domingo, 28 de agosto de 2011

Minha oração (é para ser lida quando eu me for desta esfera...)

Foto obtida hoje de
http://michelleramos.wordpress.com/2011/08/14/pai-reflexo-de-deus/
(veja que blog gostoso de se ver...)


          Santo Deus, que habitas no Céu, Santo é o Teu Nome, seja para sempre louvado! 

        Te reconheço, Deus de amor, Soberano e sumamente misericordioso, perdoador e paciente com tua criação, e comigo, em particular. Te agradeço, Pai Celestial inicialmente por ter-Se revelado a mim, em toda Sua misericórdia, que sei que não mereço. Te agradeço pela Palavra que colocas profusamente à minha disposição, exemplificada em tenra idade pelo pai e mãe com quem me abençoastes, e tão bem ensinada nestes últimos dias pelos teus oráculos. Te agradeço, Pai, pela saúde e discernimento que me concedeste, pela porção de inteligência que me agraciaste, ainda que tão imperfeita e limitada, mas o suficiente para saber de modo claro o quanto És bondoso e benigno para comigo e os meus, sem que tenhamos feito e façamos nada para isso. Te agradeço pela família que me deste – meus pais e irmãos - e a família que formei, com Tua ajuda, ainda que eu não tenha sido mordomo zeloso. Te bendigo, Deus Eterno, pela esposa formosa que, qual dom inefável, me coroaste. Te agradeço com toda minha alma pelos filhos que me cingiste, qual tesouro só a mim concedido. Agradeço os meus sentidos, que tanta alegria me dão quando apreciam a Beleza de toda a Tua Criação, em especial pela música e toda a Tua Natureza; agradeço meu lar, meu trabalho, Teus bens e recursos sob minha guarda; Tua imensa paciência em me ensinar a cada momento, com uma ternura (e ouso dizer, meu Pai, muitas vezes, com divertida elegância) que é só Tua. Te agradeço pelos Grupos de Oração que eu participo, quando podemos oferecer nossas intercessões e compartilhar os tesouros do Evangelho. Te agradeço, meu Eterno Deus, pelas provações que perpasso, tão pequenas, tão preciosas, tão poucas pela minha necessidade de aprender, e tão educativas, ainda que eu seja tão imperfeito e ingrato.

          Peço-Te humildemente, Pai querido, que não olhes para a multidão de minhas imperfeições e pecados; antes, envia teu Santo Espírito para que eu nunca endureça uma grama meu imperfeito coração; que assim eu tenha mais e mais minha Fé aumentada, pois sou muito fraco e carecido de Ti, ó Pai de Amor. Ajuda-me Ó Deus onipotente, pois tenho tanta desmotivação com as dificuldades que vejo em meus relacionamentos mundanos, em especial os profissionais! Ajuda-me, Ó Pai, e nunca permita que, por minha falta, uma alma se afaste de Ti. Peço por meus filhos e netos que vivem tão longe de mim; ampare-os, e envie teu Santo Espírito aos seus corações, para que nunca se apartem de Ti, e que saibam sempre Te honrar, como mereces. Peço-Te pela minha Ruth, Tua filha dileta e tão carente de Teu amparo, Deus Eterno. Dê-me forças para eu poder sempre, dentro do Convênio de nosso matrimônio, ser merecedor desta alma que concedeste ser minha companheira nesta esfera. Peço-Te pelos meus Grupos de Oração, fortalece-os e envia Teu Santo Espírito para que Ele sempre presida lá os nossos trabalhos. Me concedas sempre poder pertencer a uma congregação que seja apascentada por um Pastor que seja realmente vocacionado no Santo Ministério, que atente para as tuas ovelhas como Tu o requeres. Usa-me, Ó Pai, na tua Obra, para que eu possa ser efetivamente sal nesta terra.

          Livra-me Ó Pai, das ilusões deste mundo enganador, e coloca em minha alma um espírito benigno, conciliador e manso. 

         É o que Te agradeço e peço, Ó Deus Eterno, e deixo isto no Sagrado nome de Nosso Senhor e Salvador, Mestre e Redentor, Jesus, o Cristo.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Eleção de Síndico e mais um niver...

Foto obtida hoje via google no endereço:
http://arnholdt.wordpress.com/wallpapers/5372_sea_wallpapers_53721024_768/
Fotógrafo: Henrique Arnholdt - Publicado originalmente em abril 7, 2008


         Que foto mais linda, grande sensibilidade! Gosto de pesquisar fotos (em especial de paisagens), e aproveito para sugerir ao pessoal sites bens construidos, que merecem ser vistos.

         Hoje estivemos em Campinas, para mais um aniversário da mommys, como diz o Luciano. Todos os filhos estavam lá; foi divertido como sempre, e com fartos pitéus. Incrivelmente (pois outros manos dão habitualmente o tom hílare dos encontros) a nota do dia foi dada por este amanuense. O que ocorreu é que a casa da Lia (foi lá o 'convescote') tem uma porta de vidro temperado que vai do escritório interno à edícula nos fundos, onde minha irmã tem sala de aula. 'Já viu', não?... imaginei que a mesma estava aberta e bati com certa intensidade minha fronte e parte do narilão (êpa!) na região mediana da referida porta, ocasionando certo ribombo que ecoou pela casa (bem, todos assim disseram ter ouvido o baque). Temi que o vidro se quebrasse mas, pelo testemunho de várias pessoas que já bateram cabeça anteriormente na mesma peça arquitônica, o adereço é "reforçado". Perguntei, óbvio, porquê até hoje ninguém tinha aposto sobre a tal superfície transparente, diáfana, uma (reles que fosse) fita colorida, de modo a advertir do perigo inocentes como eu e, assim, prevenir-nos de estatelar (no sentido físico e figurado) ante inusitada, insólita experiência... Lia e seu esposo não souberam fornecer os pertinentes motivos. O fato é que fui muito fotografado com o 'galo' na testa, prontamente diminuido com gelo, aplicado pela minha querida e devotada consorte. Parece que, ao fim e ao cabo, o pessoal curtiu minha desdita...

          [Que bom ver meus pais com saúde, bem como meus irmãos, sobrinhos e amigos. Quantas graças recebemos da Providência a todo momento! Oro sempre agradecendo, e rogando ao Pai Celeste que aumente minha Fé... Estou terminando o estudo do quarto volume das Institutas, de Calvino. 'Tem horas' que não consigo parar de percorrer as folhas, tanta a beleza da argumentação do Teólogo]

          O 'niver' foi da Firmina, mas ganhei do marido da Lia, o solícito Thomas, uma cópia de um CD com peças (quarteto de cordas) de Haydn; um sapato que Luciano comprou e não usou - um mocassim 'ajeitado' - e uma grande TV de tela plana, visto que a Lia adquiriu uma nova. Vamos dar uma das nossas aqui de presente, possivelmente para um parente da Ruth... Em nossas reuniões sempre trocamos mimos (Luciano gosta do termo) uns com os outros; meus irmãos são muito generosos, em todos os sentidos. Devemos esta qualidade aos meus pais, que sempre foram magnânimos, em tudo.

          Acabo de fazer uma prova, on-line (via web), no curso de Teologia do Mackenzie. Temos mais uma semana desta disciplina - Estudos nos escritos joaninos -  e falta somente uma matéria para terminar minha segunda pós-graduação na área da Teologia Reformada. Que farei depois?... Acho que um pós-Doutorado se impõe agora - vamos pesquisar.

          Esta semana fui eleito para um segundo mandato de Síndico do Condomínio onde moro. Desta vez temos um grupo de moradores que se comprometeram no sentido de auxiliar na administração de nossa 'vila' - são 96 apartamentos! As providências mais intrincadas já foram dirimidas na gestão anterior; desta vez temos mais chances de realizar um trabalho excelente. O curioso é que ninguém mais se candidatou; fico a pensar que se eu não me dispusesse, ficaria por um bom tempo uma certa lacuna legal, pois o pessoal foge de tal incumbência como o temba, o capeta, o mofento, o grão-tinhoso, o rabudo, da cruz... Que tempos!

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Beatitude...

Gravura obtida nesta data deste site: 
http://gainesvillecw.org/2008/02/04/the-beatitudes-part-ii-matthew-57-12/

          Hoje tive novamente aquela experiência de extrema calma, serenidade da alma, trazida à nossa mente pela recorrente contemplação das inefáveis Graças que recebemos diuturnamente da Providência. Vou ilustrar com os dois principais eventos (sempre acontece muitos...) que me ocorreram hoje.  Havia anteriormente levado uma gravura para um ateliê de quadros, para receber uma moldura. Voltei à loja depois de 2 semanas e ainda não haviam feito nada... Antigamente eu passaria certa descompostura na pessoa que havia combinado comigo a manufatura do serviço, mas optei por outra conduta (confesso que estudar a Palavra via As Institutas, de Calvino, me convenceu efetivamente da lorpice de muitos de meus atos em relação aos maus procedimentos do próximo a meu respeito...). Peguei a tela e fui buscar outro fornecedor de serviço (na verdade, dei a entender educada e calmamente ao atendente - estimo que deva ser o dono do empreendimento - que, de certo modo, o invejava por ele não estar precisando agradar sua clientela, visto que deveriam ser muitos...) entre os seus concorrentes.

          Quando contratei os serviços de outra empresa foi que vi que Deus tinha outros planos para mim (apesar da tentação de aborrecer-me com a falta de profissionalismo da casa anterior)  posto que sempre oro ao Pai Celestial para que dirija meus passos e me conduza em sua Santa Soberania, à qual me submeto (tenho sempre em mente este compromisso) inteira e  humildemente. Este novo profissional propôs realizar outro tipo de serviço, melhor, mais bonito e mais barato... Parece até coisa "sem noção", incompreensível...

          Eu estava já ali bem grato a Deus pois, nas horas anteriores, tinha presenciado o Poder de Deus em nosso (meu) favor. Eu fiquei preocupado e agoniado neste fim de semana, antevendo que deveria realizar um trabalho periódico que tenho (junto de uma pessoa mal-educada, atormentada e grosseira, creio que ótimo exemplo de parvenu, pessoa rempli de soi-même) de realizar em certa instituição  de caridade de  nossa cidade. Eu orei ao Pai Celestial que me orientasse em Sua Sabedoria, que me desse calma e paciência para atuar junto a alguém manifestamente boçal.  Sabe como é ter que trabalhar, por pouco tempo que seja, com alguém que parece lhe temer por um motivo obscuro, de um modo que a faz ficar provocando aqui e ali situações de altercação, de desinteligência, por bobagens? É minha ocasional situação. É algo penoso, mesmo para um profissional de Psicologia, acostumado a lidar com cavalgaduras. Pois não é que, hoje,  esta criatura até me cumprimentou no início da jornada, e despediu-se ao fim do trabalho de modo educado, não criando celeuma como do último evento (e veja, ainda por cima, em frente de clientes)? Eu e minha equipe 'não acreditamos' na súbita mudança de atitude comigo por parte daquela alma apoquentada, supliciada. Eu, no íntimo, sei o que ocorreu.... E sou grato ao Pai Celeste pelo livramento!

          O fato é que, em especial nestas coisas simples e aparentemente banais, que  me vejo revelado como o Pai Celeste  interfere, dirige, conduz as coisas, ensinando-me, mediante estes eventos, de modo amoroso e particular. Vejo o dedo de Deus em tudo. Maravilho-me como Ele tem paciência infinita neste 'mister'... Vejo como a oração é-nos sempre respondida por Deus. Fico a cada dia mais confiante na Fé que abracei. 

domingo, 14 de agosto de 2011

Dia dos pais...


Livia e eu, há pouco...

          Hoje fomos a Campinas, Ruth e eu, comemorar Dia dos Pais com Geraldo, Firmina e meus manos (Luciano ficou em São Paulo com a Ines-quecível; curiosamente dois dos seus filhos estavam lá também...). Semana que vem vamos voltar lá pois é o aniversário de minha mãe.

          Pensei que iria ser mais um Dia dos Pais passado 'em branco' para mim, mas vi que tinha uma ligação de Livia ontem mesmo no celular (não pude atender pois estava visitando um casal amigo - nem levei o aparelho) e hoje cedo falei com ela; disse que tem uma cartinha para mim e vai me enviar pelo correio. Marília ligou dos Estados Unidos via skype e batemos um papo. Mariana ligou de Petrópolis, Rio de Janeiro (terra do sogro dela) quando cheguei a São João da Boa Vista no fim da tarde. José Geraldo deve ligar até a noite (mas ele tem viajado muito em seu novo trabalho, por diversos estados americanos) se ele puder, mas em todo caso nos falamos outro dia - inclusive por e-mail trocamos idéias sobre a viagem que estamos planejando realizar para lá, para conhecer nova neta que vai nascer no fim do ano.

         Invejo (no bom sentido) os pais que tem a bênção de ter seus filhos junto de si. Já comentei aqui a cruz de viver apartado dos rebentos. Costumava ficar triste, mas o Pai Celestial me acudiu, esclarecendo os fatos como são. A realidade é que devemos em tudo dar graças, e Deus, em Sua Soberania, dispõe tudo em nosso proveito, mesmo que não realizemos (à hora) esta intelecção. O que aprendi é que temos que ter muito cuidado em sentir pena de nós mesmos ou nos agitar, indignar com o que se nos acontece visto que, no mais das vezes, nós mesmos nos provocamos, nos determinamos nossas provações, nossos tropeços ou embaraços. Tremo quando vejo alguém praguejando, ou até mesmo blasfemando contra a Providência...
 
          O alicerce de uma família feliz começa com uma (auto)conciência firme do pacto que um casal estabelece entre si, como o representado pela nossa tradição cristã. Eu tive o privilégio de observar isso desde cedo, pelo exemplo que meus pais deram. Ainda que todos tenhamos as dificuldades normais de nossa natureza decaída (pelo nexo de Adão) podemos, com a Graça de Deus, suplantar nossas inclinações e construir, pelo diálogo e o cultivo de virtudes, as condições para manter um Lar onde as pessoas cresçam, amadureçam e frutifiquem. Agradeço a Deus a Família com que me abençoou. Oro a Ele para que conserve por muitos anos meus pais e irmãos, com saúde e alegria. Quando a poeira do tempo se dissipar por aqui, em algum lugar teremos a memória de tão favorecida e agraciada convivência.

Família Geraldo Vieira Dutra, na casa de Rio Claro (SP),
há uns bons anos atrás (eu já fui cabeludo...)

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Reunião de Oração e saudade...

Alianças do meu casamento com Ruth

          Hoje estive na reunião de oração que frequento às segundas feiras (16 horas), um dia na casa de cada membro. Foi especial, ouvimos orações belíssimas - hoje fomos à residência da Pitty e do  seu esposo Fernando. Às quintas feiras, eu constituí um outro Grupo de Oração aqui no condomínio, que se reúne às 20 horas, no meu apartamento. Temos tido ótimas vivências, e as pessoas que tem comparecido em ambas as reuniões são muito especiais. Que Graça inestimável poder participar de um Grupo de Oração semanal!

          Orar é, além de um Mandamento, um privilégio. Como esclarece João Calvino nas Institutas (capítulo X nesta edição original de 1541, traduzida pelo Reverendo Odayr Olivetti de obra publicada em 1936 em Paris), oramos, primeiro, a fim de que o nosso coração seja inflamado de um veemente e ardente desejo de buscar, amar e honrar sempre a Deus, o que nos fará habituar-nos a ter nele o nosso refúgio em todas as necessidades... (pag. 93, III vol.) e também a fim de que sejamos habilitados a receber suas bênçãos com verdadeiro reconhecimento e ação de graças, visto que, pela oração, somos advertidos de que elas nos vem de sua mão (nota de rodapé: Salmo 45, v. 2, 6 e 7); ... a fim de que a sua providência seja confirmada e aprovada em nosso coração, na medida da nossa pequena capacidade, sendo que nós vemos que Ele não somente promete jamais abandonar-nos, mas também nos dá acesso para buscá-Lo e lhe fazer súplicas quando há necessidade (idem, ibidem).

          Quanta erudição, quanto esclarecimento! Recomendo a leitura das Institutas a todos os crentes sinceros que desejam conhecer verdadeiramente a vontade do nosso Pai Celestial. Como Calvino escrevia bem, quanta clareza e proficiência. (Minha próxima meta de leitura é  rever com minudência a Teologia Sistemática, de Louis Berkhof - tenho a 3a. ed. revisada, em português, pela Editora Cultura Cristã, 2009 - também traduzido pelo nosso querido Odayr Olivetti. Todo  crente reformado que se preze deve ler, além da Bíblia, estas 2 citadas obras...)

          Neste mundo caótico, mutante ao extremo e confuso aos olhares mais atentos, interceder, orar a Deus, em nome de Cristo, é nosso porto seguro, uma experiência que provê paz e refrigério...

 Lourdes Pereira Barroso

          Uma última palavra. Dia 12 agora completa-se mais um ano do passamento de minha querida sogra, o que nos faz todos tristes, principalmente Ruth. Lamento não ter podido 'curtir' mais esta cara senhora, tão voluntariosa (mas sem o egoísmo/egocentrismo) e ciosa dos seus. Dei muita risada com ela - adorava me deixar 'sem graça' com as coisas que dizia; eu a 'provocava' e ela sempre tinha uma 'tirada' inesperada, ficando impossível não gargalhar com suas observações... Uma figura cativante, que marcava a todos que a conheciam; era também uma espécie de Doutora Honoris Causa em Artes Culinárias... Sua casa em São Paulo vivia cheia de pessoas que a visitavam, dia e noite (dizia-se que a porta da frente 'nunca'  permanecia fechada!) Está nos braços do Senhor - sei que Ele foi o primeiro a abraçá-la, depois que ela abriu os olhos na Eternidade -  pois era uma crente fiel. O que mais me marcou (além dos acepipes inesquecíveis...): adorava cantar hinos sacros com sua bela (e portentosa) voz. Saudades!