quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Solidão

Não, não resolvi chorar as mágoas ou reclamar; na verdade sou muito abençoado! É que pretendo pesquisar este tema com os idosos do Asilo São Vicente de Paulo, aqui de São João, em minha próxima pesquisa docente do UNIFAE (programa Papec de pesquisa, vinculado à Propeq - Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa). Nos dois dias que trabalhamos lá tenho observado que muitos idosos (os que tem suas mentes conservadas, demonstrando-se lúcidos e ativos em suas atividades) sistematicamente evitam participar das atividades lúdicas e de estimulação lá realizadas. Ao inquirir os mesmos da razão de tal retraimento relatam gostar de ficar isolados, 'na deles'. Dos que participam assiduamente, boa parte apresenta déficits variados em termos motores e cognitivos, o que poderia justificar sua recusa ou má disposição em participar. Mas são os que mais aproveitam as aulas, reclamando se não ficam sabendo das atividades. É tocante presenciar como eles participam.

Alguns dos contumazes idosos que se esquivam das atividades até aparecem no refeitório principal (onde realizamos os trabalhos) depois de uma copiosa exortação que lhes perpetro, chegando por vezes às raias de lamuriento suplicar. Acho-me algo canastrão nestas performances, mas funciona. O fato é que os idosos recalcitrantes, por vezes cascavilhando para demonstrar ocupação, alegam os mais variegados motivos para eximir-se do encargo, numa brincadeira de gato e rato, pois não sei se eles acham mesmo que acredito nas suas cascatas... Mas não deixa de ser divertido. Seria cômico se não fosse trágico.