.

Outro fator é a complexidade desta pós-modernidade, deixando atônita e embasbacada desde a patuleia até as elites. Creio que a derrocada dos costumes contribuiu aqui, conjuntamente, um tanto para o desprestígio da educação - visto que esta parece não garantir mais a evolução do ser - mas por causa da complexão, instalou-se certo enfado - e desânimo -, pois não se consegue mais acompanhar, alcançar a velocidade das (constantes e velozes) transformações. < Algo me diz que já falei antes disso; se me repito, perdão! >

Quer ver um exemplo? Ontem estava a deambular no meu Kindle Fire (li jornal, revistas e papers, comprei livros, etc...) e parei quando achava que estava agindo como adicto... é fácil perder-se frente a infindáveis alternativas de navegação pela web. Mas dizem as notícias que, no futuro, todo e qualquer vivente terá um terminal deste tipo, oriundo da 'simbiose' entre computadores, smartfones e tablets, e tudo (vida pessoal, familiar e profissional) se dará/fará mediado por ele. Parece aterrador, em princípio, aos olhos dos mais velhos, mas para a molecada que vem vindo aí, será natural... Quem sabe se tudo isso, a avacalhação, o desânimo, o desrespeito, 'se supera' com as novas gerações!

Mas atualmente, com o desalento, decepção (principalmente com os políticos) e falta de expectativa de boa parte das pessoas, a Educação já não representa uma certeza, apenas (talvez) uma promessa, desgastada e sem perspectivas. E o principal operador da equação, o professor, fazendo parte do esquema, infelizmente. Alguns acham que a saída, dos tupiniquins aos tapuias, é o aeroporto, mas eu sou otimista (ainda).

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Coração enganador e 'Niver'...

Profeta Jeremias
ilustração obtida agora de
http://www.webquestdirect.com.au

Hoje é o aniversário de minha segunda filha, a Mariana. Esta reflexão é em sua homenagem; já a acordei de manhã cedo lá em Petrópolis para a cumprimentar – relembramos coisas de sua infância, demos algumas risadas... Lembro-me bem das emoções de sua chegada em 1983; foi muito especial, ela tinha tanto cabelo que saiu do hospital com pitucho no próprio cabelo e, com os brincos portugueses nas orelhinhas, parecia bem mocinha!

Este post complementa dois outros que fiz, remetendo a perícopes do Profeta Jeremias, um dos meus preferidos, realizados em o6 dezembro de 2011 e 22 setembro de 2012 (quod vide). Neste último, eu iniciava citando Jeremias 17, 9: O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa e sua doença é incurável. Quem é capaz de compreendê-lo?  O coração do homem engana porque é passional, tendencioso, temerário (veja quantas acepções tem este último termo, um adjetivo, no Houaiss... sim, todos se aplicam aqui), e ganhamos muito quando nos aplicamos em domá-lo! Já avancei muito neste mister, mas sou reles aprendiz ainda... Ah, e quando lemos ‘e sua doença é incurável’, vemos que só podemos administrar esta natural deficiência, nunca expurgá-la. É resultado de nossa corrupção carnal primeva, intrínseca.

Mas não fiquemos somente neste versículo 9.  A perícope completa que quero ressaltar é Jeremias 17:5-10 (uso aqui a Bíblia versão NVI – Nova Versão Internacional):

Assim diz o Senhor: "Maldito é o homem que confia nos homens, que faz da humanidade mortal a sua força, mas cujo coração se afasta do Senhor.

Ele será como um arbusto no deserto; não verá quando vier algum bem. Habitará nos lugares áridos do deserto, numa terra salgada onde não vive ninguém.

"Mas bendito é o homem cuja confiança está no Senhor, cuja confiança nele está.

Ele será como uma árvore plantada junto às águas e que estende as suas raízes para o ribeiro. Ela não temerá quando chegar o calor, porque as suas folhas estão sempre verdes; não ficará ansiosa no ano da seca nem deixará de dar fruto".

O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa e sua doença é incurável. Quem é capaz de compreendê-lo?

"Eu sou o Senhor que sonda o coração e examina a mente, para recompensar a cada um de acordo com a sua conduta, de acordo com as suas obras. "   (aspas conforme o original, inclusive quando incompleta)

Que ilusão confiar nos homens, nas pessoas que são imperfeitas e inconfiáveis, como nós o somos! Só redunda tristeza e decepção, o quanto mais nos iludimos nesta inclinação. Somos ‘malditos’ nisto, vivemos num árido deserto... mas abençoados quando confiamos no Senhor, e as promessas são acalentadoras. Ressalta-se: quando confiamos nos homens necessariamente nos afastamos de Deus. Ficamos ansiosos e temerosos, marcas do nosso tempo, em especial, mas já alertados para isto desde muito. E a razão para enganosamente confiarmos nos homens reside no coração, na mente que engana a si mesma, com suas ficções, devaneios, suas expectativas infundadas, suas ilusórias necessidades, momentâneas, carnais, sensuais, passageiras.

E a passagem se encerra com o que deveria ser o liame real de nossa vivência potencialmente endereçada ao cumprimento de nossa destinação: o fato do Senhor sondar e examinar nosso coração. Ele requer as adequadas intencionalidades, precisamente a volição orientada para Sua Lei, justa e intrinsecamente necessária ao nosso viver pleno. E a ‘recompensa’ aqui não deve ser entendida como simples mercantilagem entre senhor e  servo, mesmo como uma mercantilice espiritual – antes, trata-se da relação entre um Pai amoroso e sua prole, orientada, instada a realizar precisamente aquilo que lhe é melhor, e isto não somente para esta esfera finita, mas para toda a Vida.

(idem, ibidem)

terça-feira, 9 de outubro de 2012

O sonhar

ilustração obtida agora de
http://sonhoslucidus.blogspot.com.br

Eu queria discutir agora sonho enquanto conjunto - por vezes 'maluco' - de imagens, de pensamentos ou de certas fantasias que se apresentam à mente durante o sono, e não tanto sonho como sequência de ideias soltas e, por vezes,  incoerentes, ilusórias, às quais o espírito se entrega. Esta última concepção seria aqueles devaneios, expectativas que criamos, em geral bem mais alegres e afortunadas do que merecemos ou efetivamente lutamos por elas. Estas expectativas podem fazer parte de nossos sonhos, mas não são tão fundamentais assim para construir esta atividade natural que está incluída no dormir.

Faz tempo que penso nisso, pois não sei se por causa da idade, mas os meus sonhos tem sido cada vez mais 'amalucados" e elaborados, complexos, enredos que mereciam filme... O que vejo é que meus sonhos são muito criativos, engraçados, problemáticos e desafiadores. Tem sempre uma tarefa a realizar, percalços a sobrepujar, mas sem graves ameaças ou perigos nefastos. Não tem conteúdo que me envergonhe ou me faça menor perante mim mesmo ou os outros. Consigo ver muitas vezes, enquanto estou a sonhar, que aquilo tudo é um sonho, mas a história segue em geral como um cinema que desfruto magicamente, pois não sinto dor quando caio, não sinto sede ou fome e também não sinto cheiros ou outras sensações perceptuais mais radicais. Outro dia sonhei que realizava uma atividade que cumpri por muitos anos, com alegria: correr, exercitar por 15, 20 kilometros facilmente. Revivi a alegria e satisfação que era, apesar de averiguar que era um sonho. Hoje, por problemas de articulação de joelhos (resultado de desgaste, que fazer...) não posso correr nas ruas, somente corrida estacionária, usando aquele mini-trampolim, como disse aqui em outro post.

Os neurocientistas tem se debruçado sobre a temática e, ao que sei, esta atividade essencial de sonhar revela-se como uma construção natural do cérebro, um certo composto  emaranhado de coisas que pensamos durante o dia, também de coisas que estão guardadas na memória e também de coisas, parece, que estão ainda a acontecer (isto é bem polêmico, sei, mas que tem, tem... quem nunca teve sonhos premonitórios?). Desta constatação simples podemos inferir que o conteúdo do sonho revela em grande parte o que costumamos ficar pensando e considerando em vigília.  Se você pensa coisa boa, prática, teus sonhos refletirão isso; se costumas pensar coisas ruins, ameaçadoras, este conteúdo vai povoar teus sonhos, resultando em pesadelos e todo tipo de sonho aflitivo, aterrador. Obviamente tem aqueles sonhos que refletem abusos gastronômicos ou de substancia entorpecente (álcool, principalmente)  ou falta de ar quando se tem apneia, mas aí a explicação do conteúdo do sonho é manifesto: pesadelos 'fisiológicos'...

Não vou entrar aqui em considerações sobre origens subterrâneas destes maus sonhos, como se uma entidade ou homúnculo habitasse nossa mente ou espírito, e aproveitasse a noite para se manifestar. Este negócio de dizer que temos uma 'inacessível' vida mental inconsciente que por vezes aparece quando sonhamos é muito duvidoso, polêmico, e por mais que especulemos não chegamos a conclusão útil para, enquanto ferramenta, metodizar nosso viver (certas correntes em Religião ou Psicologia acreditam que sim...). Mas eu, pessoalmente, não creio que seja tão válido esta tecnologia toda que certos estudiosos desenvolveram: continua-se ao final e ao cabo refém de uma vida inacessível (que tem sua própria lógica...) que não formula ou revela liames fidedignos para termos certeza de estarmos no caminho certo do seu apropriado manuseio... 

Assim, creio que vigiar o que pensamos (e o modo como pensamos o mundo e o viver) é uma maneira de termos bons sonhos; do modo com que se considera a vida e o quê da vida se considera são os maiores componentes dos sonhos, de agora e doravante. Vejo que muita gente dá muita importância ao que se sonha, e se esquece da vida cons-ciente que vive e que, afinal, é o que temos (o viver, nossa particular vivência) mais à mão para exercitarmos cônscia e refletidamente a Razão, ponderando como podemos autonomamente dispor de nossas faculdades e recursos para a passo e passo evoluir, desenvolvermo-nos na realização do potencial de cada um, aperfeiçoando nossa práxis diária.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Resfriado...

foto obtida agora de
http://saude.hsw.uol.com.br/prevenir-gripe2.htm
(tem ótimas informações sobre o assunto...)

Demora comigo, mas acontece com cada um: constipei (por favor, entenda aqui a acepção 2 do Dicionário Houaiss Eletrônico, 2009; a primeira acepção, graças à Providência, nunca ocorreu comigo...). Mas a boa notícia é que fico pouco indisposto - a alimentação sadia nos protege, determinando que nosso organismo tenha um poder de regeneração bem eficaz. É só deixar passar a semana regulamentar; nem remédio tomo, no máximo aspirina de 6 em 6 horas, e olha que é bem eficiente; eita remedinho bom!

Antes de divertir aqui no blog com estes mementos (sim, posto que também escrevo a mim mesmo para futuro, como que estabelecendo marcações para averiguar a evolução do que penso e sinto) estava a enviar para meu arquivo 'virtual' (Amazon Cloud Drive) Kindle diversas matérias que vejo aqui e ali, apostilas, palestras e aulas. Estou criando um banco de dados de ideias para ser acessado de qualquer lugar, de qualquer equipamento. [Bom programa para entreter a minha velhice, assim imagino...] Incrível isto que estes americanos criaram. Que país único realmente são estes Estados Unidos; são tão grandes e diversificados que eles brigam entre eles mesmos, como se o resto do mundo não existisse (talvez resida ali uma das causas porque muita gente não gostam deles. Mas isto é injusto, tem MUITO americano bom; eles já ajudaram e ajudam a muitos povos e nações). 

Até o fim do ano a Amazon vai entrar aqui, com comércio de livros, principalmente os eletrônicos. Espero que seja algo bom; de qualquer maneira o mercado vai regular, ao fim e ao cabo, isso se as autoridades não atrapalharem muito, como costumam fazer.

Gente, que comédia de costumes o que ocorre na mais alta corte de justiça de brasólia, neste julgamento do mensalão (como o povo chama a Ação Penal 470)... Me refiro tanto ao comportamento de alguns ministros, como à falibilidade do julgamento humano, ainda que travestido (assumir aqui também acepção 2 do Houaiss, por favor...) de saber rigoroso, e ainda que metódico e assentado em doutrinas sólidas (bem, mais ou menos sólidas, posto que polêmicas)... Quanto mais assisto alguma ou outra fala (e réplica) dos egrégios ministros, mais me assusto. Que o Pai Celestial me poupe de um dia vir a sofrer nos meandros da Justiça...

Falta somente um mês para terminar as aulas; depois vem as provas semestrais e exames. E acaba o ano, sendo que este aqui foi o que mais rápido transcorreu, segundo vejo - é sinal que mais velho fico, a cada vez. Que bom, esta é a melhor fase da minha vida; nunca fui tão feliz como agora, talvez só quando meus filhos nasceram. Não, eu não fiquei feliz como do nascimento de meus filhos quando me casei (foram 3 casamentos, na igreja e no Cartório. Sim, sou a favor do casamento...). Com Bilú foi muito especial, em todos os sentidos, mas se tenho que comparar, na hora (foram 4) que meus filhos e filhas nasciam tudo era 'celestial' para mim. Mas em termos de fase de vida, em sua processualidade e globalidade, este estágio depois dos 50 anos é a melhor -  a nossa mente fica mais 'poderosa' para avaliar tudo com mais proficiência; a gente elimina muita bobagem a que o pensamento se apega! Nelson Rodrigues, se não me engano, estava certo - jovens, envelheçam!!